História Popstar! - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Fifth Harmony, Justin Bieber, Miley Cyrus, Selena Gomez, Taylor Swift
Personagens Dallas Lovato, Demi Lovato, Justin Bieber, Miley Cyrus, Personagens Originais, Selena Gomez, Taylor Swift
Tags Delena, Demi Lovato, Diley, Jelena, Miley Cyrus, Selena Gomez, Semi
Visualizações 272
Palavras 1.398
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Orange, Romance e Novela, Visual Novel, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 19 - Missing you.


 

 

Point of view: Demetria.

Depois de descobrir que gostava de Selena eu passei praticamente dois meses sem encontrá-la pessoalmente, mas nós ainda conversávamos por mensagens todos os dias. Meu problema alimentar estava se agravando e já era possível perceber as mudanças na minha voz, que ficava cada dia mais rouca, e os problemas com meu corpo continuavam constantes. Meus seios estavam sempre maiores cada vez que eu media. No dia das gravações do clipe de Remember December John me chamou-me um dos intervalos.

- Demi, podemos conversar?

- Claro. – meu olhar fitava o chão.

- Você não acha que está na hora de dizer em que tanto pensa?

- Não estou pensando em nada. – menti com facilidade – Nada específico.

- Sei que está. Convivo com você há quantos anos?

- Muitos.

- Se você não se sentir a vontade para falar eu vou entender, mas tem algo te incomodando.

- John... – respirei fundo antes de levantar-me da cadeira e começar a andar na direção do meu camarim – Seria muito errado se eu gostasse de alguém?

- Isso seria perfeitamente aceitável. – ele pareceu não entender a pergunta.

- Entre. – dei espaço para que ele passasse e fechei a porta em seguida – E bem... Digamos... Vamos supor que esse alguém... – engoli a seco criando coragem para dizer – Que fosse uma... Uma ga... Ah droga! – passei a mão direita entre o cabelo – Uma garota! Ok? É a droga de uma menina! Fazem oito meses que nós nos conhecemos e desde o dia do meu aniversário eu não consigo tirá-la da cabeça.

- O que aconteceu no seu aniversário?

- Eu beijei ela. – ergui o olhar até o rosto do meu empresário e respirei aliviada quando percebi que ele continuava a me olhar como sempre – Duas vezes. E dois dias depois eu fiz de novo. Foi naquele dia que me dei conta do que estava acontecendo, e me afastei. Na verdade nós apenas não nos encontramos pessoalmente porque bom... Eu me sinto extremamente atraída por ela fisicamente falando.

- Talvez seja apenas isso Demi, atração.

- Não, claro que não! Quem dera fosse só a porcaria de uma atração boba. Como você acha que eu me sinto? Todas as vezes que eu estou perto dela eu sinto as malditas borboletas na minha barriga! – andei lentamente até o sofá deixando meu corpo cair de bruço nas almofadas – Gostaria de poder arrancar isso de mim! É errado, John. Ninguém nunca aceitaria isso, nem eu mesma aceito! – sentei – E quando eu penso que estou conseguindo esquecer me pego lembrando dela, e nessa semana mesmo eu estava procurando fotos nossas na internet para colocar no meu celular. – escondi o rosto entre as mãos ao mesmo tempo em que escorregava pelo sofá –

- Aposto que é a Selena.

- Como sabe disso? – abri espaço entre os dedos para encará-lo.

- Sabia que isso ia acabar acontecendo, Demi. A forma como vocês se olhavam desde o início já deixava um suspense no ar. Até que são um casal bonito. – ele sorriu antes de colocar o braço na frente do rosto quando lancei uma almofada em sua direção – Ué, estou sendo sincero, são mesmo um casal bonito.

- Qual parte do “é errado e ninguém nunca aceitaria” você não entendeu, John?

- Ah Demi vamos lá! Permita-se viver isso e pare de pensar se é certo ou errado. Quem vai ficar sabendo disso se você não contar?

- Não sei. Vão dar um jeito de descobrir.

- Oh é claro, vão implantar escutas em você e nela. Realmente preciso te dar mais férias. Quanto a Selena, pense bem antes de tomar qualquer atitude precipitada. Não se esqueça que é uma garota, e você não quer machucar uma garotinha tão linda enquanto poderia estar na cama com ela, certo?

- Vá se foder. – mostrei o dedo do meio para ele –

- Levante-se logo, vamos lavar sua boca com sabão e terminar as cenas de hoje.

Fui carregada nas costas do meu empresário até o estúdio onde estavam sendo gravadas as cenas do clipe. Como ele podia reagir tão bem depois de eu ter assumido gostar de uma garota? Será que ele não se importava comigo ou estava apenas fingindo para não me deixar pior do que eu já estava? Ao chegar em casa tomei um banho, peguei Flakes e fiquei conversando com minha mãe até que a mesma decidiu ir dormir, e eu segui para o meu quarto. Olhei o relógio do celular que marcava 22:40. Virei de barriga para baixo na esperança de que o sono viesse, mas passei dez minutos assim e nada aconteceu. Esfreguei o dorso das mãos nos olhos antes de suspirar e pegar o celular outra vez. Eu estava sentindo falta dela. Tanta que me tirava o sono.

“Preciso de uma companhia, o que acha?”

Pensei duas vezes antes de enviar, porém quando me dei conta o celular já havia piscado denunciando a resposta.

“Para que?”

Suspirei. Seria difícil esquecer o quanto gostava dela se meu coração fizesse todo aquele carnaval apenas por uma mensagem.

“Não consigo dormir, preciso que alguém cante para mim.”

Era uma tremenda desculpa para ouvir a voz dela.

“Não tem ninguém na sua casa que possa fazer isso?”

Deu para perceber o quanto ela estava chateada comigo?

“Prefiro que você faça isso. Não tem anjos na minha casa.”

Sorri involuntariamente ao ver meu celular se acender completamente enquanto o nome dela aparecia seguido por uma foto onde nós duas sorriamos para uma câmera desconhecida no dia em que fomos ao shopping.

- Oi. – minha voz saiu estranhamente rouca.

- Você é muito baixa, Demi Lovato.

- Por quê?

- Anjos? Sério mesmo?

- Foi só uma desculpa para você me ligar. – mordi meu lábio inferior.

- Pois não deveria ter ligado. Até hoje ainda não entendi o porquê de ter se afastado de mim, e eu ainda estou chateada com isso. Eu não fiz nada!

- Sei que não, mas não é nada com você. Eu só... Eu... – gaguejei – Estive trabalhando demais, sabe? Estou concluindo o clipe de Remember December essa semana e vai ficar realmente bom. Você quer ver?

- Verei na internet.

- Não Selena, estou perguntando se quer ir a gravação, amanhã. – me convenci de que a falta que sentia dela iria me vencer mais cedo ou mais tarde.

- Am... Sim, quero.

- Tudo bem, te ligo de manhã e passo aí para te buscar.

- Desde quando você dirige? – a voz dela soou engraçada e eu dei uma risada.

- Comprei um carro não tem muito tempo, mas não uso muito. Digamos que eu não sou exatamente uma “boa motorista.” – admiti e me deliciei com o som da risada dela – Ok, cante para mim.

- Eu não vou fazer isso! – exclamou.

- Pensei que tinha me ligado para isso.

- Liguei porque sinto sua falta, Demi. – fechei os olhos ao sentir pontadas na boca do estomago – Eu já estava me acostumando com a sua presença, e com tudo... E com a sua forma indireta de me fazer carinho quando me abraça. – percebi um tom estranho na voz – Droga.

- Ah não Selena, não chore. – coloquei a mão livre na testa – Por favor. Eu não queria isso, eu juro. – antes que eu pudesse perceber meus olhos já estavam cheios de lágrima também.

- Por que você se afastou? Se eu fiz algo de errado eu sinto muito, mas... Ah Demi, eu amo tanto você!

- Selena, pare. – meu peito doeu quando o choro da garota ecoou pelo telefone – Eu imploro. Se quiser eu vou até sua casa agora, faço o que você quiser, mas pare. – sentei-me na cama limpando as lágrimas do meu próprio rosto com o dorso da mão – Você não fez nada, o problema foi comigo.

Eu deveria ter contado para ela o que estava acontecendo. Eu deveria ter dito que gostava dela, mas não disse. Escondi, fugi, fingi. A única pessoa (fora do meu circulo familiar) que não merecia ser machucada estava aos prantos no telefone por minha culpa. Imbecil! Não sei exatamente em que momento nós desligamos o telefone, e não lembro se nos despedimos, mas lembro de ter passado uma boa parte da noite em claro e com um corte novo no pulso. Ver o sangue escorrendo me dava a nítida sensação de que estava me livrando de mim mesma e de todas as coisas ruins que eu fazia e era.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...