História Porcelana - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Bulimia, Cattifi, Deathfic, Jikook, Kookmin, Lemon
Exibições 1.045
Palavras 3.623
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


????????? NOSSA PORCELANA AINDA EXISTE?
eu seiiiiiiii eu demorei pra krl mas tipo eu estava super insegura em escrever porcelana e to insegura to morrendo de medo de vcs n gostarem eu fiquei tanto tempo sem escrever essa fanfic q to com medo kkkkkkk
E MANO MAIS DE 300 FAVORITOS EM 2 CAP? CACETE EU TO CHOCADA OBRIGADA DE VDD VCS SAO FODA PRA KRL
Ah! Eu refiz as contas e porcelana na vdd é uma shortfic ahsuha pq bem o relacionamento deles ja esta desenvolvido o lance aq é só a doença do jimin
nesse cap o jeon ja ta começando a acordar pra vida e o final talvez vai surpreender vcs -q
nao tenho mt oq falar até pq eu quero ir tomar banho
ATRASEI O MEU BANHO PRA POSTAR PRA VCS QRO BEIJOS
hmmmmmm espero de vdd q vcs gostem do cap <3 eu to mt mt mt mt insegura com ele sério D:
desejo a vcs uma boa leitura e até lá em baixo

BETADO POR CHUNDON ~

Capítulo 3 - Dois


Fanfic / Fanfiction Porcelana - Capítulo 3 - Dois

As coisas não andam fáceis. O preço no comércio andam aumentando gradativamente, principalmente a comida. Nossos armários e geladeira nunca foram fartos, mas agora estão mais vazios ainda. Sinto como se meu relacionamento estivesse caindo cada vez mais.
Minha teimosia em negar uma noite de sexo está deixando-o mais do que irritado. Faz duas semanas que não sinto suas mãos bobas passeando pelo o meu corpo e falando com a voz divertida que quer fazer sexo. Me sinto um idiota por estar deixando as coisas acontecerem dessa maneira. Cinco dias atrás eu pensei que ele estava melhorando e finalmente deixando sua comida no estômago, mas ontem quando cheguei em casa e não o vi na sala, fui procura-lo pela a casa e o vi saindo do banheiro. Seria algo normal se não fosse ele. O cheiro de vômito no local era forte e aquilo fez com que brigássemos novamente.

Ao menos o movimento da loja de sapatos estava aumentando, e isso fazia com que minha comissão fosse mais considerável. Frutas faziam bem para saúde e eu tentava compra-las para Jimin sempre que podia, o problema era que até isso ele se negava a comer muito ou até mesmo comer.
Estava pensando em largar a academia, mas Jimin sempre me dizia para parar de pensar besteiras e insistia em dizer que se as coisas ficassem difíceis ele começaria a trabalhar para me ajudar. Sempre negava esses pedidos seus mesmo sabendo que seria de grande ajuda ele mal está conseguindo ensaiar direito.  Recentemente sua professora falou comigo dizendo que ele quase desmaiou ensaiando, mas logo se recuperou, foi nesse dia que eu resolvi comprar mais frutas lá em casa. Mas estava sendo tudo tão inútil.
Taehyung insiste em me dizer que apenas minha força de vontade não vai ajudar em nada, mas eu sempre consigo fazer ele comer bem quando insisto muito. De qualquer forma, eu não teria dinheiro para procurar um médico.

— Bom dia, posso ajudar? — perguntei com um sorriso no rosto.

Eu não queria realmente sorrir, estava preocupado com o meu relacionamento e com o Jimin. Estava farto de ouvir Taehyung me encher de conselhos e sorrir para clientes me fazia querer explodir a qualquer momento.  A verdade era que eu sentia falta de fazer sexo, e isso acabava me deixando frustrado. Não queria admitir que meu amigo estava certo e que eu deveria ceder logo aos desejos. O fato de que faziam dias que eu não ouvia um pedido para me deitar com Jimin me deixava pior ainda.

Ao menos vender calçados era um processo rápido, exceto com aqueles clientes que insistiam em provar todos os calçados da loja para no final não levar nenhum. A hora do almoço estava próxima, e eu estava ansioso para deixar aquele local e me concentrar apenas no meu prato de comida e na voz de Taehyung.

— Bom dia rapaz. Você teria esse calçado aqui no número trinta e cinco? — ouvi a voz mansa da mulher me perguntar.

— Infelizmente este par que está segurando é o último.

O problema era que as pessoas eram sempre extremamente rudes com os vendedores quando não conseguiam o que queriam. E foi uma carranca estampada em seu rosto que a gentil mulher saiu da loja.  A vantagem de tudo aquilo que estava acontecendo, é que meu horário de almoço havia chegado. Com passos apressados eu me dirigi até a pequena sala de funcionários que estava cheia de nada e alguns armários. Peguei minha carteira onde continha o meu cartão de crédito e fui para fora da loja encontrar Taehyung.

Estava um dia bonito e aquilo me fazia querer poder estar apenas passeando no centro da cidade com Jimin, aproveitando mais tempo consigo e ficar um pouco longe daqueles sapatos quais convivo todos os dias. Me encostei no vidro da loja e tirei meu celular do bolso, eram meio dia e trinta e cinco, meu tempo estava curto. Porém, eu precisava ouvir a voz dele um pouco.  Com os dedos ágeis, deslizei-os na tela de meu celular e busquei seu número no meio dos meus poucos contatos. Ele como sempre não demorou a atender.

— Oi... Amor — falei com a voz baixa e ouvi ele rir. — Senti sua falta.

O horário de almoço acabaria uma e meia da tarde e só agora eu havia chego no restaurante ao lado de Taehyung. Reclamamos o caminho todo do trabalho e mais um pouco sobre não ter nada melhor nos esperando. Meu almoço não era um dos melhores, meu dinheiro não era o suficiente para esbanjá-lo em alimentos na rua. Gostaria de saber se Jimin estava almoçando, pois quando eu liguei fui avisado que ainda não havia comido nada. Todas as vezes que olhava para o meu prato me perguntava se o estômago dele estava cheio.

— Por que está com essa expressão de choro? — ouvi a voz de Taehyung me perguntando.

— Estou? — ri sem graça. — Estava pensando nele, estou com saudades e também, curioso em saber se ele não vomitou hoje.

— Eu já te falei pra procurar uma ajuda pra ele, para de ser orgulhoso e aceite logo. Está pior do que quando percebeu que gostava dele. Aliás, essa sua expressão de choro não parece ser apenas isso. — e novamente Taehyung estava me dando bronca.

Estava em um dia difícil e queria chorar. Talvez ele estivesse certo sobre o meu orgulho idiota, mas eu não quero que o meu Jimin fique doente.  O fato de que ele não me pedia sexo a alguns dias me deixava extremamente abalado. Vivo com um homem que tem como sexo uma de suas coisas preferidas, e agora ele não parece mais querer fazer isso comigo.

— Estou estragando tudo, não é? — perguntei sorrindo envergonhado. — Não fazemos sexo há muito tempo, e agora ele parou de me pedir e como castigo, estou incomodado com isso.

— Faz sexo com ele, cara. Seu rosto diz que está tão necessitado quanto ele. E se eu fosse o Jimin, desistiria de pedir para você me comer.

— Não é assim e você sabe. — comentei rindo e Taehyung revirou os olhos sorrindo.

— Comigo seria.

Sorri de canto com o seu comentário desnecessário e peguei meu celular e desbloqueei ele com pressa e abri a galeria de imagens. O bom de ser um casal do século vinte e um é que você sempre possuí fotos suas com seu companheiro. Enquanto Taehyung comia e tagarelava em meus ouvidos e com movimentos preguiçosos eu levava um pouco de comida em minha boca, fiquei olhando nossas fotos juntas.  Seu sorriso sempre foi tão bonito, talvez por isso que eu me sentia mais feliz quando o via assim. Quando olho para nossas fotos juntos, não me arrependo em ter escolhido ele em vez de minha família, pois agora ele se tornou a minha.
Taehyung diz que depois que conheceu Jimin, percebeu que eu nasci para ser homossexual e até hoje não desiste dessa ideia, como se isso fosse um dom. Porém, de todos os homens que já vi em minha vida, ele é o único que eu amo e que me excita.

Quando meus pais descobriram que o cheiro de perfume impregnado em minhas roupas não era meu e muito menos de Taehyung ou de qualquer outro amigo meu, as coisas ficaram difíceis ao extremo. Apanhei tanto por estar saindo com um homem que nem se importaram que ele era mais velho, apenas que ele era ele. Foi quando eu desisti de tudo para ficar com ele e até hoje não me arrependo.
Só queria que ele não ficasse tão paranoico com o seu balé e que percebesse que não está pesando cento e vinte quilos, e que ele é lindo de qualquer maneira. Não existe nada ali que eu tiraria e muito menos algo que eu gostaria de por. Até seus defeitos me encantam.

— De expressão chorona você passou para: idiota apaixonado. — Taehyung comentou rindo e eu revirei os olhos. — Ainda vou encontrar uma mulher que me faça sentir o que você sente pelo o hyung.

— Está com inveja de mim? — perguntei rindo. — Temos que voltar.

— Por que eu sentiria inveja de você? Você nem transa.

Era um grande idiota. O esperei terminar de comer e nos levantamos para ir pagar o almoço. O dia estava quente demais e aquilo me deixava preguiçosos, e foram com passos lentos que eu caminhei até o caixa. A conta não estava alta, o que me deixou contente. Assim que Taehyung pagou a sua conta, coloquei meu cartão na máquina e esperei os poucos segundos para digitar a senha. Enquanto esperava meu ticket comprovando meu pagamento fiquei conversando com meu amigo que mais reclamava do que prestava atenção em mim.

— Não há limite no cartão. Você tem outro? — ouvi a voz feminina me perguntar.

Franzi as sobrancelhas e olhei para Taehyung confuso. Aquele era meu único cartão de crédito e eu não me lembro de ter gasto tanto nele. Exceto que ultimamente, quase todos os dias eu insistia em passar no mercado comprar algumas coisas para comer com o Jimin em casa. Eu sempre acabava comendo-as sozinho, mas ainda insistia.
Balancei minha cabeça, ainda um pouco desconcertado, não tinha dinheiro vivo para pagar o almoço. Eu realmente preciso começar a levar almoço para o trabalho e arrumar um lugar para esquentar a comida. Olhei para o meu amigo novamente que sorriu abertamente e estendeu seu cartão para a mulher, dizendo com a voz alegre que pagaria pra mim.  Sorri sem graça e murmurei um obrigado de volta, e recebi duas batidas leves em meu ombro e um breve “você não precisa agradecer o seu melhor amigo”, de fato eu talvez não precisava fazer isso, mas ele era a única pessoa que sempre me tirou das burradas na rua, como também foi a única que apoiou o meu romance homossexual, merecia ao menos minha gratidão.

Estava envergonhado por ter deixado as coisas acontecerem do jeito que aconteceram com o meu único bendito cartão de crédito. Meu dia estava terrível e ainda não havia começado direito, eu só queria voltar para a casa e abraçar o meu namorado. Porém, hoje era dia de ir para a academia, então eu só poderia vê-lo mais tarde do que o desejado. Caminhando com passos lentos pelas as ruas, indo em direção a loja novamente, eu não dizia absolutamente nada, e frequentemente tinha os olhos do meu amigo me observando. Era desconfortável mas eu sabia que ele estava preocupado.

— Vocês dois não estão passando fome, estão? — me perguntou preocupado e eu ri sem graça.

— Ainda não.

Taehyung tinha sorte de ainda morar com seus pais, assim o dinheiro que recebia nunca ficava apertado para ele, e mesmo se ficasse, ele não tinha compromisso com ninguém, tudo o que ganha é para ele e mais ninguém.

— Ando com a cabeça avoada, e me esqueci de controlar o cartão. Vou ter que passar o resto do mês com o que tem lá em casa, e acho que não é o suficiente pra trazer o que comer todos os dias.

— Ajudo vocês, não se preocupe. Ganho o mesmo que você mas não gasto o mesmo que você. Aliás, tenho certeza que o Jimin já se ofereceu a trabalhar e você insiste que não, por que?

— Porque ele anda fraco e mal consegue ensaiar suas danças de balé, só por isso. — comentei irritado.

— Quando vai assumir que ele precisa de um médico?

— O problema é que eu não tenho dinheiro, droga! Eu nem faço ideia do que ele tem. — minha voz estava falha e minha garganta queimava, tudo o que eu queria era começar a chorar e encher o peito do Taehyung de socos, para ele parar de me perguntar sempre a mesma coisa.

Tudo o que eu não queria era ver a pessoa que eu amo se negar a comer e insistir que está gorda, tentar ajuda-la e falhar completamente, não possuir dinheiro para procurar ajuda e nem ao menos saber se ele quer ajuda. Tudo o que eu não queria era sentir medo de fazer sexo com ele, pois ele estava muito magro. Talvez Taehyung estivesse certo, talvez ele estivesse realmente doente e não apenas fazendo uma dieta rigorosa demais. Mas eu não sabia o que fazer, me sentia perdido e aquilo era horrível, tudo o que eu queria era vê-lo bem, e parecia que eu estava deixando-o pior.

Assim que voltamos para a loja, eu me dirigi até o banheiro e me tranquei lá por alguns segundos, olhei nossas fotos juntos novamente e liguei para ele só para ouvir sua voz novamente, mas ele não atendeu. Jimin só ignorava minhas ligações quando estava na aula de balé, e normalmente ele dançava de manhã. Trabalhei o resto da tarde preocupado, algumas clientes até me perguntavam se eu estava bem e eu sempre respondia que sim. Taehyung vez ou outra tentava me arrancar alguma informação daquela minha expressão horrível, mas eu preferia não responder.  Não fazia ideia do porquê de estar tão carente dele hoje, mas tudo o que eu queria era chegar logo em casa e abraçar ele bem forte. Assim que sai da loja, pensei e repensei várias vezes sobre ir ou não para a academia, eu estava quase largando de ir para lá pela a falta de dinheiro, e ainda queria faltar os poucos dias que eu ainda podia ir.
Jimin provavelmente ficaria furioso em saber que eu desisti de ir malhar apenas para voltar pra casa logo, mas eu estava à beira de chorar no meio da rua se não o visse logo. O relógio marcavam seis e meia da tarde, se eu fosse diretamente para a casa, eu chegaria lá antes das oito, se eu fosse para a academia por primeiro eu chegaria lá tarde demais, tendo tempo apenas para tomar banho, jantar, beijá-lo na boca e ir dormir.

Neguei com a cabeça repetidas vezes. Era uma decisão tão fácil, mas na minha ocasião financeira eu não podia desperdiçar meu dinheiro, e sabia disso. Faltar na academia seria jogar um pouco do meu salário fora, algo que eu poderia usar para gastar com nós dois. Se eu voltasse para a casa e brigasse com o meu namorado por isso, ele teria toda a razão de ficar furioso.

Foi pensando nisso que eu suspirei pesadamente repetidas vezes e me pus a caminhar em direção a academia. Jimin gostava dos meus músculos de qualquer forma.

O vento estava gelado e as ruas escuras e desertas, já estava acostumado com isso, não era a primeira vez que eu caminhava sozinho de noite. Ir malhar foi uma boa decisão, pois aquilo me acalmou e me fez esquecer dos problemas que o meu dia me trouxe, e apenas me focar em quantos pesos eu estava levantando e qual a velocidade de minha esteira. Jimin havia retornado minha ligação por volta das sete da noite, dizendo que não tinha visto na hora pois estava no banheiro e acabou dormindo o resto do dia, acordando só agora, lhe perguntei o porquê de dormir tanto e ele me respondeu rindo que estava cansado demais. Ele parecia triste naquela ligação, e aquilo me fazia andar cada vez mais rápido pelas as ruas.
Nossa casa não estava tão longe, mas como todos os dias em que eu ia para a academia, parecia que quanto mais perto de casa eu estava, mais longe de casa eu ficava. A ansiedade era tanta, e eu me perguntava como conseguia me sentir assim mesmo com tantos anos me relacionando com a mesma pessoa.

 Até parecia os primeiros meses de namoro.

E não eram, aquilo me confortava de certa forma, saber que mesmo com tanto tempo ao lado dele, eu ainda amava ele como se fossem três meses ao lado dele, como se o amor ainda fosse impossível e possível ao mesmo tempo, e que nenhum problema nos afetaria. De fato, mesmo com pouco dinheiro, mesmo com seu corpo magro e minha preocupação sentada em minhas costas todos os dias, quando eu estava deitado na cama com ele, nenhum problema me afetava. Quando parei na frente de casa, sorri feito criança e caminhei rapidamente até a porta, busquei a chave em meu bolso de trás da calça e a abri com pressa. Como todos os dias, ele estava sentado no sofá vendo televisão, mas dessa vez tinha algo de diferente. Ele estava comendo morangos.
Mesmo que fossem apenas frutas leves e que claramente não enchiam a barriga de ninguém, vê-lo comendo as pequenas frutinhas vermelhas com tanta vontade me fez sorrir abertamente. Eu sentia falta de vê-lo mastigar sem preocupação alguma.

— Você está comendo. — murmurei sorrindo e ele me encarou com as bochechas vermelhas, como se estivesse sido pego no flagra.

— Morangos não engordam. — comentou com a voz baixa.

Colocou-os na mesa da sala e se levantou do sofá. Fechei a porta com cuidado e coloquei minhas coisas no chão. Com passos apressados ele caminhou até parar em minha frente, segurou meu rosto com ambas mãos e beijou minha boca.  Sorri com o ato e levei uma de minhas mãos até sua nuca e acariciei o local. Passei o dia todo esperando por aquilo e não queria parar.

— Senti a sua falta o dia todo. Já jantou? — perguntei enquanto ele beijava minhas bochechas.

— Jantei os morangos.

— Só isso? Jimin, você tem que comer comida.

Nada me respondeu, apenas senti suas mãos traiçoeiras segurarem minha camiseta e começar a me puxar para o sofá. Caiu de costas no móvel fofo e o ouvi rir descontraidamente com isso. Me puxou para o meio de suas pernas e agarrou minha nuca novamente. Segurei sua cintura com minhas mãos e beijei sua boca. Meus lábios sugavam os seus, enquanto uma de suas mãos puxava o cos de minha calça e a outra dedilhava os dedos em minha nuca. Findei o beijo e caminhei com meus lábios até seu queixo e deixei uma mordida ali, sendo recompensado com uma risada abafada vindo dele.
Sua mão que antes estava no cós de minha calça, entrou por baixo do tecido de minha camiseta e apertou minha carne com força, impulsionou minha cintura contra a sua, fazendo com que nossos membros friccionassem um no outro. Gemi baixo com aquela a ação e arregalei meus olhos após isso. Afastei rapidamente meu corpo do seu. Ele me encarava confuso enquanto eu ofegava. Me sentia um virgem novamente, pois por mais que eu quisesse muito fazer sexo com ele naquele sofá, eu estava com medo disso.
Jimin não falou nada, apenas me empurrou para longe do seu corpo e se levantou do sofá, caminhou com passos apressados até o nosso quarto e o ouvi bater à porta com força.  Me arrumei no sofá e passei as mãos pelo os cabelos. Estraguei tudo novamente.

Depois de semanas sem ouvir um pedido de sexo, depois de reclamar o dia todo por isso, quando estávamos quase transando depois de meses, eu senti um medo idiota e insignificante. Não é como se fosse a primeira vez que eu iria fazer sexo com ele, já conhecia seu corpo muito bem, como ele também conhecia o meu.
Levantei do sofá e fui até as coisas que deixei ao lado da porta e procurei meu celular ali. Assim que o encontrei voltei me sentar nas almofadas fofas do móvel e busquei o número de Taehyung no meio dos meus contatos, e ele atendeu na hora.

— Eu estraguei tudo novamente. — comecei a falar antes mesmo dele me dizer alô. — Nós quase transamos no sofá, mas quando eu gemi, fiquei assustado e me afastei. Agora ele está trancado em nosso quarto e eu estou igual um idiota sentado no sofá. — ouvi Taehyung suspirar.

— Cara, para de ser imbecil. Sério, ele não vai morrer se você fizer sexo com ele. Desliga esse celular e vai pro quarto, e pega o seu homem de uma vez. Ficou o dia inteiro com uma cara feia porque ele não pedia sexo há alguns dias e agora que quase transou com ele no sofá, você estragou tudo. Estou quase indo bater em você, Jeongguk.

— Você tem razão. — suspirei. — Eu quero fazer sexo, ele quer fazer sexo, então qual o problema? Fiquei com medo, mas eu tenho mais medo de perder ele por ser idiota do que de transar com ele. — ouvi Taehyung rir. — Só vou tomar banho e ir consertar as coisas.

— Vai ficar limpinho, não é? — comentou rindo alto e eu ri junto.

— Cala a sua boca, Taehyung-ah.

Assim que desliguei o telefone, me levantei do sofá e fui até o nosso quarto. As cortinas estavam fechadas, e ele estava deitado em nossa cama. Pensei que iria brigar comigo pela a idiotice que fiz na sala, mas ele não disse nada, continuou deitado. Peguei minhas roupas em nosso guarda-roupa e a toalha de banho que deixava pendurada atrás da porta e me dirigi até o banheiro. Retirei minhas roupas com pressa e caminhei até o chuveiro, ligando-o e começando a lavar o meu corpo.

O banho foi mais demorado que o esperado, mas já estava vestido e caminhando até o nosso quarto novamente. Abri a porta com calma e ele continuava deitado na mesma posição de antes. Pendurei a toalha atrás da porta novamente e mordi meu lábio inferior.
Meu coração estava acelerado e eu sentia minhas pernas tremerem. Estava tão ansioso e nervoso, que chegava a ser ridículo. Caminhei até a nossa cama e ergui a coberta para me enfiar em baixo dela. Me deitei ao seu lado e aproximei meu rosto do seu. Seus olhos pequenos me olhavam com extrema fúria e eu sorri com isso. Ele era lindo até mesmo irritado. Beijei a ponta de seu nariz e respirei fundo três vezes antes de perguntar o que eu tanto queria dizer e o que ele tanto queria ouvir.

Hyung, quer fazer sexo?


Notas Finais


gostaram? amaram? odiaram? fala pra mim
eu n posso explicar agr o pq do sexo estar vindo tao rapido pq seria spoiler mas ACREDITE ESSA TRANSA VAI SER O DESFECHO DE TUDO
FAÇAM SUAS APOSTAS
Park Jimin é um otário
Jeon Jeongguk é um otário
Kim Taehyung é foda
eu sei a vida do Jeon e do Jimin é bem bosta e eles tem uma vida financeira terrível e o Jeon não sabe administrar isso bem :c burro burro burro
eu gostaria de saber q se POR ALGUM ACASO eu fizesse uma jikook mpreg JK UKE TÁ? vcs leriam nyeh hehe hehehe
VOU ENVIAR ESSE CAP LOGO E IR TOMAR BANHO
COMENTEM
FAVORITEM
ME SIGA NO SS PARA MAIS FANFICS COMO ESSA NAO NECESSARIAMENTE COMO ESSA
ESPERO Q TENHAM GOSTADO E... Hyung, quer fazer sexo?
Um beijo
Um queijo
E que a força da aceleração esteja com vocês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...