História Porque Aún Te Amo - Gefira - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cúmplices de um Resgate
Personagens Arthur Torres, Aurora Meneses, Fortunato Meneses, Frederico Pereira, Geraldo Saldanha, Lurdinha Passos, Otávio Neto, Personagens Originais, Priscila Meneses, Rebeca Agnes, Regina Junqueira, Safira Meneses, Tomas Gomes, Vicente Alencar
Tags Cumplices De Um Resgate, Gefira, Geraldo Saldanha, Romance, Safira Menezes
Exibições 43
Palavras 1.302
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E aí, como estão?
Espero que gostem do primeiro capítulo.
Bora ler?

Capítulo 2 - Como Tudo Começou


Fanfic / Fanfiction Porque Aún Te Amo - Gefira - Capítulo 2 - Como Tudo Começou

Safira caminhava tranquilamente pelos corredores da Universidade de São Paulo (USP). A jovem tinha recém completado dezoito anos e estava em seu primeiro ano da faculdade de moda. Seu sonho era ser uma grande estilista. Famosa e reconhecida por todos. Por fora, a jovem esbanjava felicidade, mas por dentro... Era triste e solitária. Seus pais nem lhe davam atenção. Bom, Aurora era a que mais a cuidava, mas Fortunato não lhe dirigia nem sequer uma palavra de carinho e isso a deixava frustrada e magoada.

Ela ainda se lembrava de um fato que ocorreu em sua festa de quinze anos. Fortunato não havia comparecido à festa da jovem. O homem simplesmente havia alegado que estava trabalhando e isso foi o que mais a deixou triste. Safira sentia falta do pai e se sentia deixada de lado por conta do trabalho. O fato era que Fortunato não tinha tempo para ficar com a jovem e isso deixava Safira cada vez mais magoada e ressentida. Sempre estudou em ótimas escolas, teve uma ótima educação, mas nunca teve o carinho e o amor de seu pai.

Completamente distraída e pensando em seu passado, a jovem não se dá conta de que estava prestes a esbarrar em um homem... Mais especificamente, Geraldo Saldanha. O jovem também estava distraído olhando para seus materiais e não havia visto Safira que caminhava em sua direção. Geraldo estudava finanças e planejava ser um grande empresário. Na vida pessoal, o rapaz era um tanto quanto reservado e claro, mulherengo. Já havia ficado com várias mulheres, mas estava prestes a conhecer uma a qual ele jamais poderia esquecer.

Geraldo e Safira andavam tão absortos em seus pensamentos que não perceberam a proximidade em que estavam e... Acabam se chocando um com o outro. Com o impacto, Safira acaba se desequilibrando e por pouco não vai ao chão. Isso só não acontece, porque a jovem sente braços fortes a segurarem pela cintura e olha pro rosto de Geraldo, para ver quem era o dono dos braços fortes e quentes que a apertavam. Quando seus olhos se encontram, uma corrente elétrica passa pelos corpos de ambos e claro, o “casal” estremece. Geraldo, se dando conta do que sentiu, decide se afastar e encara Safira. – Ér... Desculpa, eu... Eu não estava prestando atenção por onde caminhava. O rapaz fala.

- Eu é quem devo te pedir desculpas. Estava tão distraída que nem te vi. Ér... Desculpa pelos seus materiais também. Safira fala se referindo aos livros e cadernos de Geraldo que agora estavam espalhados pelo chão do corredor da faculdade.

- Sem problemas quanto a isso. O jovem responde e se abaixa para pegar seus livros. Safira faz a mesma coisa e suas mãos se tocam. Novamente sentem uma corrente elétrica passar por seus corpos e acabam se olhando.

- Desculpa.

- Pelo que? Geraldo pergunta e levanta juntamente com Safira.

- Por ter derrubado os seus materiais. Estava tão distraída que... Nem prestei atenção por onde...

- Shii, não precisa se desculpar. Isso acontece. Hã... Posso saber o seu nome?

- Claro. Safira e o seu?

- Geraldo. Muito prazer, Safira. Tem um nome lindo.

- Obrigada. A jovem responde envergonhada e dá um sorriso tímido.

- Eu preciso ir para a aula, espero que nos encontremos novamente.

- Eu também.

- Até mais, Safira. Geraldo fala e se aproxima da jovem lhe dando um beijo calmo e um tanto quanto demorado em seu rosto.

- Até mais, Geraldo. A jovem fala e fica observando o rapaz se afastar. Nenhum dos dois sabiam que dali em diante, suas vidas estariam entrelaçadas para sempre.

Ainda deslumbrada por ter conhecido Geraldo, Safira vai para sua aula e quando entra, o professor já a repreende, pois estava atrasada. – Safira Menezes, está atrasada.

- Ér... Desculpa, professor.

- Espero que isso não se repita.

- Sim, claro.

- Vá se sentar. A jovem apenas acena positivamente e vai para seu lugar na frente de sua melhor amiga, Patrícia.

- Safira, onde você estava?

- Depois eu te conto, Pati. A garota fala com um sorriso bobo nos lábios.

- Tá, mas eu quero saber de tudo por trás desse sorrisinho aí.

- Ok, você vai saber.

- Além de chegar atrasada, ainda perde tempo conversando? Menezes, trate logo de pegar seus materiais e copie o que coloquei na lousa.

- Sim, professor. A jovem fala e começa a abrir seu caderno para começar a copiar a matéria daquela aula.

Geraldo também havia chegado atrasado, mas por sorte, não foi repreendido pelo professor. Alessandro, seu melhor amigo... Havia reparado no olhar perdido do rapaz e decide perguntar o que havia acontecido. – Geraldo, o que aconteceu? Porque está com essa cara?

- E precisa acontecer algo pra mim estar com essa cara? Alessandro, é a única cara que eu tenho. Já deveria saber disso.

- Não tente bancar o engraçadinho, porque comigo não cola. Anda, fala logo. Conheceu alguém?

- Não te interessa.

- Nossa, mas você acordou de mau humor hoje, hein? Só perguntei porque sou seu amigo e quero te ver bem.

- Ok, Alessandro. Desculpa. Sim, eu conheci uma pessoa. Uma mulher. Nos esbarramos no corredor da faculdade e desde então, não consigo parar de pensar nela.

- Está apaixonado.

- Claro que não. Eu lá sou homem de me apaixonar? Alessandro, a garota só é bonita e me chamou a atenção. Nada além disso, entendeu?

- Se você tá falando... Vou acreditar. O rapaz finge acreditar, mas no fundo sabia que o deslumbramento de Geraldo iria muito além do que ele estava falando.

O tempo passa e no intervalo das aulas, Safira é praticamente interrogada por Patrícia. – Vai, Safira... Fala logo quem foi o homem que te deixou desse jeito?

- E precisa ser um homem?

- É mulher? Amiga, não sabia dessa sua nova preferência.

- Claro que não é mulher, Patrícia. Nada contra quem gosta, mas...  Prefiro homem.

- Tá, mas fala o que aconteceu.

- Bom, eu estava distraída caminhando pelos corredores e esbarrei num homem... Muito gato.

- Tipo, Brad Pitt?

- Muito mais lindo que ele. Os olhos azuis. O rosto perfeito. E a voz então? Nossa, é muito lindo.

- Já to vendo que se apaixonou?

- O que? Claro que não. Só... Só estou deslumbrada pela beleza daquele homem. Ele foi tão gentil. Mas é só isso, Patrícia. Não tem nada demais.

- Sei... Patrícia fala e dá uma risada contida. Ela conhecia sua amiga e sabia que não era apenas “isso” que a jovem dizia.

O dia passa tranquilamente naquela sexta-feira. Safira e Geraldo não paravam de pensar um no outro. Tanto é que acabaram sonhando com o esbarrão que havia acontecido entre eles. A manhã de sábado amanhecia calmamente e Geraldo recebe um telefonema de seu amigo, Alessandro.

- O que quer a essa hora da manhã?

- Bom dia pra você também, querido amigo. Alessandro fala.

- Tá, fala logo. O que quer?

- Fiquei sabendo que terá um karaokê naquele bar onde sempre vamos. Pensei de irmos hoje à noite lá. Eu vou com a minha namorada e ela prometeu levar uma amiga.

- Eu não tô afim dessas coisas, Alessandro. Prefiro ficar em casa.

- Você dispensando uma saída? Deve estar mesmo apaixonado por aquela garota que conheceu.

- Eu não estou apaixonado e quer saber? Vou te provar isso hoje à noite. Pode marcar com a sua namorada e tal amiga dela. Irei nesse karaokê.

- Sabia que iria mudar de ideia. Até a noite, então.

- Até. Geraldo fala e desliga o celular. Não seria tão chato assim ir num karaokê. Ele gostava de cantar e modéstia parte, tinha uma bela voz. Iria dar um show no karaokê e provar para seu amigo que não estava apaixonado por Safira. Será mesmo, Geraldo?


Notas Finais


Gostaram? Odiaram?
Mereço comentários?
Geraldo e Safira se conheceram e já ficaram interessados um no outro.
Como acham que será o tal karaokê? Será que Safira e Geraldo irão se encontrar por lá?
Espero vocês no próximo capítulo.
Até mais...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...