História Poor Miserable Cat - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathalie Sancoeur, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Chat Noir, Drama, Ladybug, Miraculous, Poor Miserable Cat
Exibições 73
Palavras 2.564
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yooo, minna-san <3 olha quem chegou com fic nova e.... destruidora...?! SIM! ALGO PARA MACHUCAR OS KOKOROS INDEFESOS. MWAHAHAHAHAHA. Tá, chega ;-; Minha sincera opinião sobre essa fic? TÁ UMA BOXTA. Mas resolvi postar simplesmente porque sim -q

Nessa fic, os miraculous não foram entregues aos dois pelo Mestre Fu, e sim foram deixados por Félix e Bridgette que acabaram se mudando de Paris pelo fato de que aquela cidade lhes trazia lembranças ruins de quando eles eram Chat Noir e Ladybug. Talvez um dia eu faça uma fic sobre o passado dos dois.

Boa leitura e desculpem qualquer erro.

Capítulo 1 - One-Shot


 Ele havia perdido tudo que lhe importava. A vida de sua amada tinha sido tirada diante de seus olhos, sem que ele pudesse fazer absolutamente nada. O coração de sua princesa, sua lady, já não batia mais, mas a lembrança do som de seus batimentos desacelerando ainda lhe torturava. E pensar que ele teve que perder seu grande amor, para enfim descobrir quem ela era por trás da máscara. O Corpo gélido de Ladybug, ou melhor, Marinette Dupain-Cheng repousava em seu colo, formando uma poça de sangue no chão e em sua roupa. Fraca, a kwami de sua lady residia em seu ombro, estando sobre os cuidados de Plagg, enquanto o garoto de cabelos loiros e olhos esmeraldinos berrava, sem conseguir segurar suas lágrimas de sor e agonia. Ao seu lado, o corpo de outra garota. Seus cabelos castanhos e longos, agora ganhavam uma cor avermelhada devido ao líquido escarlate que saia do ferimento em sua cabeça. A capa de seu maior rival, que acabou se revelando como sendo seu pai, estava jogada em um canto qualquer da, onde várias mariposas voavam, como se estivessem meio desnorteadas, e logo caiam no chão, adquirindo também a intensa cor do sangue que espalhou-se pelo mesmo. Como as coisas haviam chegado aquele ponto? Porquê ele não foi capaz de proteger sua tão queria parceira quando ela mais precisou? Porquê ele não percebeu quem ela era antes? Talvez se isso tivesse acontecido, os dois tivessem aproveitado mais do que apenas alguns momentos juntos. Mas agora tudo havia acabado. Ele não tinha mais nada, ele não tinha mais nenhum motivo para viver. Sem pai, sem mãe e sem o amor de sua vida, Adrien não suportava a ideia de ficar sozinho. A herança milionária que ele possivelmente receberia, agora significava para ele o mesmo que sua vida; nada. 
 
 Justo agora que haviam finalmente descoberto quem era o verdadeiro vilão com quem teriam que lutar, ele foi muito fraco para lutar pela vida da pessoa mais importante no mundo para ele.

                     Flash Back on;

 Eram eles contra Hawk Moth e a falsa Volpina, simplesmente a akumatizada que possuía mais ódio de Ladybug. A que mais desejava ver seu sangue no chão. Lady cuidaria dela, Chat havia implorado para lutar sozinho contra Hawk. Afinal, aquele era um assunto familiar, mesmo que a garota não soubesse. Ele havia deixado a garota lutando contra a outra, e foi atrás do mais velho, que escalava oque havia sobrado da construção que um dia foi a Torre Eiffel. O Gato negro subia apoiando-se nas barras de ferro quebradas do monumento que se despedaçava cada vez mais, não pararia por nada. O destino de Paris, e talvez do mundo, estava em suas mãos. Hoje eles decidiriam juntos o futuro de todos. Era matar ou ser morto, e ele não poderia fraquejar, mesmo que ele fosse seu pai, Adrien não poderia deixar que ele escapasse dessa tão facilmente. No começo, Gabriel queria apenas tentar encontrar um jeito de re-encontrar sua esposa, mas logo ele acabou ficando obcecado. Sua sede por poder havia subido á sua cabeça e ele estava decidido á pegar os miraculous, mesmo que isso significasse ter que matar seu filho. A chuva dificultava tudo, deixando as mãos de ambos escorregadias e embaçando sua visão. Gabriel havia finalmente chegado no topo da instável estrutura metálica, onde era possível encontrar-se barras de ferro quebradas e fios expostos, dos quais saiam faíscas. O homem enlouquecido começou a arremessar pedaços de ferro na direção de seu filho, na tentativa de derruba-lo e mata-lo, assim ele apenas teria que tirar Ladybug do caminho, e então, ele teria seus tão cobiçados miraculous, e com eles, seu tão desejado poder.

 _PAI! PARE COM ISSO. SOU EU, SEU FILHO, ADRIEN. VOCÊ VAI MESMO ME MATAR POR... PODER? VAI TROCAR A VIDA DE SEU FILHO POR UM SIMPLES ANEL? OQUE ESSE MIRACULOUS FEZ COM VOCÊ? NO QUE ELE TE TRANSFORMOU? EM UM MONSTRO GANANCIOSO QUE NÃO SE IMPORTA COM A VIDA DOS OUTROS. APENAS SOLTE ISSO E... Vamos parar de brigar. Vamos levar uma vida normal outra vez.

 _Você não compreende, meu filho. No começo, eu só apreciava a sensação que o poder me proporcionava, mas agora... EU NÃO CONSIGO SIMPLESMENTE PARAR. EU QUERO MAIS DO QUE SÓ O MEU, O SEU E O MIRACULOUS DA LADYBUG. EU QUERO TODOS. E VOU TE-LOS, NÃO IMPORTA QUANTAS VIDAS EU TENHA QUE TIRAR PARA ISSO. ESTA É SUA ÚLTIMA CHANCE DE ME ENTREGAR SEU ANEL DE FORMA PACÍFICA.

 Mas o gato negro ignorou seu aviso, e continuou subindo, desviando com dificuldade das coisas que eram arremessadas em sua direção. Ele estava com uma das mãos apoiada no topo, quando ouviu um grito feminino. Ao olhar para baixa, ele viu sua lady jogada no chão, com Volpina em cima de si, segurando um pedaço pontudo de ferro, tentando crava-lo em seu peito. A heroína de Paris parecia fraca e cansada, a luta contra a outra garota havia sido muito desgastante. Uma era movida por sua vontade de proteger o mundo, e a outra era guiada por seu ódio e sede de vingança. Qual era a motivação mais forte? A que levaria uma delas á vitória? Naquele momento, Chat estava prestes a descer a torre novamente para ajudar sua parceira, mas ele sentiu sua mão ser agarrada. Ao olhar para cima, ele viu seu pai, tentando á todo custo, tirar o anel de seu dedo, mesmo que para isso ele tivesse que jogar seu próprio filho de lá de cima. O gato negro se segurou com as duas mãos, não podia cair. Não podia deixar sua lady lutar sozinha. Avançou em Hawk, jogando-o no chão e iniciando um combate corpo-a-corpo com o maior. Gabriel podia ser mais velho, porém seu filho era mais ágil e forte, conseguindo dar-lhe uma rasteira. O vilão olhou para cima e viu o garoto segurando seu bastão, apontando-o para seu rosto com um olhar impiedoso.

 _ Acabou. Você não vai machucar mais ninguém. Eu não vou permitir. - Falou o menor o encarando seriamente no fundo dos olhos.
 
 _Heh... Heheheh... HAHAHAHA! VOCÊ NÃO TERIA CORAGEM DE ME MATAR. APESAR DE TUDO, EU AINDA SOU SEU PAI. EU AINDA SOU SUA ÚNICA FAMÍLIA. E VOCÊ NÃO TERIA PEITO PARA ME MACHUCAR SERIAMENTE. VAMOS, ME MATE. EU TE DESAFIO! - Gabriel abriu os braços, deixando-se exposto para que seu filho pudesse fazer oque quisesse, mas Adrien não queria isso. Bem no fundo, aquele ainda era seu pai. Ele precisava de ajuda e de apoio, e mesmo depois de todo mal causado por ele, Chat não seria capaz de mata-lo. - Eu imaginei. Agora seja um bom garoto e me entregue seu miraculous.

 O garoto deu um passo para trás, não ter coragem de mata-lo não significava que ele fosse se render. Foi quando mais um grito feminino foi ouvido por ele. Este demonstrava dor. Ele se inclinou para olhar para baixo e viu Volpina e sua lady. Ambas com uma única barra de ferro atravessando as duas. Aquilo foi como uma facada em seu peito. Antes que pudesse processar tudo oque estava acontecendo, sentiu alguém lhe empurrando por trás. Ele se virou rapidamente para agarrar algo, mas acabou encontrando apenas o braço de seu pai. Ambos caíram, porém Adrien conseguiu segurar em um dos ferros da torre, ficando dependurado, ainda segurando seu pai.

 _PAI.. SE SEGURE EM ALGUMA COISA. - Mas ele foi ignorado pelo homem que continuava tentando tirar seu anel. - PAI! - Ele chamou, mas nada aconteceu. - PAI! POR FAVOR. - E Gabriel conseguiu. Finalmente, sua mão escorregou, soltando-se da de seu filho e puxando seu anel junto, desfazendo sua transformação. - PAAAI!

 O homem caiu, ficando com sua capa presa em um pedaço de ferro, lhe enforcando. Na tentativa desesperada de se libertar, ele acabou por agarrar-se em um fio de alta tensão desencapado e molhado. O choque extremamente forte percorreu seu corpo, como que se o fritasse por dentro. Ele se contorceu várias vezes antes de sua capa se rasgar, fazendo-o cair em direção á sua morte, ao lado das duas garotas.

 Adrien, mais que depressa, desceu a torre, quase caindo várias vezes, mas não parando por nada. Ao chegar ao chão, ele pode ver sua lady se destransformando, revelando-se sua colega de sala, uma de suas melhores amigas. O amor de sua vida sempre esteve tão perto, e nunca fora notado. Ele a ajudou á retirar o pedaço de ferro de dentro de si, fazendo-a sangrar ainda mais. No rosto da menina, um misto de surpresa, felicidade, orgulho, e ao mesmo tempo...pena.

 _A-drien...

 _Não fale, M'Lady. Eu vou ligar pro hospital, você vai ficar bem. - Falou o garoto entre soluços pegando seu celular encharcado no bolso da calça, o mesmo não ligava. - Droga. SOCORRO! ALGUÉM NOS AJUDE... POR FAVOR. - Implorava, mas ninguém viria.

 _A...drien... - O menino finalmente resolveu prestar atenção no que a garota queria. Mesmo fraca, Marinette ergueu seu punho para ele, com um sorriso nos lábios e ignorando o sangue que escorria pelos cantos de sua  boca. O rapaz entendeu  e fechou seu punho também, dando um soquinho do dela. - B-bien...joué!

 _Bien joué, M'Lady! - Falou com um sorriso, mesmo que apenas quisesse chorar. Suas lágrimas pingavam sobre Marinette, mas ela não ligava. Naquele momento, ela estava nos braços do amor de sua vida. E morreria feliz, se fosse para morrer ali. - Je't aime M'Lady.

 _Eu...ta-mbém te amo... de todos... os jeitos...possíveis.

 Após isso, os dois se abraçaram, e Chat pode sentir e ouvir o coração da garota bater cada vez mais devgar, até que ele parou. Marinette estava morta. Do peito da garota uma luz forte de cor rosada saiu, todos os danos causados em Paris começavam á desaparecer e tudo voltava á ser como era. Ele recolocou seu anel, permitindo que Plagg fosse cuidar de Tikki, que estava no chão, antes de ser colocada em seu ombro.

                     Flash Back off;

 E foi assim. Em uma única noite, ele havia perdido tudo de mais importante em sua vida. Paris, estava segura outra vez, mas e ele? Ele estava seguro? Ele ficaria bem? Não! Nada estava bem com ele. Não valeria a pena continuar assim. Ao ver que Tikki estava bem, ele retirou os miraculous de sua lady, fazendo a kwami ser sugada para eles.

 _Adrien? oque vai fazer? - Plagg indagou preocupado, o garoto ficou sério de repente.

 _Cuidar pra que esses miraculous fiquem com alguém que possa cuidar bem deles.

 _Esses? Esp...ESPERA AÍ, VOCÊ NÃO VAI... - Mas o gatinho não pode terminar de falar. Adrien retirou seu anel, aprisionando Plagg dentro do mesmo.

 Ele deixou o corpo de Marinette ali

Mais tarde naquela mesma noite, a polícia encontrou os corpos das jovens e do estilista. Os pais de Marinette ficaram desolados, Alya não conseguia aceitar. Ela havia perdido sua heroína, sua ídola, sua melhor amiga e sua irmã ao mesmo tempo. Paris inteira estava de luto, sua heroína deu sua vida para que todos ficassem seguros.
Mas... e Adrien? Onde estava o garoto de cabelos  dourados? Ele estava preparando tudo e se assegurando de que os miraculous não fossem cair em mãos erradas. Primeiramente, ele foi até a casa de sua lady, escalou sua sacada no meio da noite escura e entrou por uma janela, indo até o quarto da garota. tudo ali lhe lembrava dela, o cheiro doce e suave de sua amada estava impregnado por todo o quarto, sua vontade era de desabar sobre a cama e chorar por uma eternidade, mas ele não faria isso. Logo ele iria estar junto dela novamente. Em cima da cômoda da garota, ele colocou uma pequena caixa vermelha, juntamente com uma carta. Deu uma última olhada no lugar e suspirou antes de sair pelo mesmo lugar por onde entrou.

Após isso, ele seguiu para sua própria casa, fazer apenas uma única coisa antes de partir. O garoto entrou em casa sem que Nathalie o percebesse ali e correu para seu próprio quarto, em cima de sua cama ele deixou uma caixinha preta semelhante á que havia deixado no quarto de sua Lady e mais uma vez deixou uma carta junto. A mesma era para seu irmão mais velho que fazia intercâmbio fora do país, o mesmo provavelmente teria que voltar para assumir a fortuna da família Agreste agora que Gabriel tinha morrido, então ele certamente encontraria aquilo.

Na manhã seguinte, Adrien foi encontrado morto, trancado dentro de seu quarto, porém por algum motivo ele parecia ter morrido... feliz?
Sim! Mesmo morto, o garoto mantinha um sorriso em seus lábios.

Os enterros de Marinette e Adrien foram no mesmo dia ambas as famílias dos dois estavam chocadas com oque havia acontecido e durante o velório, duas figuras sofriam mais do que qualquer um ali. Eram eles Bridgette, uma prima de Marinette que morava em uma outra cidade da França e Félix, o irmão intercambista de Adrien. Porém enquanto Bridgette se desesperava ao ver sua prima em um caixão, Félix chorava com a cabeça abaixada, guardando seus sentimentos para si mesmo.

Na hora de enterrarem os caixões, Alya começou a surtar. Ela chorava alto debruçada sobre o caixão já fechado da amiga. Nino e Bridgette foram segura-la, já que nem Sabrine nem Tom estavam e condições de ajudar. Ambos queriam fazer a mesma coisa que Alya, a morte da Filha tinha os afetado muito.

Natalhie chorava com a cabeça encostada no ombro do guarda costas de Adrien, o garoto havia se tornado como um filho para eles dois.
E assim foi o velório dos heróis da França, regado á lágrimas de dor, angustia e saudades.

Ao final, Félix foi até Bridgette que já tinha se acalmado um pouco, os dois precisavam conversar.

_Como você está? - O loiro perguntou tocando o ombro da morena baixinha.

_Horrível! Já fiz muitas coisas erradas nessa vida, mas a pior delas foi fugir e deixar o miraculous para minha prima. Eu deveria ter assumido minha responsabilidade por ele ao invés de me mudar e deixa-los para ela.

_Entendo como se sente. Talvez se eu não tivesse deixado meu anel com Adrien, isso não teria acontecido com ele. Ele ainda estaria vivo.

_Heh, não é impressionante? Eles conseguiram fazer oque nós não conseguimos. Eram realmente mais maduros do que nós dois.

Os dois caminharam por um tempo para fora do cemitério em silêncio completo, até que Félix resolveu dizer alguma coisa.

_Me desculpe.

_Pelo oquê? - A garota perguntou confusa.

_Pelo oquê eu fiz no passado.

_Você não teve culpa. Não tinha como saber que eu era a Ladybug.

_Mesmo assim. Eu deveria ter sido gentil tanto com a forte heroína que protegia a França, quanto com a delicada garota por trás da máscara. - Após o maior dizer isso, Bridgette se virou para ele o olhando nos olhos.

_Então vamos começar outra vez. E dessa vez não vamos cometer os mesmos erros do passado. Oque acha? - Perguntou estendendo o punho fechado para Félix. Ele sorriu com as lembranças que esse gesto lhe proporcionavam e fez a mesma coisa, levando seu punho na direção da menor.

_Acho uma ótima ideia.

E os dois foram para suas casas, tratariam de consertar os erros do passado e construir um futuro seguro para os outros, dando suas vidas para que isso acontecesse caso fosse necessário. Assim como uma Lady e seu gato vira-latas um dia fizeram.
  


Notas Finais


Wow, nunca escrevi algo tão grande. Espero que tenha ficado ao menos razoável. E antes que eu me esqueça, a Lady não purificou o akuma da Volps porque aquilo da luz que saiu do peito dela já foi pra restaurar tudo, isso inclui purificar o akuma.

Espero que tenham gostado! Favoritem e comentem se minha história lhes agradou, é minha primeira fic de miraculous mas eu posso escrever mais caso tenham gostado. E caso gostem do Sonic (E TAILSMO, MEU OTP LINDO E MARAVILHOSO) considerem dar uma passadinha no meu perfil pra ver minhas outras fics.

Sayonara, minna-san :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...