História Por acaso, o melhor de nós. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), Emma Swan, Henry Mills, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood
Tags Outlawqueen, Reginamills, Robinhood, Seana
Exibições 85
Palavras 1.992
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá amores,
Demorei, eu sei que sim. Mas foi por uma boa causa. Nas notas finais eu vou deixar o motivo da minha demora e acho que vocês vão gostar.

Nesse capítulo vocês vão saber a história de Henry e Edward, acho que vão se surpreenderem.

Regina e Robin começando a quebrar as barreiras, tudo pela felicidade um do outro.

A partir de agora, os capítulos serão acompanhados por uma playlist, que vou deixar o link nas notas finais. Ela será atualizada juntamente com os capítulos.

Sem mais delongas, boa leitura.

Capítulo 5 - Inevitável.


Inevitavelmente – Daniel ♪

 

Tentou esquecer por onze anos e lá estava ela completamente perdida. Inevitável era não estar apaixonada por Robin. Quando seus lábios se encontraram, aquele amor que existia, renasceu. E não, ela não queria quebrar seu coração. Foi por conta dele que ela se fechou do mundo e de uma vida social e não poderia se permitem sofrer novamente. 

As presas sem dizer nada, ela desfez o beijo e saiu, implorando aos céus para que algum elevador estivesse lá, pronto pra ela sumir da visão dele. 

Tarde demais. Robin já estava lá com ela, a segurando levemente pelo braço, a olhando com cumplicidade, com amor. Regina tinhas seus olhos banhados por lágrimas que seguravam para não escorrer. Um turbilhão de sensações, de lembranças, boas e ruins. Onze anos e ela ainda o amava, onze anos e ela nunca deixou o coração dele. As palavras de Cora gritavam em sua mente: "Você precisa se permitir viver, se divertir." "Você só vive para aquele laboratório, saia um pouco."

O amor dói, machuca, mas só o amor pode curar a sua própria dor. 

 

- Robin, por favor. - Regina dizia com a voz trêmula e embargada. 

- Não Regina, temos muito que com conversar, precisamos nos entender. Faço o que for para ter suas desculpas, o seu perdão.  - Robin segurava o rosto de Regina entre as mãos. 

- Me deixe ir Robin, você precisa entender que tudo mudou. - Uma corrente de frio percorreu a espinha do homem. "Ela está casada" pensou. - Foram onze anos da minha vida, da nossa vida, que eu fiquei ansiando por um dia te ver de novo. Onze anos que eu fiquei esperando que um dia eu entrasse em um avião e você fosse o piloto. Todos esses onze anos eu amei você, mesmo não tendo ideia de onde você estava. É muito pra mim, só me deixe ir.

- Não. Dessa vez eu não vou deixar você ir. - Antes que ela pudesse contestar, Robin invadiu seu espaço pessoal e a beijou, demonstrando todo o amo lê que ainda tinha por ela. 

 

Regina relutou o beijo nos primeiros segundos, mas era forte todo o sentimento que ela sentia e mais uma vez lá estava ele quebrando as barreiras que ela havia imposto para o mundo. O ar se tornou rarefeito e foi preciso buscá-lo. Locksley como forma de carinho, comprometimento e também medo que Mills fosse embora, a segurou por sua cintura de forma firme. 

Regina baixou a cabeça, porém suas mãos se mantinham firmes do ombro do homem. 

 

- Ei. - Ele com o dedo indicador puxou o queixo dela, levantando para mirar os castanhos. - Eu sei que aconteceu muita coisa, mas eu estou disposto a lutar contra tudo por você. Por nós. 

- Eu tenho medo, minha vida mudou tanto desde que você se foi. Meu pai também se foi. - Ela deixou lágrimas escapar de seus olhos. - Eu sofri tanto. Tenho medo de sofrer de novo. 

- Eu também Regina, perdi tanto. Eu prometo tentar não te fazer sofrer, eu preciso da sua felicidade para a minha ser completa. Você se lembra? - Ela assentiu com a cabeça. 

 

***

 

Henry Mills e Cristian de Locksley eram amigos de infância, a vida passaram juntos, suas famílias eram vizinhas. Adolescência e juventude, sempre juntos. 

Cristian se apaixonou por uma bela moça. Juliet. Namoraram e logo se casaram. Henry por sua vez ainda não havia encontrado a pessoal ideal para ele. Cristian e Juliet se mudaram para o outro lado do Canadá. Mais nunca perderam o contato. Descobriu que Juliet estava à espera de seu primogênito. Mills dizia que se ele se casasse e tivesse uma filha, com toda certeza as famílias Locksley e Mills se uniriam. 

Henry conheceu Cora e foi como amor à primeira vista. Cora era uma jovem mulher de cabelos castanhos, os olhos acompanhavam a cor dos cabelos, seus lábios carnudos, deveras uma mulher bela.  Se apaixonaram e assim como os Locksley se casaram logo.

 

Cada família fez sua vida, vez ou outra Henry falava com Cristian, mas não se sabe o que aconteceu, eles perderam o contato um com o outro. 

Treze anos se passaram e um telefonema chegou para Henry, com uma péssima notícia. Cristian e Juliet de Locksley haviam falecido em um terrível acidente, deixando o filho de apenas 14 anos, Robin de Locksley. Henry ficou desolado e mais ainda ao saber que o garoto estaria só. 

Henry decidiu que era hora de agir, jurou para si mesmo que agora mais que nunca iria unir as famílias. De alguma forma, mas iria. Mills atravessou o país, deixando Cora e Regina em pleno momento de crise e sua vida, pelo fato de não poder ficar com Daniel, o fato dele ter ido embora. Com muito pesar Henry foi para não voltar mais. 

Encontrou Robin, se aproximaram e se tornaram grandes amigos. Henry nunca mentiu sobre a amizade que tinha com os pais de Robin. Apenas omitiu um detalhe, seu nome. 

Passou a ser Edward Locke. Homem que ensinou a Robin o mesmo que ensinou a Regina. 

 

"Sua felicidade só será completa se for entregue a pessoa que você ama, fazer parte da felicidade dela, assim como ela vai fazer parte da sua." 

 

Essa foi a lição mais bela que Robin aprendeu, assim como Regina desde muito pequena havia aprendido. 

O mesmo homem, dois nomes. Uma filha, uma promessa. Destinado a proporcionar a felicidade as pessoas mais importantes de sua vida. 

 

***

 

Depois de jatarem juntos, Robin e Regina conversaram, sobre suas vidas, como cada um havia seguido as carreiras profissionais. Como um novo primeiro encontro, se conhecendo melhor. 

 

- Roland? Como aconteceu? - Regina acabou por pagar Robin de surpresa. 

- Uma longa história. - Ele não tinha coragem de olhar nos olhos dela. Vergonha talvez. 

- Eu gostaria de saber. - Sem perceber Regina tocou a mão do homem, como gesto de confiança. 

- Quando eu me formei e fui... Fui embora. - Ele suspirou. - Minha vida pareceu estar sem sentindo total, sem você, sem Edward. Cinco anos depois eu encontrei Marian, me apaixonei. - Regina não pode negar que sentiu um desconforto. Ele havia se apaixonado, enquanto ele ainda esperava pela volta dele. - Ei, eu me apaixonei por ela, mas nunca como eu amava, amo você. Roland veio por um descuido. 

- Marian? O que houve? - Regina perguntou receosa. 

- Morávamos juntos, não nos casamos, mas dois anos depois que Roland nasceu ela ficou muito doente e acabou falecendo. - Robin respirou fundo. - Roland sofre a perda da mãe até hoje. Ele nunca se afeiçoou com outra mulher, a não ser com você. - Robin encarou Regina que sorriu tímida. 

- Eu sinto muito pela perda. Eu imagino como Roland deve sofrer com isso. Assim como eu sofri com meu pai. 

- Assim como eu sofri com a perda dos meus pais e também de Edward. Roland para mim é tudo, você é tudo. - Trocavam olhares cúmplices. 

- Edward? O que houve afinal com ele? 

- Ele também ficou doente. Estava em seu leito de morte, eu quase não cheguei a tempo de vê-lo vivo pela última vez. - A voz do homem estava embargada e seus olhos estavam marejados. - Ele sabia o quão especial você era, mesmo sem te conhecer. 

 

***

 

- Ed! - Robin entrou correndo em casa. - Edward, por favor, não me deixe. - Robin estava desesperado vendo o homem nos seus últimos suspiros. - Eu ainda preciso de você. 

- Eu... Eu lhe ensinei o que queria. - O homem falava com dificuldade. - Nunca se esqueça de tudo que lhe ensinei. - O tórax do mais velho subia e descia com mais rapidez. - Seja feliz com Regina, eu não precisei vê-la para saber que eu já a conhecia. Seja feliz meu jovem. - Ed tentou tocar o rosto de Robin, mas seu corpo desfaleceu. Entregou sua vida, deixando Locksley completamente perdido, como se a vida tivesse perdido o sentido total. 

 

***

 

- Ele disse que não precisou te ver para saber que te conhecia. - Ele completou. - Ele disse que eu tinha que ser feliz, com você. 

 

Regina não soube explicar, mas ouvir Robin falar isso mexeu muito com ela. Ela lembrou de seu pai, sentia tanta falta dos ensinamentos que ele lhe passava. Para ela, quando Robin falava da felicidade, era como se seu pai houvesse lhe ensinando sobre isso, assim como ensinou para ela. 

 

- A felicidade. Tudo que meu pai queria era me ver feliz.

- A gente ainda pode ser feliz, com seu pai e Ed gostariam. - Robin encarou os castanhos tão enigmáticos como eram antes. 

 

 

"O certo era nem pensar em voltar

Nem mais te ver

Nem te ligar

O certo era a gente nem conversar

Tentar fugir

Nem procurar

(...)"

 

 

Um sacrifício, em tão pouco tempo aconteceu tanta coisa. O sacrifício de Regina, de seu coração. Só sabia que era o destino que estava agindo por eles. 

 

Regina no dia seguinte teria que dar sua última palestra e iria embora no outro. Robin também precisaria voltar para seus deveres. 

 

- Eu preciso ir. - Regina disse quebrando o silêncio que havia se formado. 

- Eu acompanho você. - Robin se levantou dando a mão para que Regina se levantasse também. 

- Não precisa, Roland deve estar te esperando. - Robin olhou as horas em seu relógio de pulso. 

- Pelo horário ele já deve estar dormindo. Eu faço questão de lhe acompanhar Regina. - Ela apensa consenti com a cabeça. 

 

Robin acompanhou Regina até a porta de seu quarto, no caminho trocaram os números dos celulares. E conversavam mais um pouco, acabaram por saber que estava estavam mais próximos que imaginavam. Ambos morávamos bairros próximos em Vancouver. A conversa agradável correu por mais vinte minutos. 

 

- Acho que devo entrar. - Regina disse sem graça, mas precisava descansar para sua palestra. 

- E eu devo deixar você descansar.  - Ele sorriu. - Espero que durma bem. - Ele se aproximou ao ponta de Regina sentir a respiração quente dele tocar a pele de seu rosto. - Não esqueça. Eu não vou te deixar. Nunca mais. - Ele segurou o rosto dela entre as mãos e a beijou. Calmo, porém repleto de sentimentos. 

-Eu sei que não. - Ela disse entre o beijo e sorriu encarando a imensidão azul dos olhos dele. 

 

Mais um beijo casto antes que ele fosse embora. 

Regina entrou em seu quarto feliz, por impulso levou sua mão a boca, revivendo e sentindo o toque doce e forte de Robin em seus lábios. 

 

"Mas a chuva não pede pra cair

O sol tem hora certa pra nascer

Será que estava escrito

Que eu iria te perder, não

A tempestade vai se acalmar

O rio sempre volta pro mar Inevitavelmente um dia a gente vai voltar"

 

 

Inevitável dizer que não estava apaixonada por ele, inevitável negar que sua vida iria mudar por inteiro a partir de agora. 

 

°- X -°

 

Locksley chegou em seu quarto realmente feliz, e como imaginava Roland estaria dormindo. Era um bom garoto e sempre obedecia o pai. O menino estava deitado na cama de Robin. O homem apenas deitou ao lado do menino, que se remexeu um pouquinho, mas não despertou. 

Ele estava tão feliz, sua vida estava voltando a fazer sentindo. 

Antes de dormir pegou o celular, mesmo que já tivesse desejado boa noite pessoalmente ele sentiu a necessidade de enviar uma mensagem de texto para Mills. 

 

"Você voltou para minha vida, assim como eu voltei para a sua. A partir de agora vamos estar um com o outro, independente de todos os empecilhos que a vida nos colocar. 

Eu só serei feliz se você estiver feliz. 

Desejo sorte em sua palestra amanhã. Espero lhe ver com seu belo sorriso, durma bem. 

 

Não se esqueça que o melhor de mim sempre foi e será você. 

 

R.L"

 


Notas Finais


Aqui o motivo da minha demora: https://spiritfanfics.com/historia/sempre-um-ate-logo-7184991
Isso mesmo, eu estava escrevendo um OS Seana pra vocês. Depois deem uma passadinha por lá. Espero que gostem.

Conta aqui o que achou desse capítulo. Henry e Edward são as mesmas pessoas? OMG. Mais a frente vocês vão entender melhor o porque Henry preferiu omitir seu nome para Robin.

Link da playlist: https://open.spotify.com/user/lorena_honorio/playlist/1ChPTc4gUOIkMVWL3VyEi0

Bom, até a próxima atualização. Beijocas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...