História Por que não meu melhor amigo? - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekyeol, Chanbaek
Exibições 1.087
Palavras 3.644
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei, mas cheguei.
Ainda sinto muita vergonha alheia com essa fanfic, mas vamos lá.

Capítulo 16 - Capítulo dezesseis


Acordei com o celular despertando me avisando que teria que ir para escola. E com isso deixar meu bebê com a minha sogra. 

 

Não quero, vou ficar o dia todo com ele, irei leva-lo para Luhan conhecer e depois vou passear com ele em algum lugar.

 

Olhei para ele e vi que já estava acordado, com aquele jeitinho de bebê que me deixava todo bobo. 

 

- Bom dia meu, Tae. – Sussurrei carinhoso ao expressar um sorriso pequeno ao fitar as feições fofinhas a minha frente.

  

- Antes o bom dia era para mim primeiro. - Chanyeol falou fazendo biquinho, como uma verdadeira criança mimada. 

 

- Para de ser bobo, Channie. - Ri da sua cara de tristeza forçada com a minha resposta, só me deixando ainda mais sorridente com toda aquela fofura a minha volta. 

 

- Viu, já começou me xingando. - Mordi o biquinho que ele insistia em fazer. 

 

- Eu te amo. - Falei do nada e fiz um carinho na sua bochecha com os olhos fixos em cada uma de suas expressões, expondo através dos meus atos também, que eu o amava mais que tudo no mundo. 

 

- Eu também te amo. - Se aproximou mais e me beijou. 

 

O beijo carinhoso de sempre, com sua mão afagando meu cabelo enquanto sua língua brincava com a minha. 

 

Eu amava beijar ele assim. Por mim faria todos os dias, sem parar, a todo momento

 

- Hunf, Tae, você só bebe leite por que sai tão fedido? – Separamos mesmo sem vontade, Tae estava com a frauda suja com toda certeza do mundo, o cheiro não era agradável.

 

Ele deu o primeiro sorrisinho e se mexeu todo na cama, levando toda a fofura do mundo somente naquele ato tão simples.

 

- Que appa bobo, não liga para ele não Tae, o dele é bem pior. - Falei rindo e Chanyeol bufou. 

 

- Bobo é você. Vai trocar ele antes que o quarto fique intoxicado. 

 

- Vem Tae, deixe esse appa feio pra lá... - O peguei no colo e fui para o banheiro.

 

Resolvi dar um banho nele e tomei um junto no chuveiro. 

 

Ele brincava com a água e puxava meus lábios as vezes com as pontas dos dedos, foi uma luta lavar tanto ele quanto a mim. 

 

Depois da guerra, saímos.

 

- Channie veste ele para mim? Eu preciso me arrumar. - Pedi e quando pegou, começou a vestir de um jeito desajeitado, todo torto, mas vestiu. 

 

Me arrumei normalmente, sem o uniforme da escola. 

 

- Não vai para aula hoje? 

 

- Não, só vou lá mostrar meu lindo para o Luhan e para o Sehun, eles não sabem de nada ainda, e depois vou passear com ele. 

 

- Vai me deixar sozinho na escola mesmo é? - Fez aegyo. 

 

- Amanhã eu vou, eu quero curtir ele, e se você quiser pode vir com a gente. 

 

- O que você vai fazer? 

 

- Vamos no parque passear, vou comprar algumas coisinhas e depois volto embora para receber as coisas do quarto dele.

 

- Eu vou se você comprar sorvete. 

 

- Tá bom, agora me dá ele e vai se arrumar enquanto eu preparo o café. - Estiquei o braço para pegar, mas Chanyeol não me deu. Aliás, fez uma carinha birrenta muito fofa por sinal.

 

- Você acha que só você pode ficar com ele, e a hora que a gente voltar eu tomo banho, quero curtir meu filho também. - Por essa eu não esperava. 

 

Bufei e tentei pegar ele de novo. 

 

- Me dá então para você se vestir, ou vai sair de pijama? 

 

- Ta bom, mas hoje eu dou café para ele, hein.

 

Peguei meu menino no colo rapidamente, nunca se sabe quando Chanyeol vai querer pegar ele do meu colo de novo.

 

- Vai vendo... Fala pra ele quem é seu appa preferido? Sou eu não sou?

 

Ele apenas deu um sorrisinho fofo, extremamente fofo, fofo demais, tanto que beijei sua bochecha para ficar ainda mais feliz com aquela fofura toda.

 

- Lógico que ele vai fazer isso, você mima ele.

 

Mostrei a língua e sai do quarto, indo em direção a cozinha. 

 

- Vamos comer? Vou te deixar uma baleinha só para aumentar essas bochechas gostosa. - Não resisti e dei uma mordida leve. 

 

Coloquei ele no tapete felpudo da sala, cerquei de almofadas e fui para cozinha, não tinha perigo já que a cozinha tem uma espécie de janela que dá para ver a sala toda.

 

Me concentrei na mamadeira e no café preto ao mesmo tempo, e depois fui picar as frutas, separar uns pães e bolachas, coloquei tudo sobre a mesa. 

 

Quando voltei minha visão para a sala fiquei tão feliz quanto ontem. 

 

Chanyeol estava deitado do lado dele enquanto fazia caretas só para ver Taehyung sorrindo, mesmo que minimamente. 

 

- Channie, criança pequena não pode rir desse jeito, depois começa a chorar do nada. E pelo que eu sei você não vai querer cuidar dele chorando. 

 

- Vou sim, ele é meu filho também e não posso cuidar dele só quando me convém. - Fiquei de cara com essa resposta. - E ele é igual a mim, gosta de sorrir. 

 

- Vem, vamos comer e ir apresentar o Tae para o mundo. - Fui em direção a eles e tentei pegar o pequeno, mas acabei levando um tapa leve na mão.

 

- Eu disse que eu vou dar comida para ele hoje. - Se levantou e o pegou fazendo tanto a mim quanto o Tae sorrir.

 

- Ok.

 

Fomos para a cozinha e nos sentamos do mesmo jeito que ontem, porém com Chanyeol com o Tae no colo dessa vez. 

 

Ele parecia um menino brincando de boneca, segurava a mamadeira todo sorridente e as vezes dava uma balançada no corpo. 

 

- Não mexe assim, ele vai vomitar em você. - Avisei enquanto mordia um pedaço de pão. 

 

- Você não seria malvado com o appa assim né Tae?

 

Por enquanto não aconteceu nada, mas assim que a mamadeira acabou Chanyeol teve a ideia brilhante de levantar ele até o alto e aconteceu o que eu previ. 

 

Chanyeol fez cara de nojo e eu só ria da situação e Tae me acompanhava, porém, só sorrindo como se soubesse o que tinha feito. 

 

- Macumbeiro, não abre mais essa boca, hein. 

 

- Agora você vai ter que tomar banho ou vai sair fedendo azedo. 

 

- Ta bom, dá alguma fruta molinha para ele comer enquanto eu vou me livrar disso. - Falou me entregando ele.

 

- Ele ainda não tem idade para isso Channie. 

 

- Baek bebês só não podem comer quando tem leite materno e no caso dele só o de vaca não vai funcionar então tem que arrumar outro jeito de nutrir o corpo dele, então faz uma vitamina para ele e põe na mamadeira. - Saiu da cozinha sem me esperar dar resposta, ele tem razão.

 

- Channie, ele não pode comer isso, ele nasceu não tem nem uma semana, só vai poder comer essas coisas daqui uns dois meses. – Sussurrei um pouco pra baixo, não queria cortar ele sendo um chato logo no começo. – E esse leite não é de vaca, é um especial, ó.

 

Ele apenas riu e saiu da cozinha. Voltei a sala e deixei Tae do mesmo jeito no tapete somente para ir preparar mamadeiras extras e colocar na bolsa de bebê para o caso dele ficar com fome na rua.

 

Logo voltei para sala e peguei meu menino no colo de novo, dava para ouvir Chanyeol com o chuveiro ligado ainda, provavelmente demoraria.  

 

Liguei a TV para esperar Chanyeol descer, deixei em um jornal qualquer e passava que o nível de criminalidade estava aumentando cada vez mais. 

 

"Ainda bem que essa casa é segura" pensei desligando aquela coisa que só mostra notícia ruim e voltei a minha atenção ao Tae. 

 

Ele balançava as mãozinhas e chutava o ar, ele é bem esperto para idade. 

 

Ouvi Chanyeol descer as escadas e olhei para confirmar se era mesmo. 

 

Mesmo depois de tanto tempo vendo ele de todos os ângulos possíveis, nunca me cansa de olhar seu rosto, seu corpo e de principalmente beijar aquela boca que eu amo tanto. 

 

Se aproximou de mim.

 

- Para de babar em mim e vamos.

 

- Quem manda você ser perfeito. - Fiz ele corar, que fofo. 

 

- Você também é perfeito, vamos? 

 

- Segura ele que eu preciso arrumar a bolsa e a gente vai comprar um carrinho de bebê.

 

- Você não comprou tudo ontem? 

 

- Eu comprei o essencial Channie. 

 

Corri de um lado para o outro, arrumando a malinha dele e coloquei tudo que eu achei necessário. Se precisasse de mais alguma coisa, eu compraria na rua.

 

- Pronto. 

 

- Vamos. 

 

- Me dá. - Estiquei os braços para tentar pegar Tae no colo.

 

- Não, ele vai no meu colo hoje. 

 

- Não, deixa eu levar ele vai... por favor Chanyeol só um pouquinho. - Fiz aegyo. 

 

- Ah, mas você é muito grudento com ele, sua mãe tem razão. 

 

Peguei ele e mostrei a língua para Chanyeol. Não é grude, eu só gosto do meu bebê, poxa. 

 

- Vamos. 

 

Saímos com Chanyeol abraçado a mim e fazendo caras e bocas para o Tae que sorria para tudo. 

 

Como o caminho para escola era praticamente o mesmo, chegamos no portão em 15 minutos e como esperado todos os olhares se voltaram para nos. 

 

Vi uma das amigas da Dara se aproximar, a Minzy, não me perguntem, mas eu não vou com a cara dele e só piorou quando eu dei a notícia da morte da amiga e ela tratou como se fosse a morte de uma barata.

 

- Esse é o filho da Dara? - Perguntou tentando passar a mão na cabeça do bebê, mas eu afastei antes.

 

- Sim, dá uma licença, estou procurando o Luhan e você com essa cara horrorosa está atrapalhando. - Respondi tentando olhar para os lados em busca do meu amigo. 

 

- Você não muda mesmo, hein, viu o que a Dara sofreu e tá ai julgando outra pessoa sem a conhecer. 

 

- Minha querida entenda esse foi o único ato bondoso que você viu da minha parte, nunca mais irá se repetir, eu não sou bonzinho, eu não sou legal e não vou mudar minha personalidade por conta da única vez que alguém amoleceu meu coração. 

 

- Nossa, que bicha má. - Era Luhan atrás de mim, me virei para ele e exibi meu filhotinho. - Meu deus Baek, que coisa mais linda. - Esticou os braços para pegar o motivo da visita. 

 

- Lindo meu filho não? 

 

Sua cara mudou completamente, arregalou os olhos e a boca, ao contrário de Sehun que continuou com a sua cara de porta rotineira. 

 

- Que história é essa de filho? 

 

- Vamos sair desse ar nojento de certas pessoas e eu te conto. 

 

- Você vai ficar para a aula? - Neguei com a cabeça. - Então vamos para outro lugar.

 

Saímos do portão e fomos a uma praça na rua da escola. 

 

Sentamos em um banco e contei tudo o que aconteceu, e como era de se esperar ele chorou, menos Sehun.

 

- Awn, Baek, você ainda tem um lado que pensa nas pessoas que não estão a sua volta. 

 

- Marque isso na sua memória, pois nunca mais vai se repetir. 

 

- Sim, isso é histórico. 

 

Bufei e me levantei.

 

- Vamos ao parque tomar sorvete e passear com o Tae, querem ir? - Perguntei pegando meu pequeno do colo do Luhan porque vi que já ia começar a chorar. 

 

- Só se você pagar. - Riu e levantou. 

 

Antes de ir para o parque passamos em uma loja de carrinhos e compramos um vermelho e branco de três rodas com detalhes de ursinho.

 

Ele não queria ficar de jeito nenhum e era só ameaçar colocar ele lá dentro que começava a chorar. 

 

Chanyeol ficou dizendo que vai ficar pior se eu pegar ele no colo o tempo todo.

 

Eu apenas ignorei, não me importo nem um pouco dele ficar no meu colo o tempo todo. 

 

Ele é meu e eu deixo do jeito que eu quiser. 

 

Quando chegamos no parque, demos várias voltas em meio as árvores, comemos salsichas no palito o que rendeu coisas pervertidas na parte do Luhan. 

 

Quando ficamos cansados sentamos em baixo de uma árvore, e como o Tae ainda é muito novinho coloquei uma manta no chão só para ele e enchi de brinquedos em volta mesmo que não soubesse brincar ainda. Só chorou quando precisou trocar a fralda. 

 

As duas vezes que ele foi mamar, Luhan implorou para deixar ele dar, demorou um pouco para Tae se acostumar com ele, mas ficou quietinho depois. 

 

Ficamos conversando sobre a vida, sobre jogos, sobre o futuro e coisas assim.

 

Mas quando deu por volta das 2 horas, decidi ir embora, tinha que pegar os móveis do quarto do meu bebê e ligar pra minha omma ir de amanhã de manhã ficar com ele pra eu ir para escola. 

 

E só de pensar em ficar 4 horas longe dele meu coração apertou todinho. 

 

Mas tinha que terminar a escola primeiro. 

 

Quando chegamos, foi tempo de um banho para os entregadores chegarem com tudo e quando terminaram de montar, arrumei tudo enquanto Chanyeol brincava com o menino no nosso quarto em cima da cama. 

 

Ficou tudo perfeito, espalhei os ursinhos pelas estantes, deixei os grandões pelo chão e coloquei o restante das coisas nos devidos lugares. 

 

- Channie ficou pronto, vem ver. - Gritei.

 

Assim que ele entrou, seus lábios se abriram em um lindo sorriso.

 

- Você gosta mesmo de pandas, hein?!

 

- Bobo, vamos colocar ele para dormir e aproveitar um pouquinho? - Perguntei insinuando o que eu realmente queria. 

 

- Hmm demorou, Tae você trata de dormir rapidinho igual ontem para o appa aproveitar o tempo que o appa Baek decidiu dar para mim. 

 

Ri do seu comentário bobo.

 

- Faz uma mamadeira morna para ele? Vou arrumar o berço e colocar outra fralda que essa já deve estar suja.

 

- Tá bom, toma. - Me entregou o bebê saiu do quarto. 

 

Troquei e arrumei ele com um pijama fofo de gatinho com orelhas que deixava ele a coisa mais linda do mundo e quando Chanyeol voltou, deixei ele dando a mamadeira enquanto ia ajeitar a nossa cama. 

 

Quando voltei para fazer ele dormir, Chanyeol já tinha feito e ficou olhando todo bobo.

 

O abracei por trás passando a mão pelo abdômen e descendo aos poucos até o cos da calça.

 

- Vem? - Passei a mão por cima da ereção que se formava lentamente com o meu toque. 

 

Ele sem pensar, veio em minha direção me pegando no colo e levando para o quarto. 

 

Fechou a porta com um dos pés e começou a distribuir beijos no meu pescoço e de primeira arrancando meus gemidos mais baixos. 

 

Deitou na cama comigo por baixo sem parar de me beijar. 

 

- Para de enrolar Channie, eu quero logo. - Pedi gemendo mais alto um pouquinho. 

 

- Apressadinho.

 

Reclamou, mas tirou a minha roupa e a dele de forma bem apressada também. 

 

Voltou a deitar em cima de mim e deu início a um beijo intenso.

 

Eu gemia baixinho, mesmo que eu seja escandaloso, tinha que pensar que no quarto da frente meu pequeno dormia tranquilamente, então me controlei, mesmo que fosse quase impossível. 

 

Senti o membro dele roçar minha entrada com força simulando uma penetração que não vinha e isso me deixava irritado. 

 

- Channie ahhh. - Me penetrou ao perceber que eu ia reclamar e dessa vez senti o desconforto que todos falavam. – Tá estranho, Channie. 

 

- Você é apressado então tem que aguentar. 

 

- Ahhh não quero esp.... AHHHHHH – Gritei, sentindo ser preenchido até o fundo.

 

- Ah, Baek continua gemendo alto assim e vai ficar sem. 

 

- Uhum, agora met... - Coloquei a mão na boca tentando abafar os gritos quando do nada começou as estocadas fortes e rápidas. 

 

O beijo voltou com mais intensidade me deixando perdido a cada vez que sentia seus lábios sugarem minha língua quase no mesmo ritmo das investidas. 

 

- Hmm Channie ahh mais... - Apertou aquele ponto com força. - Aiiiii de novo.

 

- Se controle Baekhyun...

 

Seu ritmo foi aumentando gradualmente sempre acertando o lugar certo me fazendo gemer, mesmo que contido.

 

Quando senti meu orgasmo se aproximar me contrai fazendo Chanyeol revirar os olhos e ir mais fundo gozado primeiro que eu por uma diferença de segundos. 

 

Sem falar nada, se jogou no meu lado ofegante.

 

- Vem. - Deitou direito e colocou o braço em cima do meu travesseiro e eu fui rapidamente sentir seu cheiro. 

 

- Eu te amo. - Falei olhando nos seus olhos com o tom mais apaixonado do mundo, amorzinho pós sexo era a melhor coisa do mundo. 

 

- Eu também te amo. Mas do que tudo nesse mundo. - Me deu um selinho. 

 

- Você é a pessoa mais importante da minha vida. - Respondi com o mesmo ato

 

- Eu quero você todos os dias ao meu lado. - Repetiu. 

 

- Vai ter pra sempre. - Continuamos com a troca de selinhos até o sono nos pegar.

 

Dormi tranquilo, feliz com um tímido sorriso nos lábios. 

 

X - - - X

 

Acordei primeiro que Chanyeol e fui arrumar o café, sabia que Tae estava dormindo pois se não estivesse, com certeza a casa estaria ecoando gritos pela casa toda. 

 

Acho incrível como ele dorme a noite toda e só suja a fralda de manhã. 

 

Arrumei a mesa do café e subi para o quarto dele, ele estava acordado, mas quietinho olhando para o teto enquanto chutava o ar. 

 

- Bom dia meu amor. - O peguei no colo e fiz o que se faz de manhã, banho, trocar fralda, trocar roupa e etc. - Vamos acordar o appa? 

 

Sai do quarto e fui até o nosso me sentando na cama logo em seguida. 

 

- Channie, acorda vamos nos atrasar se você não levantar.

 

Achei que fosse fazer um drama enorme, mas não, se levantou com um sorriso feliz e deu um beijo em mim e um no Tae e foi para o banheiro. 

 

Desci e comecei a comer, Chanyeol apareceu rapidamente e comeu também. 

 

Quando estava dando a hora de sair minha omma tocou a campainha e nem esperou alguém atender e já foi entrando. 

 

- Tae.. meu menino lindo a sua halmeoni favorita chegou. - Nem cumprimentou a gente e já queria pegar o Tae.

 

- Não a halmeoni favorita dele sou eu. - Minha sogra apareceu depois e agora as duas tentavam tirar ele de mim.

 

Mesmo contra minha vontade entreguei ele a minha mãe, e na hora começou a chorar, mas quando tentei pegar de volta elas me repreenderam dizendo que eu não podia fazer isso se não nunca mais iria sair de casa sem ele.

 

Me despedi na porta enchendo de beijinhos o seu rosto molhado e só me deu mais aperto no coração ao ver ele aumentar o choro quando me afastei. 

 

Mesmo com Chanyeol do meu lado me distraindo do Tae, eu não conseguia parar de pensar nele, em como ele estava se tinha parado de chorar, se minha mãe estava assustando muito ele.

 

E durante as aulas foi pior ainda, porque todos falavam dele e o relógio parecia brigar comigo toda vez que botava os olhos nos ponteiros.

 

Quando finalmente o último sinal bateu arrastei Chanyeol até em casa o mais rápido que pude.

 

- Finalmente, Tae, o appa chegou. - Gritei assim que entrei em casa. 

 

- Ele está vivo Baek, eu disse que era só manha. - Minha omma apareceu com ele no colo e por incrível que pareça foi só me ver que começou a birra.

 

- Vem com o appa, essa vovó feia judiou muito de você bebê? 

 

- Para de fazer isso Baek, ele vai ficar chato. 

 

- Não vai não, eu era assim com você e nunca te vi reclamar do meu grude.

 

- Por que eu podia ficar o tempo todo com você. 

 

- Hm, você vai ficar em casa hoje, Channie? 

 

- Não, vou precisar ir na empresa hoje, vou só almoçar e matar a saudade do meu pequeno. - Veio na minha direção e pegou o Tae do meu colo. 

 

- A comida já está pronta e ele já comeu, já tomou banho e está sequinho, então vocês estão sem trabalho por enquanto. 

 

- Obrigado, omma. 

 

- Eu já vou indo, amanhã eu volto Tae. 

 

Saiu pela porta sem dar tchau, mal-educada

 

Fomos para a cozinha e comemos tudo o que tinha lá e em meia hora Chanyeol já ia sair. 

 

- Bom trabalho, meu amor. - Dei um selinho rápido

 

- Obrigado, eu te amo Baek, para sempre. - Fez carinho na minha bochecha, enquanto me deixava todo bobo com aquele sorriso fofo ao me olhar. 

 

- Eu também te amo, para sempre. 

 

- Também te amo, Tae. - Deu um beijo no topo da cabeça dele e saiu.

 

Assim que colocou os pés na rua uma sensação ruim bateu no meu peito e como da última vez não era nada demais decidi ignorar e voltei para dentro e me deitei no sofá pra assistir filmes durante a tarde toda. 

 

A tarde foi bem calma exceto pelo aperto que sentia a cada vez que lembrava de Chanyeol e quando deu por volta da seis da tarde o telefone tocou. 

 

- Alô. - Falei calmo. 

 

- Baekhyun? - Era uma voz estranha do outro lado. 

 

- Sim...

 

- O que você é de Park Chanyeol? 

 

- Marido por que? - Já senti meu coração acelerar. 

 

- Seu marido foi cercado por um grupo de homofobicos e foi espancado até ficar inconsciente, ele está em cirurgia agora....

 

Senti meu chão sumir.

 


Notas Finais


twitter @byunbibu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...