História Possessivamente Dominador - Capítulo 73


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Asuma Sarutobi, Boruto Uzumaki, Chiyo, Chouji Akimichi, Darui, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Guren, Hanabi Hyuuga, Hashirama Senju, Hidan, Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Hiruzen Sarutobi, Hotaru Katsuragi (Hotaru Tsuchigumo), Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Kankuro, Karin, Karui, Karura, Kiba Inuzuka, Kizashi Haruno, Ko Hyuga, Konan, Konohamaru, Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Maito Gai, Mebuki Haruno, Mei, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Mito Uzumaki, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Personagens Originais, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Samui, Sarada Uchiha, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikadai Nara, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shizune, Tayuya, Temari, TenTen Mitsashi, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju, Utakata, Yahiko, Yamato, Yugito Nii
Tags Bdsm, Naruhina, Revolução Naruhina, Sadomasoquismo, Sasusaku
Exibições 1.818
Palavras 4.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shounen, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bom diaaaaaa gente.
Sentiram minha falta??? Voltei.


Estou feliz por estar dando início a terceira e última parte de Possessivamente Dominador. Parte essa que vem carregada de emoções e muito mistério.
Quem será o homem que abusou da Mei? E o Toneri? O psicopata entra em ação.

Espero que gostem. Ainda não consegui terminar as reedições e revisões dos capítulos, mas já estou bem adiantada.

Sem mais delongas e muito obrigada por terem esperado, pra vocês meus 749 favoritos e amigos Possessivamente Dominador Prólogo e Capítulo LXVIII da Parte III Um Novo Começo.

Beijos e ótima leitura.

P.S. Gente estou tremendo de tanto nervoso.

Amoooo vcs.

Capítulo 73 - Parte III Prólogo Um Novo Começo Capítulo LXVIII


Prólogo

 

(Naruto Uzumaki)

 

Sabe aquela alegria que você esperou por anos para viver? Pois é, era isso que eu estava sentindo junto com o meu anjo: Felicidade extrema.

Nunca fui tão feliz em minha vida quanto estou sendo agora. Meu filho está cada vez mais perto de nascer, eu agora visito a minha família mais vezes e o melhor, Hinata está tão bem que temos aproveitado e ido bastante ao quarto secreto.

Eu prometi que mostraria tudo do mundo BDSM para ela e estou fazendo aos poucos.

O problema é que eu tenho uma esposa muito ansiosa e com a gravidez ela está mais sensível do que nunca. Mal chego em casa e ela já está me esperando afoita para irmos ao quarto secreto. Acho que consegui viciar minha esposa em sexo e estou adorando isso.

 

Estava tudo indo perfeitamente bem até o desgraçado do Toneri reaparecer. Ele é a única coisa que ainda impede que a nossa felicidade seja completa.

Parecia que ele sabia de todos os nossos passos, onde íamos, o que fazíamos, era algo absurdamente obsessivo.

E de todas as loucuras que ele cometeu mandar o corpo da Hotaru num saco de presente para mim foi a que mais me chocou. Se eu era um sádico estava lidando com um psicopata e aquilo precisava acabar urgentemente.

Agora eu mantinha Hinata sob vigilância extrema 24hs por dia. Não poderia vacilar ou relaxar, Hinata está quase de quatro meses e se algo acontecer a ela e ao bebê não sei o que sou capaz de fazer.

 

A única certeza que eu tenho com tudo isso é que este é um novo começo para nós. Estou livre do meu passado sombrio, sou casado e apaixonado cada vez mais por Hinata, e nada nunca vai mudar o que eu sinto dentro de mim.



 

Capítulo 68 _

 

Quase um mês se passou desde que eu contei tudo para a minha família. A Kaa-chan foi a que mais sofreu com tudo isso. Para ela estava sendo muito difícil aceitar que a própria irmã, que cuidou de mim desde que eu nasci praticamente, tenha me drogado e abusado de mim.

O pior foi quando a Baa-chan reuniu a família e contou a todos o que tinha acontecido. O Gaara foi o primeiro a vir me visitar.

Acho que de todas as reações que eu poderia esperar a dele foi a mais inusitada. Gaara não me acusou, não brigou comigo por não ter falado com ele antes, não ficou demonstrando pena como a tia Mebuki fez, pelo contrário, ele se sentou de frente para mim na cama, olhou dentro dos meus olhos e chorou. Chorou porque ele me viu chorar tantas vezes e nunca me perguntou porquê. Chorou porque o que havia me acontecido foi uma fatalidade terrível e nada mudaria o passado. Mas o abraço que ele me deu me fez ver que eu tenho um primo que é mais humano e sensível do que eu poderia imaginar.

_ Eu não posso te dizer que eu sei o que você está sentindo Naruto, mas posso tentar me colocar no seu lugar. Você foi muito corajoso de contar tudo, acho que eu nunca teria essa coragem _ Disse-me ele condescendente.

A Sakura me deu foi um soco na cabeça por não ter contado nada para ela. Ela chorou, brigou comigo e quase matou o Sasuke porque sabia de tudo e não confiou nela.

A Sakura estava mais nervosa que o normal, aquilo estava bem estranho.

Cada dia alguém da minha família aparecia para me ver. Eu fiquei com o coração na mão quando meu tio Iruka veio ver como eu estava. Coitado, estava arrasado com aquela história toda e ainda assim estava preocupado comigo.

_ Naruto, eu não faço a mínima ideia do que você está sentindo agora, eu só posso imaginar como é esta dor porque talvez ela seja parecida com a que eu estou sentindo. Mas você pode contar comigo, independente do que aconteceu eu ainda te considero como meu sobrinho _ Disse-me ele gentilmente.

Ver o rosto do meu tio carregado de tristeza e mágoa era algo muito difícil naquele momento. Ele estava passando por um processo de separação e ainda assim tinha tempo para vir me ver.

Mas mesmo com tudo isso, a sensação de liberdade e paz por ter finalmente contado aos meus pais era indescritível. Eu me sentia livre, mesmo que às vezes alguém me lançasse um olhar de pena, eu estava mais leve por ter me livrado daquele jugo pesado que eu carregava em minha vida.

A minha tia se internou numa clínica, acho que o mais doloroso de tudo isso é ter a rejeição da própria filha. Desde que a Kaa-chan contou tudo para a família, a Sara não olhou nem falou mais com a mãe. Quando alguém tentava tocar no assunto ela dizia que a mãe tinha morrido ou então mudava de assunto.

No fundo eu estava com muita pena da tia Mei. Se eu que fui o mais prejudicado em tudo isso já não conseguia ter raiva dela, porque a própria filha se achava no direito de ter? Porque ela se achava no direito de julgá-la?

 

Há uns dias atrás meu pai veio me visitar e nessa visita ele me entregou uma carta que a minha tia tinha escrito para mim e pedido para que a Kaa-chan me entregasse. E desde que eu a recebi não tive coragem para nem para abri-la. Todas as noites eu a pegava com a intenção de ler, mas a coragem desaparecia e eu voltava a guardá-la. Hinata via a mesma cena todas as noites, porém nunca me pressionou para fazê-lo.

Hoje já é sábado, são 20:47hs da noite e eu estou sentado na cama com a mesma carta em mãos.

Hinata ainda está se trocando, pois tem uns cinco minutos que acabamos de tomar um banho. Ela voltou para o quarto calmamente, estava vestida com um hobby de seda lilás e tinha um pote de hidratante nas mãos. Ela chegou perto de mim, abriu o hobby e começou a passar o hidratante no corpo. Hinata está linda.

A barriguinha dela está mais saliente, os seios redondos um pouco mais fartos e está numa saúde de dar inveja.

Eu olhei minha esposa gostosa ao meu lado se lambuzando de hidratante e fiquei meio excitado. Ela tinha colocado uma perna em cima da cama e passava o hidratante em toda a extensão da mesma. A visão era enlouquecedora.

_ Hina, Hina, é muita tentação você vir aqui só de lingerie passando creme no corpo bem na minha frente _ Disse a olhando desejoso.

Ultimamente tudo o que Hinata fazia parecia ser mais sexy do que nunca.

Hinata apenas riu do que eu tinha falado, ela anda tão fogosa que não duvido nada que tenha feito isso com uma segunda intenção.

Hinata subiu na cama com o creme em mãos, se pôs atrás de mim e começou a massagear minhas costas com o hidratante.

_ Seu bobo, eu preciso manter a pele bem hidratada durante a gravidez. Isso evita o ressecamento da pele e aparecimento de estrias _ Disse-me ela docemente.

Ela viu a carta em minhas mãos e ficou quieta. O bom em Hinata é que ela sabe o momento certo de falar as coisas necessárias.

Enquanto ela massageava minhas costas eu pude relaxar. As mãos delicadas de Hinata pegavam nos músculos das minhas costas e desfazia toda a tensão existente ali.

Apertei a carta contra o peito e respirei profundamente.

Eu queria ler, queria muito saber o que a minha tia tinha escrito para mim, mas mais uma vez à coragem fugiu de mim.

_ Cacete! _ Murmurei frustrado.

_ O que foi anata? Te machuquei? _ Perguntou-me Hinata enquanto apertava meus músculos do pescoço.

_ Lie. É essa carta Hina, eu não tenho coragem de abri-la. Toda vez eu a pego com intenção de ler, mas na hora de fazê-lo me falta coragem _ Disse a ela com sinceridade.

_ Não fique tão estressado com isso anata. Eu estarei aqui do seu lado quando você decidir fazê-lo, vou ser o seu apoio, está bem?

Hinata disse aquilo com tanta doçura que meu coração se aliviou. Ela era realmente a metade que me faltava.

_ Eu sei o que a minha tia me escreveu meu anjo, por isso não consigo sequer abrir esse envelope _ Disse a ela angustiado.

Eu sabia que ali estava escrito a confirmação de tudo o que aconteceu naqueles dois dias em Sapporo. No fundo eu estava evitando esse confronto com a verdade.

_ Eu também sei o que está escrito nessa carta e já te disse que te amo e te aceito do jeito que você é. Nada vai mudar o que eu sinto por você Naruto-kun, nada _ Falou-me ela decididamente.

Senti quando Hinata deu um beijo no pé da minha orelha me fazendo ficar todo arrepiado. Depois que ela descobriu meus pontos fracos ela sempre os tocava de maneira doce e gentil.

Deitei-me na cama ao lado de Hinata e puxei-a para o meu colo.

Apesar do frio que está fazendo lá fora Hinata estava apenas de lingerie. Seu corpo estava mais quente do que nunca.

_ Hummm, você está cheirosa! _ Disse inspirando o cheiro que vinha da pele dela.

Era um cheirinho gostoso de ameixa que dava água na boca.

Hinata se aconchegou mais a mim e com a mão livre fazia círculos com o dedo no meu peito desnudo.

Ela tinha colocado uma perna por cima de mim e a roçava sutilmente em meu membro.

_ Quer fazer amor comigo? _ Sussurrou ela em meu ouvido.

Virei-me para olhá-la e Hinata tinha o rosto vincado de desejo. Aquele leve roçar com a perna em meu membro já havia me deixado excitado.

_ E você ainda me pergunta? _ Perguntei a ela com a voz bem rouca.

Ataquei sua boca num beijo cheio de desejo enquanto enfiava a mão dentro de sua calcinha. Hinata já estava excitada e esse simples toque incendiou todo o corpo da minha esposa fogosa.

_ Hummmm!!! _ Gemeu ela durante o beijo.

Céus! Qualquer dia desses eu não vou conseguir me controlar e vou pegar Hinata com força.

Cessei o beijo e a olhei profundamente.

_ Fica de quatro para mim agora _ Ordenei a ela.

Hinata fez o que eu mandei enquanto eu me ajoelhava na cama por detrás dela.

A visão daquela bunda gostosa era de tirar o fôlego.

Abaixei sua calcinha até os joelhos e em seguida ela me ajudou a tirá-la. Levantou uma perna, depois a outra e eu tirei sua calcinha por completo. Dei um cheiro daqueles quando peguei ela nas mãos. Estava com o fundo úmido da excitação de Hinata.

_ Gostosa como sempre _ Falei sedutoramente enquanto alisava seu clitóris com os dedos.

Hinata começou a se mexer e eu dei um tapa comedido em sua bunda.

_ Quietinha, não te autorizei a se mexer _ Disse segurando em seus quadris.

Voltei a masturbá-la até ver que ela não suportava mais.

_ Onegai anata _ Pediu-me ela chorosa.

_ Se você me quiser peça direito _ Disse a ela firmemente.

Continuei a masturbando e ouvia seus doces gemidos de prazer.

_ Onegai anata me come _ Pediu-me ela não suportando mais aquela tortura.

_ Com todo prazer.

Tirei meu membro duro da calça e a penetrei lentamente arrancando gemidos meus e dela.

Ô mulher gostosa e apertadinha!

Colei meu corpo ao de Hinata e me movia ritmadamente enquanto beliscava seus mamilos com as mãos.

Hinata era o paraíso em pessoa.

Aumentei a velocidade deixando minha esposa ainda mais extasiada.

_ Ohhhh Narutoooo...

Apertei de leve seus seios, pois agora eles estão mais sensíveis e Hinata deu um grito de prazer. A combinação do aperto com os meus movimentos de entrada e saída estavam levando minha esposa para a beira de um precipício.

Eu ia fundo naquela posição. Meu pau tinha livre acesso para ir até onde quisesse assim.

Senti que as primeiras contrações do orgasmo de Hinata haviam começado e meu pau sofreu o primeiro esmagamento de prazer.

_ Uuuuuu, goza comigo delícia _ Chamei-a inebriado.

Até respirar estava difícil diante daquele delicioso esmagamento.

Hinata agarrou a colcha da cama com as mãos e eu o seu quadril. Mais quatro estocadas ela se entregou num gemido alto e sôfrego enquanto eu ainda me movia derramando até a última gota dentro dela.

_ Ouuuuu Hina _ Sussurrei extasiado.

Amor ou sexo com Hinata era a melhor coisa do mundo.

 

Hinata já estava devidamente enroscada no edredom enquanto eu me levantei para apagar a luz do quarto. Assim que eu me deitei na cama ela me abraçou carinhosamente.

_ Aishiteru _ Disse-me ela com um beijo doce.

_ Aishiterumo meu anjo _ Respondi com um sorriso.

Fui dormir me sentindo aliviado naquela noite.

Acordei no domingo pela manhã e Hinata ainda estava dormindo.

Virei-me para pegar o meu celular em cima do criado mudo e ver as horas. Eram 06:43hs da manhã ainda.

Quando fui colocar o celular de volta no mesmo lugar vi a bendita carta. Eu queria muito ler aquela carta, era uma necessidade. Então, aproveitei que Hinata dormia tranquilamente do meu lado, criei coragem e peguei-a para ler. Uma hora eu teria que fazer isso, então ia ser hoje.

Me sentei silenciosamente na cama, abri o envelope e com o coração acelerado decidi que era hora de encarar o último desafio.

 

Tóquio, 29 de Setembro.

Mei Umino

 

Olá bebê, se você algum dia decidir ler essa carta, saiba que tudo o que eu escrevi aqui é a mais pura verdade. E não se preocupe, eu estou muito lúcida nesse momento e prometo não mentir para você em absolutamente nada.

Sei que você está me odiando e talvez me odeie para o resto da vida. Mas eu mereço, eu mesma procurei por tudo isso. A única coisa que eu quero que você saiba antes de tudo que você é a única pessoa que eu amei na vida e daria a minha vida por você.

Eu cheguei em Sapporo dia 28, um dia antes de você. Eu tinha conseguido um remédio com um conhecido meu que me garantiu que era muito mais potente que um simples Boa Noite Cinderela. Por que eu fiz aquilo? Porque eu te amava mais do que tudo.

Eu fui direto para a casa do Chiriku e pedi a Fuen que me emprestasse a chave da casa dos seus pais porque eu precisava ficar uns dias sozinha.

Quando cheguei na casa minha mente estava totalmente perturbada. As vozes não me deixavam em paz e eu queria desaparecer. Eu estava sem tomar os medicamentos há bastante tempo, mas ninguém reparou nisso. A princípio eu não ia te obrigar a nada, eu ia te chamar para fugir comigo. Eu tinha descoberto que tem países na África e no Oriente Médio onde é permitido a endogamia e poderíamos então ir embora de uma vez para lá. Mas quando você chegou eu entrei em desespero, não sabia bem o que ia fazer e eu tinha medo porque eu sabia que estava correndo um grande risco e poderiam me encontrar a qualquer momento.

Fiz o seu lámen preferido e fiquei te esperando descer. Você comeu bastante e eu fiquei com medo de você acabar passando mal e morrendo se o remédio desse errado. O cara que me deu o remédio disse que eu poderia colocar no suco, cerveja, refrigerante ou qualquer tipo de bebida. Então, decidi colocar no refrigerante e dar para você beber.

Dez minutos depois você começou a passar mal e a delirar. Era o efeito do remédio e eu não sabia que ele faria aquilo. Eu pensei que você só ficaria desinibido, mas você ficou transtornado.

As vozes falavam na minha cabeça sem parar e eu acabei me distraindo de você. Eu ouvi você gritando, mas não conseguia prestar atenção ao que era. Foi então, que de repente você me agarrou e começou a se esfregar em mim. Na hora eu tive medo daquela reação, você começou a ficar meio violento e rasgou minha roupa.

Aquelas marcas que você viu em mim não eram chupões, eram mordidas, apertos e arranhões que você me deu. Eu fiquei com muito medo de você, você era insaciável e violento, então, quando eu consegui me soltar de você eu tive que te apagar. Você foi extremamente selvagem comigo e quer saber a verdade: eu adorei aquilo. Eu nunca tinha tido um orgasmo na minha vida e foi você quem me deu o primeiro.

Depois que eu te apaguei com uma paulada eu te amarrei na cama bem amarrado. Tive muito medo de você se soltar e ainda estar daquele jeito. Acabou que demorou mais tempo do que eu imaginava para você voltar ao normal. Mas eu te queria lúcido, queria que você se lembrasse de mim e quando você acordou, aí sim eu te violentei porque primeiro quem me violentou foi você.

Na segunda vez que eu te dei o remédio eu queria sentir a mesma coisa de novo. Aquilo era incrível, eu não sabia que poderia ter prazer através da dor e foi o que aconteceu. Você literalmente acabou comigo.

Quando eu fui embora estava arrasada por ter que te bater daquele jeito, eu não queria aquilo, queria estar fugindo com você e não da situação.

Foi exatamente isso o que aconteceu naquele dia. O remédio só trouxe à tona quem você realmente era.

E foi quando aquela loira disse no casamento do Konohamaru que você era um espancador de mulheres, que eu tive vontade de desaparecer. Isso porque eu sabia, eu te transformei naquilo.

 

Espero que um dia você possa me perdoar e entender que tudo o que eu fiz foi por amor. Porque eu sempre amei você.

Tia Mei.


 

Quando eu terminei de ler aquela carta estava petrificado. Ali estava a confirmação de quem eu sou: um sádico sexual.

Não foi a droga que me fez ficar daquele jeito, eu já era só não tinha descoberto ainda.

Guardei a carta de volta dentro do envelope e o coloquei em cima do criado mudo.

Olhei para Hinata dormindo tão tranquilamente ao meu lado e a puxei cuidadosamente para junto de mim. Mas uma pergunta rondava a minha mente e isso eu teria que conversar com o meu tio para saber a resposta.

"Porque será que mesmo sendo um sádico, com Hinata eu não consigo ser assim?"

 

Acabei fechando os olhos e voltei a dormir. Acordei de novo já era 10:21hs da manhã e eu tinha uma morena linda acariciando de leve o meu cabelo.

_ Ohayo anata _ Disse-me ela com carinho.

_ Ohayo Hina, acordada há muito tempo? _ Perguntei a ela docemente.

_ Não muito, estava vendo você dormir. Você dormia tão sereno.

Eu tinha muita sorte mesmo, a mulher mais doce do mundo era a minha esposa.

_ Hina, eu tomei coragem e li a carta _ Contei a ela enquanto a mesma acariciava meus cabelos.

_ Eu já imaginava, mas isso não muda o que eu sinto por você. Eu sei quem você é de verdade e continuo te amando _ Respondeu-me ela decidida.

Eu apenas sorri com a resposta dela, Hinata era muito mais forte do que pensava ser.

_ Mesmo eu sendo um sádico? _ Perguntei a ela curioso.

_ Hai, mesmo você sendo um sádico. Para mim você sempre será Naruto Uzumaki o homem da minha vida e é isso que importa.

 

Assim que nos levantamos tomamos um banho e nos arrumamos para sair. Estávamos indo encontrar com o meu pai, iríamos ver a nossa casa.

Meu pai disse que poderíamos nos mudar em no máximo quinze dias.

Hinata estava empolgada em decorar o quarto do bebê, ela tinha absoluta certeza de que era um menino e já o chamava apenas pelo nome: Boruto.

A casa estava ficando linda, tudo conforme nós tínhamos escolhido.

Meu pai tinha nos chamado para ir almoçar na casa dele, mas hoje eu queria passear um pouco com Hinata.

Hoje eu levaria Hinata para conhecer Odaiba, acho que ela vai gostar bastante. Hinata tem ficado muito tempo presa dentro de casa e sair um pouco vai ser muito bom para ela.

Depois de passearmos por Odaiba levei Hinata para o shopping. Hoje veríamos um filme, mas eu escolheria. Nada de filmes de terror.

Da última vez Hinata me fez assistir A Invocação do Mal e eu quase morri do coração.

Antes do filme, levei Hinata para almoçar e fazer compras. Hinata comprou roupas para ela, já que as dela estão ficando mais apertadas e também para o bebê. Dessa vez ela comprou roupas específicas de menino. Tentei argumentar com ela que poderia ser uma menina, mas ela insistiu que era um menino, então me dei por vencido.

Os olhos dela brilhavam a cada loja infantil que nós entrávamos. Até eu me empolguei comprando as roupinhas do bebê.

Depois de um dia de passeio e compras voltamos para casa. Hinata estava com um sorriso imenso. Ela colocou as roupinhas em cima da cama e ficou ali apreciando uma por uma.

_ Não vejo a hora do Boruto nascer _ Disse ela enquanto acariciava a barriga.

Eu tinha um sorriso bobo no rosto vendo como minha esposa estava linda. Ela estava sentada na cama, seus cabelos estavam soltos e estava só de sutiã com uma calça larguinha.

Peguei meu celular e tirei uma foto dela daquele jeitinho. Ela estava distraída, olhando para a barriga e conversava comigo. A foto ficou linda, mostrei a ela e Hinata adorou.

Ia mandar ampliar aquela foto e fazer um quadro.

 

O dia passou e por um momento eu tinha conseguido me esquecer dos nossos problemas. Mas quando a noite chegou eu me peguei pensando neles.

Eu estava preocupado com o aparente sumiço do Toneri. Era muito estranho ele estar tão calado ultimamente.

Também tinha o problema com a minha tia Mei. Ela está sozinha naquela clínica e o único que vai visitá-la é o vovô. Tudo bem que ele é o pai dela, mas e as irmãs? E a filha?

Eu teria que mostrar para a minha família que mesmo sendo eu o mais prejudicado em tudo aquilo não guardava mágoa de uma pessoa doente. Porque era isso que a minha tia era: doente.

Eu já tinha conversado com meu tio Kakashi e eu quem estava pagando a clínica onde ela estava e todos os gastos com ela lá. Ninguém sabia disso, acho que se a Kaa-chan soubesse com certeza ela nunca me entenderia. Não era uma questão de ódio, rancor, ressentimento, nada disso. Eu decidi fazer isso pelos anos que ela cuidou de mim.

 

Naquela noite eu pude ver o quanto Hinata estava feliz. Ela dormiu abraçada a mim enquanto eu custei a pegar no sono.

Minha mente me levou naquele 29 de setembro e mesmo que eu não quisesse me lembrar ela insistia em trazer todas aquelas recordações de volta.

Já ia dar 00:30hs e eu estava ali acordado com a mente a mil por hora.

Decidi ligar para a única pessoa que poderia me ajudar naquele momento: meu tio Kakashi.

Ele estranharia a ligação, já que faz uns cinco meses que eu não tenho problemas para dormir.

Fui para o meu escritório e liguei para o meu tio. Dessa vez ele me atendeu no quarto toque.

_ Naruto, algum problema? _ Perguntou-me ele preocupado.

_ Tio eu li a carta.

_ Entendo. Agora você não consegue dormir.

Aquilo não era uma pergunta, era uma afirmação.

_ Hai, aquele dia não sai da minha cabeça. Eu fiz mesmo tudo aquilo que me lembrei _ Disse a ele melancólico.

_ Eu sei o que você está pensando Naruto, você está preocupado por ser um sádico, não deveria _ Falou-me ele decidido.

_ Tio, eu não consigo entender isso. Por que com Hinata eu sou diferente? Porque com as outras eu não era assim _ Disse a ele aflito.

_ Naruto, tem respostas em nossa vida que só conseguiremos com o tempo. O fato de você não ser um sádico com Hinata como você foi com as outras é uma questão de sentimentos. Pergunte a si mesmo, você sentia alguma coisa pelas outras? Elas eram especiais ou importantes para você? _ Disse-me ele com coerência.

_ Então é o meu amor por Hinata que me mudou? _ Perguntei a ele intrigado.

_ O amor muda o ser humano Naruto. Tenha em mente que você mudou, que aquele sádico que havia dentro de você está mais ponderado e comedido. E fique em paz, você agora está reaprendendo a viver. Este é um novo começo para você, então se deixe viver.

Meu tio tinha razão, na verdade ele sempre tem razão.

Antes eu era um homem frio, sem sentimentos e antissocial. Eu gostava do que fazia, me divertia ao ver o sofrimento das minhas submissas. Vê-las implorar, o desespero delas, tudo aquilo era muito prazeroso. Mas com Hinata eu queria vê-la sorrir. O sorriso dela era o motivo do meu sorriso.

Eu adoro o fato de que depois do sexo Hinata tem um imenso sorriso no rosto. Eu adoro o fato de que é meu nome que ela chama durante um orgasmo. Eu adoro vê-la livre me tocando, cada toque de Hinata é um prazer diferente. Com ela tudo era diferente.

_ O senhor tem razão tio, desde a minha primeira vez com Hinata eu nunca quis fazer com ela o que eu fazia com as outras. Eu queria dar prazer e sentir prazer, mas com amor e paixão. Nunca foi apenas sexo, com Hinata eu faço amor porque eu a quero mais do que tudo _ Respondi a ele reflexivo.

_ É isso que você precisa ter em mente, meu filho. As outras respostas virão com o tempo e enquanto elas não chegam aproveite cada segundo ao lado da sua esposa. E se você sentir falta de alguma coisa, converse com Hinata, mostre a ela que o BDSM não é tão ruim quanto as pessoas imaginam _ Disse-me ele complacente.

_ Arigatou tio, conversar com o senhor sempre me ajuda muito _ Agradeci a ele aliviado.

_ Eu já te disse Naruto, faço isso para o seu bem porque eu quero ver a sua felicidade. Agora volte para junto da sua esposa e durma tranquilo, deixe as coisas fluírem naturalmente. Tudo se acertará com o tempo _ Concluiu ele satisfeito.

_ Ok, oyasumi tio.

_ Oyasuminasai Naruto _ Despediu-se ele e desligou.

 

Conversar com meu tio ajudou muito a clarear minha mente. Eu estava preocupado por antecedência e não havia motivos para isso.

Voltei para cama e vi meu anjo dormindo toda encolhida virada para o meu lado. Sorri.

Deitei-me junto dela e a abracei. Agora podia pensar melhor e ver as coisas por outro ângulo. Aquele era apenas o começo, ainda tínhamos muita coisa para viver.

 

Minha nova vida com Hinata estava apenas começando e eu ainda teria todas as respostas.


Mas no fundo eu já sabia a resposta: Hinata é o amor da minha vida e eu nunca encostaria num fio de cabelo dela.


Notas Finais


Gostaram???? Tem muita coisa vindo por aí.
Aguardem.

Prometo não demorar.

Abraços
Dani


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...