História Por acaso, o melhor de nós. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), Emma Swan, Henry Mills, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood
Tags Outlawqueen, Reginamills, Robinhood, Seana
Exibições 153
Palavras 1.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá amores,

Olha minha primeira fic OutlawQueen, sou deveras apaixonada nesse casal e me veio a mente escrever uma história.
Bom, essa história direta e indiretamente conta partes da minha vida, nem tudo, mas nas entrelinhas sim.
Também essa história tem como fonte de inspiração o meu livro favorito: O Melhor de Mim.

Para que entendam a história é contada depois de dez anos que Regina se formou na faculdade, então será a bases de flashbacks.
Teremos um mistério a ser revelado ao fim da história.

Espero que curtam a história assim com eu estou curtindo escrevê-la.
Esse primeiro capítulo é uma introdução do que virá.

Sem mais delongas, boa leitura.

Capítulo 1 - Nunca foi esquecido.


- Regina, levanta dessa cama, você precisa sair mais. – Emma amiga de Mills desde a faculdade quase implorava para que a morena fosse com ela a uma festa.

- Emma, não. – Regina tampou o rosto com o edredom.

- Você é chata, sinto falta da época da faculdade. Quando era mais legal sabia? – Swan cruzou os braços frente ao corpo.

- Vá, se divirta, não tem nada te impedindo. – Mills se virou para a parede para cortar o assunto e amiga foi para a tal festa.

Regina havia se tornado uma das melhores geneticistas de Vancouver e do Canadá todo. Sua especialização era em: Reprodução humana, fertilização ‘in vitro’. Todos os pais com problemas de fertilidade, casais homossexuais, mães que sonhavam pela maternidade do país e quiçá do mundo a procurava. Se dedicava ao extremo pelo trabalho, como seu único motivo para viver. Passava o dia todo enfurnada dentro de um laboratório, nunca saía, sua vida pacata se resumia a casa-trabalho/trabalho-casa, e nos finais de semana sua cama era sua fiel companheira. Festas? Mills mal sabia qual foi a última que participou. Talvez a de sua formatura a mais ou menos oito anos atrás.

“Lute, seja alguém na vida. ” Palavras de Cora Mills eram sempre o que Regina tinha em sua mente. Talvez o motivo da morena ser assim. Regina foi criada a base de rédeas curtas, e depois que teve que se distanciar de seu primeiro amor, por conceitos familiares, foi destinada a crescer de tal forma.

***

Regina já uma adolescente, com treze anos de idade, como qualquer jovem daquela idade, com grandes planos para vida, se formar e dar os frutos que sua mãe plantou e tudo seria assim, mas se apaixonou pela primeira vez na vida. Daniel, jovem rapaz dois anos mais velho que ela, de família rica com várias fazendas na região, mas ele encantava a pequena jovem, o grande conflito era a aceitação de suas famílias, ambas não aceitavam, pelo fato de serem famílias rivais. Cora jamais permitiria que sua filha ficasse com alguém que não fosse de seu grado, assim como o pai de Daniel não permitiria que seu filho ficasse com alguém que não fosse de seu nível social.

- Filha, já basta! – Cora estava cansada de discutir com a filha sobre o relacionamento.

- Eu o amo, mamãe. – Regina tinha sua voz embargada. – Ele me ama também.

- Vem cá filha. – Segurou a mão dela a guiando até o sofá para que sentasse. – Eu sei do amor de vocês, mas vocês mesmo sabem que não podem ficar juntos, você o motivo.

- Daremos um jeito.

- Não há jeito, eu não vou permitir que você faça algo que não deva. – Esbravejou.

--

- Gina, quer me contar o que houve. – A morena se sentou ao lado da Mills.

- Minha mãe de novo. – Respirou fundo. – Ela diz que sabe da minha relação com o Daniel, mas diz que não vai permitir que eu faça algo que não deveria.

- Espera, o que ela quer dizer com “não deveria”? – Mary fez as aspas com as mãos. – Vocês não estão pensando em fugir, né?

- Não, ficou louca? – Na verdade a amiga acabara de dar uma grande ideia a Regina, porque não?

- Gina, não. – Mary repreendeu.

- Ei branca. – Apelido carinhoso colocado por Regina por conta da pele extremamente branca de Mary. – Eu não vou fazer nada, tá bom? – Regina se colocou de pé encarou amiga e logo deu as costas e foi para sua aula.

Aula mais torturante da vida, de cinco em cinco minutos Regina verificava o celular a espera de alguma mensagem, ligação, intervenção divina, o que for sobre o amado, e nada. Mary sempre atenta a amiga, não deixava de observar a aflição de tal. Por horas intermináveis, Regina agradeceu a Deus pela aula acabar. A passos largos foi uma das primeiras a deixar o colégio, tendo como primeira visão ao lado de fora, Daniel, não hesitou e correu para os braços de quem amava. Os corpos se chocaram com tamanha intensidade do amor dos dois.

- O que aconteceu? Por que não veio? Eu fiquei preocupada. – Ela despejava sua aflição ainda abraçada nele. – Aconteceu algo? – Ela se afastou somente para encarar os olhos de Daniel, olhos que estavam receosos, escondendo algo e a morena conhecia muito bem. – Daniel.

- Gina, precisamos conversar! – Tais palavras nunca foram proferidas com tamanha dificuldade. Regina sentiu seu estomago revirar e os olhos arderem em lágrimas. – Meus pais... – Ele fez uma pausa. – Eles vão me mandar estudar fora. – Respirou fundo e baixou o olhar, seus olhos já pesavam com as lagrimas contidas ali.

- Não, Daniel, isso é brincadeira, por favor, me diz que não é verdade. – A voz de Regina soava com dor, não podia acreditar nisso. – Daniel, por favor. Olha pra mim e fala que é mentira. – Não tinha mais força na voz e ele a olhou em prantos, naquele olhar que era verdade. – Daniel, não. O ano está no fim, você não pode parar agora. E eu? Como eu vou viver sem você? Me diz Daniel. – Ela soluçava.

- Regina. – Ele passou as mãos no cabelo dela. – Esse é o resto do tempo que temos, assim que o ano passar eu vou embora.

- Mais por quê? Seus pais, eles não te deram escolha? – Tentou raciocinar.

- Não. – Falou baixinho. – Eles não me deram chances e nem opções. Regina, eu não quero ir, não ter que deixar você, mas não posso ficar. – Ele selou os lábios dela com delicadeza. – Eu te amo Regina, mas vai ser melhor acabar agora. – Falou desfazendo o abraço e apenas segurando nas mãos dela.

- Por favor, não me fala isso. – Ela estava extremamente triste e só então lembrou da ideia que sua amiga, mesmo sem querer acabou lhe dando. – E se. – Pausou e pensou antes de continuar. – E se a gente fugir? – Voltou a olhar nos olhos de Daniel com esperança.

- Gina, não podemos, nem idade temos. – Ele queria, mas sabia que não poderia.

- Vamos viver o que é nosso, sem ter ninguém para nos atrapalhar. Eu te amo Daniel, e qualquer coisa eu faria para estar com você. – Daniel voltou a selar os lábios da morena.

- Vamos viver o que é nosso.

***

Nunca se esqueceu do que sua vida estaria prestes a se tornar dali em diante. Anos após a ida de Daniel, ainda bem jovem, ela e sua mãe foram deixadas pelo pai, mais um motivo para ela se afastar do mundo, criar suas barreias. Seu pai que sempre jurou amor e fidelidade eterna a filha e esposa. O mundo que criou pareceu acabar em muito pouco tempo e todos os dias revivia e lembrava do dia em Henry Mills se foi.

 

°- X -°

10 anos atrás

 

Regina foi obrigada a deixar a pequena cidadezinha do interior para fazer a faculdade que sempre sonhou. Cora apesar de rígida, batalhou muito para que a filha chegasse onde estava. Mudou-se para Vancouver assim que foi aceita para cursar Biomedicina em uma das melhores universidades da cidade. Ainda pessoa de poucos amigos logo se identificou muito com Emma Swan, sua colega de quarto, estudante de Engenharia Civil. Eram completamente opostos, Mills sempre caseira e Swan a festeira.

Tudo percorreu perfeitamente bem, bem como Regina queria, já estava no sexto período do curso. Para ela a vida de estudos e mais estudos era a perfeita. Até que sua vida mais uma vez deu uma reviravolta.

Robin de Locksley, jovem rapaz capaz de tirar o folego de qualquer garota que passasse por ele com um simples olhar ou o cheiro de seu perfume que exalava um aroma encantador. Não podia ser por menos, ele um estudante de Ciências Aeronáuticas. Carisma encantador, todos os dias Regina e ele passavam um pelo outro, até que os olhares se cruzaram.

Tormenta azul, um enigma cor de chocolate. Se acreditam que amor à primeira vista não existe, não sabe-se explicar o que foi aquilo quando Robin e Regina cruzaram seus olhares. Ambos donos de um sorriso maravilhoso.

Vendo a amiga sem jeito com apenas aquela troca de olhares Emma puxou Regina pelo braço a fazendo despertar de seus devaneios.

- Regina Mills, o que foi aquilo? – Swan falava empolgada.

- Aquilo o que? – A morena falou sem jeito.

- Aquele homem? Da onde saiu e vocês dois se olhando? Meu Deus fiquei até sem ar.

- Nem sei que é.

- Pois descubra, ele é muito gato e está caidinho por você.

- Não inventa Emma, nem nos conhecemos. – Regina rolou os olhos e seguiu seu caminho até seu dormitório.

 

°- X -°

Atualmente

 

Nunca em sua vida, Regina foi capaz esquecer aqueles olhos azuis cor do céu, Robin havia mudado a vida daquela jovem moça de vinte e um anos de idade. E mal sabia que o futuro lhe daria chance de viver intensamente esse amor que nasceu de uma troca de olhares. E por disso tudo nunca imaginaria que alguém tão próximo a ela estaria envolvido.

Assim como entrou em sua vida, Robin se foi. Por mais uma vez os motivos sendo sua mãe. Depois que Henry deixou Cora, a mais velha se recusava a acreditar no amor e também não queria que a filha acreditasse, por receio de que a jovem iria sofrer. “O amor é uma falha, é fraqueza. ” A Senhora Mills dizia a filha. “Sem falhas, sem falhas, sem falhas...”  Um mantra ensinado pela mais velha que todos os dias Regina ao despertar dizia para si mesma.

 

*-*-*

 

Robin voava o mundo dentro das cabines de comando de aviões Boeing, transportando vidas de um lado a outro. Muitas dessas pessoas eram empresários que viviam mais dentro daqueles aviões do que em sua própria casa. Mas também muitos de seus passageiros realizavam o sonho de voar pela primeira vez, e por ser o comandante de vários voos se sentia com parte da realização dos sonhos. Isso o deixava feliz e também o fazia lembrar de quando ainda jovem assim que seus pais morreram foi encontrado por um senhor que se dava o nome de Edward, coisa nunca foi muito esclarecida por Robin.

Ele a Losckley ensinou que além de ser feliz, também fazer as pessoas felizes. Ensinou que o amor é arma mais potente que um homem pode usar. A felicidade era um dos sentimentos mais belos e por que não deixar com que as outras pessoas fossem felizes.

Poderia parecer brincadeira, mas quando viu Regina pela primeira vez naquele corredor da faculdade foi capaz de entender tudo que velho Edward lhe havia dito. Sentiu no olhar daquela jovem moça a necessidade de compartilhar a felicidade que tinha com ela.

Losckley sempre foi um homem cheio de sonhos, aventureiro, queria descobrir o mundo através do céu. Talvez, por isso batalhou árduo para conseguir se formar e então se transformar em um dos melhores pilotos do país e do mundo. Mas um motivo maior para tudo, depois que se formou, almejava mais que ter a própria vida poder rever os olhos enigmáticos e o sorriso tão belo de Regina Mills novamente.

 

“Não importa a distância que nos separa, sempre há um céu que nos une. ”

Carlos Drummond de Andrade


Notas Finais


E ai?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...