História Posso dizer que te AMO? - Capítulo 9


Escrita por: ~

Exibições 44
Palavras 1.141
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - Quinto Dia


Fanfic / Fanfiction Posso dizer que te AMO? - Capítulo 9 - Quinto Dia

O dia amanhecera com um clima pesado, diferente do que estávamos sempre acostumados. O café da manhã fora bem curto para muitos e todos os olhares estavam em nossa mesa e na mesa de Gabriel. O corte na boca de Marcelo estava levemente inchado e ainda vermelho pois fora bem fundo, o que fazia o canto esquerdo de sua boca ficar um pouco maior. Já Gabriel estava com a parte inferior do olho direito elevado e meio esverdeado pelo soco certeiro que Marcelo havia dado, mas além disso pelo que eu havia observado estava tudo bem com ele. Menos mal, minha noite foi resumida em preocupação com os dois. Não perguntei para Celo o que causou a briga pois achei meio cedo para entrar em um assunto tão complicado. Talvez todos os olhares estariam em nós pelo fato de ninguém saber ainda o porquê de tudo aquilo ter acontecido.

 O assunto nos corredores entre os alunos era apenas um só. Até o pessoal responsável pela faxina estava curiosa para saber o que havia causado tamanho tumulto na noite anterior. A curiosidade dominava por completo aquele lugar. Algumas pessoas paravam a mim ou a Alice para perguntar sobre o ocorrido, mas nós duas simplesmente não tínhamos ideia do que havia realmente acontecido.

Enquanto caminhávamos em direção a nossa sala, pude perceber Beatriz encostada na parede me fitando de longe. Seu olhar era do mais puro ódio e eu pude sentir aquilo mesmo a alguns metros de distância. Para entrar na sala precisaríamos passar por ela então eu tinha que controlar a minha vontade de sair correndo e mirar a sola de meu Converse no meio de sua cara. Levantei minha cabeça, segurei firme meus livros e fui seguindo em direção a minha sala.

- Bom dia Bunny! – Disse a garota que agora formava um sorriso no rosto. Meus amigos já haviam entrado na sala, ficamos apenas nós duas do lado de fora.

- Estava bom... – Respondi evitando olhar em seu rosto. Sentia minhas bochechas arderem de raiva, uma corrente de ansiedade começou a atravessar o meu corpo, meus ombros estavam tensos... Estava pronta para simplesmente fazer alguma loucura.

- Seu amiguinho fez botox? A boca dele está bem inchada. O Polado realmente tem uma boa mira

Foi questão de segundos para eu erguer minha a mão direita e acertar em cheio em sua cara, mas naquele exato momento, Alice apareceu e segurou o meu pulso evitando eu me aproximar mais de Beatriz. Minha respiração estava ofegante e meus olhos estavam cheios de fúria. Eu estava prestes a perder o controle ali mesmo.

- Não suje sua mão com quem usa maquiagem da Aliexpress Bunny – recomendou Alice fitando Beatriz – Passa pra lá canela grossa, antes que eu puxe seus cabelos e faça de espanador!

--

Durante a aula percebo que Gabriel e Coelho sentaram mais distantes de nós hoje. Me senti mal por vê-lo tão distante e machucado. Durante todo o período de aula pude perceber que ele evitou ao máximo olhar em nossa direção, muitas vezes baixando a cabeça e virando o rosto escondendo a elevação no olho direito.

O que eu não faria para olhar fundo nos olhos daquele garoto e dizer que tudo ia ficar bem, alisar aqueles cabelos e dar um suave beijo em sua testa mostrando tudo o que eu sinto por ele. Infelizmente o que queremos dificilmente sai da forma que planejamos.

Como Celo agora dividiria o quarto com Christian Figueiredo e com o Mauro Nakada, após o almoço o ajudei a levar suas coisas para o andar de baixo. Assim que entrei em seu quarto, a primeira coisa que pude visualizar foi a cama de Gabriel, ao lado esquerdo da janela. Sua mala vermelha estava encostada ao criado-mudo que fora decorada com algumas folhas de papel, vários lápis de cor e um porta-retratos que mostrava a foto de seus pais. Jamais imaginaria que por trás daquele menino de vida tão alegre podia ter alguém tão ligado a família desta forma. Em cima de sua cama haviam algumas blusas jogadas e amassadas, no chão ao lado dois pares de tênis velhos. Queria permanecer ali por mais algumas horas e observar cada detalhe das coisas que estavam dentro de sua mala, de sua bolsa, o cheiro de seu perfume favorito...

As aulas acabaram mais cedo e saímos em direção a enfermaria assim que nosso instrutor deixou a sala. O corte de Celo voltara a sangrar e devíamos dar uma olhada pra ver se ele não precisaria ter que dar alguns pontos.

Chegamos na enfermaria, porém tivemos que ficar do lado de fora esperando ele ser atendido. Resolvi tomar água enquanto a consulta ocorria lá dentro, torcia a cada minuto para que Celo não precisasse fazer nenhum tipo de procedimento cirúrgico e que todo aquele clima pesado do qual estava acabasse logo. Senti alguém se aproximando de mim e dei passagem me afastando do bebedouro, logo de cara levei um susto com a pessoa que ali aparecera.

Gabriel estava com um saquinho de gelo cobrindo o olho do qual o soco tinha atingido. Sua expressão estava totalmente ao contrário do que eu sempre me deparava todas as vezes ao decorrer dos dias na Schooltuber. Estava cabisbaixo, meio sonolento, esteticamente triste. Ao me ver, disfarçou olhando para baixo e foi direto para o bebedouro.

Estava voltando para perto da porta da enfermaria quando escuto Gabriel me chamando.

- Ana?

- Sim? – Volto encostando-me na parede

- Como Marcelo está? – Ele pergunta ainda evitando olhar nos meus olhos

- Está bem... o corte dele sangrou um pouco esta tarde aí resolvemos trazer ele pra dar uma olhada...

- Ele vai ter que dar pontos?

- Estou torcendo para que não precise!

- Tomara...

O silêncio dominou o lugar por completo até que resolvo dar as costas e finalmente voltar para a sala de espera. Não queria entrar novamente no assunto da noite anterior, mas pelo fato de ver que Gabriel estava bem me deixava mais tranquila.

- Diga que peço desculpas por ontem...

- Talvez você tenha que fazer isto pessoalmente!

O que foi que eu acabei de dizer? Não queria ter soado tão bruta muito menos indelicada, era apenas uma dica do que ele deveria fazer pois talvez Celo se sentiria bem em ver que ele estava mal por vê-lo machucado. Assim que resolvo virar para me desculpar percebo que fiquei sozinha por ali. Gabriel já havia ido embora e meu coração recomeçara a doer. Por mais que eu tentasse, algumas lágrimas insistiram em escorrer sobre meu rosto corado pela timidez. Ver o garoto que eu tanto amo mal daquela forma me despedaçava por dentro e eu não poderia fazer nada para reverter o que havia acontecido na noite de ontem. Queria que tudo aquilo acabasse logo por que ver Gabriel daquela forma causava uma dor insuportável dentro de mim.


Notas Finais


Eita gente já estamos em reta final de Fic socorr :c
Gostei tanto de escreve-la e saber que vcs gostaram de ler me faz muito feliz de verdade <3
Vcs são maravilhosos <3

Aliás, muito obrigado pelos 26 favs! Vcs são incríveis!
Bjos da Autora-Chan
~gente super aderi esse nome hsashduasdiasd


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...