História Por toda uma vida... Pelo menos uma parte dela. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Steve Rogers
Tags Stony
Exibições 250
Palavras 2.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Eu te amo.


Fanfic / Fanfiction Por toda uma vida... Pelo menos uma parte dela. - Capítulo 2 - Eu te amo.

Quando eu acordei senti algo envolvendo a minha cintura e uma respiração forte e constante no meu pescoço. Quando virei o rosto era o Steve, e eu não pude acreditar. 

MEU DEUS EU BEIJEI MESMO O STEVE ONTEM!

Depois de admirar um pouco o Steve dormindo eu desci pra preparar algo pra ele comer, hoje é sábado, dia de folga dos empregados daqui de casa, então eu tive que colocar a mão na massa, quer dizer nos ovos. 

Como eu não sou um chefe de cozinha eu preparei o típico café da manhã americano, ovos e bacon, rápido, fácil, uma delícia e quem não gosta?. Também fiz café pro Steve, o coitado deve estar com uma baita ressaca e com o corpo dolorido, é bom levar uns analgésicos também. 

Coloquei tudo numa bandeja e fui pro meu quarto. Quando cheguei o Steve estava dormindo ainda, todo esparramado na cama, achei super fofo então tirei uma foto. 

O Steve demorou um pouco pra acordar. E enquanto ele dormia não parava de pensar nele, em nós, se realmente irá existir um nós. Será que ele também gosta de mim como eu gosto dele? Será que ele gostou do beijo? Porque ele me beijou ontem? Será que era só o efeito do álcool ou será que o álcool deu coragem pra ele fazer o que ele já tinha vontade de fazer? Nossa são tantas perguntas, e eu não sei se quero realmente saber a resposta delas. 

Quando Steve finalmente acordou, ele despertou meio confuso então ficou olhando pra todos os lados até que finalmente me viu, e quando ele fez isso deu um sorriso lindo, e eu não me aguentei e sorri bobamente pra ele.    

-Bom dia dorminhoco.

-Bom dia.-Ele disse deitando na cama de novo.-Cara tá tudo girando, minha cabeça tá doendo, meu corpo todo tá doendo e tô morrendo de fome. 

-Bom como você tem um ótimo melhor amigo.-Eu disse levantando pegando o café dele e me sentando na cama, e Steve fez o mesmo.-Eu preparei o seu café da manhã, mas já faz um tempinho então esfriou tudo. Espera um pouco que eu vou esquentar no micro-ondas.-Eu disse já me levantando pra esquentar as coisas mas o Steve não deixou. 

-Não, não precisa, assim tá bom-Ele pegou a bandeja da minha mão e olhou o que tinha.-Nossa, tô impressionado, até café você fez pra mim. É por isso que eu te amo.

-Só por isso?

-Claro que não, por isso e tudo mais.-Ele disse e me deu um beijo na bochecha, e eu fiquei corado na hora, não sou de ficar com vergonha, mas com o Steve aí já é outra história, ele tem esse... esse... digamos "dom".

-Cara porque eu tô todo machucado? Não lembro de nada que aconteceu ontem, bom eu lembro o começo mas depois que eu comecei a beber não lembro de muita coisa. 

-Sério que você não lembra?-Eu perguntei e ele balançou a cabeça negando, e eu fiquei triste, ele não lembra do nosso beijo, então com certeza não foi especial pra ele - Bom, você viu a Sharon beijando o Clint então vocês começaram a brigar, eu tive que separar vocês e você me bateu  também, depois que voltou a pensar parou de brigar e nós viemos embora.-Eu poderia falar do beijo, mas preferi deixar isso pra lá e esquecer como ele já esqueceu.

-Não aconteceu nada além disso?-Ele me perguntou com as sobrancelhas levantadas. E eu só respondi com um aceno negativo.-Quer sair comigo mais tarde?

-Pra onde?

-Que tal o shopping?

-Tá pode ser.

Nós ficamos em casa mesmo, até a hora de ir pro shopping, mas Steve é claro não deu sossego um minuto se quer. Ficou me enchendo o saco o dia todo. Agora a gente está sentado no sofá da sala vendo Divertidamente, que é sem sobra de dúvidas o melhor filme de animação do  mundo, sinceramente já vi ele mais de 20 vezes, ou mais. Steve está deitado no meu colo, ele diz que é a única posição confortável, já que segundo ele seu corpo está completamente dolorido. 

-Que tal irmos ao shopping agora?-Ele disse virando o rosto pra me ver. 

-Tá pode ser, vou tomar banho. 

-Daqui a pouco eu vou. 

Eu fui pro meu quarto tomar banho. Enquanto eu tomava banho eu só pensava em uma coisa, e essa coisa tem endereço, nome e CPF. Essa coisa se chama Steve  Rogers. 

Eu não consigo parar de pensar nele, e nem tem como. Ele me abraça, me beija e diz que me ama a cada dez minutos.Claro que eu gosto quando ele faz isso (até porque ele é a unica pessoa que diz que me ama além da minha mãe), mas isso também me mata, além de que o carinho que ele tem por mim é de irmão, sempre foi assim. E eu não quero só carinho de irmão. 

Quando eu terminei de tomar banho, e estava me enxugando eu ouço a porta do meu quarto se abrindo, que era o Steve eu já sabia, só não sabia o que ele estava fazendo aqui, tem outros banheiros na casa. Eu coloquei a minha cueca e enrolei outra toalha, seca, na minha cintura e com a toalha molhada eu dou uma enxugada no meu cabelo. Então eu saí do banheiro. 

Quando eu saí do banheiro sou pego pela cintura e Steve me coloca contra a parede e fica me encarando com seu rosto a poucos centímetros do meu. Eu pensei que ele iria me beijar como fez ontem, mas eu estava redondamente enganado. Ele só pegou a toalha da minha cintura e foi pro banheiro. 

-Hey! Tem tolhas nos outros banheiros também.

-É eu sei, mas eu queria usar a sua.-Ele disse e se trancou no banheiro.

Que idiota! Ele fez tudo aquilo só pra pegar a toalha, e eu pensando que ele iria me beijar, tô parecendo uma adolescente virgem que está apaixonada. Poxa era pra ele ter me beijado, pelo visto vou ter que embebedar o Steve pra conseguir outro beijo, mas isso fica pra outro dia. 

Eu me arrumei e sentei na minha cama pra esperar o Steve, então peguei meu celular e comecei a ver minhas redes sociais e essas coisas. Quando entrei no whatsapp a Pepper já veio logo me mandando mensagem 

Pepper[19:20]: Oi! :)

Eu[19:22]: Oi.

Pepper[19:22]:Tudo bem?

Eu[19:25]: Tudo e com você?

Pepper[19:26]: Eu tô ótima. Então eu queria saber se você não quer sair comigo algum dia desses, até pq a gente se conhece muito pouco.  aí topa? 

Quando eu ia digitar uma desculpa esfarrapada pra Pepper dizendo que não ia dar e tudo mais eu ouço a porta do banheiro sendo destrancada e olhei em direção a mesma, e quando eu olhei quase tive um troço.

Steve saiu do banheiro com a toalha enrolada na cintura ,e ele ainda estava um pouco molhado então a luz refletia nas gotículas de água fazendo as brilhar, e o tanquinho do Steve parece que foi feito por deuses gregos, ele parece um semi-deus. 

Pra falar a verdade o Steve é perfeito e lindo, não só por fora, mas por dentro também. Ele tem um coração de ouro, é bondoso, sincero, honesto, e eu admiro muito ele, desde o dia em que ele foi levar uma surra comigo no primário. Eu amo ter ele como meu amigo (claro que eu queria que ele fosse mais que um amigo, mas pra mim já estar de bom tamanho fazer parte da vida dele).

Ele parou em frente ao meu guarda-roupas e começou a mexer nele. Minhas roupas não cabiam nele, pelo fato dele ser bem maior que eu. Mas como meus pais estão sempre viajando à trabalho, Steve sempre me faz companhia, ou eu vou pra casa dele, então temos roupas um na casa do outro. Steve começou a mexer numa gaveta (que era a dele) e achou uma cueca, e ele tirou a toalha pra vestir a mesma. Cara que visão divina, eu daria tudo pra ver aquela bunda grande e branquinha todos os dias ( claro que eu olho pra bunda dele, até porque eu não sou um homem de ferro, mas quando eu olho pra bunda dele ele, infelizmente, está de roupa). Ele colocou a cueca e as roupas e nós saímos do quarto. Eu fiquei tão distraído observando o Steve que esqueci de responder a Pepper. Foda-se depois eu faço isso. 

Enquanto a gente passava pelo corredor Steve me abraçou por trás e sussurrou:

-Você está muito gostoso nessa roupa.-Depois me deu um tapa na bunda. E eu fiquei super vermelho. 

Cara as vezes eu me pergunto se ele sabe que eu gosto dele e faz essas coisas pra me provocar, ou, se ele faz isso só pra me ver corado- uma vez ele me disse que eu fico fofo com vergonha, e que eu deveria fazer isso com mais frequência. Vai ver é por isso que ele faz essas coisas. 

Nós pegamos um carro e o Steve foi dirigindo, mesmo o carro sendo meu eu não posso dirigir, não posso porque meu amigo não deixa. 

Quando nós chegamos no shopping Steve estacionou do lado de fora mesmo, segundo ele não precisamos pagar uma fortuna de estacionamento se sem vagas gratuitas pra isso. Então nós fomos pro andar onde fica a praça de alimentação, Steve disse que estava morrendo de fome e me arrastou pra cá, ele me arrastou mesmo, ele me colocou me seus ombros e me trouxe.   

-Steve me esculta pelo menos uma vez na vida. Vamos comprar os ingressos do filme e depois a gente volta pra cá.

-Tony me escuta pelo menos uma vez na vida, eu tô morrendo de fome, a gente come, e depois vai comprar os ingressos, confia em mim.- Ele disse com um sorriso que fez meu coração se derreter e ceder a vontade dele. 

-As vezes me dá vontade de socar esses seus dentes perfeitos.- Eu disse fechando a cara e cruzando os braços. E o Steve sorriu e apertou as minhas bochechas. 

-Você fica muito fofo quando tá com raiva. 

-Tem algum jeito que eu não fique fofo?- Eu disse tirando as suas mãos das minhas bochechas com um tapa.

-Na verdade não, você é fofo em tudo.- Ele disse com vozinha de criança e me enchendo de beijos e abraços. Nós estávamos na fila do McDonald's e algumas pessoas que estavam lá começaram a olhar pra gente, algumas olhavam e sorriam outras faziam cara de nojo. É lastimável que em pleno século XXI as pessoas ainda são preconceituosas, e o pior que a gente é só amigo. 

-Vocês são um casal muito fofo.-Uma menina que estava atrás de nós na fila disse. 

Ela era ruiva, com o cabelo na altura dos ombros mais ou menos, eles eram ondulados. Olhos claros e pele branca. Digamos que ela era é gostosa, desculpe o termo, mas foi o único que eu consegui pensar para descrever ela. É, ela é realmente muito bonita. 

Steve olhou ela de cima a baixo e ficou de boca aberta, literalmente. Depois que catuquei ele, ele voltou ao normal e me abraçou de lado e disse:

-Nós não somos um casal- Infelizmente não, mas se dependesse de mim seriamos.- Esse baixinho aqui é meu melhor amigo.

-Ah que engraçado, além de fofo sou um anão?- Eu digo e tiro o braço do Steve de cima de mim. Aí já foi demais, eu odeio quando dizem que eu sou fofo, ainda vem me chamar de baixinho?

-Sim, você é o meu anão fofinho.- Steve disse bagunçando meu cabelo.

-Nossa eu podia jurar jurar que vocês estavam namorando.-A ruiva disse pra nós e eu deu um sorriso sem graça pra ela.- Ah, meu nome é Natasha. 

-Meu nome é Steve e esse baixinho aqui- Steve disse apontando pra mim depois que apertou a mão da Natasha.- É o Tony. 

-Steve vai se ferrar. 

-Não xinga, coisa feia.- Steve odeia quando "xingam" perto dele, e quando ele me repreendeu por isso a ruiva deu uma risada. 

-Isso nem palavrão é.- Ela disse rindo. 

Natasha e Steve ficaram conversando na fila- que não estava nada pequena- e meio que me deixaram de escanteio, e eu estava começando a ficar com raiva. mas tudo foi só piorando. Steve chamou a Natasha pra comer com a gente, até pra assistir ao filme ele a convidou. E eu fiquei puto de raiva e morrendo de ciúmes, mas me controlei ao máximo pro Steve não perceber. 

Nós já estávamos no estacionamento. Steve e Natasha na frente, e eu um pouco mais atrás. Nós estávamos quase chegando no carro 

-Onde está o seu carro Natasha?- Steve perguntou quando chegamos no meu carro. 

-Ah eu não vim de carro, eu vou pegar um ônibus mesmo.

Pronto, a cereja no topo do bolo pra minha noite piorar, o Steve ofereceu carona pra ruiva e sobrou pra mim ter que ir no "banco" de trás. A Natasha não mora nada perto do shopping, e eu fiquei todo doído per ter ficado todo torto na parte de trás. 

-Tchau Tony, foi um prazer te conhecer.-Não posso dizer o mesmo de você querida. 

-Tchau Natasha, o prazer foi todo meu!-Eu disse fingindo estar feliz. 

Quando ela saiu do carro eu fui logo pro banco da frente. E o Steve foi com a Natasha até a porta da casa dela, e ficou um tempão conversando com ela, queria saber que tanto assunto é esse que eles tem. Depois de um tempo Steve finalmente veio embora. 

-Quer ir a algum lugar?- Ele disse quando deu partida no carro. 

-Não, só quero ir pra casa.

Steve não questionou e então fomos pra casa. Durante todo o caminho pra casa nós não dissemos uma palavra se quer, eu nem olhei pra cara do Steve. Quando chegamos em casa eu fui pra cozinha com o Steve atrás de mim. Quando eu cheguei lá peguei o maior copo que tinha aqui em casa e enchi ele com suco. E me sentei na bancada, enquanto o Steve ficava me observando escorado no batente da parta. Depois ele foi na minha direção e parou quando chegou na minha frente. 

-O que foi? Porque você tá assim?- Ele perguntou, mas eu não respondi, continuei a beber meu suco. Bom até o Steve pegar o copo da minha mão e colocar do outro lado da cozinha. Quando ele voltou ficou parado na minha frente me olhando, depois se aproximou ficando entre as minhas pernas e segurou na minha cintura.- Me diz o que você tem.- Ele sussurrou bem perto do meu rosto. 

-Eu não tenho nada.- Eu sussurrei também.

-Não precisa ficar com ciúmes, eu já te disse que eu prefiro você sempre.

-Não foi o que pareceu hoje quando quando você estava lá com a Natasha. 

-Sabia que você estava com ciúmes.-Ele disse com um sorrisinho de lado.- Não precisa ter ciúmes de mim, eu te amo.-Ele sussurrou e se aproximou do meu rosto, encostou sua testa na minha e fazia "carinho" no meu rosto com a ponta do nariz.-Eu te amo, muito.- Então ele me beijou. 

Não foi como o beijo de ontem, esse foi mais calmo, mas ainda sim cheio de desejo. Steve me abraçou e eu coloquei minhas pernas em volta da sua cintura. Quando eu fiz isso ele me pegou no colo e me levou pro meu quarto. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...