História Possessive Unsound - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Barbara Palvin, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Amor, Angel, Angelina Collins, Barbara Palvin, Drama, Justin Bieber, Máfia, Possessão, Possessive Unsound, Romance, Segredos, Trafico
Visualizações 873
Palavras 1.498
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii Amores!!! Cheguei hoje bem cedinho com capítulo betado!!!
Espero que gostem!

*Se alguém não e tender o significado do nome deste capítulo, ele é a continuidade do anterios "Noite Fracassada...Ou Quase!"

Capítulo 18 - Or almost!


Fanfic / Fanfiction Possessive Unsound - Capítulo 18 - Or almost!

Finalmente chegando a mansão, Justin estacionou o carro bruscamente na garagem e saiu apressado para dentro da grande casa. Respirando fundo, saio do automóvel e me ponho a segui-lo, não sabia porque, mas eu tinha a necessidade de ir atrás dele.

Subi as escadarias deixando meus saltos pelo caminho e fui até a última porta do corredor na ponta direita.

Passo pela porta dupla que se encontrava entreaberta e logo vejo Justin com uma garrafa de uísque recém-aberta em mãos, enquanto tomava longos goles.

- Está tudo bem? - pergunto baixinho após um tempo pensando se ao menos deveria me pronúnciar.

De imediato seu olhar para em minha direção, este que fixa noa meus olhos por alguns segundos.

- Não, Angel, não está tudo bem... - murmura num tom raivoso, aproximando-se rapidamente e parando a minha frente. - Você sabe a vontade que eu tive de arrancar a cabeça daquele verme quando o vi por as mãos em você? A vontade que eu tive de matá-lo da forma mais dolorosa possível? - neguei com um rápido aceno de cabeça. -Pois eu tive, e ainda tenho!

Engoli em seco com suas palavras, um arrepio estranho passou por meu corpo só de imaginar tal cena.

- Não queria que a noite acabasse assim... - sussurro baixando o olhar para seu peito nu.

Me pergunto como ele tirou a camisa, sapatos e ainda teve tempo de arrumar uma garrafa de bebida, em tão pouco tempo.

- E você acha que eu queria? - riu de forma sarcástica dando mais um gole do uísque.
- Tem algo que eu possa fazer para que você se sinta melhor? - pergunto mordendo o lábio inferior, nervosa para sua resposta.
- Oh sim querida, claro que tem! - é então que ele me olha de forma maliciosa.

Justin deixa a garrafa pela metade em cima de uma mesinha atrás de mim, e leva suas mãos até minha cintura a apertando com força.

- A melhor coisa que você pode fazer neste momento, é ficar caladinha enquanto eu te chupo por completa!
- Justin... - tento ao menos protestar, mas minha voz sai mais como um gemido.

Em um movimento rápido,  meus pulsos são agarrados com força e sou jogada contra a cama.
Justin sobe sobre mim e em pouco tempo para lábios grudam nos meus em um beijo quente e bruto, repleto de desejo e vontade. Sua língua macia desliza por minha boca com ferocidade, de forma deliciosa, que mesmo se eu quisesse nos separar, parecia que ele dominava completamente meu corpo neste momento.

Ele poderia fazer qualquer coisa comigo, que eu não impediria.

Pela maldita falta de ar, somos obrigados a separar nossas bocas, coisa que não o impede de arrastar a sua até meu pescoço e alí deixar chupões fortes, os quais fariam um grande estrago depois.

Suas mãos que apertavam meu corpo, correram para o zíper do vestido, o arrastando para baixo junto ao mesmo, e logo tirando-o de meu corpo, deixando-me apenas de calcinha, já que eu não estava usando sutiã.
Um sorriso sujo surgiu em seus lábios novamente, antes de cair de boca em meu seio esquerdo, enquanto apertava o direito com força. Doía, pois parecia que ele queria arrancar meus peitos a fora, mas também era prazeroso, e fazia minha calcinha molhar cada vez mais.
 Sua língua brincava com meu mamilo me deixando louca, acho que poderia gozar com apenas isso.
Sua boca se arrastou até meu outro seio, neste processo deixando um chupão bem no meio dos dois, e começou a chupar o outro com a mesma sucção em que fazia com o outro.
Ah, como ele sabia me deixar louca...

- Justin... - murmuro em forma de gemido arrastado, vendo-o levantar apenas o olhar, sem deixar de fazer o que fazia - Por favor!
- Já está tão necessitada assim querida? - pergunta tirando sua boca de meu corpo. Apenas grunhi em resposta. - Parece que você precisa de atenção, não é, baby?

Em um tom brincalhão, mas perverso, ele Pega minhas mãos, as colocando acima de minha cabeça, e se abaixa até fica na altura de minha intimidade.
- Oh, você está tão molhada, baby! - diz com uma falsa expressão de preocupação no rosto.

Desgraçado!

Suas mãos foram para a lateral de minha calcinha, a rasgando em um só movimento, joga o pequeno pedaço de pano em qualquer lugar no quarto e puxa minhas coxas, me levando para mais perto de seu rosto.
- Gostosa da porra! - exclama deixando um tapa em minha vagina, fazendo-me soltar um gritinho agudo.
Ele não perde tempo para passar a língua por toda buceta, juro que quase perdi a respiração. Seus dedos começam a trabalhar em meus lábios menores enquanto chupava meu clitóris. Como se não bastasse, ele introduz seu dedo do meio em mim, chegando a alcançar meu ponto sensível.

Ele sabia perfeitamente como me deixar louca, trabalhando em sincronia com sua boca e mão.

Eu gemia como uma vadia, pedindo por mais e mais. Meus olhos chegavam a lacrimejar de tanto prazer. Mordo o lábio inferior, sentindo ele vir,caralho, lá se vinha um orgasmo maravilhoso!

- Oh meu Deus! - um grito sai do fundo de minha garganta, enquanto sentia novamente minha vagina se contrair e vir átona em um orgasmo violento, o qual ele fez questão e tomar até a última gota.
Bagunçando os próprios cabelos de forma extremamente sexy, ele passa a língua nos lábios lentamente enquanto e encarava ofegante e completamente submissa e ele.

- Isso querida, foi apenas uma demonstração do que eu posso fazer com você...

Na manhã seguinte acordo com o sol batendo contra meu rosto, abro os olhos e noto que ainda estou no quarto de Justin. Passo minha mão no rosto preguiçosamente e me sento cama, enrolando-me até os peitos com o lençol branco, já que eu estava nua.

- Vejo que já acordou. - a voz de Justin se faz presente no ambiente, está mais rouca que o comum.

Ele saía do banheiro vestindo apenas uma boxe preta e com os cabelos bagunçados. Caminha até mim depositando um selinho em minha boca.

- É, parece que esquecemos de fechar as cortinas. - digo distraída enquanto passava a mão em meus cabelos tendo arrumar ao menos parte dele.
- Da próxima vez eu tento me lembrar deste detalhe. Enfim, aproveitando que está acordada o que acha de tomarmos café da manhã em uma cafeteria aqui perto? - pergunta deixando-me surpresa com tal convite. Não exito em assentir.
- Vou apenas me arrumar e podemos ir! - exclamo alegre, me levantando e correndo até meu quarto ainda com o lençol. Pude ouvir sua risada ao fundo.

Tomei um banho rápido, vesti um short jeans simples e moletom. Prendo meus cabelos em um rabo de cabelo e passo apenas um rímel para não ficar com cara de morta.

Desço para o primeiro andar e encontro Justin a minha espera na sala, O mesmo usava a uma bermuda escura, regata branca e vans, pega minha mão e me guia até o jardim, onde franzi o cenho ao não encontrar um de seus carro luxuosos e sim uma moto.

- Vamos nisso aí? - pergunto amedrontada, nunca havia andado em uma antes.
- Obviamente... Está com medo, senhorita Angelina? - pergunta em um tom divertido.
- Claro que não! - respondo botando firmeza em meu tom de voz.
- Então vamos. - me estende um capacete e sobe na moto sem por um, a liga e me manda um olhar desafiador. Respirando fundo. ponho o capacete e subo na garupa,  abraçando sua cintura com força.

Quando ele sai com a mesma em uma velocidade absurda, prendo um grito de medo em minha garganta, e aperto ainda mais sua cintura.

Por sorte não demoramos muito para chegar em frente a uma cafeteria pequena, mas bem bonita e organizada. Adentramos o local e nos sentamos em uma mesa ao fundo.

Logo, uma garçonete loira, - que vejo abaixar sua blusa deixando seu decote mais amostra, não nego que isso me deixou incomodada - vem até nós.

- O que irão querer? - pergunta olhando diretamente para Justin que nem se dá o trabalho é retribuir suas intenções evidentes. Isso me deixa feliz.
- Um café sem açúcar, e um misto quente. - diz de maneira grossa fazendo a mesma ficar vermelha.
- E pra mim um chá de hortelã e um croissant de chocolate. - peço sorrindo para ela de madeira sarcástica.

A loira se retira rapidamente enquanto deixa-me alí bufando ainda irritada.

- Espero que saiba que em nenhum momento da minha vida eu trocaria você por ela ou qualquer outra. Achei que já estivesse meio óbvio que você é a única mulher que me interessa neste planeta! - ele fala pegando em minha mão que se encontrava pousada sobre a mesa - Eu te amo Angel, e você é a única que eu vejo diante todas as outras.

  Não consigo evitar de sorrir para ele que retribui levando as costas da minha mão até seus lábios  e depositando ali, um beijo delicado.
 Justin sussurra mais uma vez um "Eu te amo!", antes que nossos pedidos chegassem. Isso fez com que eu pudesse passar o restante daquela manhã em harmonia e por mais impressionante que possa ser, feliz.


Notas Finais


Um pequeno hot só pra esquentar um pouco as coisas! Justin mostrando seus sentimentos. Espero que tenham gostado em!

Comentem e Favoritem!!!

Beijos e até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...