História Portas da Alma - Capítulo 33


Escrita por: ~ e ~manucaximenes

Postado
Categorias As Peças Infernais, Os Instrumentos Mortais
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane
Tags Clace, Malec, Sizzy, Tid, Tmi
Exibições 154
Palavras 2.736
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Crossover, Drama (Tragédia), Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura!!!

Capítulo 33 - Capitulo 33


Fanfic / Fanfiction Portas da Alma - Capítulo 33 - Capitulo 33

Arredores de Idris – Cabana de RagnorFell.

 

Alec e Magnus estavam deitados na cama, o moreno sente o bruxo e aconchegar mais em seu peito. Desde que Clary dera a noticia, tudo o que Magnus queria era estar com Alec em seus braços, tanto que ele beija o peito do namorado, que solta um suspiro.

-Que foi? –Pergunta suspirando.

-Lembra-se que eu disse que você era um gênio? –Pergunta olhando nos olhos de Alec, que suspira.

Alec semicerra os olhos no mesmo segundo, tentando afastar da mente a discussão que eles tiveram sobre isso, francamente, ele o estava comparando a outro ser novamente?

Como se ele não fosse bom o suficiente!

-Continuo não entendendo porque está me chamando assim. –Acusa irritado.

-Quando os mundanos chamam uma pessoa de gênio, quer dizer que ele é inteligente, que tem ideias brilhantes. –Explica, encostando o seu queixo sobre as suas mãos olhando Alec diretamente em seus olhos, deixando-o envergonhado.

Alec morde o lábio e observa Magnus revirar os olhos e lhe roubar um selinho demorado, enquanto solta um suspiro.

-Poderia ter dito que eu era brilhante em vez de me chamar de gênio. –Acusa contra os lábios deMagnus.

-Poderia, mas não perderia a chance de te provocar novamente, você fica tão adorável. –Confessa provocativo.

-Magnus Bane. –Recrimina revirando os olhos.

-Voltando. –Pede soltando uma risada. –Eu estava pensando, se o seu pai não está fazendo isso, talvez o meu esteja. –Revela piscando em direção a Alec, que o encara confuso.

-Por que você sempre tem que achar que as nossas famílias vão arranjar problemas? –Pergunta revirando os olhos, mesmo tendo uma leve ideia de que deveria tomar cuidado com o pai de Magnus.

-Lembra-se do motivo do Sheldon deixar de ser vampiro, gostosinho? –Pergunta provocativo.

-Lembro-me de você quase morrendo. –Responde suspirando. –Acho que isso é o bastante. –Confessa desviando o olhar.

-Acho que ele não gostou da minha intromissão, acho que talvez ele esteja tentando se vingar. –Revela, sentando-se e seguindo em direção ao livro que estava nas mãos dele mais cedo.

-Vingança por memorias? –Pergunta confuso.

-Ou talvez ele esteja tentando tomar a minha imortalidade. –Responde voltando a se sentar na ponta da cama, enquanto Alec se senta perto das costas dele, alisando as mesmas com a ponta dos seus dedos.

-Você está bem para pensar nisso agora? –Pergunta preocupado.

-Acho que eu não tenho muita alternativa, Alexander. –Confessa tendendo a cabeça pra trás. –Acho que o melhor a se fazer é não ter mais pena de mim mesmo. –Comenta suspirando.

Alec revira os olhos, abraçando-o por trás e beijando o ombro de Magnus, que suspira e tende a sua cabeça para trás.

-Sabe que eu vou te ajudar em qualquer coisa, não sabe? –Pergunta observando-o encara-lo.

-Eu sei, gostosinho. –Responde sussurrando.

-O que nós temos que procurar? –Pergunta encarando o livro. –Já que eu não vou te deixar invocar o seu pai. –Murmura, alisando as costas de Magnus, que ri.

-Sinceramente? Eu não tenho ideia do que fazer caso o responsável for o meu pai. –Confessa, desviando o olhar. –Eu não tenho ideia como matar um demônio tão poderoso quanto ele. –Revela, suspirando.

                                               * * * 

Idris - Gard.

 

Isabelle tentou abrir os olhos, mas a claridade não deixava, estava com uma sede terrível, passou a língua pelos lábios e os sentiu ressecados, tentou abrir os olhos novamente, logo percebeu que estava em um quarto, parecia ser uma enfermaria. Virou a cabeça e avistou sua mãe que dormia numa poltrona ao lado da cama. 

Tentou se sentar mas uma forte vertigem a fez se deitar novamente, soltou um leve gemido pela dor aguda na cabeça, sentia seu peito arder, olhou para baixo e percebeu o grande curativo que tinha pouco abaixo do coração. Logo as lembranças foram voltando e ela se lembrou de ter sido esfaqueada, logo arregalou os olhos ao se lembrar quem a esfaqueou. Kaelie! O povo das fadas estão metidos nisso, os acordos correm risco!

— Isabelle? Você finalmente acordou! - Disse Maryse abraçando a garota. 

— Mãe f-foi a Kaelie quem me esfaqueou o povo das fadas estão metidos nisso! - Disse a garota ainda atordoada. 

Maryse demorou um pouco para entender o que Isabelle havia dito, quando finalmente entendeu seus olhos se arregalaram, o que sua filha havia dito era muito grave! 

                             * * * 

Arredores de Idris - Cabana de RagnorFell.

 

— Não sei se realmente é o pai de Magnus que pode estar por trás disso, ele poderia acabar com tudo num estalar de dedos Alec, não há necessidade dele brincar assim com a gente. - Disse Jace pensativo. 

Alec e ele estavam sentados as margens do pequeno córrego que havia praticamente no quintal de Ragnor, Clary e Simon estavam sentados mais a frente colocando o papo em dia. E Magnus como Alec havia dito estava dormindo, o choque de saber que sua melhor amiga havia morrido fora demais para ele, após ter se trancado no quarto com Alec havia enfim adormecido. 

— Ele colocou na cabeça que o pai dele é o culpado, acho que ele está pensando em invocar o pai. - Disse Alec com um suspiro cansado. 

— E você, Alec? O que acha disso tudo? Você está bem? Digo, suas lembranças voltaram todas? - Perguntou o loiro preocupado.

— Sinceramente, não sei o que achar, minhas lembranças não voltaram todas, apenas pequenos fleshs que estão se embaralhando com as lembranças falsas. - Disse Alec observando o córrego. 

— Mas você está bem com tudo isso?

— Sinceramente, as vezes acho que vou enlouquecer, minhas lembranças verdadeiras e as falsas se chocam, mas sinto que estou aos poucos substituindo as falsas pelas verdadeiras, as vezes fico confuso, mas estou superando.

— Fico feliz em saber disso. Admito que estava preocupado, você sempre foi muito fechado, tinha medo que estivesse passando uma barra em segredo. 

— Sério, eu estou bem, estou lidando com tudo isso. E também não quero ser um fardo pra ninguém, nem para o Magnus, nem pra você, pra ninguém Jace, já não basta o trabalho que vocês estão tendo comigo, pra me manter seguro.

— Você não é um fardo Alec e se estamos fazendo tudo isso é exatamente por você, porque te amamos e queremos o seu bem, você não sabe o inferno que foi todo o tempo em que estivemos separados, achei que eu fosse enlouquecer. - Disse Jace com a mão no ombro do parabatai. 

— E você, acha que o pai de Magnus pode ser o culpado? - Perguntou o moreno mudando de assunto, ainda não estava preparado para ter uma conversa sobre sentimentos com Jace, suas lembranças não estavam completas, não tinha uma opinião formada sobre o loiro, mas sabia que podia confiar nele.

— Não sei, não me parece algo que ele fizesse, além disso, temos que achar o verdadeiro culpado dentro da Clave, ainda temos duvidas sobre Robert, enquanto não descobrirmos se realmente ele é culpado ou inocente, não vamos conseguir seguir nessa guerra. 

— E o que pretende fazer? 

— Vou até o Gard, vou colocar Robert contra a parede, só assim olhando sua reação para saber se ele realmente é culpado. 

— Eu também vou. - Disse Alec decidido. 

— O que? Não, você não pode aparecer por lá Alec, se for pego tudo isso terá sido em vão! 

— Você não me entende Jace, e-eu não tenho minhas lembranças completas, tudo o que tenho são flesh que se misturam com as falsas lembranças, vocês me disseram que meu pai pode estar por trás disso e eu estou angustiado porque não me lembro dele e não sei se ele pode ter feito isso ou não, não sei se meu pai realmente me odeia ou não. Preciso sair dessa duvida, isso está me corroendo Jace, não quis dizer nada a Magnus porque ele já está muito preocupado, mas não consigo me acalmar sem saber, sem olhar nos olhos dele e ouvir dos seus próprios lábios o quanto ele me odeia! - Disse Alec angustiado. 

Jace soltou um suspiro cansado, entendia o lado de Alec, sabia que se estivesse no lugar dele iria querer a mesma coisa.

— Tudo bem, mas quem vai convencer Magnus com isso será você e já vou avisando ele vai surtar. 

— Eu sei. - Disse Alec com um sorriso. 

Alec sentiu Jace se encolher ao seu lado e o olhou confuso, o garoto estava visivelmente incomodado com algo, seguiu seu olhar e deixou escapar uma risada. 

— Sabe Jace, minhas lembranças não estão completas, mas eu me lembro de algo a seu respeito. 

— E o que é? - Perguntou curioso encarado seu parabatai. 

— Eu lembro que você morre de medo de patos. - Disse rindo. 

— Q-quem t-tem m-medo de p-patos, eu não gosto deles, não quer dizer que eu tenha medo. 

— Bom então você não vai se importar se eu pegar aquele filhotinho ali, não é? - Perguntou Alec rindo enquanto se levantava e pegava o filhote de pato que estava no córrego junto com sua mãe e mais cinco filhotes. 

— N-nem pense em vir aqui c-com isso! 

— Olha Jace que gracinha! Não quer pega-lo um pouquinho? - Pergunta Alec com uma expressão inocente se aproximando do loiro que levanta num pulo. 

— A-Alexander Gideon Lightwood, se você chegar mais perto com essa cria do diabo, eu juro que coloco uma caranguejeira dentro das suas roupas! - Disse o loiro que viu o parabatai arregalar os olhos e engolir em seco, enquanto colocava o patinho de volta no córrego. 

— Incrível! Vocês são caçadores de sombras, enfrentam demônios e muitas outras criaturas mais medonhas, porém tem medo de um simples patinho? Sinceramente isso é um vergonha Jace! - Diz Clary rindo enquanto se aproximava do namorado. 

— Não tenho medo, só não gosto dessas criaturas sanguinárias! - Retrucou emburrado. 

— E de aranhas? Sério isso Alec? Achei que você houvesse superado! - Disse Simon rindo. 

— Fica na sua mundano! 

— Realmente é incrível isso! - Disse Magnus sorrindo enquanto se aproximava. 

Alec o observou bem e viu que o olhar do bruxo ainda estava triste e ele estava muito abatido, por um momento pensou se seria uma boa ideia ir até seu pai, pois devastaria ainda mais o feiticeiro. Porém precisava sanar essa duvida e angustia em seu peito.

— Magnus, eu estive conversando com Alec e ele me disse suas suspeitas. - Disse Jace de repente. 

— Que suspeita? - Pergunta Clary. 

— Eu acho que meu pai pode estar por trás disso tudo. Mas também ainda não estou certo se Robert realmente é inocente. - Disse o bruxo cansado, fazendo a ruiva arregalar os olhos. 

— Jace acha que para pararmos de andar em círculos, precisamos saber se realmente meu pai . . . Se ele realmente está por trás disso tudo e eu concordo com ele. - Disse Alec. 

— Sim, mas a questão é como vamos fazer isso, acha que já não pensamos nisso? - Perguntou Simon irônico. 

— Eu vou até o Gard, vou encurralar Robert. - Disse Jace. 

— Você vai o que?! - Perguntou Magnus. 

— Isso é suicídio! - Disse Simon. 

— Ah! Eu sabia! Sabia que haveria alguma de suas ideias mirabolantes! - Disse Clary jogando as mãos para cima.

— É o único jeito, temos que parar de andar em círculo. 

— Jace aquele lugar deve estar fervilhando de caçadores querendo colocar as mãos em você. - Disse Magnus. 

— Eu sei, mas a graça da situação é essa, eles não esperam que eu vá aparecer por lá, logo não deve ter muitos guardas por lá, todos estão tentando nos achar por ai, você pode abrir um portal por lá Magnus e eu sou rápido e silencioso, não vou atrair atenção alguma. 

— Isso é suicídio! - Repetiu Simon. 

— Você não vai fazer isso Jace! - Disse Clary. 

— É um bom plano, você tem que admitir. 

— Eu concordo. - Disse Alec. 

— Você concorda em deixar que Jace vá até o Gard? - Perguntou Magnus olhando o namorado. 

— Sim, até porque eu vou junto. 

— Não! Mil vezes não! Você não vai sair daqui Alexander! Nem pense nisso! 

— Magnus meu pai jamais vai abrir a boca se não estiver frente a frente comigo, além disso eu preciso disso, preciso encontra-lo cara à cara. 

— Não Alexander! Aqui você está seguro, além disso ainda não recuperou sua total forma de caçador, ainda não está no ritmo, seria como te entregar de bandeja e tudo o que fizemos teria sido em vão! 

—  Magnus eu vou estar com Jace, além disso você mesmo viu o quanto eu já estou melhor nas lutas! Eu preciso ir, tenho que ver com meus próprios olhos que tipo de pessoa é o meu pai. 

— Magnus eu vou cuidar dele. - Disse Jace e Alec lhe lançou um olhar agradecido.

— Não! Já disse! Você deveria ter um pouco de senso Jace, deixar que leve Alexander para lá é perigoso de mais!

—Magnus, por favor, confie em mim, eu sei me proteger, além disso vamos escondido, ninguém nos espera por lá. 

— Então eu vou junto! 

— Se você for junto Robert surtará, tem que ser Alec e eu apenas. - Disse Jace. 

— Não, ou eu vou junto, ou Alexander não sai daqui! 

— Magnus entenda por favor, eu preciso ir, preciso disso pra minha paz de espírito. - Suplicou Alec.

— SUA PAZ DE ESPÍRITO ALEXANDER? E A MINHA PAZ?! - Gritou o bruxo fora de si, assustando todos ali presente. - Eu não vou suportar se algo acontecer com você, eu já perdi Ragnor e Catarina, não vou suportar perder você também! É tão difícil entender isso? Eu te amo como acha que vou ficar aqui esperando enquanto você vai ao ninho de cobras?! 

Alec se aproximou do namorado e o abraçou encostando sua cabeça no ombro do bruxo. 

— Você não vai me perder, eu sempre confio em você Magnus, confiei mesmo quando você me disse quem eu realmente era, confiei quando me disse que havia tirado minhas lembranças, confiei que eram para me proteger, porém preciso que você confie em mim agora, eu vou voltar, não vou te deixar, prometo que vou voltar para você. Aku cinta kamu Magnus! - Disse o caçador apertando os braços entorno do bruxo. 

— Eu também Alec, mas, por favor, me prometa pelo seu Anjo ou por tudo o que você acredita que vai voltar, eu juro que não suportaria se algo lhe acontecesse. - Disse o bruxo com um suspiro derrotado. 

— Por nós. 

— Como? - Perguntou o bruxo confuso. 

— Prometo por nós, porque tudo o que acredito e tudo o que mais importa pra mim, somos nós, é você Magnus. Por isso juro por nós que eu vou voltar pra você. - Disse o caçador sorrindo e fazendo os olhos de Magnus se enxerem de água. 

— Então está decido. - Disse Jace satisfeito. 

— Não tem nada decidido Jace Herondale! Não pense que ficarei aqui! - Disse Clary irritada.

— Por favor, Clary, você também não. Você vai ficar aqui onde é seguro.- Pediu o loiro com um gemido. 

— Jace todo aquele discurso de eu não posso proibir você de se arriscar sendo que eu mesmo me arrisco era mentira? Foi em vão? 

— Não faço ideia do que está falando, meu parabatai perdeu a memória, acho que isso me afetou. - Desconversou Jace, fazendo Alec soltar uma risada. 

— Interessante como você só esquece o que lhe convém! Eu vou junto Jace! 

— Clary, entenda, Robert não abrirá a boca se houver mais alguém naquela sala que não seja Alec e eu. Eu preciso que você abra um portal, juro que vai dar tudo, vou voltar pra você Clary. 

— Mas Jace aquele lugar vai estar fervilhando de caçadores. - Choramingou a ruiva. 

— Então uma distração seria uma boa. - Disse Jace dando um selinho em Clary. 

— Uma distração? Clary, Sheldon e eu podemos cuidar disso. - Disse Magnus ainda com Alec nos braços. 

— Ah! Quando vão aprender? É Simon! Meu nome é Simon! - Disse Simon frustrado enquanto jogava as mãos para cima. 

— Que seja. - Disse Magnus dando de ombros, enquanto abraçava Alec por trás e encostava o queixo em seu ombro. 

— Então está tudo certo? Nós podemos ir amanhã. - Disse Alec. 

— Por mim tudo bem, mas vou te dar apenas um aviso feiticeiro, cuide da minha ruiva! - Disse Jace sério. 

— O mesmo vale para você, Herondale, se algo acontecer a Alec, você vai acordar em uma banheira cheia de patos! 

— Ótimo agora que já se provocaram para saber quem é o macho alfa marcando território, podemos discutir o que vamos fazer? - Perguntou Clary, enquanto o loiro e o feiticeiro faziam careta e Alec e Simon riam. 

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!!
Bjss até o próximo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...