História Possessiva - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Em Família, Glee, Once Upon a Time
Personagens Brittany S. Pierce, Clara Fernandes, Emma Swan, Francisca Proença Fernandes, Henry Mills, Marina Meirelles, Noah "Puck" Puckerman, Quinn Fabray, Rachel Berry, Regina Mills (Rainha Malvada), Santana Lopez
Tags Drama, Romance
Visualizações 441
Palavras 1.825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Capítulo 2


Tempo atual

Maria Victória: Já chega Hanna esse seu ciúme possessivo já deu. Andava pelo corredor do colégio tentando ignorar a namorada, quero dizer ex namorada.

 Maria Victoria é morena de olhos claros igual ao pai, cabelos cacheados puxado do mesmo, lábios finos igual da mãe e sorriso também e corpo escultural, já Hanna é ruiva, tem olhos castanhos escuros, lábios finos, cabelo ondulado e corpo magro ambas tinham dezessete anos e estudavam no Mackinley School, Maria Victória e Hanna namoram desde dos quinze anos, mas ao longo do namoro Hanna foi se tornando possessiva demais fazendo a morena desistir aos poucos do relacionamento da duas.

Hanna: Eu só vou parar com meu ciúmes quando você para de dar trela pra essas vagabundas que ficam te rodeando. Rosnou e segurou o braço da namorada com firmeza. – Você é minha Maria Victória e eu não vou deixar um bando de putas te tirarem de mim. Rosnou e deu um beijo possessivo na namorada.

Maria Victória: Para. Parou o beijo e se afastou da ruiva. – Eu não sou mais sua e nem de ninguém acabou Hanna entenda isso A-C-A-B-O-U. Soletrou e deixou a ruiva parada no meio do corredor.

Hanna: Isso não vai ficar assim eu vou te ter de volta. Sussurrou e foi para sua aula.

Galeria

Nick: Clara está tudo certo para exposição de hoje, então nem tente fugir você não outra escolha a não ser ir na exposição da Srta. Meirelles. Falou séria. Nicolle Willians é morena de cabelos castanhos, pele clara, olhos castanhos claros, boca fina e corpo esbelto. É a melhor assessora que Clara podia ter, tinha seus 27 anos e sempre se esforçava para agradar a chefe tanto na vida profissional como na vida pessoal, porém era só vista como amiga no olhar de Clara.

Clara: Eu não tenho outra escolha né? Fez biquinho. Clara é uma das pintoras mais reconhecida do E.U.A e outros países, é morena da pele dourada, olhos castanhos, cabelos castanhos ondulado e corpo de modelo, tem 34 anos e aos 17 anos ganhou Nova York com sua arte logo após entrar na faculdade, sempre passava por perrengues para cuidar da filha que agora é uma adolescente estudiosa que lhe enche de orgulho, fora que é uma das mulheres mais bem paga nos Estados Unidos por sua arte e alguns trabalhos como modelo.

Nick: Não, não tem. Falou séria. – Não estamos pedindo que fale com ela, mas que aprecie o trabalho dela, se bem que pediram para você pelo menos elogiar o trabalho dela. falou pensativa.

Clara: Tudo bem. Suspirou. – Vou voltar ao meu trabalho que eu ganho mais, peça ao Nicolas para pegar aquele meu vestido favorito por favor e ver se a Vick vai querer ir junto comigo por favor. Pediu e voltou sua atenção no quadro.

Nick: Eu já liguei pra ela no intervalo e ela disse que não vai porque vai dormir na casa de uma amiga. Falou mexendo em seu tablet. – É melhor você falar com ela depois do colégio, a voz dela está diferente. Comentou e Clara parou de pintar imediatamente.

Clara: Como assim a voz dela está diferente? Perguntou preocupada.

Nick: Acho que ela e Hanna brigaram novamente e dessa vez foi pra valer já que a voz dela estava meio chorosa.

Clara: Cadê meu celular eu vou ligar pra ela agora. Procurava seu Iphone por todo lugar.

Nick: Ela está em horário de aula agora Clara, depois que ela sair do colégio você liga pra ela.

Clara: Tudo bem. Se deu por vencida por enquanto. – Eu mato aquela ruivinha se ela machucou o coração da minha Cachinhos. Falou séria.

Mansão Meirelles

Susi: COMO VOCÊ PODE ME TRAIR COM UMA VAGABUNDA MARINA??? Gritava a plenos pulmões. – EU FIZ DE TUDO POR VOCÊ E AINDA LEVO FAMA DE CORNA? EU DEVERIA TE MATAR E MATAR ESSA PUTA DE ESQUINA COM QUEM VOCÊ DORMIU. Avança na ex namorada, mas é segurada por Quinn e Regina. – ME LARGUEM DEIXA EU DAR UMA SURRA NESSA FILHA DA PUTA. Rosnava.

Quinn: Se acalme Susi bater nela não vai mudar o fato dela ter te traído. Tentou colocar juízo na cabeça da loira.

Mari: Olha nosso namoro já havia esfriado de uma maneira que não tinha volta, você trabalhava demais e nunca tinha tempo eu tinha minhas necessidades Susana. Tentou argumentar. – O melhor a se fazer é tocarmos nossa vida sem brigas ou ressentimentos o que acha?

Susi: Que você é uma filha da puta miserável. Rosnou, mas agora um pouco mais calma. – Eu quero que você se foda Marina sua vida não me interessa mais que você fique com essa putas e morra com várias DST. Cuspiu e saiu da mansão.

Regina: Uau nunca via a Susi tão raivosa. Falou surpresa.

Quinn: Nem eu. Concordou. – Você tem merda na cabeça Meirelles, a Susi é uma mulher que não se joga fora sua idiota.

Mari: Então vai lá ficar com ela Fabray. Falou irritada.

Quinn: Eu não pego resto dos outros, os outros é quem pega o meu resto. Se gabou.

Mari: Cadê a Vanessa quando a gente precisa dela. falou irritada. – VANESSA. Gritou e logo a ruiva apareceu com sua namorada ao lado.

Van: Que foi Marina, dava pra ouvir sua voz e da Susi la de casa. Falou emburrada por ser atrapalhada na sua sessão de amasso com sua namorada.

Mari: Ela descobriu que eu dormi com uma das modelos e terminou comigo, menos mal agora preciso de uma acompanhante, quero que ligue no local onde vai ser a exposição e pergunte se está tudo certo, ligue pra Gisele também fala que eu quero ela lá supervisionando tudo e Flavinha pode ir também pra ajuda-la enquanto você vai me ajudar com a lista dos convidados que viram aqui depois da exposição. Falou séria, estava muito irritada com o termino com Susi. – Quinn peça para Sant não deixar que Susi tente sujar meu nome em jornais ou revista por favor. Pediu a loira que assentiu e foi ligar para amiga. – Que dia foi esse senhor. Se jogou em seu puff massageando suas têmporas.

Van: Olha eu já fiz a lista de convidados, pedi pra pegarem seu vestido na loja e de acompanhante eu consegui o Rodrigo Santoro que disse ser seu fã e falou que não terá problema com a esposa. Foi anotando tudo em seu tablet. – Tem uma tal de Clara Fernandes aqui, você vai querer ela na festa também?

Mari: Quem é essa? Perguntou concentrada em seu notebook.

Regina: Meu Deus Marina você não conhece a Clara Fernandes? Falou abismada. – Ela é uma das melhores pintoras do Estados Unidos fora que já foi uma das modelos da Victoria’s Secrets, em que mundo vocês vivem?

Mari: No mundo da fotografia é só esse mundo que me interessa. Respondeu.

Quinn: Já falei com a Santana e ela pediu para esposa dela conversar com a Susi já que são amigas dependendo do que ela falar com a Britt e loira resolve com seu jeito doce na hora. Assegurou.

Mari: Ótimo menos um problema pra mim.

Van: Ainda tem os fotógrafos e paparazzi que vão perguntar da Susana e é melhor você ter uma boa resposta para não sujar seu nome. Advertiu.

Mari: droga. Suspirou.

Van: Toda ação tem sua reação Marina, aceita que dói menos. Falou e toda riram da cara da morena.

Mari: Vai se fuder Vanessa. Fez bico fazendo todas rirem mais ainda.

Exposição

Havia milhões de carros parados em frente à galeria que Marina ia expor suas fotos, o lugar estava muito bem decorado, várias telas de mulheres nuas espalhada por toda a galeria, vários convidados de amigos a críticos que adoraram o tema desse ano:

Clara: Uau até que o trabalho não é de todo ruim. Falou observando tela por tela até ouvir pessoas aplaudindo a entrada da fotografa que estava acompanhada por Rodrigo Santoro. – Nossa ela é bem bonita. Admirou a beleza de marina de longe.

Mari: Boa noite, eu queria agradecer a presença de todos vocês, me sinto lisonjeada por todos virem prestigiar minha exposição, obrigada novamente. Agradeceu e foi aplaudida por todos, foi tirando fotos com alguns amigos até perceber a presença de uma certa morena que nunca tinha visto em todo sua vida, a mesma apreciava uma de suas fotos predileta. – Van quem é aquela moça ali? Apontou para Clara.

Van: É a tal pintora que a Gina falou o nome dela é Clara Fernandes. Comentou.

Mari: Me leva até ela? Pediu e a ruiva assentiu. – Oi. Cumprimentou.

Clara: Olá. Sorriu. – Belos quadros Srta. Meirelles sua exposição é um sucesso. Elogiou.

Mari: Obrigada Srta. Fernandes. Sorriu para morena que devolveu o sorriso.

Paparazzi: Posso tirar uma foto das duas? Pediu e Clara consentiu. – Obrigado. Sorriu e foi embora.

Clara: Espero não criar problema com sua namorada. Falou e apontou com a cabeça para uma loira que as fuzilavam.

Mari: Ela é minha ex namorada e não vai criar problema nenhum se ela fazer alguma coisa ela terá que sair com os seguranças. Assegurou. – Mas então pode me dizer de onde veio tanta beleza? Perguntou maliciosa o que não passou despercebido por Clara.

Clara: No mesmo lugar em que você encontrou a sua. Sorriu doce. – Bom eu vou apreciar mais do seu trabalho enquanto você continua sua entrevista já que seus críticos estão à sua espera. Deu beijo na bochecha da fotografa e saiu galeria a dentro.

Passava de meia noite, Marina já tinha falado com a maioria de seus convidados e procurava uma certa morena que não saia de seus pensamentos até que a encontrou bebendo alguma bebida que não sabia o que era:

Mari: te procurei por todo lugar morena, mas percebi que você gosta de fugir né bandida? Falou brincalhona.

Clara: Eu sabia que mais cedo ou mais tarde você me encontraria e eu não podia ir embora sem me despedir da dona da melhor exposição que eu já vi. Falou sincera, Clara olhava dentro dos olhos de Marina e enxergava um pouco de luxuria, carisma e paixão pela arte, mas nem um pouco de amor por qualquer coisa a não ser a si mesma.

Mari: Não posso deixar você ir sem convidar para ir em minha festa de comemoração e eu não aceito um não como resposta. Falou determinada.

Clara: Eu não posso Srta. Meirelles...

Mari: Marina, me chame só de Marina. Pediu. – Srta. Meirelles me faz sentir uma velha. Fez uma careta fofa.

Clara: Como quiser, Marina. Sorriu. – Mas infelizmente eu não posso ir a sua festa, eu tenho que voltar para cuida da minha filha. Argumentou. – Ela terminou com uma namorada possessiva e digamos que ambas não aceitaram o termino direito então eu vou consolar a parte que mais sofreu no caso minha filha. Sorriu amarelo. – Obrigada pela companhia maravilhosa. Deu um beijo na bochecha da fotografa e saiu. – Tenha uma ótima festa Marina. Sorriu e sumiu ao meio das pessoas.

Mari: Eu vou te encontrar Clara. Falou determinada. – Você ainda será minha.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...