História Popozuda Problems - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bumbum, Bunda, Popozuda, Protagonista Feminina, Protagonista Mulher
Exibições 13
Palavras 716
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


POPOZUDA PROBLEMS é uma obra de ficção criada por Go Tanaka. Todos os personagens, locais e situações descritos na estória são inteiramente ficcionais e foram criados por Go Tanaka. Qualquer semelhança com o mundo real ou com outros trabalhos de ficção é mera coincidência.

POPOZUDA PROBLEMS é uma fic original na maior parte do tempo ecchi, com descrição detalhada dos atributos físicos e dos órgãos sexuais das personagens e com cenas de nudez. A estória pode passar para o hentai por conter insinuação ou descrição de cenas de sexo explícito, por isso é IMPRÓPRIA para menores de 18 anos de idade.

IMAGEM DE CAPA DA ESTÓRIA: tirada do Google. Autor desconhecido.

Capítulo 1 - Bárbara "Babalu" Bonucci


Babalu Bonucci conduziu a apresentação inteira sentada à mesa. Controlava os slides de seu tablet e usava um laser para apontar os detalhes. Não quis levantar, como fizeram os outros. Mesmo assim, ao terminar, foi a mais aplaudida. Sua palestra foi a melhor e seu projeto de uso de cores mais escuras para o verão teve o melhor embasamento e poder de convencimento junto à marca.

Bom, talvez você não tenha entendido nada da última linha. Tudo bem, eu também não entendi bem. Mas enfim… todos se levantaram, se cumprimentaram e passaram por Babalu para cumprimentá-la. Um breve aperto de mãos sem que ela se levantasse da cadeira. A reação costumava ser de estranhamento. Por que essa moça não levantava?

Quando todos saíram, ficaram na sala apenas Babalu e sua supervisora, Michelle Barrancotto, que se aproximou da cadeira dela.

— Desculpa, Mi! Eu sei que você já disse que não tem problema, mas eu não tenho como evitar de me desculpar! — Babalu enfim se levantou da cadeira.

— Ai, amiga! Para com isso, eu já disse que entendo! — Michelle passou a mão carinhosamente em suas bochechas salientes.

De pé, dá pra compreender porque Babalu fez questão de passar a apresentação toda sentada. Sua bunda grande, que se destaca de seu corpo como se tivesse vida própria. Aliás, uma das brincadeiras que ela mais ouve é que sua bunda tem seu próprio RG e CPF. Ela até guarda na carteira a representação dessa piada que sempre achou ao mesmo tempo inconveniente e engraçada.

Empresária e aspirante a designer de moda, Babalu passou a conduzir suas reuniões com clientes, investidores e parceiros comerciais daquele jeito porque já não aguentava mais as piadas, os assédios, as brincadeiras, fossem elas inocentes ou maldosas, as liberdades que passavam dos limites… ou mesmo os olhares. Não que ela não gostasse de chamar atenção, gostava. Sempre se sentiu lisonjeada com o fato de que os homens (e mesmo as mulheres) babavam na sua bunda. Mas tinha hora e lugar pra tudo e, em uma sociedade tão machista, até uma reunião de negócios ficava em segundo plano quando a sua bunda estava lá, pra todo mundo ver. E mesmo impondo respeito, e Babalu sempre impôs, ela não conseguia fazer com que se concentrassem apenas no conteúdo prático da pauta.

Bárbara “Babalu” Bonucci tem 29 anos de idade. Mas aparenta menos, alguns acreditam que está na casa dos 20, 21. Cabelos castanhos com mechas e luzes, lisos, no meio das costas, olhos acastanhados e pele bronzeada, nariz afilado. Baixinha, mede apenas 1,59m e pesa 61kg. Tem 90cm de busto, 70cm de cintura e 110cm de quadril. Sua bunda, naturalmente grande, carnuda, volumosa, sempre lhe causou problemas. E é por isso que chegamos a esta história. Babalu até se considera uma aberração. “Uma aberração bonita e gostosa, que fique claro!”, brinca com uma característica que, desde a adolescência, sempre lhe valeu prazeres e incômodos.

É que é impossível ver Babalu e não ficar olhando para sua bunda. Babalu é a típica brasileira popozuda, tem ombros acanhados, seios pequenos, cintura fina, coxas grossas e canelas finas. Essa construção acaba realçando seu quadril largo. E como se não bastasse a largura do quadril, as nádegas também têm que ser grandes, saltadas do seu corpo. É o que ela chama de “aberração”, embora seja linda. Tudo bem, colocando-se no lugar dela… essa bunda toda rende inúmeros apelidos, brincadeiras e.situações desconfortáveis que serão descritas ao longo da história.

— Parabéns, Babalu! Com certeza seu projeto vai dar certo e vai ter muito sucesso! Agora… posso pedir uma coisinha? — A supervisora “pediu com jeitinho”, abrindo um sorriso com sua boca larga.

— Ai… lá vem. O que é? — Olhando para cima e abrindo um sorriso, Babalu já sabia o que esperar.

— Só uma apalpadinha… vai? — Michelle apertou os olhos e fez um biquinho, implorando.

Gargalhando, Babalu virou de costas e se curvou um pouco, apoiando-se na mesa de reunião. Michele posicionou cada uma das palmas de suas mãos abertas em uma das nádegas de Babalu. E apertou com força.

— Eita, rabo gostoso!  — Disse, antes de soltar e finalizar com um tapão que estalou.

— Menina…  — Tentando segurar o riso, Babalu se recompôs, esfregando a mão na nádega. Doeu!

É assim… até pelas mulheres, Babalu é constantemente assediada. Esses são os problemas de uma popozuda. Boa leitura.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...