História Por Trás Dos Holofotes - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais
Tags Ação, Bts, Drama, Jimin, Jungkook, Mistério, Romance
Visualizações 26
Palavras 1.217
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente!
Mais um capítulo para vocês.
Postei mais tarde hoje por que estava estudando para prova... Sim já tenho provas!
Espero que gostem e desculpem qualquer erro de português!

Capítulo 20 - Traição?


     As palavras simplesmente não saiam de minha boca. Eu me perguntava várias vezes em meus pensamentos se devia pedir desculpas para Jimin, mas algo me dizia internamente que não era necessário dizer isso.

     - Eu estava com fome e o Jungkook me chamou para comer. Não é um encontro – Digo meio desconcertada.

     Olho de relance para Jungkook e percebo o seu desapontamento pelo o que eu falara. Fico por algum tempo imaginando se o que eu falei foi o certo. Se não pareceu que eu inventei apenas uma desculpa.

     - Como você nos achou? – Perguntou Jungkook.

     Jimin o encarou pensativo. Como se estivesse criando uma história em sua cabeça que fosse cabível para ele ter nos surpreendido aqui.

      - Eu fui até a casa da Juliana para ver se ela estava bem...

      Juliana? Nossa ele realmente está bravo comigo...

      - Mas, eu acabei vendo que ela não se encontrava lá, fiquei preocupado, pensando se algo de ruim pudesse ter acontecido e vim aqui para o condomínio dela. Imaginando que ela teria voltado para casa já que provavelmente sua irmã Sara não havia sido liberada. Quando cheguei aqui, para a surpresa dos dois ou não, o condomínio fica quase do lado desta sorveteria e avistei facilmente os dois – Ele vomitou tudo que estava travado em sua garganta, pareceu não ter escondido absolutamente nada e que também não estava se preocupando muito se Jungkook iria ficar desconfiado ou não.

     - Vocês têm alguma coisa? – Perguntou Jungkook, sério.

     Jimin me encarou logo em seguida, como se estivesse indicando que apenas eu poderia responder à aquela pergunta. Mas eu sentia que não devia dizer nada a Jungkook. Pelo menos por enquanto. Se eu dizer alguma coisa, provavelmente os dois começariam a brigar igual aconteceu naquele dia que ficamos os três presos dentro do carro.

     - Não, não temos nada – Eu disse.

     Jimin simplesmente se levantou cabisbaixo e caminhou em direção a saída da sorveteria. Tentei ir atrás dele, mas meus impulsos não foram suficientes tão fortes ao ponto de eu segui-lo, simplesmente fiquei parada, pensando se o que eu havia feito foi o certo mais uma vez.

     Não posso deixar que algo de ruim acontece com o grupo deles. Nossa, acabo de perceber que pela primeira vez chamei-os pelo jeito certo, já que antes eu os chamava de banda, mas na verdade são um grupo, Jungkook que me dissera isso no restaurante. Mas em fim... Eu não posso deixar que tudo se desmorone por causa de mim. Jungkook me contara que os seus superiores são muito rígidos, brigar por meninas era inconcebível. Olhei para Jungkook e percebi que ele estava me encarando com aqueles olhos negros penetrantes. Queria abraça-lo e chorar em seu ombro pelo o que falei para Jimin, na verdade o que eu falei para Jungkook, mas Jimin provavelmente entendera aquilo como um recado que não teríamos absolutamente mais nada.

     - Você me leva até em casa? – Perguntei.

     - Claro! – Disse Jungkook tentando parecer um pouco animado.

     Jungkook levantou da cadeira logo em seguida. Andamos em silencio durante todo o pequeno percurso até onde encontrava-se o carro. Ele abriu a porta para mim como de costume e eu entrei, logo em seguida ele contornou o carro e entrou também. Ligou-o e fez uma manobra para sair de onde estávamos estacionados.

     Durante todo o caminho não dizemos uma palavra diretamente ao outro. Parecia que nós dos queríamos falar, mas éramos impedidos por alguma coisa, como se sentíssemos que aquele não fosse o momento certo.

     O caminho até minha casa pareceu uma eternidade com Jungkook ao meu lado. Ele estava muito quieto e eu não sabia o que se passava em sua cabeça naquele momento, apenas conseguia deduzir que ele não estava muito feliz pelo ocorrido da sorveteria, mas finalmente depois de meia hora dentro do carro, chegamos ao nosso destino.

     Eu sai do carro, imaginando que Jungkook não fosse me acompanhar, mas logo percebi que ele estava caminhando ao meu lado depois de alguns segundos, o que me deixou de um certo modo feliz. Passamos pelo beco novamente e desta vez eu não estava abraçada junto a Jungkook, o que me deixou com lembranças tristes daquele local. Estávamos indo tudo tão bem para a noite ter acabado desse jeito.

     Não demoramos a passar pelo beco. Entramos dentro do hotel e desta vez encontrava-se outro recepcionista. Um pouco mais velho do que o outro por sinal. Ele nos deu boa noite e eu e Jungkook retribuímos a gentileza. Entramos dentro do elevador e o silencio continuava instalado. Senti vontade de chorar por alguns segundos, mas me contive. Não podia desmoronar aqui na frente de Jungkook, tinha que ser forte. Já havia chorado muito em seu ombro hoje e não queria repetir isso.

     Chegamos ao corredor de meu apartamento. Caminhamos até chegar na frente de minha porta que estava trancada como eu à havia deixado. Ficamos frente a frente um do outro, mas nenhum dos dois se atreveu a dizer nada por alguns instantes. Nós estávamos aparentemente nervosos e sem saber muito o que dizer.

     - Boa noite – Disse Jungkook.

     Confesso ter ficado um pouco decepcionada. Ele estava irredutível no termo de não ser mais simpático ou mostrar muito afeto esta noite.

     Parabéns Juliana, você conseguiu fazer com que os dois ficassem bravos com você!

     - Boa noite – Respondi.

     Jungkook ameaçou virar-se para ir embora quando eu o surpreendi com um abraço. Simplesmente eu não podia deixar aquela noite que fora maravilhosa terminar daquele jeito. Eu o abracei e ele demorou um pouco para retribuir o abraço, mas retribuiu. Enquanto parávamos de nos abraçar, dei um beijo na bochecha de Jungkook, fazendo-o ficar corado logo em seguida.

     - Que fofinho! – Eu disse, imitando o jeito que ele havia falado comigo mais cedo com a mesma entonação de vós ao ver-me ficar com as bochechas rosadas.

      Jungkook deu uma risadinha e um sorriso de canto em seus lábios e se virou. Fiz o mesmo logo em seguida, já que era impossível você conseguir fazer surgir um diálogo com uma pessoa que estava certa de que não iria fazer mais isso.

     Coloquei a chave na porta e para minha surpresa percebi que a mesma estava aberta. Olhei os detalhes ao lado da porta e vi sinal de arrombamento. Meus olhos se arregalaram e logo veio a imagem da pessoa encapuzada que eu trombei antes de entrar no elevador junto a Jungkook. Abri a porta lentamente, pronta para sair correndo se fosse preciso. Mas quando a porta estava consideravelmente aberta para eu ver o interior do apartamento, me surpreendi ao ver que tudo estava jogado no chão e desorganizado, como se alguém tivesse revistado todo o lugar.

     Corri em direção a minha mala que estava encostada na parede e não me surpreendi ao ver que minha arma havia sido roubada. Fiquei automaticamente a alerta, pensando que talvez o indivíduo que entrara pudesse estar ainda aqui dentro. Corri para a cozinha e saquei uma faca de uma das gavetas. Andei discretamente por todo apartamento logo em seguida, mas felizmente deduzi que não havia mais ninguém lá. O que me deixou um pouco reconfortada. Andei novamente para a sala e percebia uma enorme escrita na parece onde a porta de saída se encontrava. Estava escrito com tinta vermelha:

     “ Nunca se esqueça que eu sempre estarei aqui”


Notas Finais


E ai gostaram?
Deixem o seu comentário e avaliação sobre a historia para dar aquele retorno!
Favoritem para não perderem mais nenhum capitulo.
Até o próximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...