História Posso Confiar? (Amor Doce - Castiel) - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias 009-1
Tags Amor Doce, Amour Sucre, Anime, Castiel, Drama, Hentai, Jogo, Mangá, Novela, Romance, Sexo, Shoujo, Tragedia, Violencia
Exibições 283
Palavras 987
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Hentai, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ignorem os erros de digitação (se tiver algum) e aproveite a leitura <3

Capítulo 12 - Betty Kaneko


Fanfic / Fanfiction Posso Confiar? (Amor Doce - Castiel) - Capítulo 12 - Betty Kaneko

- P.O.V Castiel - 

Faz faz uma semana que a Ichiha me prometeu contar sobre o seu passado e nada até agora. Eu deveria cobrar isso? Ou só esperar?. 
- Castiel?. - Uma voz calma me chama. 
Olhei. 
- Ah, Lysandre. Tudo bem?. 
- Tudo, o intervalo já começou e você todo distraído. - Ele sentou na cadeira à minha frente. - Algum problema?. 
- Hum... Não, nenhum. 
- Castiel. - Ele sorriu. - Você esqueceu que eu te conheço?. 
Suspirei e sorri para ele. 
- Bom... Não é beeem um problema, mas... Ichiha me prometeu à uma semana, contar o passado dela para mim. Não sei se devo cobrar isso dela ou só enrolar. 
- Hum... - Ele olhou para a janela, pensando. - Talvez deva cobra-la. Ela pode estar evitando esse assunto e está conseguindo. 
- Sim, eu vou fazer isso agora mesmo se não se importa. - Me levantei. 
- Claro que não, vai lá. 
Enquanto saía da sala, ouvi um cochicho de Lysandre mas não deu para entender. Bom, que seja. 
  Caminhei pelo corredor na escola, estava barulhento mas eu nunca dei atenção para isso, só mantinha minha atenção aonde eu queria ir. 
- Hahaha, que otária. - Ouvi uma voz feminina soar ao corredor à esquina. - Não acredito, você está namorando?. 
Imediatamente espiei para ver o que estava acontecendo. 
- O que foi? Não vai dizer nada?.
Eu não conseguia ver quem era a vítima, então apenas continuei à observar. A agressora era uma garota de cabelos negros e tinha uma franjinha e o principal, não estava com uniforme. Ela tinha algo na mão... O que é?. 
- Depois de tanto tempo sem me ver, é assim que você me recebe? Sem um sorriso? Você adorava sorrir para mim, Bela. 
Bela?. 
- DIGA ALGUMA COISA! - A garota berrou e um estalo forte foi-se ouvido.
- CHEGA! - Gritei me aproximando da garota. - O que pensa que está fazendo sua idiota?. 
Ao me aproximar, me assusto levemente com o olhar daquela criatura. Ela tinha ódio nos olhos e um estilete na mão... Quem é ela?. 
- Esse é o seu namorado... Bela?. - A garota me encarou sorrindo.
Finalmente olhei para a vítima. Meu coração acelerou quando eu vi que era Ichiha e por cima toda cortada nos braços. Ela lacrimejava. 
- Ichiha!! - Abracei Ichiha que agora chorava no meu peito. - Quem é você sua doente?. 
- Eu? - Ela sorriu. Um sorriso doentio. - Sou a filha do homem que essa psicopata matou. 
Eu já sabia que Ichiha matou alguém e era isso que eu queria que ela me contasse. 
- Seu namorado interrompeu dessa vez, Bela... Mas vai ter uma próxima. 
A garota deu um último sorriso e guardou o estilete. Saiu caminhando com o sangue na mão, sem se preocupar se alguém visse. Eu não estava nem ai pra ela, por enquanto não agora. O que me preocupa muito agora é a situação de Ichiha. 
  A peguei no colo e caminhei em direção à enfermaria. 
- Vai ficar tudo bem... - Suspirei. 
- Eu- 
- Não fale nada. - Interrompi. - Não agora... Tá bom?. 
Ela só fez um sinal de "sim" com a cabeça. 
  Chegamos na enfermaria e eu contei tudo o que aconteceu para o doutor. Ele ficou espantado com a notícia e disse que iria recorrer à direção. 
  Os cortes nos braços de Ichiha foram profundos, assim tiveram que costurar. Eu não consigo imaginar alguém à machucando. Quero muito saber quem era aquela maníaca. 
- Castiel?. - A enfermeira me chamou. - Já pode vê-la. 
- Ok. 
Entrei no leito de Ichiha, sem assusta-la e me sentei na sua cama. Segurei sua mão em seguida. Ela estava toda enfaixada nos braços.
- Oi, Castiel... - Ela sorriu, apesar de tudo. 
- Oi, Ichiha. - Retribui o sorriso. - Está melhor?. 
- Fisicamente sim. 
- E psicologicamente?. 
- ... Nem um pouco... - Ela sussurrou e lágrimas surgiram em seus olhos. 
- Ei... 
Me deitei ao seu lado na cama, e a coloquei encima do meu peito. Fazendo carinho em seu cabelo. Ela enxugou as próprias lágrimas e tentou conter o choro. 
- Castiel, eu não queria que soubesse disso... Não queria... - Sua voz mau saía. 
- Eu sei que é uma péssima hora, mas... Quero saber de tudo do seu passado agora mesmo. 
Ela suspirou profundamente e concordou com a cabeça. 

 E a assim o fez. Me contou tudo. Cada detalhe. Eu não podia esperar isso dela, mas não estou nem um pouco chateado, pelo contrário, quero ajudá-la. 
- Então... Essa garota é filha daquele homem?. 
- Sim... 
- Qual é o nome dela?. 
- Kaneko... Betty Kaneko. 
- Betty... Como vocês se conheceram?. 
- Antes do incidente, Betty e eu estudávamos na mesma escola... Éramos melhores amigas. - Ichiha sorriu em meio às palavras. - Ela me ajudava e eu a ajudava igualmente, em tudo. Ela ia em casa e eu ia na casa dela, mas nunca vi o pai dela, só a mãe. A mãe dela sempre parecia exausta, eu notava que Betty sempre se incomodava com alguma coisa, mas ela nunca quis me dizer...
- Hum... Por que ela te chama de Bela?. 
- Quando eu ia pra casa dela, dormir lá... Betty penteada meu cabelo, me maquiava, me emprestava roupas e quando eu me olhava no espelho era ela quem se impressionava com o resultado. Passou a me chamar de Bela, entende?. 
- Entendo... Acho que isso é o suficiente, Ichiha. Não quero te fazer lembrar mais desse tempo, mas fique sabendo... Nunca mais eu vou deixar ela te encostar. - Puxei Ichiha mais para mim. - Eu te amo.
- Eu também te amo. - Ela sorriu. 
E assim começamos um beijo calmo. 
  Eu não me interesso na sua vida, mas eu juro... Se encostar na Ichiha de novo, eu mesmo vou "encostar" em você!. 

 

                  Continua...

 


Notas Finais


SEM ENROLAÇÕES! Coloque o que você achou do capítulo nos comentários u_u Estaria aguardando <3
Até a próxima.
- Mei


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...