História Por que isso é tão confuso, Suga? - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Gay, Jihope, Jikook, Kookmin, Namjin, Sugahope, Vhope, Yoonseok
Exibições 169
Palavras 2.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, é 201 FAVS PORRA

Desculpe, me descontrolei, é sério, brigadão aê!

Enfim, quis escrever logo, porque eu tenho fogo, e estava inspirada, e aí tá, tudo bonitinho e escritinho, e fiz um capítulo grande para relevar o passado <3

Boa leitura <3

Capítulo 20 - Sensações tão confusas.


 

 

 

Meio sonolento e raciocinando as informações recebidas naqueles lapsos de memória, tateei a cama, ainda de olhos fechados, encontrando meu celular largado na extensa cama. Logo pensei em mandar uma mensagem para Yoongi, afinal, essa memória é totalmente diferente do que eu pensava que era minha amizade com Yoongi, até porque, eu pensava que gostava de YongJae, já que no seu diário, ela confirmava veemente, porém vejo que não é nada assim.

Como o que lembrei foi um beijo em Yoongi, pensei que seria algo simples, mas lembro claramente de ter sentindo umas sensações clássicas de quando sentimos ao começar se apaixonar por alguém, e isso é o que me deixa confuso, e até mesmo preocupado.

Abri o aplicativo para mandar uma mensagem para o mais velho, onde diria apenas que precisamos conversar, mas ao ver as minhas notificações, que julguei serem insignificantes, vi 6 mensagens do próprio Yoongi.

 

Min YongJae: Oi, sou eu o Baekhyun, o Yoongi tá aí?! Desde de que ele saiu que não voltou, por favor, me diga.

23:19

Min YongJae: Hoseok, acho que o Yoongi não tá aí, nem posso procurá-lo, tenho que certificar que minha tia não irá no quarto!

23:20

Min YongJae: Hoseok, passe aqui.

23:20

Min YongJae: Acho que o Yoongi foi em algum lugar, estou muito preocupado!!

23:21

Min YongJae: Me ligue assim que puder, por favor!!

23:21

 

Não tive nem tempo de pensar em um lugar para onde ele teria ido, pois rapidamente me levantei colocando qualquer roupa que estava jogada por cima do velho guarda-roupa, e vesti rapidamente, pegando o celular e discando o número de YongJae, e nem deu 5 segundos e foi atendido.

— Baekhyun, ele já chegou ou, sei lá?! – perguntei exasperado e visivelmente preocupado, enquanto descia as escadas tentando não emitir sons exagerados.

“Ainda não, pelo amor de deus, Hoseok, me ajuda, não sei aonde o Yoonie foi parar! Ele deve estar com raiva, não sei, pensei em sair daqui, mas estou com medo da noona ir olhar no quarto de YongJae, e não ver ninguém lá!” – a voz de Baekhyun estava embargada e meio desesperada, e ouvi leve arfares de fundo, como se chorasse baixinho.

— Eu estou indo aí, e pensamos juntos onde ele pode estar! Estou chegando! – falei rapidamente à Baek que disse um “Sim” rápido, encerrei a chamada e saí as pressas dentro da minha casa vendo a rua totalmente deserta, na qual frequentemente passavam por ali, apenas senti a brisa gélida me atingir, e comecei a correr em direção à casa dos Min. Senti os suor escorrer pelas minhas têmporas e ao ver a casa, que graças, não era longe, simplesmente diminui os passos e passei a mão entre meus cabelos úmidos na raiz. Toquei na campainha que nunca havia visto antes, e fui prontamente atendido por Baek que me puxou para dentro rapidamente.

— Hoseok, é sério, conseguir fazer a noona dormir após assistirmos vários filmes, e não quero deixar tudo tão arriscado, mas não sei mais o que fazer! – ele falou preocupado e notei que seus olhos tinham leves olheiras e seu rosto estava inchado e o nariz avermelhado, como uma evidência de quem havia acabado de chorar. — Não sei onde ele poderia ter ido, talvez no colégio, no parque que fomos no seu aniversário, não sei, não sei... – ele puxou seus cabelos de trás levemente e fechou os olhos fortemente, logo os abrindo e os vi um pouco marejados.

— Calma, Baekhyun, calma, vamos encontrá-lo, não tem um lugar que ele sempre quis ir? – perguntei esperançoso ao menor que respirou fundo e olhou-me pensativo.

— T-Tinha uma boate bem famosa, que fica um pouco longe do colégio, mas dar para ir se pegar um ônibus, e descer um ponto a mais, o nome é Heaven. – ele disse com a voz embargada.

Eu havia ido em alguns dias das minhas férias passadas nessa tal boate que fui com Namjoom, e acontecia algumas competições de Rap, e até mesmo de dança, onde me arriscava em alguns passos.

— Eu sei onde fica, eu vou lá e passo nos outros lugares! – falei e dei um breve abraço em Baek, em uma tentativa de passar confiança.

 

(...)

 

Eu havia pegado o ônibus, onde tive a sorte do mesmo passar rapidamente, e ir até mesmo num bom ritmo, o que estranhei, já que eram quase quatro horas da manhã, e nem sabia da existência de ônibus.

Ao descer no ponto mais próximo, conseguia ouvir a música soar baixo, mesmo estando longe do lugar. Segui as batidas que se espalhavam pela rua vazia e deserta, e logo avistei o estabelecimento iluminado por luzes coloridas. Corri para o lugar e logo tratei de adentrá-lo.

— Ei, ei, aonde pensa que vai, moleque? – fui barrado por uma mão grande que se espalmou em meu peito, levantei um pouco a cabeça dando de cara com o provável segurança que tinha uns um metro e oitenta, ou até mais. Analisei suas feições e reconheci algumas delas, principalmente as orelhas ressaltadas. — Espera, é você Hoseok? – a voz grossa soou baixa devido ao som que se instalava na boate.

— Chanyeol? – falei o primeiro nome que me veio, e que se assemelhava as feições impostas. Ele acenou com um sorriso de canto e me deu um abraço de lado. — Chanyeol, eu sei que sou menor de idade, e que está tarde, mas é que, provavelmente, um amigo meu está aí, e ele é muito irresponsável, juro que entro logo, e logo saio. – pedi suplicante ao mais alto.

Conheci o mais velho em algumas vindas que fazia com Namjoom, e como ele era bem mais conhecido de aqui, entrava facilmente, e como era seu companheiro, o acompanhava.

— Desculpe, Hoseok, mas não posso, e não é só um amigo? Ele de alguma forma entrou aqui, então era responsável, então, por favor, volte para casa porque- -

— Ele é meu namorado, por favor, quebra esse galho. – falei rapidamente a primeira ideia que me veio a cabeça, que o deixou surpreso, e suspirou de leve.

— Ok, pode entrar, mas seja breve e volte logo! – ele sibilou em meu ouvido e me deu passagem, e logo segui o caminho encontrando várias pessoas bêbadas, se esfregando em outras, beijando, ou apenas dançando. Mais afrente tinha uma roda, onde alguém dançava animadamente, e no palco improvisado à frente, dois caras que estavam mandando bem na batalha de rap.

Comecei a olhar ao meu redor vendo se encontrava algum cabelo descolorido, e andei um pouco para o lugar onde tinha algumas pessoas bebendo na bancada, onde saiam bebidas que julguei serem fortes pela coloração exagerada. Até que avistei uma pessoa de cabelo descolorido ingerindo aquele batida, que acredito que seja de morango, e descendo garganta abaixo e logo tossindo enquanto se apoiava no balcão.

Nem raciocinei o suficiente e logo supus que seria Yoongi. Andei em passos largos e o puxei pelo ombro esquerdo.

— Ah, até nessa porra de... sei lá, esqueci o nome, você me persegue, filho da puta! – ele exclamou alto e embolado, e senti o cheiro forte e adocicado da bebida saindo de seus lábios avermelhados. — Eu só quero, b-beber um pouco desse negócio aqui! Já foi difícil de entrar aqui, e você quer tirar minha felicidade?! Vá a merda, J-Hope! – ele gritou, mas foi abafado pelo alto som que soava por toda a boate.

— Yoongi, cala essa privada que você ousa chamar de boca, e vamos embora, por favor. – pedi devagar me aproximando para falar em seu ouvido, tentando manter a calma que estava se esvaindo em uma velocidade absurda de meu corpo.

Ele empurrou meu tronco para trás e ficou em pé, se desequilibrando para o lado e se apoiando com o pé direito.

— Eu não vou pra caralho nenhum, e se você me tocar, eu vou gritar.

E eu, claramente com a paciência longe do meu corpo, peguei Yoongi pela cintura e coloquei em meu ombro, com um lindo saco de batatas, e, obviamente, ele gritou, esperneou, debateu-se, e revirei os olhos e saí daquele cubículo quente, e passei por Chanyeol, tocando seu ombro, em uma tentativa de agradecimento, que me olhou torto e riu baixo.

— ME COLOCA NO CHÃO! – Yoongi gritou com todo o ar de seus pulmões, e o coloquei no chão sem nenhuma delicadeza, e segurei seus ombros estreitos e o aproximei de meu rosto.

— Eu não vou te dizer nada, só quero que você cale a boca, e tome a consciência da merda que você fez, deixando Baekhyun e eu preocupados, sem contar com sua falta de inteligência e responsabilidade de sair tarde deste jeito para uma boate, e para beber! Faça-me o favor, Yoongi, você acha que tem algum direito de protestar ou argumentar qualquer escolha, ou ato que eu faça para seu bem, agora? – sibilei lentamente transmitindo toda minha fúria para o mais velho que arregalou os olhos e relaxou os ombros.

— Não. – ele falou extremamente baixo, e se eu não estivesse próximo, não teria ouvido.

Apenas o puxei pela mão fria, e seguimos até o ponto de ônibus, onde ele não falou nada, e somente olhava para o chão, e se aparentava realmente pensativo, não entendi se era pelo seu estado de bêbado ou arrependimento. Olhei no celular vendo que era praticamente cinco horas da manhã, porém o sol não havia saído ainda. Demorou um tempo para o ônibus passar e ele somente perguntou qual era a hora e respondi friamente para o menor assim que estávamos dentro do ônibus, com umas duas pessoas o ocupando.

 

(...)

 

— Tem certeza que você cuida dele? – Baekhyun falou calmamente enquanto acariciava os fios de Yoongi, que não havia se pronunciado desde a nossa chegada, e ouviu atentamente o sermão demorado meu e de Baek, sem soltar nenhum protesto.

— Sim, só vou colocar ele no banho e ir para casa depois, tudo bem faltarmos o colégio hoje. – sorri pequeno para Baek que estava visivelmente cansado, e após umas ligações de sua mãe, que estava claramente preocupada, ele resolveu que seria melhor ir embora, mesmo estando na casa de sua tia mais próxima.

Ele deu um beijo na testa de Yoongi que sorriu tímido, Ele passou por mim e deu um abraço onde disse um “Obrigado” em meu ouvido. Escutei o barulho da porta ao ser fechada e olhei cansado para Yoongi que olhava para sua mãos como se fosse a coisa mais interessante no momento, e devia ser para ele, já que estava bêbado.

— Vem, vamos para o seu quarto. – o puxei pelo pulso de novo, e subimos a escada em silêncio, prezando pelo sono de sua mãe. Ao chegarmos no verdadeiro quarto de Yoongi, ele abriu a porta meio enrolado e entrou com um tropeço, e passei de seu lado, ficando em pé perto da cama. — Não vai falar nada? – perguntei secamente para Yoongi.

— Achei que você tivesse peço para que eu calar essa privada que eu chamo de boca. – pronunciou-se pela primeira vez com a voz mais rouca do que usualmente.

— Não acha que me deve explicações? – indaguei para Yoongi que empurrou meu corpo na cama, onde eu caí sentado com uma feição surpresa. Ele se sentou na minha frente e apoiou o tronco com os dois braços para frente de meu rosto.

— Devo, muitas, e muitas explicações. – falou meio soprado, tendo o tom de voz mudado rapidamente. Senti novamente seu hálito extremamente forte, evidenciando a grande quantidade de bebida ingerida.

Olhei seu rosto de pele leitosa, olhando seus olhos puxados e pequenos, que piscavam com lentidão pelo seu estado de torpor. Fitei sua boca avermelhada, que aparentou muito apetitosa ao meu olhar, e desci minha visão para minha blusa que ele usava, e que havia ficado claramente folgada, pois conseguia ver suas clavículas, e pela posição inclinada de seu corpo, tive a audácia de olhar por dentro de sua blusa, onde vi seu peito com a pele igualmente branca e leitosa, lá havia uma marca pequena que tinha sido causado por mim.

Senti uma puxada em meu ventre que logo se evidenciou o que era.

— Sabe, Hoseok? Quando te vi ao entrar no colégio, já vestido de garota, pensei comigo, “Nossa, o Hoseok está tão bonito, tão sexy” é claro que me amaldiçoei por este pensamento, mas apenas ignorei. Mas ao longo do tempo, vi que gostava tanto de você ao ponto de querer sua amizade de novo, e, novamente, me amaldiçoei por isto. Então, em umas das saídas que faço secretamente para tentar viver um pouco, você veio falar comigo, eu sendo o Yoongi, não um cópia de YongJae, e isso fez minha mente girar, meu estômago embrulhar de ansiedade. E você me beijou, seu filho da puta de um caralho! – ele terminou sua fala, na qual me encontrava surpreso por sua sinceridade que estava exposta por seu estado bêbado. Yoongi deu um soco, consideravelmente, forte em meu peito, e gemi de dor baixo.

— M-Mas, Yoongi- – tentei argumentar, sendo interrompido.

— Isso me deixou com umas sensações tão confusas, e só queria me vingar pela sua estupidez, então, fiz aquilo de querer ajuda com Taehyung, somente para te machucar, e organizei encontros, e várias situações para fazer com que você desistisse de YongJae, mas, o infeliz do Baekkie, resolveu te mostrar a verdade, e você, rapidamente, ligou os fatos. Quando eu fui na sua casa, pensei, “Vou cortar todos os laços, e ir embora”, só que eu comecei a chorar, porque eu não aguentava, e nem aguento, mais. E você começou a chorar também, e foi aí que vi a burrada que tinha feito, comecei a magoar meu melhor amigo, o meu único amigo, por um motivo fútil. E acabou que aconteceu aquilo, nós quase transamos. E pior disso tudo, é que eu não me arrependo, queria até mesmo terminar tudo aquilo, já que foi muito gostoso, em minha pervertida opinião, e foi quando eu realmente me toquei, que eu estava traindo minha irmã, e me senti um lixo. Mas, foi nesse momento que juntei todos os fatos, e a verdade veio como uma bomba em minha cabeça.

Ele parou de falar subitamente, onde eu já me encontrava boquiaberto e espantado. Somente se aproximou mais de meu rosto, ao ponto de seu nariz se encostar ao meu.

— Eu estou, miseravelmente, infelizmente, loucamente, fodidamente, apaixonado por você, Hoseok.

 

 

 

 


Notas Finais


É né, o Yoongi tá muito loucão

Vou colocar minha outra fic aqui sim, e se reclamar, coloco o primeiro capítulo escrito aqui

https://spiritfanfics.com/historia/all-technical-not-being-gay-6975276

Sinopse: "Jeon JungKook não tem a famosa ''pegada'' pedida por sua "quase namorada", e após aceitar a ideia de Taehyung de pagar alguém ensiná-lo, ele pede a Park Jimin, um garoto que ele praticamente odeia, para lhe dar aulas de como ter a tão almejada ''pegada''."

Eu já tô chorando pelo fato que não vou pro show, e quando chegar no dia, vou alagar todo o brasil, menos em São Paulo, porque não quero meus maridos alagados

DESCULPE QUALQUER ERRO

Tchau Tchau, beijos de manggatteok <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...