História Por que não meu melhor amigo? - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekyeol, Chanbaek
Exibições 542
Palavras 1.953
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Vou finalizar essa hoje ainda, ou vou tentar, só esperem que ainda tem mais.

Capítulo 19 - Dezenove


- Vai embora. - Ia fechar a porta, mas ele impediu com uma das mãos. - O que foi?

 

- Eu não vou tirar ele de você, senhor... - Olhou a pasta nas suas mãos e voltou a mim. - Byun Baekhyun, eu sei que você está cuidando muito bem dele.

 

- Não importa, não quero um assassino na minha casa. - Ia fechar outra vez, mas fui impedido de novo. 

 

- Eu não matei ninguém, a morte da Dara não foi culpa minha, eu tentei ficar com ela, mas meus pais não deixaram. 

 

- E por que não deixou seus pais de lado pra ficar com ela? - Estava visivelmente irritado.

 

- Porque se eu saísse de lá provavelmente íamos morrer os três de fome, pois o que eu estou fazendo agora é o meu primeiro emprego.

 

- Só vou deixar você entrar por que eu preciso dos seguranças. - Cedi espaço e ele entrou. - Vai sentar ou quer falar sobre isso de pé? 

 

Sentou-se de frente para mim na poltrona vazia. 

 

- É só assinar isso daqui e hoje mesmo você já estará protegido. - Me entregou a pasta. - Você já resolveu tudo com a atendente, né? 

 

- Sim, já está tudo certo. - Assinei e entreguei de volta. 

 

- Baek o Tae está chorando, eu tentei acalmar el,e mas você deixou ele muito mimado e ele não fica quieto. - Luhan apareceu nas escadas, eu nem tinha percebido a sua ausência. 

 

- Já estou indo. - Mas não foi necessário pois Sehun desceu com ele nos braços e não chorava tanto assim. - Vem cá bebê, esses tios feios assustaram você meu anjo? - Peguei ele no colo e fui em direção a Daehyun que o olhava com um sorriso sincero nos lábios. 

 

- É ele?- Perguntou e eu assenti. - Posso pegar? 

 

Esse idiota acha que só por que é pai biológico dele eu vou deixar encostar no meu baby? Pode até ser, mas para mim ainda não passa de um estranho. 

 

Me afastei deixando bem claro que não. 

 

- Já terminou o que tinha para fazer aqui? Se sim por favor vai embora e mande os seguranças o mais rápido possível eu preciso ver Chanyeol.

 

Fui para a cozinha, deixando só ele e Sehun na sala porque o Luhan veio comigo. 

 

- Quem é ele?

 

- O pai biológico do Tae. 

 

- E o que ele quer? - Estava meio receoso. 

 

- Relaxa, ele não vai tirar o Tae de mim, não é meu amor? - Deu seu sorriso fofo de sempre e as lágrimas que estavam no seu rosto o deixaram ainda mais mordível. 

 

- Ainda bem, já me apeguei a esse pirralho. - Veio para perto e foi só chegar a uma distância boa que o Tae começou a chorar. 

 

- Esse Luhan é muito feio né Tae? É só não olhar pra ele meu anjo, o appa também ficou assim quando viu o tio Lulu pela primeira vez. - Levei um tapa na cabeça. 

 

- Esse moleque vai ficar chato igual a você. - Me mostrou a língua. - Eu vou visitar o Chanyeol, quando você for pra lá me liga e eu fico com o Tae tá bom?

 

- Tá bom, hyung, assim que os seguranças chegarem eu vou pra lá. 

 

Ele me deu um beijo no topo da cabeça e foi pra sala. 

 

- Tchau Sehun, até mais tarde. - Me despedi pela bancada.

 

- Até hyung. 

 

Saíram e novamente me senti sozinho. 

 

Voltei para a sala e deitei no sofá com Taehyung deitado no meu peito, já bastante sonolento. 

 

Fiz carinho nele até cair no sono de novo, quando ele estava dormindo, me sentia mais tranquilo, pois assim ele não me vê chorando. 

 

Tentei deixar minha mente longe de pensamentos ruins até a hora que eu pudesse ver meu amor através de um vidro. 

 

Nem me dei conta do horário quando a campainha tocou outra vez e quando abri dei de cara com sete homens com o dobro do meu tamanho vestidos de preto, dois deles eram asiáticos e os outros cinco ocidentais. 

 

- Pois não? 

 

- Eu sou Huang Zitao e este é Wu Yifan e seremos os seguranças seu e do seu filho e os outros cinco os da casa. 

 

- Que bom que já estão aqui, preciso ir ao hospital. - Entrei e peguei o Tae no sofá. - Qual dos dois vem comigo? 

 

- Vamos os dois, é bom para reconhecer o lugar e prováveis suspeitos. 

 

- Oh sim, então vamos. - Fechei a porta e andei com aqueles dois gigantes na minha cola.

 

É muito estranho, parece que eu sou uma moça indefesa que tem que ser protegida a todo custo. 

 

Bom indefeso eu sou, mas não sou uma moça. 

 

- Huang? Vocês são chineses né? 

 

- Sim, eu e o Kris viemos para Coréia por conta do trabalho. 

 

- Quem é Kris? 

 

- Yifan, Kris é o apelido dele.

 

- Vocês são parentes? - Estou tentando fazer amizade com eles, não quero clima estranho.

 

- Acho que você não vai se importar, nos namoramos. 

 

- Oh não me importo não, podem ficar tranquilos, mas vocês sabem o motivo da proteção, né? 

 

- Sim, não se o preocupe, somos bem treinados para todo tipo de ocasião. 

 

Sorri e voltei minha atenção para o Tae que tinha acordado. 

 

- Oi meu bebê, tá mais calminho meu anjo? É bom que continue por que você vai ficar com o tio Luhan para eu ver o appa Chanyeol ta bom? - Ele sorriu. 

 

Continuei andando, várias pessoas me encaravam com medo e curiosidade. 

 

Mas também os dois tem cara de mafiosos, quase dois metros de altura e andam com a cara fechada atrás de um baixinho com um bebê no colo.

 

Até eu ficaria com medo se olhasse de longe. 

 

Chegamos ao hospital e me esqueci de ligar para o Luhan, ele vai dar piti.

 

Entrei e dei um toque pra ele.

 

- Estou aqui em baixo, desce logo pra pegar o Tae.

 

- Okey. - Sua voz estava chorosa.

 

Desliguei e me sentei em uma das cadeiras de espera. 

 

Luhan apareceu chorando com Sehun ao seu lado também bem triste. 

 

- Vem Tae, tio Luhan vai levar você pra minha casa. 

 

- Tudo bem pra você ficar com ele?

 

- Sim Baek, eu gosto dele você sabe.

 

Entreguei meu bebê pra ele e no mesmo instante abriu o berreiro.

 

- É só eu sair da vista dele que ele para de chorar, passa lá em casa e pega alguma coisa se precisar, Zitao avisa os homens de lá que o Luhan e Sehun têm entrada livre. - Fui em direção a recepção. 

 

- Veio ver o senhor Chanyeol? 

 

- Sim.

 

- Ele já foi transferido para o quarto, pode ficar o tempo que quiser com ele.

 

- Obrigado. - Me entregou u crachá.

 

- Vamos, eu mesma irei levar você até lá. - Se levantou de trás do balcão e veio até mim.

 

Fez sinal para que eu a seguisse. 

 

Desta vez não foi muito longe, era no segundo andar e tinha pessoas andando para todos os lados, algumas sorriam de modo triste e outras se derramavam em lágrimas.

 

Paramos de frente para o quarto número 300.

 

- Ele está ai, os médicos dizem que quando se está em coma a pessoa escuta mesmo inconsciente. 

 

- Eu vou falar com ele, e mesmo se não escutasse eu iria falar. 

 

- Você ama muito ele, né? 

 

- Você não faz ideia. 

 

- Ele vai se recuperar, tenho certeza disso. - Sorriu de maneira carinhosa?

 

- Obrigado, vou entrar agora. - Ela abriu a porta e me cedeu passagem.

 

O estado dele já não era tão ruim assim, um tanto bom dos curativos fora tirado e não tinha mais todos aqueles fios colado para todos os lados. 

 

Me aproximei e selei seus lábios. 

 

- Oi Channie. - Sussurrei ainda próximo a sua boca me segurando para não chorar. - Nossa acha que já dormiu de mais meu amor? Você tem que voltar pra casa, sem você lá o Tae vai ficar mimado. 

 

Com o silêncio me deixei chorar silenciosamente enquanto acariciava sua cabeça. 

 

- Não me deixe sozinho Channie, você prometeu que iria me fazer feliz pra sempre e eu não estou feliz assim. - Me sentei ao seu lado e encostei minha cabeça em seu peito. - Por favor acorde. 

 

Fiquei em silêncio inalando seu perfume que estava ofuscado pelo cheiro de hospital, mas não deixou de estar presente. 

 

Senti tanta falta do calor do seu corpo, seu cheiro, sua companhia... me senti minimamente bem perto dele, tanto que nem percebi o sono.

 

"Me levantei em um pulo assustado por ter dormido no hospital.

 

Olhei Chanyeol que parecia bem melhor agora e o mais engraçado era que ele não tinha mais nada, parecia estar dormindo. 

 

Balancei seu ombro de leve.

 

- Channie? - Ele resmungou, sinal de que só estava dormindo. - Você não vai acordar não? - Meu tom de voz mudou para um bem malicioso. 

 

Subi em seu colo com uma perna de cada lado e comecei a rebolar em seu membro que estava dando sinais de vida. 

 

- Hm, tá ficando durinho?! - Me levantei e desci minha calça e boxer ficando só assim, me aproximei de Chanyeol outra vez e coloquei seu membro ereto para fora da camisola de hospital. 

 

Nunca gostei tanto de um tecido, deixou bem amostra seu corpo. 

 

- Já que você está fazendo birra e não vai acordar, eu faço isso sozinho. - Sussurrei e voltei a posição inicial. 

 

Esfreguei sua glande com força contra minha entrada simulando a penetração que eu queria. - Não vai mesmo brincar comigo? - Sem resposta, apenas afundei seu falo dentro de mim e gemi com gosto. 

 

Mas ao contrário do esperado ele segurou com força na minha cintura e me virou ficando por cima e iniciando os movimentos frenéticos de seu quadril contra o meu.

 

- Ahh Channie, hmm assim, isso. - Gemi contido por estar em um hospital.

 

Continuou estocando sem soltar nenhum som, o que realmente era estranho pois ele geralmente geme bem baixinho no meu ouvido. 

 

Estava tudo meio estranho, estava bom, mas muito falso como se fosse um sonho. 

 

E a cada minuto parecia que a imagem dele em cima de mim ia desaparecendo até não sobrar nenhuma, só o escuro. "

 

Levantei a cabeça devagar e constatei que foi um sonho. 

 

Que me deixou ainda pior. 

 

Pior por não ser a realidade, dele não poder me tocar realmente, por saber que ele ainda está em coma.

 

- Channie, por favor, acorde. - Estava chorando e a falta de palavras dele só me deixava pior do que já estava. 

 

- Senhor Byun sua mãe está aí e veio te buscar. - Era a mesma moça que me trouxe até o quarto. 

 

- Deixe ela entrar. 

 

Enquanto não aparecia ninguém voltei a olhar para ele, sorri triste e fiz um carinho na sua bochecha. 

 

- Eu volto amanhã meu amor. - Dei um beijo carinhoso e demorado. - Eu te amo. 

 

Sai do quarto e deixei minha omma entrar um pouco. 

 

Ela não demorou e logo já estávamos no carro seguindo para a casa do Luhan. 

 

Quando chegamos peguei tudo, Tae que já dormia e voltamos pra minha casa. 

 

Fiquei sem comer o dia todo, mas não tinha fome nenhuma e Luhan já havia dado o que comer para o Tae então só me joguei na cama depois de ter o colocado no berço.

 

Me deixei chorar muito, até tarde da noite.

 

Estava triste e precisava deixar essa tristeza sair de algum modo. 

 

E assim me deixei levar pelo sono.

 

 


Notas Finais


Twitter: @byunbibu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...