História Pokémon Brasil: Em busca do Pokémon Lendário - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Bulbassaur, Charmander, Eevee, Gyarados, Personagens Originais, Squirtle
Tags Pokémon
Visualizações 6
Palavras 669
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - Último Dia em Sergipe.


Caramba, a coisa tá séria.


-Rafael, mamãe disse... Ela... - Eu estava gaguejando de nervoso - algo está errado.

-Vamos andando pra casa e você vai explicando.

Eu expliquei tudo direitinho, então chegamos em casa, nosso tia estava saindo para trabalhar.

-Finalmente! Já são 4 horas; o almoço está na geladeira. Estou indo!

-Tchau! - falamos juntos.

Fomos em direção a cozinha, onde Rafael esquentou a comida pra gente, depois de comer, a gente foi para o quarto; Rafael tentou ligar para a mamãe, e depois de não ter conseguido foi assistir alguma coisa, Lucas "fez o mesmo", eu falei com Ana, que deu um ótimo palpite, para eu pesquisar sobre o pokémon  lendário, já que eles ficam escondidos, obviamente não estão na cidade,  então a partir de agora irei passar pelas áreas menos populadas. A noite chegou e eu não parava de pensar no que a mamãe disse. Depois do jantar, que nosso tio (que chegou do trabalho junto com a nossa tia) fez, ele nos informou que a névoa parecia estar indo para a Bahia (isso é bom, quando formos pra lá, podemos continuar nossa pesquisa sobre a névoa. A mamãe ligou, desta vez para Rafael, que passou o telefone para mim.

-Luiza, conseguimos pegar aquele cara, mas descobrimos que na verdade não era a equipe pokémon que estava ajudando-o, ainda não sabemos quem era realmente. Deixe eu falar com Rafael agora, tchau.

Depois dela desligar, Rafael veio até mim.

-Luiza, se você achar o pokémon lendário, o que irá fazer?

-Conversar com ele. Depois tirar uma foto ou gravar um vídeo dele.

Rafael riu do que eu falei.

-Luiza, você acha mesmo, que tu vai ter tempo pra isso, o máximo que você vai conseguir é um vulto dele, você acha difícil conseguir a evolução da Magikarp? Achar o pokémon lendário vai ser mais difícil ainda. Mas você pode tentar.

-Eu sei. Mas a frustração de pensar que ele pode estar aqui e eu não ve-lo é muito grande, por isso quero acha-lo. - Tá, não é só isso, é legal, é como brincar de esconde-esconde - Mas eu posso aumentar minhas chances de acha-lo, se eu tiver ajuda...

-Mas quem você acha que vai te ajudar? Fora eu, claro; eu comecei a gostar mais de pokémon depois disso e eu quero te ajudar.

-Ah, eu me viro.. - Não consigo pensar em ninguém que possa estar disposto a me ajudar - Obrigada por me apoiar. - Rafael deu um sorriso e eu soube que podia contar com ele.

Fomos dormir. Quando eu acordei fui cuidar de minhas necessidades, eu saí andando pelas ruas na cidade aleatoriamente. Será mesmo que essa névoa é por conta do pokémon lendário? Se for, ainda não vejo motivo pra isso; primeiro o Maranhão, depois a Amazônia, agora aqui. Qual será o próximo lugar? Ele deve estar a procura de algo, mas se tivesse procurando, ao ver que não achou, logicamente você iria sair pra outro lugar procurar, mas ele continua aqui, só se ele estiver seguindo alguém. Eu acabei chegando na rua de casa, eu decidi que era hora de ficar em casa mesmo. Rafael chegou até mim e falou:

-Eu andei pesquisando sobre a Bahia, e vi que lá é um ótimo lugar para achar pokémon de diversos tipos. Eu vi um pokémon que só encontramos na Bahia e Minas Gerais. Ah, eu comprei as passagens, vamos ir de avião.


-Já?


-Os livros chegam amanhã de manhã, então iremos chegar lá, no final da tarde.

-Gente... - Lucas começou a falar - Farei de tudo pra ir também. Quero mostrar que eu possa fazer algo útil, eu quero ajuda-la com o pokémon lendário.

-Lucas, confesso que eu fiquei feliz, mas você já sabe o que seus pais vão dizer. 


Eu aceito toda ajuda, a dele ia ser ótimo, mas não posso ir contra a sua mãe. Mas acho que fiz tudo que precisava fazer aqui (na verdade, aqui só foi uma parada para acalmar as coisas), a biblioteca daqui é bem completa e tem todo tipo de assunto para se ler, por isso decidir comprar os livros que vi lá.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...