História Por amar você (Gastina) - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Exibições 186
Palavras 1.811
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OI GENTE. JÁ VOU COMENTAR DIRETO PQ N POSTEI CAP ONTEM. ONTEM EU NÃO TINHA DORMIDO NADA, OU SEJA, ACORDEI 18:50 DA NOITE E SÓ FUI DORMIR ONTEM AS 20 HORAS, QUE FOI SÓ O TEMPO DE EU ASSISTIR O ÚLTIMO EP DA MINHA SÉRIE. DESCULPE ;-; MAS, COMO VCS GOSTARAM MT DO EP PASSADO EU JÁ VOU COMEÇAR ESSE COM OUTRO HOT ^^ GASTINA MSM, OS OUTROS CASAIS AINDA SÃO VIRJÕES XD ATÉ AS NOTAS FINAIS.

Capítulo 27 - Última noite morando juntos


As partes indecentes estão em itálico, se não gostar pule

P.O.V NINA

Acordei com os raios de sol batendo em meu rosto, quando estava sã percebi que Gastón ainda estava me abraçando, ele fica tão fofo quando está dormindo, da vontade de não acordar ele, então decidi que iria lhe fazer uma supresa, fui para a cozinha e peguei uma bandeja, coloquei um café da manhã completo em cima dela e depois fui para o quarto, ele estava sentado na cama passando a mão nos olhos para se despertar.

- Oi meu amor - falei parada em frente a cama com um sorriso.

- Oi - ele disse totalmente surpreso, acho que não só pelo fato do café da manhã na cama, mas também por eu estar usando um desses babydoll que são transparente na parte de baixo.

- Você tava muito lindo dormindo e eu não quis te acordar, então preparei um café da manhã pra você - eu disse sentando do lado dele na cama.

- Geralmente é o homem que faz o café da manhã na cama - ele disse dando uma leve risada.

- Sou uma mulher moderna - disse convencida e ele riu.

- Você é melhor que isso, é a mulher que eu amo - ele disse e eu fiquei encarando seus olhos serenamente, ele fazia o mesmo, estávamos em um transe infinito, perdidos na imensidão dos olhos um do outro, até que ele decide quebrar o transe.

- Vamos comer? Ainda lembro que você é uma ótima cozinheira - ele disse e eu ri, nós comemos o café da manhã tranquilamente, olhando nos olhos um do outro toda hora, quando terminamos de comer ele colocou a bandeja na cabeceira da mesa. - então namorada perfeita - eu ri timidamente - o que vamos fazer hoje? Já te lembro que daqui a pouco teremos que ir embora, infelizmente amanhã temos aula.

- Bem... então porque a gente só não, sabe... aproveita o momento - falei me deitando em cima de seu peito.

- Eu realmente te mudei muito em, já está insinuando coisas pervertidas - ele disse rindo e eu fiz o mesmo.

- Fazer oque se eu quero o seu corpo junto ao meu.

Dito isso comecei a beijá-lo ferozmente, eu já estava ficando molhada só com aquele beijo, ele sabia exatamente como me enlouquecer. Ele trocou as posições, ficando por cima de mim, eu já conseguia sentir sua ereção entre suas pernas, ele começou a passar as mãos pelo meu corpo, quando separamos o beijo por falta de ar ficamos com nossos narizes colados, ele me lançou um olhar malicioso e começou a beijar  meu pescoço, ele sabia que esse era meu ponto fraco, voltou a acariciar meu corpo, mas dessa vez tirou meu babydoll, deixando meus seios a mostra, ele salivou e levou um deles a boca, começando a chupá-lo e começou a acariciar a outro, eu já estava delirando.

- Você está mais solto hoje - eu disse rindo, ele levantou a cabeça e fez o mesmo.

- É por que eu sei que você quer isso totalmente, ontem eu estava incerto se você queria mesmo.

- E mesmo assim me proporcionou uma noite perfeita - ele riu.

- E farei o mesmo com esse dia - ele disse maliciosamente.

Ele abaixou a cabeça até minha intimidade e retirou minha calcinha, segundos depois ele estava com a língua em mim, eu delirava ao senti-lo, eu queria muito aquilo, e ele também, logo não me aguentei e me desfiz dentro dele. Ele engoliu todo o meu prazer e depois levantou pra me olhar maliciosamente.

- Você tem um gosto muito bom - ele disse e eu troquei as posições, ficando por cima dele.

- Eu também quero te dar prazer - eu disse e me abaixei até seu membro que mesmo por cima da cueca dava para perceber que estava completamente ereto.

Tirei sua cueca e seu membro pulou para fora, eu estava salivante, queria dar a ele todo o prazer que ele me dava e que ele merecia, então coloquei sua glande dentro da minha boca fazendo movimentos circulares com a língua, logo depois lambi toda sua extensão e finalmente o levei a boca, fazendo movimentos rápidos.

- N-N-Nina - ele gemia meu nome, o que só me impulsionava a continuar, logo ele soltou todo o seu prazer em minha boca, eu logo engoli tudo.

- Já está cansado, Perida? - provoquei e ele me olhou, ele me pegou pelos braços e me deitou na cama bruscamente, ficando em cima de mim.

- Por que não tiramos a prova, Simonetti? - ele abriu a cômoda ao nosso lado e tirou um preservativo de dentro dela, colocando a mesma em seu membro. - está pronta? - ele me perguntou, mas agora seu tom era sereno.

- Me faça sentir delírios de prazer - respondi no mesmo tom e ele adentrou minha intimidade com seu membro, tirando um pequeno gemido de mim.

Ele começou a me beijar e fazer estocadas lentas, que logo foram aumentando o ritmo, eu já estava nas nuvens, não só por estar louca pelos avanços de Gastón, mas simplesmente por ele estar ali, comigo, por ser ele a pessoa que eu posso dar intimidade para fazer isso comigo, por poder ver seu rosto estampado com o prazer que eu posso proporciona-lo, por ser ele. 

- Gas, mais rápido - eu pedi entre gemidos e ele assentiu, fazendo as estocadas ganharem um ritmo feroz, que logo fez com que nós dois gozássemos.

Ele se jogou em cima de mim com a respiração completamente ofegante, eu estava no mesmo estado.

- É estranho eu dizer que isso foi muito bom? - eu perguntei, ainda me recuperando.

- Não - ele disse levantando a cabeça para me olhar - é muito bom você dizer - ele disse e depois me deu um selinho - e eu também não pude resistir, você estava muito sexy naquele babydoll - ele riu.

- E mesmo assim você tirou ele - eu ri também e ele revirou os olhos.

- Quer ir na praia antes de irmos embora? - ele me perguntou enquanto olhava meus olhos perdidamente.

- Tudo bem, mas podemos tomar um banho antes? - eu perguntei rindo e ele assentiu.

Nós fomos juntos para o chuveiro, e como o casal apaixonado que somos, o banho demorou muito porque ficamos nos beijando loucamente, logo depois colocamos roupa de banho e fomos para a praia, ficamos nadando e agindo que nem duas crianças jogando água um no outro, rimos muito e nos amamos muito é claro, e depois fomos nos arrumar para ir embora.

- Esse fim de semana foi tão perfeito - eu disse avoada enquanto íamos para o quarto.

- É claro que foi - ele parou em frente ao carro e se virou para mim - eu estava com você, o que é mais perfeito do que isso? - ele pegou meu rosto com as mãos e me beijou.

- Olha, se você ficar me beijando eu não vou querer ir embora, e se não formos embora minha mãe me mata - eu disse rindo e ele fez o mesmo.

- Então vamos - ele disse abrindo a porta do carro para mim e eu entrei, logo depois ele entrou pelo lado do motorista. - é triste saber que amanhã não vamos mais morar juntos - ele disse fazendo uma carinha triste e eu ri.

- Vamos fazer assim, quando nós dois formos maiores de idade a gente bate fora da casa dos nossos pais - eu disse e ri.

- Essa ideia é horrível mas eu amo ela mesmo assim - ele disse rindo e depois me deu um selinho e dirigiu em direção a minha casa. Algumas horas depois estávamos na minha casa.

- Chegamos mãe - eu disse assim que entramos em casa.

- Oi filha - ela disse descendo as escadas e me deu um beijo na bochecha - e oi Gastón.

- Oi dona Ana - ele respondeu.

- Mãe, já que é o último dia do Gas aqui em casa, porque não vamos comer fora? - eu disse sugestiva.

- Acho uma ótima ideia filha, acredite Gastón, até eu vou sentir sua falta - ela disse e nós três rimos. Decidimos ir em um restaurante de comida japonesa, já que nós três amamos sushi. Nós ficamos lá um bom tempo comendo e rindo. 

- Espera, porque você nunca disse que era a advogada dos meus pais? - ele perguntou totalmente surpreso por minha mãe dizer isso.

- Bem, eu achei que você sabia e você também nunca perguntou - ela rebateu.

- E por que você nunca contou pra mim mãe? - perguntei indignada.

- Porque se você soubesse ia ficar pedindo pra eu falar sobre você sobre ele - eu a fuzilei com o olhar e Gastón riu.

- Isso não é engraçado Gas - eu disse ainda indignada.

- Na verdade filha, é sim - ela disse e o acompanhou na risada, e eu virei a cara - mas agora estou curiosa Gastón, como você nunca soube que eu era advogada da sua família? - ela perguntou bebendo um gole de suco.

- Bem, eu já tinha te visto na empresa, mas não sabia que era por causa do meu pai porque minha família fazia questão de me envolver em questões jurídicas deles e eu sempre fui muito grato por isso.

- Faz sentido - eu respondi - minha mãe nunca me conta dos clientes dela também, mas acho que já deu pra perceber isso - falei olhando séria para ela.

- Isso são regras do trabalho - ela rebateu.

- Eu acho melhor voltarmos a comer antes que desça uma fera em vocês - ele disse e nós três rimos. Quando acabamos voltamos para casa. Gastón e eu fomos direto para meu quarto.

- E como sempre minha mãe me faz passar vergonha na frente das pessoas - eu sentei na cama e ele riu.

- É o que as mães fazem, por isso você só vai conhecer a minha no dia do nosso casamento - ele disse e me deu um selinho.

- E você acha que sua mãe vai te deixar casar com uma completa estranha? - eu perguntei curiosa.

- Não - ele riu - mas a esperança é a última que morre. - eu ri também.

- Vamos dormir? Quero aproveitar nossa última morando noite juntos - eu disse serena.

- Tudo bem meu amor - eu me virei de costas e ele me abraçou. Infelizmente ele teria que ir embora no dia seguinte para voltar a sua casa, pois é, me acostumei demais com a presença dele, é como se eu fosse ficar sem ar pra respirar. Bem, só me resta torcer pra fazer 18 anos logo.

CONTINUA


Notas Finais


AIOU. Bem, esse foi o cap de hj, tenho certeza que muitos me amam mais agora por ter outro hot XD fazer oq u.u é triste que eles não vão mais ficar na mesma casa tds os dias ;-; mas fazer oq ;-; bem, esse foi o cap de hj ^^ novamente desculpa n ter postado ontem. Bjs de glitter :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...