História Potencial Apagado - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Aizawa Shouta, Bakugo Katsuki, Midoriya Izuku, Personagens Originais, Present Mic, Todoroki Shouto, Yagi "All Might" Toshinori
Tags Aizawa Mentor De Izuku, Angst, Classe 1-a, Divergencia De Canon, Fluff, Mentor Relationship, Paixão Lenta, Pré-canon, Tododeku, Universo Alternativo
Visualizações 77
Palavras 3.180
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Famí­lia, Fluffy, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Super Power, Yaoi

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


A Fanfic original pertence a theslytherinpaladin no Archive of our own.
Tradução feita por mim (Tsuki), apenas no Nyah e Social.
(Potencial Apagado) - original: Erased Potential

Capítulo 5 - Capítulo 4


Izuku não conseguiu decidir se ele estava mais nervoso ou animado por sua lição com Aizawa naquele dia. Saber que Aizawa confiava nele o suficiente para permitir que ele adicionasse outro elemento ao seu treinamento consolou-o, mas ele não tinha ideia do que esperar. Aizawa não lhe deu nenhuma pista sobre o que este treinamento adicional incluiria, além de que envolvesse uma arma não especificada e que ele precisava deixar sua mãe saber que ele ficaria uma hora depois do que o habitual.

A caminhada inteira para o antigo armazém, certificando-se de que ele seguiu a rota cuidadosamente esboçada por Aizawa na chance de ser seguido, Izuku perguntou-se o que o herói planejara para ele. Não importava o quanto ele tentasse, ele simplesmente não podia se imaginar lutando da maneira como Aizawa fazia. Os cachecóis se encaixavam de maneira estranha, mas Izuku sabia que não seria o ideal para ele. Não quando ele não conseguiu eliminar peculiaridades da mesma maneira que Aizawa. Haveria momentos em que Izuku não poderia evitar lutar contra vilões cujas peculiaridades ele não conseguia descobrir a tempo. O que Aizawa planejara, Izuku sabia que ele teria escolhido com essa limitação em mente.

- Midoriya - Aizawa começou o momento em que Izuku entrou no prédio - Você sabe o que sua maior vantagem precisará ser como alguém sem um capricho?

- Conhecimento?

O sorriso sorridente de Aizawa estava cheio de dentes e olhos arregalados. Teria sido intimidante se Izuku não tivesse conhecido o herói nas últimas semanas.

- Bom palpite, mas não bem. O conhecimento é importante, mas não significa nada se você não pode fazer nada com isso. O que você realmente precisa são opções. E é aí que o nosso foco estará em hoje. Eu comecei com algumas técnicas básicas mão a mão, mas você vai precisar de tantos outros truques na sua manga quanto possível, se você for fazer isso funcionar. Hoje vamos começar em outro.

Alcançando sua bolsa, Aizawa tirou duas hastes de metal e as colocou na mesa na frente dele. 

- Você já ouviu falar de um estilo de artes marciais chamado Eskrima?

Eskrima? Por que isso soa tão familiar? E as hastes ...

- Um livro de quadrinhos? - Izuku murmurou para si mesmo.

- O que?

- Eu acho que já ouvi falar disso antes, mas não me lembro dos detalhes. Algo de um antigo livro de quadrinhos? Izuku olhou para as hastes, lutando para lembrar. 

- Definitivamente um antigo... Uma série de antes de peculiaridades apareceu. Por que não posso me lembrar?

- Você lê quadrinhos velhos?

Izuku riu nervosamente. 

- Os publicados antes das peculiaridades tinham heróis que não possuíam poderes ou habilidades especiais. Os super-heróis estavam apenas em ficção, então ... - ele explicou, esfregando a parte de trás do pescoço enquanto ele evitava olhar para o professor - Histórias como essa deixaram de ser publicadas quando as pessoas ganharam superpoderes reais. Não li muito. Eles são realmente difíceis de encontrar, quase nenhuma das histórias pode ser encontrada inteira, mas havia uma que eu gostava ... Seu uniforme era azul e preto? Ele lutou com armas semelhantes a essas.

Talvez ele devesse tentar rastrear esses quadrinhos antigos. Poderia haver algumas outras coisas das quais ele poderia inspirar.

Aizawa segurou um suspiro. É claro que seu herói, estudante obstinado, havia lido esses antigos quadrinhos, tentando encontrar-se em personagem de ficção enquanto todos estavam falando que seu sonho era inútil. Isso lhe deu um pensamento, mas ele afastou a ideia por um momento.

- Eskrima é um estilo baseado em armas de artes marciais originalmente das Filipinas. Comecei a estudá-lo antes de frequentar Yuuei. Como você sabe, eu eventualmente decidi mudar para as minhas táticas atuais por causa das limitações do meu quirk, mas eu continuava na prática - explicou Aizawa - Sabendo o que você lembra daqueles quadrinhos e olhando essas ferramentas, por que você acha que eu escolhi esse estilo para você?

Izuku olhou para as hastes novamente por um momento antes de responder. 

- A distância que seus cachecóis permitem que você trabalhe principalmente porque você pode anular a peculiaridade dessa pessoa. Eu não posso fazer isso, e eu não posso contrariar sua peculiaridade com os meus. Ao lidar com algumas peculiaridades, especialmente os tipos de emissores, a única maneira de lidar efetivamente com eles é aproximar-se. Além disso, aqueles não parecem pesados, mas são sólidos. Treinar com eles ajudaria a melhorar minha força geral do corpo superior que ajudaria quando eu tiver que lutar sem eles. Também fará com que eu esteja tão coordenado com o meu lado esquerdo como meu direito?

Aizawa assentiu. 

- Isso é verdade. Eles também permitem que o jogador tenha maior controle para movimentos mais precisos. Você tem o potencial de ser rápido, Midoriya, e isso funcionará a seu favor se você continuar a melhorar - Izuku irradiou o louvor do herói - Nós não estaremos parando suas sessões regulares de mão a mão, mas trabalharemos em incorporar isso também. Cada método se beneficiará do seu conhecimento sobre o outro, e quando você tiver uma base sólida sobre isso, veremos sobre o que mais podemos adicionar ao seu arsenal.

Ele teria que fazer mais pesquisas quando chega-se em casa, mas Izuku podia ver por que Aizawa pensava que isso seria um bom ajuste para ele.

- Além disso - disse Aizawa, certificando-se de que Izuku o olhou antes de continuar - Estou adicionando outra condição a essas sessões. Não vai mais perseguir lutas de vilões.

 - EU...

- Não - Aizawa disse com firmeza - Eu falo com sua mãe, Midoriya. Ela me diz coisas. Eu não estou ensinando você para que você possa sair e ser um vigilante. Se é isso que você quer, essas sessões terminam agora.

- Eu queria coletar dados sobre suas peculiaridades - disse Izuku suavemente - Isso é tudo.

Aizawa conversou com sua mãe? Izuku não fazia ideia de que eles haviam falado desde o dia em que Inko lhe deu permissão para treinar, e o pensamento o deixou de repente ansioso.

- Se você quiser assistir suas lutas, eu posso pegar o vídeo para você. Mas fugir sempre que um ataque não é seguro. O que eu disse sobre o envio de crianças para situações em que eles não estão preparados?

- Para que você não tome hábito?

- Você melhorou nas últimas semanas, mas você não está pronto para isso. O objetivo aqui é levá-lo a Yuuei. Até então, eu não quero que você vá a qualquer lugar perto de um vilão, a menos que você simplesmente esteja lá, e se for esse o caso, você sair assim que for seguro para você fazer isso. Se você sente que realmente precisa de algo mais para ocupar seu tempo, eu sempre posso lhe atribuir mais trabalho. Consegui?

- Entendido, Aizawa-sensei!

- Boa. Então podemos começar.

Colocando cuidadosamente as hastes de metal em sua bolsa, Aizawa puxou dois conjuntos que eram quase idênticos aos primeiros, exceto pelo fato de serem feitos de madeira.

- Pegue - ele disse simplesmente antes de jogar um par para Izuku.

Graças às suas lições anteriores, Izuku conseguiu agarrá-las sem tentar, um sinal definitivo de que a coordenação dos olhos dela melhorou pelo menos. Testando seu peso, Izuku não pôde evitar sorrir. Algo sobre isso simplesmente parecia certo para ele, como uma peça de quebra-cabeça de repente clicou no lugar. Sua lição ainda não começou oficialmente, mas Izuku poderia dizer que Aizawa tomara a decisão certa.

- Mova-se para o tatame, Midoriya, e deixe-me ver o seu controle.

Durante há próxima meia hora, Aizawa lentamente trabalhou Izuku através do básico, explicando como apropriadamente segurar as varas e corrigir suas posições como Izuku passou por posições que ele já havia aprendido.

- É importante lembrar que estas são armas - disse Aizawa quando terminaram - Se você não é cuidadoso, é tão provável que se machuque como você é quem você está lutando. Saiba como se sente segurando-os. Para movê-los. Você precisa ficar confortável o suficiente com eles que eles se sentem como extensões de si mesmo. Descobrir o que parece incômodo e o que parece certo .

- Eu acho que vou gostar disso - Izuku disse, sua voz calma.

 Apesar de se encontrar com Aizawa várias vezes ao longo das últimas semanas e todo o treino e estudo que veio com ele, parecia finalmente estar afundando em que ele estava realmente fazendo isso. Aizawa acreditava nele, que Izuku conhecia antes. Tinha sido o impulso adicional de autoconfiança que ele precisava para defender seu sonho na escola, afinal. Mas isso…

O aperto de Izuku apertou as hastes. Parecia que ele estava dando seu primeiro passo verdadeiro para ser um herói hoje. Mais um truque na manga, disse Aizawa. Um movimento mais próximo de Yuuei.

- Copie-me através desta próxima sequência.

- Sim, Aizawa-sensei!

Não foi até a lição que Izuku se lembrou da outra razão pela qual ele estava preocupado com a sessão de treinamento naquele dia. 

- Um ... Aizawa-sensei?

Aizawa olhou para o estudante para vê-lo puxando as palhetas na mochila sem descanso. Uma mochila Aizawa ficou surpreso ao notar que não era o vermelho, o azul e o amarelo com os quais ele se acostumara a ver Midoriya. Era isso ... Era suposto que esse saco fosse baseado nisso? Quando Midoriya conseguiu? Aizawa nem sequer sabia que havia camadas modeladas depois dele. Os outros grandes heróis, com certeza, mas Eraserhead? Ele certamente não era suficientemente popular para garantir esse tipo de coisa, e era assim que ele gostava disso.

Ignorando o choque que acabara de dar ao herói profissional, Izuku continuou:

- M-Minha mãe estava pensando se gostaria de jantar com a gente amanhã?

Aizawa piscou lentamente, reminiscente de um gato, antes de repetir:

- Jantar?

- Você não precisa - disse Izuku, suas palavras ficaram turvas enquanto continuava a puxar a bolsa - Sem pressão, ou qualquer coisa, mas estamos jantando... Bem, jantamos todas as noites... Mas um ... você quer vir jantar com a gente?

- Eu sim.

- Hum ... Bom! Eu vou deixá-la saber! Qual é a sua comida favorita, por sinal? Tenho certeza que ela vai querer saber.

- Katsudon - Aizawa respondeu com a primeira coisa que veio à mente.

- Ótimo! Te vejo amanhã, Aizawa-sensei!
Aizawa ficou sozinho no armazém muito tempo depois que Midoriya partiu.

- Ele mudou sua bolsa - ele disse para si mesmo, e as palavras pareciam ecoar na sala vazia.

Bakugou estava chateado e, mais uma vez, o causador era inútil, Deku, inútil e incomum. Quando percebeu que algo mudou com Deku, Bakugou sentiu-se confiante de que não demoraria muito para descobrir o que exatamente aconteceu. Foi Deku. Quão complicado de um problema poderia ser?

Para sua frustração, descobrir a verdade acabou por ser mais difícil do que esperava. A sua primeira tentativa - pura e simples perguntando ao idiota sobre o que estava acontecendo - falhou de forma espetacular. Deku gaguejou sem sentido que não significava nada para Bakugou e correu para a sala de aula onde ele não podia ser interrogado. Eraserhead tinha sido a única palavra que Bakugou poderia escolher de sua confusão ilegível, e ele tinha nenhuma ideia do que isso significava. Tinha que ser um nome de herói, ele adivinhou, mas não pertencia a nenhum herói que Bakugou conhecesse. Que tipo de nome era Eraserhead mesmo assim? Certamente, se Bakugou não tivesse ferido nele, ele não era nada especial. E Deku o escolheu sobre All Might.

A próxima tentativa foi tentar segui-lo. Normalmente, Bakugou não gostava de se esgueirar. Seu capricho era alto, e o volume de Bakugou tendia a combiná-lo. Pedir o Deku claramente não tinha funcionado, e ele precisava de respostas. Então, perseguindo o perdedor obcecado do herói era. Ele observou enquanto Deku reunia suas coisas depois das aulas e seguiu pela rua e rapidamente se abaixou após ele, certificando-se de que ele não se veia.

Só Deku conseguiu abandoná-lo em sua vizinhança - algo que não deveria ter sido possível, já que Bakugou conhecia essas ruas tão bem quanto ele. Deku também havia feito isso de propósito. Era óbvio no momento em que percebeu que estava sendo seguida, uma rápida pausa em seus passos enquanto ele tentava agir de forma normal, o fato de ele começar a andar um pouco mais rápido.

Bakugou aceitou, relutantemente, o fato de que ele teria que tentar novamente agora que ele havia sido feito, mas ele virou a esquina depois que Deku e sua colega já haviam desaparecido. Como ele tirou isso, Bakugou não teve ideia, mas ele irritou-o apenas pensando nisso. Se ele precisasse de mais provas de que havia algo acontecendo, era isso mesmo.

Se ao menos pudesse descobrir o que era.

Aizawa estava envolto em seu saco de dormir, entediado, enquanto sua aula começou. O lote atual de primeiros anos que ele tinha sido designado era todo importável, e teria feito as coisas muito mais fáceis para si mesmo se ele simplesmente as tivesse expulsado o primeiro dia. Para não falar mais seguro para aqueles idiotas.

Excluindo alguns, a maioria deste grupo pareceu ver o exame como a parte mais difícil e se contentou em sentar e relaxar. Não importava o que ele fizesse, ele não conseguia entender isso em seus espessos crânios, pois ser um herói era o perigo. Houve consequências para ter tanta responsabilidade.

- Eu estou dando a cada um de vocês um perfil em sua peculiaridade. Dado que você teve suas habilidades a maior parte de sua vida, e meu consultor só teve alguns minutos, você já deveria saber tudo isso. Se há informações novas para você, então melhor repensar suas prioridades. Você tem cinco minutos antes de partir para sua próxima prática. Não desperdice.

O exercício, como esperado, foi um completo desastre. Nenhum desses alunos sabia trabalhar em conjunto e não podiam superar seus próprios egos para descobrir como fazê-lo. Eles tinham potenciais, eles não teriam entrado na Yuuei se não o fizessem, mas eles se recusaram a cumprir isso. Aizawa precisava de uma pausa. Depois de demitir seus alunos para o dia, tudo o que ele tinha que fazer era pegar suas coisas da sala da equipe e passar por seu apartamento antes de jantar no Midoriya.

- Ei, Shouta! - uma voz alta chamou atrás dele.

- Hizashi.

- Excitado em me ver como sempre, hein Shouta - disse Hizashi, arremessando um braço sobre o ombro do amigo. 

Era um sinal de sua amizade que Aizawa não o abandonou imediatamente.

- Destaque do meu dia - respondeu Aizawa, mas seu tom carecia da sua habitual vantagem.

 Hizashi sorriu.

- Então, o que tenho ouvido sobre você obter análise de um consultor?

- Essa aula está tão despreparada. Pensei que isso lhes daria algum sentido se perceberam que não sabiam tudo. Não funcionou. Essas crianças pensam tanto de si mesmas que não estão dispostas a ouvir .

- Mas ainda assim, um consultor? Onde você encontrou alguém?

- Não posso te dizer isso.

- Mas Shouta! Tenho curiosidade!

- Talvez eu lhe diga, eventualmente - permitiu Aizawa, afugentando o braço de Hizashi.

Hizashi suspirou, levantando as mãos enquanto encolheu os ombros. 

- Eu vou segurá-lo para isso, então. Agora, consultores super secretos de lado, acabei de receber a mais nova temporada desse show que eu queria que você assistisse. Quer visitar esta noite? Podemos maratona ló! Traga Marlo!

Aizawa sabia que Hizashi reagiria para as próximas palavras, mas seu amigo o conhecia bem para saber quando estava mentindo. 

- Eu não posso. Planos.

Hizashi parou, agarrando Aizawa e puxando-o também para parar. 

- Planos? Que tipo de planos? Oh, Shouta! Você está indo em um encontro?

- Não é um encontro - Hizashi nunca iria deixar isso ir - Eu tenho... uma reunião com esse consultor. Eles me devem mais alguns perfis - tecnicamente verdade.

 Midoriya teve algumas atribuições devidas naquela noite que Aizawa iria pegar enquanto ele estava lá.

Hizashi fez beicinho.

- Você precisa fazer algo divertido de vez em quando, Shouta! Este fim de semana, estamos tendo aquela maratona - ele apontou bruscamente para Aizawa - Não me faça chamar e deixar uma mensagem na sua máquina! Marlo é um gato inteligente, ele conhece minha voz. Se não consigo te incomodar o suficiente para concordar, você sabe que definitivamente ele não me verá.

- Este fim de semana - Aizawa concordou.

Hizashi lançou lhe um polegar para cima. 

- Eu vou deixar você ir para você reunião então.

- Foi realmente uma boa ideia, mãe? Convidar Aizawa-sensei para jantar? Quero dizer, eu realmente aprecio o que ele está fazendo, mas não quero que ele sinta que ele deve vir.

- Eu não acho que Aizawa-san é o tipo de pessoa a aceitar algo que ele não queria fazer - Inko disse suavemente, quando ela terminou de preparar o jantar - Ele gosta de você, Izuku. Ele não teria concordado em treiná-lo de outra forma. Além disso, tenho certeza que ele poderia usar uma boa refeição. Todos os seus deveres de heróis, ensinando em Yuuei, treinando. Ele é um homem muito ocupado. O mínimo que posso fazer é oferecer um pequeno conforto como reembolso.

- Eu só...

Inko sorriu, dando um abraço gentil a seu filho. 

- Eu sei, Izuku. Você me leva depois que ambos nos preocupamos com coisas fora do nosso controle. Não conheço muito Aizawa-san, mas ele é uma boa pessoa. Ele não vai a lugar algum, e é hora de conhecê-lo melhor, fora de ser um herói profissional. Tenho a sensação de que ele estará por muito tempo - ela beijou o topo de sua cabeça - Agora, arrume a mesa. Aizawa-san deve estar aqui a qualquer momento.

Izuku reuniu o que precisava, parando na porta da cozinha. 

- Obrigado, mãe.

Ainda sorridente Inko voltou para o fogão. Sim, ela tinha que conhecer o homem que inspirou tanta confiança em seu filho. Inko não viu Izuku tão feliz por muito tempo, e ela nunca poderia pagar a Aizawa por ser o motivo.

Asahi tocou o comunicador envolvido em sua orelha, ligando-o. 

- Rave?

- Você encontrou alguma coisa?

 A voz de seu irmão veio atrapalhada por estática. Asahi estava tentando seguir Aizawa por semanas sem resultados. Sabendo que ele trabalhou no Yuuei ajudou, mas seu sistema de segurança era bom demais para que Rave rompesse, e a paranoia de Aizawa sobre como se seguiu tornou difícil para ele ser... Bem... Seguido. Não é paranoia se é verdade e tudo isso.

O herói finalmente cometeu um erro, e Asahi o seguiu até um conjunto de apartamentos de aparência normal. Aizawa fez uma pausa para fora das portas, esperando por um minuto antes que um estudante de idade com garoto com cabelos verdes parecesse deixá-lo entrar.

Um garoto. Aizawa estava encontrando uma criança?

- Rave, acho que eu entendi a fraqueza de Eraserhead. Você não vai acreditar nisso.

Através da cidade, Rave sorriu quando seu irmão transmitiu a notícia. Com o ponto fraco de Eraserhead encontrado, foi finalmente o momento de avançar com seu plano.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e até amanhã

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...