História Pokémon: Boundaries Crossed - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Blaine, Brock, Daisy, Erika, Gary Carvalho, Koga, Lt. Surge, Misty, Professor Carvalho, Sabrina (Natsume)
Tags Pokémon, Vulpix
Exibições 3
Palavras 2.032
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


PERSONAGENS
Jack
Megan
Lunick
Miguel
Pink
Gray
Mewtwo
Zubat
Geodude
Jigglypuff
Vulpix
Psyduck

Capítulo 17 - A Sombra Da Caverna De Cerulean


Os três amigos seguiam juntos pela trilha de pedra. Inclusive, já era possível avistar uma cidade ao longe.

Lunick(checando o mapa) – Acho que é a cidade de Cerulean...

Jack– Então é para lá mesmo que nos vamos! Quero minha segunda insígnia de ginásio!

Megan– E depois seguimos para a cidade de Mulberry. É lá que quero tentar minha próxima fita.

Jack– Tudo bem!

Eles se preparavam para atravessar um bela ponte, que ficava apenas a poucos palmos de um calmo rio, quando perceberam que havia uma pequena aglomeração de pessoas que embarcavam em uma lancha. A maioria deles vestia um uniforme branco.

Jack– O que está acontecendo aqui?

Faltava apenas um homem para embarcar e ao ouvir a pergunta do garoto, voltou sua atenção para ele.

Homem– Isso é um grupo de exploração. Eu sou o líder dela, o Profº Miguel.

Miguel fez uma pose heróica, deixando sua jaqueta farfalhando ao vento e logo um pokemon saiu do barco, flutuando, e parou ao lado dele, querendo se mostrar também.

PokédexMagnemite: o pokemon ímã. É capaz de flutuar no ar e costuma ser atraído por grandes cargas elétricas, alimentando-se delas para aumentar sua carga atrativa.

O patrulheiro logo se adiantou para examinar cada canto de Magnemite.

Lunick– O primeiro pokemon selvagem que vejo depois que saí de Sable. Isso é tão inspirador!

Miguel– Deixe disso moleque atrevido! Esse Magnemite pertence a mim. Ele é excencial nessa missão. A carga elétrica dele é usada para recarregar os aparelhos eletrônicos que nós cientistas levamos para nossa missão.

Megan– Será que podemos saber dessa missão?

Miguel– É uma missão de reconhecimento. Iremos explorar a Caverna de Cerulean!

O cientista apontou ao longo do rio para o local onde formava-se um profundo lado. Bem no centro dele, estava uma pequena porção de terra onde reinava apenas uma grande caverna.

Jack– Será que não podemos ir com vocês?

Miguel– Lamento mais somente... bem... para falar a verdade... precisamos de treinadores experientes para nos acompanhar nessa aventura. Estariam interessados?

Megan– Nós não somos nada exp...

Jack(tapando a boca da amiga) – Adoraríamos fazer parte da equipe! Você deu sorte de encontrar treinadores tão experientes como nós.

Megan e Lunick– O QUÊ?

Miguel– Excelente. Bem vindos a bordo.

Os três foram conduzidos para dentro do barco, ocupado apenas por cientistas e vários equipamentos digitais avançados. Jack sentiu um puxão pelo cangote e recuou até a parede onde Megan e Lunick o cercaram, lançando um olhar furioso.

Megan– Que idéia foi essa?

Lunick– Treinadores experientes? Eu acabei de começar uma jornada.

Jack– Relaxa gente. Está tudo sobre controle. Eu só não queria perder a chance de fazer parte de uma aventura como essa. Só isso!

Ele se desvencilhou dos amigos e seguiu atrás de Miguel, que examinava em seu computador estranhas fotos de alguns vultos borrados.

Jack– Que fotos estranhas...

Miguel– São fotos de um pokemon raro que acreditados estar na Caverna de Cerulean. É por causa dele que organizei está expedição. Espero poder encontra-lo e estuda-lo. E se por acaso ele for violento, estarei mais tranqüilo sabendo que treinadores experientes como vocês estarão aqui para nos proteger.

Jack ficou pálido e novamente sentiu o puxão nervoso dos amigos.

Megan(cochichando) – Ouviu isso? Ele quer que nós o protejamos de uma criatura hostil.

Lunick(cochichando) – Se sairmos vivos dessa, eu te mato!

A viagem foi tranqüila e rápida. Em cinco minutos eles já haviam chegado à pequena ilha. Alem de Jack, Lunick e Megan, apenas Miguel e mais uns três cientistas seguiram para dentro da caverna, levando consigo apenas um ponto eletrônico – pelo qual eles poderiam receber informações do pessoal no barco – e um computador portátil que poderiam usar para coletar e analisar os dados do pokémon misterioso.

Miguel– Mal vejo a hora de encontra-lo.

Jack(tremendo de medo) – E-eu t-também.

=====================================================

Em algum lugar da mesma caverna, num corredor de pedra bastante escuro, Pink e Gray vagavam a passos lentos e silenciosos.

Gray– Isso não faz sentido.

Pink– O que?

Gray– Estamos aqui para encontrar o tal pokemon misterioso certo? Que foi visto e fotografado por habitantes de Cerulean.

Pink– Sei disso. E daí?

Gray– Se nós queremos atrai-lo, não devíamos nos preocupar em fazer silencio. Devíamos fazer barulho e assim, quando o pokemon ouvisse, iria aparecer para ver o que está acontecendo.

Pink– Que idéia excelente. Que bom que eu tive ela.

Gray– Mas o que...?

Pink– VaiZubat! Rápido, use Geodude também!

O parceiro obedeceu, liberando seupokemonmesmo frustrado por ter tido sua idéia roubada.

Pink– Hora de fazer barulho!

A mulher retirou de sabe-se lá onde alguns equipamentos como um radio com amplificador e dois microfones. Entregando um para o amigos, os dois começaram a falar e sua voz foi aumentada pelo amplificador, ecoando pela caverna toda.

Pink– Um turbilhão de maldade vindo do passado!

Gray– Como um Ataque Confusão os deixaremos derrotados!

Pink– No céu...

Gray– E na terra...

Pink e Gray– Em todo lugar!

Pink– Na velocidade da luz, destruindo a justiça!

Gray– Acabando com os bonzinhos sem ter preguiça!

Pink– Veja as manchetes de todos os jornais!

Gray– A nossa Equipe Lunar é sempre demais!

Pink– PINK!

Gray– GRAY!

Pink– Com a gente os perdedores não tem vez!

Gray– A Equipe Lunar somos nós...

Pink e Gray– ...e não vocês!

Psyduck– Psy aye aye...

Algumas pedras chegaram a se deslocar. Um pouco distante dali, o grupo de pesquisa liderado por Miguel atravessava um labirinto de pedra quando ouvir as vozes. O chão tremeu com o som alto e uma estalactite se soltou e quase os atingiu, tendo eles que saltar de lado para não serem atingidos.

Lunick– Essa foi por pouco.

Jack– É impressão minha ou esse foi o lema da Equipe Lunar?

Megan– Só pode ser! Ele não perdem uma chance de aprontar.

Miguel– Equipe Lunar? Não são esses a famosa organização criminosa que vem atuando em Kanto à algum tempo?

Jack– Creio que sim.

Miguel– Será que eles também estão atrás do pokemon misterioso?

Os três garotos troaram olhares significativos. A resposta para essa pergunta era realmente obvia.

Voltando para os corredores da caverna...

Pink– Acho que ainda não foi o suficiente.

Gray– Deixe os pokemons tentarem!

Pink– Já sei! Vou deixar os pokemons tentarem!

Novamente Gray fez uma careta por ter sua idéia roubada. Ele assistiu à parceira colocar um microfone próximo à boca de Zubat, que disparou seu mais poderoso Supersônico. O som, aumentado pelo amplificador, ecoou por toda a caverna, obrigando o grupo de pesquisa a cobrir os ouvidos para que seus tímpanos não estourassem. Os pontos eletrônicos que traziam na orelha caíram no chão, pifados graças à alta freqüência sonora. De repente, o grito parou e todos puderam se recompor.

Miguel– Isso tem que parar.

Lunick– Esses bandidos devem estar tentando chamar a atenção do pokemon misterioso.

Megan– E CONSEGUIRAM! OLHEM!

A garota apontou para o alto e, de fato, havia umpokemonflutuando sobre as capazes de todos, com um olhar cruel.

Miguel– Meu Deus... essa é a sombra da Caverna de Cerulean.

Pokémon– Sou mais que uma sombra, humano! Eu sou o ser mais poderoso que já pisou nesse planeta.

Todos– ELE FALA?

PokedexNenhumainformação disponível.

Jack– Como assim? Essa pokédex nunca me deixou na mão...

Pokémon– Era de se esperar que os humanos me conhecessem, afinal, foram vocês que me criaram.

Lunick– Como?

Pokémon– Eu sou Mewtwo. Um pokemon criado em laboratório. Fui criado por humanos através do DNA de Mew.

Megan– Mas o que é Mew?

Miguel– É um pokémon lendário. Um dos mais antigos que já se ouviu falar.

Lunick– Quer dizer que esse pokémon... Mewtwo... foi mesmo criado por pessoas?

Miguel– Já tinha ouvido boatos como esses a anos mas nunca tive a chance de comprovar.

Mewtwo– Tenho vivido nessa caverna desde que adquiri conciencia. Costumo ficar aqui para evitar os humanos e meditar sobre o meu objetivo na vida.

Jack– Objetivo?

Mewtwo– Mas é claro. Pensa que só porque os humanos se acham superiores, só eles tem o direito de traçar objetivos. Sei que cada um de vocês aqui tem uma meta. E tudo o que eu queria era ficar em paz nessa caverna e encontrar a minha. Mas a presença de humanos aqui já é um risco. Minha segurança está ameaçada. Vocês devem ser exterminados.

Jack– NÃO!

Voz– Espere!

Todos se voltaram para uma parte mais alta da caverna. Pink e Gray podiam ser avistados na entrada de um túnel logo acima deles.

Pink– Não precisa temer os humanos, Sr. Mewtwo. Nós podemos ajuda-lo!

Mewtwo– Vocês querem... me ajudar?

Gray– Junte-se à Equipe Lunar e faça parte dos nossos objetivos!

Megan– Eles são completamente insanos!

Mewtwo– MALDITOS HUMANOS! Tudo o que fazem é pra obrigar os pokemons a se rebaixar e servi-los. Mas eu jamais me juntaria à sua organização mesquinha. E vocês dois serão os primeiros que irei destruir, para que aprender a ter respeito com que realmente é superior.

O pokemon apontou apenas um dedo para os lunáticos e eles foram envolvidos por uma aura psíquica. Os dois flutuaram até ficar cara a cara com Mewtwo.

Pink– Não tenho controle sobre meu corpo.

Gray– Nem eu...

Miguel– Ele deve estar usando Confusão!

Jack– Temos que fazer alguma coisa. Sei que eles são os vilões mas isso é cruel demais.

Mewtwo– CRUEL? Cruel, você diz? E o que os humanos fazem aos pokemons, mantendo-os como escravos de suas vontades? E o que fizeram a mim? Sou um mero clone sem qualquer objetivo. O que eu sou? Por que e por quem fui criado?

Jack– Pokémons e humanos podem ser amigos! Os pokemons lutam por nós porque somos amigos!

Mewtwo– Acha mesmo que posso confiar em vocês?

Por um momento, os olhos de Jack e Mewtwo se tocaram e parecia mesmo que o pokemon ia soltar os lunáticos, mas eis que Pink deu uma piscadela para o parceiro, quem entendeu o sinal imediatamente.

Pink– ZUBAT!

Gray– GEODUDE!

Pink e Gray– ATACAR!!!

Zubat apareceu voando de dentro do túnel carregando Geodude nas costas. O pokemon de pedra saltou e atingiu o teto com um poderoso soco, fazendo com varias pedras deslizassem e atingissem Mewtwo com força, jogando-o no chão e soterrando-o. Livres do domínio psíquico, Pink e Gray aterrissaram no chão ao lado de seus pokemons.

Miguel– O que estão fazendo?

Gray– Apenas o nosso trabalho. Fique longe.

Com um grito de fúria, Mewtwo emergiu novamente, arremessando as pedras longe com seus ataques psíquicos.

Mewtwo– É ESSA A FAMOSA CONFIANÇA QUE OS HUMANOS INSPIRAM AOS POKÉMONS!

Miguel– Você não deve julgar toda a raça humana baseado no comportamento errado desses dois!

Mewtwo– CALE-SE!!!

A fúria do pokemon explodiu em uma onda psíquica que lançou todos ao chão.

Pink– Zubat, Supersonico!

Gray– Geodude, Arremesso de Rocha!

Os ataques foram direcionados para Mewtwo, pois não chegaram a atingi-lo. OJigglypuffque Megan lançou de ultima hora usou sua habilidade para inflar e serviu de escudo contra os ataques. Jack também mandara seuVulpixpara a batalha, sendo que este lançou seu Brasa contra os bandidos e seus pokemons, que foram arremessados para o alto com a explosão.

Pink e Gray– EQUIPE LUNAR DECOLANDO EM DIREÇÃO...

Obviamente que os bandidos não foram em direção à lua pois acabaram batendo contra o teto da caverna e despencando brutalmente contra o chão.

Mewtwo– Eu... agradeço a vocês... Jigglypuff e Vulpix!

Os pokemons sorriram e fizeram um gesto indicando seus treinadores Megan e Jack.

Mewtwo– E agradeço também a vocês humanos (os garotos sorriram), apesar que todo o trabalho duro foi realizado por seus pokemons.

Miguel– Acho que jamais irá mudar de opinião sobre nós.

Mewtwo– Talvez. Por enquanto, eu só quero encontrar um novo lar, onde sua espécie inferior não possa me incomodar.

O pokemon saiu voando para fora da caverna. O grupo de pesquisa também deixou o local, retornando para o barco que os deixaria novamente na ponte que levava à Cerulean.

Miguel– Obrigado, garotos, por tudo. Realmente nós teríamos nos dado mal se não tivéssemos treinadores experientes como vocês ao nosso lado.

Jack– Aff, imagine...

O garoto se calou ao ver o olhar severo de Megan e Lunick e decidiu que estava na hora de dizer a verdade.

Jack– Bom... sobre essa história de experientes.. He! He!... Eu menti!

Miguel e cientistas– VOCÊ O QUÊ!!?l


Notas Finais


NO PRÓXIMO CAPÍTULO - O PRIMEIRO RIVAL A GENTE NUNCA ESQUECE
Em visita à um Loja de Bicicletas, Jack acaba se metendo em confusão com a policia e conhecendo Austin, oficialmente o seu primeiro rival na região de Kanto.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...