História Por você - Camren - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Camren, Fifth Harmony, Shawn Mendes
Exibições 554
Palavras 1.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 43 - Capítulop 43


Nós passamos o resto da tarde trabalhando juntas, com Lauren jogando ideias para mim enquanto eu pesquisava mais informações quando ela precisava. Embora eu sempre tivesse gostado do mundo dos negócios, não tinha pensado que poderia ser tão divertido, daí a razão pela qual tinha escolhido gerenciar uma boate, em vez de buscar um emprego de escritório. Mas, agora, um trabalho num escritório parecia bastante atraente. Especialmente se esse trabalho incluísse ficar lado a lado com Lauren Jauregui. Entretanto, com todos os toques acidentais e olhares marcantes que trocamos, eu duvidava de que conseguíssemos trabalhar juntas por um período prolongado de tempo sem tirar a maioria de nossas roupas. Na verdade, isso só fez o trabalho parecer mais atraente. O saboroso aroma de um assado flutuando da cozinha até a sala fez com que meu estômago roncasse. Eu me espreguicei.

– Está perto da hora do jantar?

Atrás de mim, Tay respondeu:

– Eu estava vindo dizer-lhes que o jantar está servido.

– Não percebi que você estava em casa. Quando voltou?

– Há poucos minutos. Mamãe está com dor de cabeça, mas todo mundo já está esperando na sala de jantar.

– Dor de cabeça, né?

Olhei para Lauren. Eu estava começando a suspeitar de que Clara estivesse me evitando. Como será que a conversa na cozinha tinha terminado naquela manhã? Lauren teria ganhado a batalha, dando-me alívio das maldades de sua mãe?

– Sim, ela costuma tê-las de vez em quando. – A expressão de Lauren estava tensa, mas não entregou nada além, o que foi suficiente para tudo que eu precisava saber. Eu teria que recompensá-la mais tarde pela sua gentileza. Depois do jantar, Chris saiu para se encontrar com amigos e o resto de nós voltou para a sala de multimídia. Lauren voltou ao seu laptop e eu pensei que ela estivesse mergulhando de novo no trabalho. Em vez disso, entregou o laptop para mim.

– Tudo bem, Camila. Diga-me algo que você precisa riscar da sua lista e vamos fazer o download no iTunes.

Intrigada, peguei o seu laptop e descobri que ela tinha baixado a lista dos melhores filmes de todos os tempos. Tentei não sorrir muito, não queria parecer muito surpresa por ela ter se lembrado da minha meta de assistir a todos os títulos na lista. Ela era a minha “namorada” afinal de contas. Ela deveria ter se lembrado, não? Mas ela realmente não era minha namorada, e achei o gesto estranhamente tocante.

– Você vai assistir também? – perguntei, subitamente preocupada que ela pudesse querer continuar trabalhando sem mim.

– Vou. – Lauren já tinha começado a guardar os relatórios em sua pasta enquanto falava.

Escolhi Perdidos na noite depois de descobrir que Lauren não tinha assistido também. Adam cuidou de configurar o filme, em seguida, sentou-se no sofá com Tay. Depois que Lauren limpou sua área de trabalho, deu um tapinha no assento ao lado dela, seu braço estendido e convidativo. Alegremente, afundei-me no sofá ao lado dela, aconchegando-me em seu abraço quente.

Os críticos de cinema classificavam Perdidos na noite como o número 43 em seu Top 100. Mas assistir a ele aconchegada a Lauren, este era o meu novo número um. Quando o filme acabou, todos nós seguimos para os quartos. No nosso quarto, Lauren se sentou na cama, totalmente vestido, e tirou da bolsa o laptop novamente. Embora ela tivesse abandonado o seu computador durante o filme, contente em me segurar e beliscar pipoca de micro-ondas, ela havia trabalhado a maior parte do dia. Eu a estudei, suas feições intensas parecendo cansadas. Nós ficamos acordadas até tarde, na noite anterior, e não sabia a que horas ela acordava antes de trazer o café da manhã. Mas não seria surpresa descobrir que ela estava enterrada no trabalho naquele momento também.

– Lolo, você é uma viciada em trabalho. Vai fazer isso a noite toda?

Lauren sorriu, embora seus olhos nunca tivessem saído da tela.

– Ah, princesa, trabalho não é o que pretendo fazer a noite toda. Mas preciso de alguns minutos para enviar esta nova proposta para o conselho antes de poder dedicar atenção a você. Você se importa?

– Demore o tempo que precisar. Vou me aprontar para dormir. –

Diminuí as luzes como ela tinha feito na noite anterior, em seguida, aproveitei sua distração e peguei a camisola sexy que eu tinha trazido comigo antes de ir para o banheiro. Não me apressei enquanto me despia, aproveitando a oportunidade para me depilar e aplicar hidratante antes de vestir as rendas do baby-doll vermelho que eu tinha comprado na sexta-feira à tarde. O decote profundo acentuava meus seios, uma área do meu corpo que Lauren apreciava. Tirei o prendedor do meu rabo de cavalo e deixei o cabelo cair em volta dos meus ombros em uma confusão sedutora. Escovei os dentes e apliquei uma fina camada de gloss de morango. Quando estava satisfeita com a minha aparência, abri a porta do quarto e posei na porta, esperando a reação de Lauren.

Fui recebida com um ronco discreto.

Com as mãos ainda apoiadas sobre seu laptop aberto, Lauren tinha adormecido completamente vestida. Eu suspirei, pensando em como lidar com a situação. É claro que eu a queria acordada, mas ela não teria adormecido se não estivesse realmente acabado. Além disso, era preciso me lembrar de que a noite era a minha hora, e não a dela. Gentilmente, puxei o computador de sua mão e coloquei-o na mesinha de cabeceira. O movimento não a perturbou nem um pouco, Lauren tinha mesmo apagado. Decidi deixá-la dormir, mas eu não estava nem um pouco cansada. Eu me perguntei se Mike ainda estava acordado, porque talvez nós pudéssemos jogar mais uma rodada de pôquer, embora ficar a sós com aquele homem não devesse ser uma boa ideia, afinal. Olhei pela janela e vi que a casa de hóspedes estava às escuras. Provavelmente era melhor assim.

Porém, a piscina se espalhava abaixo da minha janela, e de repente um mergulho à meia-noite soou como o paraíso. Eu troquei minha lingerie por um biquíni, vesti meu robe e peguei uma toalha. Em seguida, coloquei meu chinelo e apaguei todas as luzes antes de me aventurar até a parte externa da casa. A piscina era aquecida e estava incrível, exatamente do que eu precisava naquela noite. Não desfrutava de um mergulho havia meses, desde que tinha deixado o meu cadastro na academia expirar no início do ano. E tinha este lugar inteiro para mim, perfeito. Dei umas trinta voltas para valer na piscina antes de relaxar em braçadas mais lentas, num ritmo mais calmo. Então, eu me sentei no degrau, na parte rasa da piscina, deixando o meu ritmo cardíaco voltar ao normal enquanto descansava com os pés na água morna.

– Onde está Lauren? – A voz de Clara me assustou, tirando-me do meu devaneio.

Virei meu corpo e encontrei-a em pé atrás de mim, vestida com o mesmo robe que usava na noite anterior, e, novamente, com um copo de líquido âmbar na mão. Eu me perguntei se ela era alcoólatra ou se a minha presença na casa dela a fazia beber.

– Ela... ela adormeceu. – Saí da piscina e peguei minha toalha, sentindo-me pequena na presença dela.

Essa mulher causava esse efeito em mim, em geral, mas eu também não tinha perguntado a ninguém se podia usar a piscina e fiquei preocupada por ter abusado da hospitalidade da minha anfitriã. Entretanto, Clara não tinha sido nem um pouco hospitaleira, por isso, talvez esta fosse uma preocupação sem motivo. Eu olhava para longe dela enquanto me enrolava na toalha, mas a ouvi sentar-se em uma cadeira atrás de mim.

– Ela não ama você, você sabe disso, não?

Eu ouvi, mas não confiei nos meus ouvidos. Virei-me para olhar seus olhos semicerrados.

– Desculpe?

– Ela não pode. – Clara girou o líquido em seu copo enquanto falava, sua voz envenenada pela dor. – Ela é incapaz disso.

Incapaz. Isso foi exatamente o que Lauren tinha dito. Tinha sido a mãe dela que a obrigou a abraçar essa ideia idiota sobre si mesmo? A hostilidade anterior que eu tinha sentido por Clara, quando estive escutando na porta da cozinha, voltou e se derramou como veneno de meus lábios.

– Talvez você esteja projetando sua própria incapacidade de sentir emoção.

A voz dela tornou-se mais fria, mas manteve-se estável, no controle.

– Suas palavras não podem me afetar, srta. Cabello. Esta é a minha casa, Lauren é a minha filha. Sou eu quem detém o poder aqui.

– Dane-se.

A mulher sorriu.

– Ela fez anos de terapia. Terapia intensiva.

Assim como eu. Joguei minha toalha no chão e enrolei meu robe em torno de mim, usando o tempo para ter certeza de que o meu tom de voz estivesse nivelado com o dela quando falei de novo.

– Ela me contou

– Ah, é? Mas não compartilhou os detalhes. – Clara se inclinou para a frente, seus olhos foram atingidos por uma das luzes externas, fazendo-os brilhar em vermelho. Ela não poderia ter parecido mais desagradável se tivesse tentado. – Se ela tivesse feito isso, você saberia que Lauren não pode amar ninguém. Ela é uma sociopata. Diagnosticado aos 20 anos de idade.

Com isso, ela me surpreendeu, e a falta de força na minha resposta confirmou isso.

– Lauren não é uma sociopata.

Era?

– Ela é traiçoeira, manipuladora, egocêntrica, grandiosa, simplista e superficial. Incapaz de sentir remorso. Ela se envolve em relações sexuais casuais e impessoais. – Clara enumerou todas as características facilmente, como se elas sempre borbulhassem ali, na superfície de sua consciência. – Faça uma pesquisa, ela se encaixa na definição com perfeição. Ela não se preocupa com os sentimentos dos outros. Ela não pode amar ninguém.

– Não acredito nisso. – Mas a minha voz falhou.

– Você é extremamente ingênua.

– E você é extremamente vadia.

Juntei a toalha em meus braços e coloquei meu chinelo, precisando ficar longe dela e de suas acusações horríveis. Mas suas palavras já tinham feito o trabalho. Eu duvidei, e ela sabia disso.

– Ela só está com você pelo sexo. – A mulher se levantou, bloqueando o meu caminho para a casa. – Você é atraente. – E os olhos dela escorregaram para os meus seios. – E é certamente o tipo dela. Lauren parece gostar mais de morenas peitudas.

Eu não tinha nada a dizer em minha defesa. Lauren tinha me avisado que a nossa relação era apenas sexo. No entanto, eu estava consciente o suficiente das minhas obrigações quanto ao meu papel, e pelo qual seria paga, então respondi como se fôssemos um casal de verdade.

– Se fosse só sexo, ela nunca me traria para conhecê-la.

O sorriso dela se arregalou.

– Isso é um bônus para ela. Ela pode me irritar e transar com você, tudo de uma vez só. Realmente, não tem nada a ver com você. É sobre mim e minha filha. – Ela deu um passo em minha direção, e precisei de toda a minha força para não me encolher. – Você, srta. Cabello, é insignificante.


Notas Finais


aiai Dona Clara, aiai :@


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...