História Pontos de Autoridade - Capítulo 11


Escrita por: ~

Exibições 9
Palavras 4.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Survival, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 11 - Voo 1.0.5


Fanfic / Fanfiction Pontos de Autoridade - Capítulo 11 - Voo 1.0.5

PONTOS DE AUTORIDADE

        CAPÍTULO 11

        VOO 1.0.5

 

        AEROPORTO INTERNACIONAL – 11:10 A.M.

 

            Um furgão parou na parte de trás do aeroporto. Dentro dele haviam vários equipamentos de vigilância e investigação. As portas traseiras se abriram e de lá desceram Nolan, Zoey, Lara, Terrence e Martinez, todos usando roupas neutras, como o cinza. Terrence era o único de terno. Toshiro permaneceu dentro do veículo.

 

            Nolan: Vocês estão prontos? – Perguntou com receio, olhando para o aeroporto. Todos confirmaram com a cabeça. – Então vamos lá…

            Toshiro: Galera, vocês lembram bem de suas posições, não é mesmo? Não podemos deixar as coisas desandarem. Vou explicar melhor o que vocês têm que fazer.

            Martinez: A vontade, parceiro…

            Toshiro: Bom, vocês irão para as posições marcadas nos mapas digitais de seus celulares. Estando lá, vocês irão esperar pela chegada do sócio da Black Scorpion. – Começou a mexer em seu notebook, acessando os arquivos de informação. – Roman Carpinski. Ele está no voo 1.0.5; suas vestimentas são um terno preto, óculos escuros e um relógio prata. Ele está carregando uma maleta. É essa maleta que estamos querendo, ok? – As imagens do homem foram aparecendo no computador do T2. – Tails, as coisas começarão com você. Primeiramente, você irá “colidir” com o homem. Assim que as coisas dele caírem, ajude-o a pegá-las. Na hora em que você for tocar na maleta, aplique um pequeno rastreador nela, depois se despeça. Caso ele pergunte seu nome, diga Sierra Lynch. Quando ele for pesquisar por você, ele irá ser redirecionado para uma série de sites falsos explicando quem é você, ok?

            Lara: Nossa, quanto preparo! Pode deixar comigo. – Disse confiante.

            Toshiro: A próxima parte será sua, Purple. Você irá seguir Roman pelo rastreador. Depois que seguir, você irá dar um jeito de desviar ele para a ala 16, onde uma de nossas agentes estará fingindo ser a administradora de bagagens.

            Zoey: Entendido…

            Toshiro: Ok, agora iremos para a parte de vocês, Kira e Eagle-1. Quando Romana chegar naquela ala, quero que criem uma distração, troquem e desviem a maleta dele. Agora a última parte. Mind, você irá dar um jeito de entrar no depósito de bagagens e pegar e trocar as maletas. Assim ele receberá uma falsa. Quando ele for entregar para a Black Scorpion, eles ter]ao uma grande surpresinha… – Deu uma risada leve. – Bom, agora mãos à obra! – Exclamou.

            Nolan: Bom, então vamos para nossos postos… – Todos concordaram com a cabeça e partiram para onde deveriam estar.

 

            Lara se posicionou no terminal de passageiros onde Roman iria sair. Ela se sentou por ali e parto e começou a mexer no celular, disfarçando suas intenções. Zoey ficou um pouco distante do terminal, apenas esperando o homem aparecer. Ao olhar para o celular, ela só conseguia ver Lara parada, esperando também. Nolan e Martinez foram até aquela ala especial. Eles se sentaram nas poltronas que haviam por ali. Ambos em lados opostos, atentos um ao outro e ao seu redor. Terrence foi caminhando até a entrada do depósito de bagagens, onde haviam dois guardas esperando.

 

            Toshiro: Todos posicionados? O avião já está chegando na pista de pouso… – Disse olhando pela câmera de seu drone, que ficava por cima do avião. – Mind, assim que você conseguir entrar no bagageiro, irei hackear as câmeras. Assim você não será descoberto.

            Terrence: Vou tentar ser rápido. O problema são as várias maletas que irão cair por lá… – Todos estavam se comunicando por microfones minúsculos.

            Nolan: Não se preocupe, Mind. Eu vou pôr uma identificação nela.

            Toshiro: Muito esperto, Kira.

            Lara: Galera, acho que temos um problema… – Olhou para os passageiros desembarcando do avião. – Esse é um avião para homens de negócios. Todos estão com ternos e maletas…

            Toshiro: Merda! – Começou a procurar por informações. Fique tranquilizada, Tails. Membros importantes da Black Scorpion usam anéis com o símbolo de um escorpião. Se você ver um deles usando isso, esse vai ser o cara que estamos procurando, entendeu? – Questionou enquanto olhava os dados que havia adquirido com o tempo.

            Lara: Entendi, T2. O outro problema é que estão todos saindo amontoados, é capaz de ele passar despercebido! – Exclamou preocupada.

            Zoey: Que merda! Parece que eles já sabiam do nosso plano!

            Martinez: Não se esqueçam do que ele disse lá no Green Canary. Boss disse que estaria sempre um passo à nossa frente. Sei que é capaz de ele não saber dos nossos planos, mas já estar se prevenindo de algo…

            Nolan: O Eagle está certo. Lara… quer dizer… Tails, mantenha a calma e os olhos atentos. Não deve ser tão difícil encontrar esse arrombado… – Ao dizer a última palavra, duas velhinhas que ouviram o rapaz dizer aquilo, o olharam estranho e se levantaram sussurrando coisas.

            Velha: Que rapaz estranho! Ele está falando sozinho! Vamos embora daqui, Carmen! – Começou a puxar a amiga.

            Carmen: Nilce, ele deve estar falando no celular! São essas coisas de tecnologia! – Exclamou.

            Nilce: Isso é coisa do diabo! Essa capetologia só veio para estragar nosso mundo!

            Carmen: Seja mais paciente! – Olhou bem para o rapaz, que as olhou de rabo de olho. – Ele me é familiar? Será que já vi ele na televisão? – Se soltou da amiga e foi falar com Nolan. – Me desculpe, meu jovem. Mas eu te conheço de algum lugar? Você é famoso? Sinto que já te vi na televisão. Você fez alguma novela? – Perguntou curiosa.

            Nolan: Puta merda… – Pensou.

            Toshiro: Mantenha a calma, Kira! Diga que seu nome é David Graham, e que você atuou na novela “Caminhos da esperança”. – Disse desesperado, tentando dar uma solução para o parceiro.

            Nolan: Que merda… – Pensou. – Ah! Sim… meu nome é David Graham, e eu atuei na novela “Caminhos da esperança”… – Abriu um sorriso amarelo.

            Carmen: Caminhos da esperança? Não existe uma novela com esse nome… – Nolan encarou Martinez, que logo entendeu a situação e o desespero do parceiro. O latino então se levantou e passou por Nilce, que estava mexendo em sua bolsa, desconfortável com alguma coisa. O homem pegou algo do bolso e esbarrou na velha, deixando algo cair dentro da bolsa.

            Martinez: Ah, me desculpe, senhora! Eu não estava prestando atenção no caminho! – Saiu rapidamente, indo em direção a um dos guardas do aeroporto.

            Nilce: Esses jovens retardados! Cegos por suas capetologias!

            Martinez: Guarda! – Abordou um homem grande e negro.

            Guarda: O que deseja? – Questionou.

            Martinez: Sabe aquela senhora lá? – Apontou para a velha. – Acho que ela tem uma arma! Eu vi ela segurando um projétil! – Exclamou.

            Guarda: Irei averiguar… – Foi até a velha. – Com licença, senhoras, mas eu poderia dar uma olhada nas suas bolsas? – As senhoras tentaram convencer o homem a não fazer aquilo, mas de nada adiantou. Assim que o guarda checou as bolsas, encontrou dois revólveres ilegais. – Mas que merda é essa? – Encarou as senhoras, que começaram a gaguejar. Martinez e Nolan se olharam confusos. – Vocês vêm comigo, agora! – Algemou as velhas e as levou.

            Nolan: Como você pôs duas armas nas bolsas delas?? – Questionou confuso.

            Martinez: Eu botei um projétil, não armas. Eu nem trouxe armas! – Exclamou. – Acho que elas estavam definitivamente planejando algum atentado… – Sorriu levemente. – Quem vê cara, não vê coração…

            Nolan: Pois é… – Respirou fundo. – Obrigado pela ajuda… – O latino voltou para sua posição.

            Lara: Galera, eu vi ele!! Vou começar agora!! – Esperou um pouco para não ficar na cara a perseguição e se levantou, indo em direção do homem. – Preciso dar um jeito de colidir com ele… talvez se eu… – Do nada, um aviso é dado no aeroporto.

            --Voo 1.2.8 estará partindo em 2 minutos.

            Lara: É isso!! – Começou a correr. – ESPERA!! ESPERA!! EU NÃO POSSO PERDER ESSE VOO!! – Durante a corrida, ela colidiu com o homem. Os dois foram com tudo para o chão.

            Roman: Merda… – Pôs as duas mãos no chão para se levantar. Lara olhou para a mão dele e viu o anel com um escorpião desenhado.

            Lara: Ai! Me desculpa… – Começou a pegar as coisas do homem, inclusive a maleta. – Toma! Desculpa meu desastre, é que estou atrasada para meu voo! – Entregou as coisas e voltou a correr. A loira foi até o corredor onde Zoey estava e se escondeu por lá. – Sua vez, Purple…

            Zoey: Pode deixar comigo… – Começou a andar. Ela parou na frente da ala onde o homem iria entrar. Quando as pessoas iam passar por lá, ela tirava uma identidade falsa e dizia que trabalhava ali. Assim ela mandava as pessoas para outros setores. Roman se aproximou da ala, confuso.

            Roman: O que está acontecendo por aqui? – Questionou confuso com o que estava acontecendo.

            Zoey: Esta ala está com alguns problemas na energia, então estaremos enviando o senhor para outro local. O que o senhor necessita aqui? – Questionou.

            Roman: Meu transporte chegará no estacionamento dessa ala! – Exclamou.

            Zoey: Então a questão é transporte? Deixa eu ver? – Deu uma olhada no celular e mandou uma mensagem para Toshiro, mandando ele trocar as rotas. – Bom, vá para a ala 57, seu transporte irá chegar por lá. – Apontou em direção daquele lugar.

            Roman: Que merda, será que nada pode dar certo hoje?? – Questionou e saiu.

            Zoey: Kira, Eagle, é com vocês agora! – Exclamou.

           

            Roman foi até a ala e pôs sua maleta em cima do balcão, completamente irritado. A falsa atendente estava um pouco ocupada atendendo outras pessoas. Martinez e Nolan se levantaram e caminharam até o sócio da Black Scorpion. O latino pensou rápido e começou a gritar com aquele agente, que ficou mais confuso ainda, pois o homem estava falando em espanhol.

 

            Martinez: Hijo de Puta!! Cabrón, não te ensinaram a não furar fila?? – Berrou bem alto.

            Roman: Mas o que?? Que merda de dia… – Segurou a ponte do nariz com os dedos. – Furar fila?? – Se virou para Martinez. – Olha aqui, você nem estava aqui para início de conversa!! – Berrou bem alto.

            Martinez: Eu estava cansado de esperar e me sentei por perto!! Você não tem esse direito de furar a merda da fila! – Enquanto a discussão rolava, Nolan chegou pelo outro lado e trocou as maletas, as desviando para o depósito. Ele pôs um adesivo de águia na maleta de Roman, assim Terrence poderia identificá-la. Nolan saiu rapidamente, sem ser percebido. – Quer saber? Que se dane! Eu não preciso disso! – Saiu do local, indo ao encontro de Nolan. – Conseguiu?

            Nolan: Consegui, agora só depende do Terrence… – Os dois saíram do local.

            Roman: Que merda!! Onde está minha maleta?? – Perguntou berrando, chamando a atenção da falsa atendente.

            Caitlin: Deve ter ido para o depósito, irei verificar… – Começou a mexer no computador e mostrou imagem para o homem. – É essa? – Questionou.

            Roman: É! – Respondeu com ignorância e impaciência.

            Caitlin: Mandarei alguém trazê-la para você! – Sorriu falsamente.

            Roman: Hum… – Saiu e se sentou por ali mesmo. – Estarei no aguardo… – Respirou fundo, tentando recuperar a paciência.

            Terrence: Ok… é minha vez… – Foi em direção do depósito. Estranhamente lá não haviam mais guardas na entrada, então ele apenas entrou.

            Toshiro: Mind, eu já hackeei as câmeras. Agora é só agir!! – Exclamou. Terrence foi andando pelo local, procurando o local onde as malas seriam jogadas. Do nada, ele acaba se deparando com os dois guardas de antes.

            Guarda: HEY!! Que merda é essa?? Esse é um local restrito!! – Exclamou.

            Terrence: Hum… – Não pensou muito e nocauteou os dois guardas sem dificuldades. – Que merda! Mas eu não tinha outra escolha…

            Toshiro: Não se preocupe com isso, apenas dê foco na missão!! – Exclamou.

            Terrence: Ok… – Foi até o local e procurou pela mala marcada. Quando a achou, a pegou rapidamente e saiu do local como se nada tivesse acontecido. – Estou com a mala… – Informou.

            Toshiro: Ótimo!! Isso foi muito fácil! – Comemorou. – Todos voltem para o veículo, vamos ver a surpresinha preparada para a Black Scorpion… – Começou a rir. Todos voltaram para o furgão. – Vamos olhar… – Começaram a olhar pelas câmeras.

            Caitlin: Senhor? Aqui está sua maleta! – Entregou para Roman.

            Roman: Finalmente, eu já estava ficando atrasado! – Exclamou irritado. – Merda! – Disse olhando para o relógio. – Eu JÁ ESTOU atrasado!! – Começou a correr até a saída, onde haviam dois homens vestidos como ele, usando até o mesmo anel. Um deles era Carlile, um membro da elite da Black Scorpion.

            ???: Roman? Você está atrasado… – Disse muito sério.

            Roman: Me desculpe, mas ocorreram alguns imprevistos… – Respirou fundo.

            Carlile: Nos entregue logo a maleta… – Esticou o braço, pedindo o objeto.

            Roman: Tome… – Entregou a maleta e deu as costas, indo embora.

            ???: Espere aqui! Aonde pensa que vai? – Questionou.

            Roman: Minha parte já está feita! – Exclamou.

            Carlile: Você fica aí, Carpinski. – Olhou para o objeto. – Vamos verificar o conteúdo dela… – Abriu o objeto, mas encontrou algo com um cronometro. – Mas o que?? É UMA BOMBA!! O QUE VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FAZENDO??

 

            Carlile jogou a maleta em cima do homem e pulou para trás. Uma enorme explosão aconteceu, matando Roman e o outro agente, além de outras pessoas que estavam ao redor. Algumas saíram apenas feridas. O agente sobrevivente se levantou vendo aquele caos. Havia sangue jorrado por toda parte e vários pedaços de corpos. Ele então pegou seu radinho e ligou para o Boss.

           

            Carlile: Boss, aconteceu o que você previu… – Disse com raiva.

            Boss: Estarei tomando previsões agora mesmo… hehe… – Deligou o rádio.

            Nolan: Que merda foi essa, Toshiro?? Inocentes morreram ali!! – Berrou indignado.

            Toshiro: Isso faz parte da missão. Não tenho culpa de eles terem aberto a maleta por ali. A intenção era que fosse aberta pelo próprio Boss! – Exclamou.

            Terrence: Mesmo assim!! Foi uma conduta idiota!!  O que você pensou que estava fazendo?? – Questionou.

            Toshiro: Não importa mais… – Respirou fundo. – Martinez, nos leve embora daqui…           

            Martinez: Que merda… – Ligou o veículo e foi embora do aeroporto.

 

            ------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            ESTRADA ROD THOMPSON – 15:42

 

            Hal estava se escondendo de carros que estavam o perseguindo. Por alguma razão, aquela estrada havia sido abandonada a muito tempo. Por alguma razão os membros da Black Scorpion estavam brincando de caça ao rato com o rapaz, que já estava fugindo por 3 dias seguidos, tendo que ter breves cochilos para poder recuperar o fôlego.

            O rapaz estava completamente exausto e sujo. Enquanto corria pelo matagal que cercava a estrada, ele parou por um breve momento para poder respirar um pouco. Ele caiu sentado no chão, com a respiração pesada. Do nada, uma gota d’água caiu em sua mão. Quando o mesmo olhou para cima, uma intensa chuva se iniciou, deixando o rapaz rapidamente encharcado. Pelo menos aquilo iria limpar a sujeira que estava em seu corpo.

            Antes que pudesse pensar muito, o ruivo ouviu o som dos carros se aproximando. Ele então se levantou rapidamente e correu para trás de uma árvore e ficou olhando para rua, onde os carros estavam passando. Eram cerca de 5 carros, mas apenas um parou naquele local, deixando o rapaz confuso.

            Alguns homens desceram do carro, inclusive Levy, um dos membros elite da Black Scorpion, que fingiu trabalhar no FBI. Ele olhou em volta, apoiando a mão direita em seu coldre, pronto para pegar a arma. Haviam três homens com ele naquele momento. Os quatro se separaram e começaram a procurar pelo rapaz.

            Hal rapidamente se levantou e tentou correr, mas sua fadiga atacou com força extrema naquele momento. Ele acabou ficando tonto e caiu com tudo no chão, assim balançando alguns arbustos. Aquilo acabou chamando a atenção de um dos homens, que resolveu ir lá averiguar o que estava acontecendo.

            O homem então adentrou o matagal, procurando por algo suspeito. Enquanto ainda estava no chão, Hal ouviu o som dos passos daquela pessoa. O ruivo arregalou os olhos e começou a se levantar. Quando o homem chegou no local onde ouviu o barulho, não havia nada por lá. Isso o fez acreditar que devia ter sido apenas um rato ou outro animal de pequeno porte, já que os arbustos eram baixos. Uma pessoa não faria barulho ao passar por ali.

            Tranquilizado, o agente da Black Scorpion pôs a arma novamente no coldre. No momento em que se virou, acabou se deparando com o ruivo portando um pedregulho. Antes que pudesse reagir de qualquer forma, foi acertado com tudo na cara, destruindo se maxilar. O homem caiu desnorteado no chão, com a boca totalmente destruída. Hal subiu em cima dele e começou a golpeá-lo diversas vezes com a pedra, esmagando sua cabeça até parecer carne moída.

            Aproveitando aquela situação, ele pegou a arma e os equipamentos do agente e resolveu dar o fora daquele lugar. Quando estava saindo do local, acabou se deparando com outro agente. Em um pensamento rápido, ele puxou a pistola e deu um disparo, acertando a cabeça do homem à queima roupa. Isso chamou a atenção de todos os outros homens que estavam parados por ali.

            Ainda exausto, agora também desesperado, Hal correu e se jogou atrás de um carro, assim não sendo baleado por nenhum dos disparos. O ruivo se levantou, ainda tonto e começou a atirar, porém não estava conseguindo acertar os disparos graças a fadiga. Porém um dos tiros acertou a barriga de um dos agentes, o fazendo cair no chão.

            Hal tentou se levantar para fugir, mas acabou sendo baleado no canto esquerdo das costas. Ele foi de encontro com o chão, acertando sua testa nele. O ruivo desmaiou por alguns segundos, porém pareciam anos. Quando abriu os olhos, mesmo vendo tudo embaçado, só conseguia ver os homens se aproximando com suas armas e que estava deitado no próprio sangue. O rapaz tentou passar as mãos no rosto para poder melhorar sua visão, porém acabou sujando sua face de sangue, piorando a situação.

            Levy apareceu e o agarrou pela camisa, assim começou a arrastá-lo pela rua, deixando uma trajetória de sangue. O ruivo mal conseguia se contorcer para tentar se soltar, então apenas foi carregado para algum lugar. O membro de elite o jogou no chão e o virou. O gordo subiu em cima de ruivo e começou a socá-lo com a mão em que usava o anel especial da Black Scorpion. Hal estava completamente acabado.

 

            Levy: Não se preocupe, ruivinho! – Disse enquanto socava. – Eu não vou te matar! Não posso nem te matar ainda… – Hal estava com o rosto completamente ferido e mal conseguia reagir. – Eu só vou te machucar bastante… – Parou de socar, cuspiu no rosto do rapaz e puxou sua arma. – Espero que goste de sentir dor… – Pôs a arma na barriga do rapaz e disparou.

            Hal: AAAHHHH!! – Berrou enquanto sangue saía de sua boca. Ele tentou socar o rosto de Levy, mas não tinha nem um pouco de força para isso. Sua mão só passou pela careca do gordo, o sujando de sangue.

            Levy: Hehehe… legal ver você sentir isso… – Pôs a arma no braço esquerdo do rapaz e disparou, o fazendo berrar mais ainda. – O melhor de tudo, é o fato de que você não pode reagir! – Começou a rir. – Vamos lá… onde eu atiro agora? – Foi passando o cano da arma pelo corpo do rapaz. – Já sei… – Pôs a arma no canto no olhou do ruivo. – Vamos arrancar esse olhinho ae… – Destravou a arma.

            Hal: Não… – Cerrou fortemente os punhos. Em uma explosão de adrenalina, o ruivo conseguiu acertar um soco tão forte na cara de Levy, que automaticamente o tirou de cima dele. O gordo caiu tonto para o lado. O rapaz tentou recuperar e fôlego e começou a se levantar. Assim que estava completamente de pé, puxou a arma e apontou para o careca. Os outros homens apontaram as armas para o ruivo.

            Levy: NÃO!! NÃO ATIREM!! – Berrou dando as ordens. – Essa peste é minha!! – Aproveitando que Hal ainda não estava bem, ele se virou e acertou um chute na mão armada do rapaz, o fazendo derrubar a pistola. Levy rapidamente se levantou, segurou o braço de Hal, enfiou o dedo no buraco de bala da barriga dele e o jogou contra o carro que estava por ali. Hal acertou sua cabeça com tudo na traseira, assim ficando mais tonto ainda. – Quer saber? Vamos matar essa peste!! Vamos dizer ao Boss que foi inevitável… – Acertou um chute no ruivo e depois o agarrou pelos cabelos e ficou acertando sua cabeça na traseira do veículo, que era uma Pick-up. Do nada, o som de um carro se aproximando surgiu. – Parece que eles finalmente estão voltando! – Disse enquanto violentava Hal.

            Agente: Senhor, não é isso!! – Do nada tomou um tiro. O carro tinha uma .50, que estava sendo usada por Ralph.

            Ralph: Morram, bando de FDP!! – O carro blindado parou e Ralph permaneceu atirando, matando todos os homens. Levy tentou correr, mas acabou sendo atingido no braço direito. O disparo destruiu aquela região do braço do gordo, que caiu no matagal.

            Michael: RÁPIDO, PEGUEM ELE!! – Michael e Wade desceram do veículo e pegaram Hal, que estava completamente acabado.

            Hal: Quem são vocês? – Disse quase desmaiando.

            Wade: Somos a ajuda, meu rapaz… – Botaram o ruivo dentro de veículo. – Anda, Burrows! Temos que matar os outros também! – Disse do lado de fora do veículo.

            Michael: Wade e eu vamos tentar atacar daqui de fora! Vocês irão nos cobrir, entendido?? – Perguntou com a adrenalina lá em cima.

            Burrows: Pode deixar! – Deu a partida e saiu com o veículo blindado.

            Wade: Ok, espertão, como vamos lidar com eles? Prefiro estar dentro do veículo blindado… – Reclamou. – Você nem nunca matou antes!

            Michael: Tudo tem a primeira vez… – Puxou uma M16 que estava em suas costas e começou a correr pelo matagal. De longe, os dois conseguiam ouvir Ralph destruindo todos com o carro blindado. Conseguiam ouvir o rapaz gritando também.

            Ralph: Me engulam, filhos da puta!! TATATATATATATATATATATATATA! – Ficou imitando o som da .50.

            Wade: Ele é retardado, mas sempre gostei do garoto… – Riu brevemente.

            Michael: Alguns deles estão bem ali na frente! – Exclamou. – Vamos!!

 

            Os dois começaram a atirar e matar os agentes. Alguns se esconderam atrás de seus carros, mas Wade pulou na estrada e foi atrás deles. Ele encontrou um e o nocauteou acertando sua cabeça contra a traseira do carro. Michael também foi para e estrada, procurando por aquele que estava escondido. Quando percebeu, viu que o mesmo estava debaixo do carro. Ele então foi puxado.

 

            Wade: Não mate esses dois!! – Berrou. Tenho uma ideia melhor! – Disse animado.

            Michael: Sério? – Perguntou confuso. – Já sei, vamos levá-los como prisioneiros e extrair informações deles, não é?

            Wade: Que? NÃO! Está louco? Isso é coisa de filme! Vou mostrar o que vamos fazer. Wade amarrou os dois e botou um deles dentro do porta malas do carro. O outro ele pôs com o rosto colado no pneu traseiro. Um pouco à frente do carro, ele pôs uma mina sensorial.

            Michael: O que você vai fazer? – Questionou confuso.

            Wade: Só fique olhando… – Entrou dentro do carro. – Hora do show… hehe… – Começou a dar ré, até que travou o carro e só deixou o pneu girando na cara do agente da Black Scorpion, destruindo sua cabeça lentamente, até que o carro deu um tranco e a explodiu de vez. Com o tranco, o veículo começou a andar sozinho, porém rapidamente. Wade se jogou de carro e começou a rir. O veículo passou em cima da mina e explodiu. O corpo carbonizado do criminoso caiu em pedaços por ali mesmo. – KABOOM!! HAHAHAHAHAHA!!

            Michael: … – Ao se dar conta do que havia feito, começou a vomitar.

            Wade: O que foi garoto? Hehehe… – O carro blindando chegou no local.

            Burrows: Já limpamos tudo! Vamos embora! – Ambos entraram no carro e foram embora. Debaixo da estrada, Levy estava se levantando, sem o braço direito.

 

            ------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            ESTRADA OLDMAN OLSEN – 16:22

 

            Os transportes de Nolan e Michael se encontraram e resolveram seguir caminho juntos. Após cerca de 20 minutos de percurso, um disparo atravessou o carro blindado e destruiu o volante, fazendo Burrows perder o controle, bater no veículo de Martinez e os dois capotarem. Do nada, alguns carros da Black Scorpion chegaram. Boss e Carlile desceram de um deles. Michel, o atirador contratado por Boss, saiu do meio do matagal e andou até ficar lado a lado com Carlile e Boss. O mesmo estava usando um capacete militar que escondia seu rosto.

 

            Boss: Que lindo disparo!! – Começou a bater palmas lentas, admirado com o feito do mercenário.

            Carlile: É um rifle realmente muito poderoso. Destruiu facilmente a blindagem… – Disse de braços cruzados.

            Michel: Muito obrigado. – Disse com um certo grau de timidez. – Ele foi feito para destruir qualquer coisa, inclusive qualquer blindagem…

            Boss: É hora de pegar o que viemos buscar… – Riu brevemente. – Carlile, me faça o favor de ir lá buscar…

            Carlile: Claro, meu senhor… – Foi até os destroços do carro de Martinez. Todos estavam semiconscientes. Terrence estava com a maleta de Roman nos braços. – Isso pertence a nós… – Pegou a maleta e a abriu, vendo que o chip estava realmente lá.

            Terrence: Não… – Tentou esticar o braço para pegar a maleta, porém não conseguiu e desmaiou.

            Boss: Vocês dificultaram mesmo as coisas dessa vez. Sabe, eu tenho todos aqui, poderia matar todos… mas não… Beh! Seria chato… – Deu as costas e voltou para o carro. – Vamos embora, já terminamos por aqui… – Os membros da Black Scorpion voltaram para os carros e foram embora.

            Toshiro: X… – Disse pelo rádio, quase desmaiando. – Ajuda… – Desmaiou. Horas depois, X chegou com ajuda e levou todos.

 

            -------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            BASE DO X – 19:55

 

            Lara: Não acredito que perdemos a merda do chip! – Disse com raiva. Ela e vários outros membros da equipe estavam completamente enfaixados. Martinez, Burrows e Hal estavam em recuperação ainda, quase em coma.

            Zoey: Eles realmente falavam a verdade quando disseram que estavam sempre um passo à nossa frente… – Socou a mesa do local. – Droga…

            Ralph: Pelo menos não nos mataram…

            Wade: Eles preferem ficar brincando com a gente! – Disse indignado.

            Michael: Nolan… – Foi até o irmão, que estava muito machucado. – Me desculpa, cara. Mano, depois de tudo o que aconteceu, você ainda se enfiou nessa merda toda para me ajudar! Por que?? – Questionou confuso.

            Nolan: Porque… – Virou o rosto e começou a pensar em tudo o que Zoey disse dias atrás. Sobre ele e o irmão, sobre suas famílias. Mas Nolan simplesmente ignorou tudo e respirou fundo. – Porque você é meu irmão… – Ambos sorriram. Do nada, Terrence entrou na sala.

            Terrence: Galera, me desculpe por perder a maleta…

            Lara: Não se preocupe, foi um golpe que nem passou em nossas cabeças que pudesse acontecer…

            Terrence: Bom, ao menos nas suas cabeças… – Sorriu de maneira estranha, deixando todos confusos.

            Wade: Terrence, o que você está aprontando? – O advogado detetive começou a rir.

            Terrence: Aiai… – Pôs a mão no bolso e tirou algo. Era o próprio chip E, que eles acreditavam ter sido roubado.

            Zoey: Puta que pariu, Terrence, o que significa isso?? – Questionou confusa.

            Terrence: Eles disseram que sempre estariam 1 passo a nossa frente. Então estaremos 2 passos à frente de nós mesmos! Antes de irmos para a missão, falsifiquei o chip para caso isso acontecesse. Troquei os chips quando pude, e agora ele está com um falso! – Todos começaram a rir e comemorar.

            Nolan: porra, Terrence! Você é o cara mais inteligente do mundo!

            Terrence: Bom, estou com a mente cansada por agora. Creio que todos também, então depois veremos o conteúdo disso. – Guardou o chip.

            Ralph: Bom… e o que, que tem dentro do chip falso? – Terrence sorriu maliciosamente.

 

            -------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            CENTRO DE PESQUISAS DA BLACK SCORPION - ???

 

            Haviam vários cientistas e pesquisadores nessa sala. Um deles pôs o chip E no computador para poder ver seu conteúdo. Quando aberto, ele viu que só havia um vídeo misterioso dentro dele. Ao apertar o play, era uma música muito usadas para enganar pessoas na internet. Era a música “Never gonna give you up” do Rick Astley.

            O pesquisador ficou confuso ao ver o vídeo, até que do nada, vários códigos começaram a aparecer no sistema e travar os computadores de toda a rede daquele centro de pesquisas. Uma barrinha apareceu enchendo. Nela estava escrito: “Colhendo informações do sistema”. Toda a rede foi hackeada e teve suas informações roubadas. Do nada, os computadores começaram a explodir, matando todos na sala.

 

            -------------------------------------------------------------------------------------------------

 

            NOVA YORK – 22:12

 

            X: Scott… – Disse via rádio. O homem estava em cima de uma torre de rádio, em meio a uma chuva intensa e portando um rifle nas mãos. Sem contar a metralhadora nas costas. – Essa missão é especial para você, por isso mudei de ideia sobre mandar você ir atrás de Hal. Você tem alguma noção sobre o assunto dessa missão? – Questionou curioso.

            Scott: Talvez… – Disse sério. Sua expressão estava neutra.

            X: Bom. Em uma festa no prédio a sua frente, está o sócio da Black Scorpion, Martin Ericksen. – Scott fechou a cara ao ouvir esse nome. – Ele é a suposta ligação entre a Black Scorpion e a El Diablo, a facção liderada por Dameron Cordoba, o homem que matou toda sua família…

            Scott: Continue… – Disse já cheio de fúria.

            X: Bom, ele tem um dos chips, mas não sabemos qual. Pegue e chip, é tudo o que precisamos. O resto, o que você tem que fazer com ele, é com você mesmo. Câmbio desligo…

 

            - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 

            FIM

            PRÓXIMO CAPÍTULO

            GUERRA CIVIL


Notas Finais


OBG POR LER *----------*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...