História Pokémon Tales - Scars of an Avenger - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Cynthia, Looker, Luxray, Personagens Originais
Tags Justiceiro, Pokémon, Romance, Sinnoh, Vingador
Visualizações 41
Palavras 2.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Harem, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


FALA GALERAAAAA!
Tudo beleza?

Como prometido, mais um capítulo semanal aqui para vocês. As postagens serão sim, todo domingo, provavelmente nesse horário da noite. Era para esse ter saído mais cedo, mas, eu fiquei fora o dia todo e só cheguei agora pouco, por isso, desculpe o horário u.u

Mas enfim, sem mais enrolações, fiquem com o capítulo. Boa leitura e vejo vocês lá embaixo xD

Capítulo 4 - O envelope


 [...]

A noite cai no Mt. Coronet. Os Pokémons típicos do local caminhavam até seus habitats com comidas nos braços, preparados para passar a noite bem. O tempo de mais cedo havia mudado completamente, tendo agora um clima mais frio, com pequenos flocos de neve caindo do céu.

O local onde a batalha aconteceu já estava totalmente vazio, porém, deixou rastros para trás de buracos, estragos em árvores e uma pequena trilha seguindo morro a baixo. E no fim dessa trilha, caído no chão nevado, estava o jovem treinador Takahiro, desacordado, porém, aparentando está vivo.

Takahiro estava completamente acabado, seus braços estavam com vários ralados espalhados, tendo um maior e mais grave em seu cotovelo esquerdo, em sua perna direita, sua calça havia rasgado até metade de sua canela, tendo ali uma boa quantidade de arranhões tapados pelo sangue seco que acumulou durante as horas, em seu rosto havia pouco estrago, tendo apenas um arranhão leve em sua bochecha esquerda e um pequeno ralado na lateral de seu nariz.

Seu rosto pálido mostrava um semblante de dor, uma pequena reação acontece em sua sobrancelha que se mexe, mostrando sinais de que o garoto estava despertando. Seus olhos são apertados fortemente e na sequência se abrem lentamente, mostrando ao Takahiro, a visão para o céu escurecido.

O garoto de cabelos Scarlet continua a encara vidradamente o céu por alguns segundos, até que um vento gelado acerta seu rosto, fazendo com que ele batesse o queixo em reação e recuperasse sua consciência.

– Mas o que...? – Takahiro não consegue completar, pois sente uma enorme pressão em sua cabeça, juntamente com o vento frio atacando seu machucado e uma enorme dor em seu abdômen e sua costela – Urg! – Resmungou levando seu braço direto até sua barriga e fazendo dele como um cinto, tapando uma parte da barriga com o braço – Eu não devia... Está morto? – Murmurou a indagação virando a cabeça para o lado onde se surpreendeu com o que via.

A três metros de ti, tinha três objetos, sendo dois deles, dois importantes para o Takahiro, e um deles, sendo essencial para a sua sobrevivência ali. Os objetos eram seu grande casaco de frio marrom, totalmente abarrotado e sujo, uma Duskball e um envelope.

–... Duskball...? – O único foco de Takahiro ali era a esfera verde com preto, já que, apenas um Pokémon de Takahiro “morava” naquela Pokéball – Zoro... Ark! – O queixo de Takahiro batia freneticamente, os pequenos flocos de neves que caiam haviam se intensificado, fazendo o frio aumentar no local e a temperatura cair ainda mais – Eu irei morrer se continuar aqui... – Pensou, já que, não conseguia mais falar de tanto que tremia.

Takahiro roda ficando de peito no chão, em seguida, ele dobra os dois joelhos e com a ajuda do braço esquerdo – já que o direito continuava em sua barriga – ele leva seu corpo a encontro aos joelhos e ficando com a coluna ereta. Logo após a ação, ele levanta seu joelho esquerdo, fixando seu pé no chão e jogando seu corpo levemente para frente, coloca seu braço esquerdo no chão, pegando impulso para se levantar finalmente.

– Se levantar... Nunca foi... Tão... Difícil! – Murmurou, ofegante, se apoiando em uma árvore ali próxima de ti. Ok... Vamos lá-

Ao tentar andar, uma forte dor atinge o tornozelo do garoto que cai no chão novamente, soltando um grito agonizante.

– Me-meu tornozelo! – Gaguejou angustiado, segurando seu tornozelo direito, a mesma perna onde estava o machucado, ao olhar para frente, viu que havia caído um pouco mais perto de seu casaco. – Eu vou morrer aqui... – Pressentiu, fechando seus olhos novamente e abriu seus braços deitado de costa no chão, entretanto, ao esticar seus braços, o Pokétch do treinador alcançou aproximação suficiente para obter informações da Dusk Ball ali em cima do casaco, avisando Takahiro, com um apito – O que? – Takahiro volta seu braço direito para cima de seus olhos, vendo o que apitava – Ahn, você ainda está funcionando? – Indagou-se, entretanto, a pergunta sumiu pelo ar gélido do local. Takahiro apertou um dos botões do aparelho, fazendo com que seu Zoroark apareça pixelizado na pequena telinha do relógio, ao lado da imagem aparece alguns números e os sinais vitais do Pokémon e na ultima linha, aparece uma frase que faz Takahiro arregalar os olhos – Estado... Grave? – Leu em voz alta, incrédulo.

Takahiro trinca os dentes, seu peito enche de coragem novamente, e o sentimento de desistência some completamente, o ruivo se senta na neve, e ignorando a dor localizada em seu tornozelo, ele levanta e cai para o lado, sendo impedido de jogar ao chão por conta de uma árvore.

– Ninguém mais vai morrer por minha causa... – Murmurou olhando em volta a procurar de algo para ajudar-lo a andar, felizmente, quase todo tapado pela neve, Takahiro localiza a ponta de um cabo de madeira, e com certa dificuldade, ele manca até o cabo o retirando da neve – Isso irá servir por hora... – Pensou usando o cabo de madeira como uma bengala. Takahiro então, caminha com mais facilidade na direção da Dusk Ball, ao chegar lá, ele rapidamente pega a Pokéball minimizando ela e guardando em seu cinto – Relaxe amigão, eu irei te salvar! – disse para a Dusk Ball, antes de guardá-la. Em seguida ele pega seu casaco com tudo, o colocando o mais rápido possível e fechando-o até o pescoço, e por conta do tecido que se encostou a seu machucado no cotovelo, Takahiro geme baixo – Merda... – Murmurou, logo em seguida, ele pega o envelope que haviam deixado ali em cima de seu casaco.

 Takahiro o abre em silencio, ao abrir, viu que tinha três papeis dobrados, um do lado do outro.

 – O que é isso agora? – Pegou o papel da esquerda, o que equivale como o primeiro papel, depois disso ele fecha o envelope, o guardando no bolso de trás. Após guardar o envelope, Takahiro abre o papel e ao ver do que se tratava, seus olhos se arregalaram ao máximo – Instruções para chegar ao Pokémon Center de Snowpoint City! – Leu em voz alta, seus olhos brilham ao ler aquela simples frase, enquanto em seu rosto um sorriso se desenhava em seus lábios – Eu estou salvo! – Murmurou ele, fechando os olhos e contendo a emoção.

Seguindo totalmente as instruções da folha, Takahiro se encontrava agora em um tipo de bosque na montanha. O local era totalmente cercado por arvores, sendo bom, pois por conta disso, os flocos de neve não acertavam a cabeça do garoto. Entretanto, a neve no chão era tensa, fazendo com que ele pisasse e seu pé afunda-se ali, dificultando ainda mais a caminhada do ruivo que tinha seu tornozelo torcido.

A lua já estava em seu ponto mais alto, enquanto no Pokétch de Takahiro marcava 21h30min. O ruivo para por alguns segundos, ofegante, e volta a abrir o mapa, lendo a próxima instrução.

– “Ao chegar ao bosque congelado, nome dado ao bosque da montanha, procure por uma espécie de rampa no meio das árvores no seu lado esquerdo, essa rampa estará no meio do bosque, fique atento”! – Leu a instrução dobrando o papel e guardando em seu bolso novamente – Ok... Eu estou no meio do bosque... – Comentou procurando a rampa, até que, entre duas arvores, havia uma estrada lisa de neve inclinada, bem similar a uma rampa – Bingo! – Comemorou socando a própria mão.

Takahiro voltou à caminha até chegar à estrada inclinada e sem hesitar, ele começou a subi-la. Minutos se passaram e finalmente Takahiro chega ao topo da rampa, e sem pensar duas vezes, pega a folha de instruções.

– “Ao chegar ao final da rampa, ainda de costa para ela, caminhe para o lado direito, após andar por alguns minutos, você irá conseguir ver Snowpoint City de cima”. – Leu enquanto caminhava pela direção indicada.

O local onde caminhava era totalmente apertado, do lado direito estava às folhas das arvores do bosque congelado, mostrando o qual alto Takahiro estava. Em seu lado esquerdo estava o resto da montanha para ser escalada, tendo lá varias pedras enterradas e algumas árvores avulsas.

10 minutos se passam e finalmente as folhas das arvores do bosque somem mostrando um cenário branco e montanhoso, tendo em baixo dela uma pequena cidade de neve. Takahiro sorri ao ver Snowpoint City de cima.

– Finalmente! – Ele retira do seu bolso o papel e desdobra-o – “Ao ver a cidade, continue a caminhar pelo pequeno caminho...” – Takahiro começa a caminhar enquanto lia – “Porém, cuidado com-“

Em um piscar de olhos, Takahiro escorrega em um pequeno deslize que tinha ali ao chão, e por conseqüência, Takahiro começa a rolar montanha a baixo podendo apenas gritar seu poderoso:

– AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHH!

Até que, enquanto rolava, acaba tendo sua cabeça fortemente acertada por um tronco podre que estava no caminho, perdendo a consciência em seguida.

...

Estava tudo escuro, a única coisa que ele conseguia sentir era sensações, seu corpo doía, sua cabeça, seu tornozelo, seu cotovelo, seu abdômen, sua costela, tudo. Ele se sentia imóvel, preso, cansado, dependente. Estava fraco, com seu ego e corpo ferido, queria desistir, queria ter paz novamente, passou por coisas horríveis e traumatizantes, entretanto, aprendeu novas lições, e essas lições não o deixaria desistir, ele irá lutar mesmo caindo sempre, ele iria lutar por eles, do mesmo jeito que eles lutaram por ele.

– Uhhhhh! – Estufando o peito e com os olhos arregalados, bufou, despertando novamente de seu sono.

Diferente da ultima vez, Takahiro estava em um quarto de hospital, o local era bem simples, havia uma cama ao centro, onde o ruivo estava deitado, ao lado esquerdo da cama, na parede, havia um aquecedor e ao lado uma poltrona grande. Ao lado direito da cama havia uma mesinha, onde nela tinha uma bandeja com o Pokétch de Takahiro e o envelope dele e um abajur. No canto direito do quarto, por fim, havia um grande guarda-roupa de madeira com apenas duas portas grandes, e ao seu lado a porta para o banheiro. E a frente da cama, a porta para sair do quarto.  

Takahiro pisca várias vezes, recuperando seu sentido, o quarto estava escuro, tendo a iluminação apenas da luz da lua que entrava pela fina cortina. O ruivo se senta na cama, encarando o vazio, ao se sentar, sua coberta cai para seu quadril, revelando o ruivo sem camisa, tendo seu abdômen enfaixado, igualmente estava sua cabeça, com a testa enfaixada, mostrando que ele havia se machucado ao bater contra o tronco podre. O garoto concentra seu olhar na porta e uma chuva de flashes invade sua mente, o fazendo se relembrar dos acontecimentos anteriores, antes dele apagar.   

Entendi... – Pensou ele, já imaginando o que havia acontecido – Eu devo ter caído aqui quando escorrei da montanha, ai alguém me achou e cuidou de mim aqui... – Takahiro desvia seu olhar para a bandeja – Se alguém me trouxe minhas coisas, significa que mexeu nos meus bolsos, então provavelmente achou a Pokéball da Zoroark, espero que ela esteja bem... – Ele pega seu Pokétch, colocando no braço novamente e ligando-o, ao levantar o braço, percebeu que de seu cotovelo até o ombro estavam enfaixado – Eu to parecendo uma múmia assim... – Pensou, com uma gota, logo seu relógio ligou mostrando ser quatro para as cinco. – Está “cedo”, mas, não to com sono para voltar a dormir... Não com tudo isso acontecendo... – Ele voltou novamente seu olhar para a bandeja, pegando ali, o único objeto que restava, o envelope.Vamos ver o que mais temos aqui... – Abriu novamente o envelope, pegando agora, o segundo papel e desdobrando – Uma carta? – Estranhou, porém, se pôs a ler:

De: Katsu

Para: Takahiro

Caso você esteja lendo isso, parabéns, você sobreviveu a uma queda na neve de mais de três metros, porém, não escrevi isso para te parabenizar, pois eu sei que você sobreviveria.

Infelizmente, você errou na decisão naquela hora que eu mandei o Luxray lançar o Thunderbolt.

– Decisão? – Indagou alto dessa vez, porém logo se lembrou.

“– Sinta a eletricidade, Taka, você só terá mais duas escolhas agora... – Ao ouvir essa ultima parte, seu olhar voltou para o de Katsu – Basta escolher a certa... Lux... Thunderbolt! – Ordenou ele, fechando os olhos em seguida.”

– Tsc...! – Não eram memórias boas, entretanto, voltou a ler a carta.

Porém, eu havia tido que havia apenas duas escolhas, pois é... Sacrifício não estava na escolha de alternativas.

Você criou uma terceira escolha, a sua escolha para o seu destino, por mais estúpido e suicida que ela fosse, porém, esse ato burro fez com que seus Pokémons fizessem uma escolha também, que foi, te proteger, de um jeito diferente do seu jeito de proteção.

Eles, por conta própria, atacam em conjunto, em idéia de intercepta o Thunderbolt, deu certo, porém, você ficou no meio dos dois ataques, mas um Pokémon surpresa te salvou o jogando para o lado, mas, por conta da explosão ocorrida fez com que você caísse daquela parte da montanha até a floresta, enquanto seus Pokémons desmaiaram por causa da explosão que atingiu todos, inclusive o Luxray e eu. E em especial, atingiu sua Zoroark, que tomou metade do ataque sozinha, e essa metade, era o Thunderbolt, ficando assim, muito ferida, mas sem risco de morte, não se preocupe.

Bom, o resto você deve imaginar né? Após escrever isso, eu levei seu casaco, esse envelope e a Dusk Ball com a Zoroark até onde você estava, e se você está lendo isso, creio que já esteja em uma cama de hospital, totalmente enfaixado, porque, cara, você estava horrível.

E enfim, depois disso tudo, eu acredito que esteja pronto para o que está por vim, você passou por dificuldades, sozinho, e venceu-as, mas tem uma ultima batalha e dificuldade que você terá que passar.

Eu estou com seus Pokémons aqui, todos, exceto a Zoroark, óbvio, grande parte já estará curada, então, se você os quiser novamente, siga o mapa que eu deixei no envelope e me encontre no ponto final dele. Você terá até as seis da manhã para chegar aqui, após o horário bater, eu irei simplesmente liberá-los e garanto que você não irá conseguir encontrá-los.

Estou lhe esperando aqui, pegue outro Pokémon para substituir a Zoroark e venha.  Boa sorte, Taka!

Takahiro aperta o papel em sua mão, seu olhar passa de relance para o Pokétch vendo que já era 05h10min.

Cinquenta minutos! – Ignorando as dores em seu corpo, Takahiro se levanta, reparando que conseguia finalmente andar direito e que seu tornozelo estava também enfaixado. O ruivo anda até o guarda-roupa, abrindo e vendo que havia uma muda de roupa ali.

A roupa consistia em uma camisa de manga vermelha, um casaco de moletom preto, uma calça de moletom preta e as botas que Takahiro usava antes de chegar ao local. Ao pegar a roupa, viu que em baixo havia também uma touca branca e um cachecol vermelho. Rapidamente pegou os acessórios e em uma velocidade incrível – para quem estava ferido –, pegou o ultimo papel do envelope e saiu do quarto cautelosamente.

Ao chegar à recepção, Takahiro foi em direção do computador onde se transferia os Pokémons, o local estava totalmente vazio, onde até mesmo a enfermeira Joy, chefe do local, dormia. Ao ligar, ele foi à pasta de Pokémons, onde havia apenas um ali para ser escolhido.

– Parece que lutaremos juntos novamente... – Disse enquanto abria um meio sorriso, ao clicar, uma Premier Ball é ejetada de um dos tubos ao lado do computador, Takahiro rapidamente o pega e minimiza a esfera, a guardando em seu cinto. E com o mapa em mãos, Takahiro corre para fora do Pokémon Center, voltando para o local onde teve tanta dificuldade de sair.  


Notas Finais


E aí, gostaram?

Bom, bom, bom. O próximo capítulo ainda não será o fechamento do arco, ele será o penúltimo, porque eu irei dividi-lo em duas partes, então, esse arco irá ser finalizado no capítulo seis!

E é apenas isso que eu tinha para avisa-los, espero que tenham gostados, e espero vocês nos comentários e/ou no próximo!
Flws! xD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...