História Potter falls: uma história cheia de magia - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls, Harry Potter
Personagens Bill Cipher, Candy Chiu, Dipper Pines, Gideon Gleeful, Grenda, Mabel Pines, Pacifica Northwest, Personagens Originais, Soos Ramirez, Stanford "Ford" Pines, Stanley "Stan" Pines, Waddles, Wendy Corduroy
Tags Dipcifica
Visualizações 69
Palavras 2.245
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Escolar, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


eai o especial de de 30 favoritos.
agradecimento especial no final.

Capítulo 7 - Especial de 30 favoritos


Cristhian POV

Cristhian – ei como liga isso aqui?

Lill – mestre eu acho que tem de apertar aqui.

- Valeu acho que já está gravando, também já deve estar na hora de chamar eles.

- Ok, estarei esperando.

Então sumi e fui esperar eles estarem prontos.

Dipper POV

Acordei cedo com a alguém me jogando um balde de agua gelada.

Dipper - Como isso aconteceu ainda não são 9 horas?

Cristhian – é, mas não me impede de fazer isso, não é?

- Filho da mãe volta aqui. – Eu fico correndo atrás dele, por cerca de 10 minutos

- Ok, já deu vamos, temos mais coisa para fazer.

- Como assim? – Falo isso e ele estrala os dedos e eu desapareço, e volto a aparecer em um lugar todo branco com algumas cadeiras e uma mesa. – Onde eu estou? Como cheguei aqui?

Lill- olá, meu nome é Lill, e você foi teleportado para uma dimensão diferente.

- E como eu saio daqui?

- Quando o mestre quiser, agora pode se sentar e esperar os outros.

- Outros, que outros?

- Bem, sua irmã, a Pacifica, a Grenda e a Candy.

- Por que elas?

- Você é bem chato, caramba, espera não vai demorar. Em quanto isso por que não vai se alimentar.

- Mas não tem comida aqui. – Falo olhando por todo lado, mas não encontro nada, só uma mesa vazia, nossa como esse lugar é branco não parece que tem parede.

- Serve aquilo ali – ela aponta para a mesa vazia e depois ela estrala os dedos e um banquete aparece.

Vou me direcionando para a mesa e pego alguns pães e margarina, e tomo um pouco de café.

- Ei, quando vão aparecer as garotas?

- Não sei, o mestre vai provavelmente esperar que elas acordem, e descerem para o salão comunal.

- Ué porquê? Ele não pode entrar no dormitório feminino?

- Poder, ele pode, mas tem respeito então ele se recusa a fazer isso.

- Nossa que cavalheiro. – Falo sarcasticamente, e ela me olha com uns olhos de fúria.

- É mesmo, diferente de muitos, ele se importa com isso. – Ela focou realmente irritado com isso.

Cristhian – estou atrapalhando algo? – Ele aparece com a Pacifica, a Candy a Grenda.

Lill – não mestre, ele só ficou me enchendo a paciência com perguntas inúteis.

Dipper – ei cadê a minha irmã?

Cristhian – sei lá deve estar dormindo, não vou entrar no dormitório feminino para acordar ela. – Ele fala se sentando e com um estralar de dedos as cadeiras são puxadas para as garotas se sentarem também – sirvam-se, pergunta rápida, alguém tem diabetes?

As meninas - não?

- Ótimo, então podem tomar o café com tranquilidade.

Pacifica - Ué por quê?

- Experimenta. – Ele fala isso trocando o olhar com a tal de Lill

Ele toma um pouco e quase cospe o liquido.

- ta muito doce, quanto de açúcar você colocou aqui?

- Muito, por isso a pergunta.

Ficamos fazendo muitas perguntas para eles e de como nós chegamos ali.

XXXXXXXX Quebra de tempo XXXXXXXX

Cristhian – acho que já dá para ir busca-la. – Ele some, e logo após volta com a Mabel.

Mabel – onde eu estou?

- Resumindo: dimensão diferente. Agora aproveite o café. – Ele falou a guiando para a mesa.

- Oi maninho, o que acha que viemos fazer aqui? E por que também vieram a outras?

Dipper - não sei, mas ela me disse que ela vai nos explicar daqui a pouco.

E continuamos a tomar o café da manhã normalmente.

Cristhian – bem todos já acabaram de comer, então vamos lá. – Ele fala isso e estrala os dedos e tudo some e dá lugar para um estúdio que parece ser de um talk show.

Dipper – tá, já deu, o que viemos fazer aqui?

Cristhian – responder a algumas perguntas dos fãs.

Pacifica – que fãs?

Cristhian – resumindo: isso é uma história e tem gente que gosta de ler ela, e algumas fizeram perguntas e desafios para vocês.

Dipper- pera, o que? Todo o nosso mundo é inventado?

Cristhian – sim, agora se sentem, relaxa vocês não vão se lembrar do que aconteceu aqui. – Então eu e as meninas nos sentamos nas poltronas do programa. – Agora, vamos começar.

Cristhian POV

Eu fui procurar as preguntas escolhidas para o programa, mas como eram poucas peguei todas.

Cristhian - Vamos lá, primeira pergunta do ~JP0906: Dipper o que você sente em relação a pacifica? Eba já começamos com os dois pés no peito.

Dipper – é para eu responder? - Ele fala isso corando, e a Pacifica também.

- Não, é para catar milho, é claro que é para responder.

- Ok, eu gosto dela, ela é uma grande amiga, e me ajudou nas minhas buscas. – Ele cora mais um pouco, e a pacifica fica com um sorriso bem tímido no rosto e vermelha como um tomate

- Ok, respostas meio merda, mas vou aceitar. Agora para você Pacifica: o que você sente pelo Dipper?

Pacifica – Por que eu? – Ela vira um tomate falante de tão vermelha que estava.

Cristhian – por que a pergunta foi para você.

- Okay, eu gosto do Dipper, ele já me ajudou bastante, e me deu bastante atenção, e me trata super bem. – Agora era o Dipper o tomate, mas também na sala tinha uma coreana com uma cara de poucos amigos e vermelha de raiva.

- Gostei da resposta. Próxima do ~bruninho04: Candy de quem você gosta?

Candy – eu gosto do Dipper. – Ela logo tapa a boca e arregala os olhos – por que eu disse isso?

- Poção da verdade, estava no café, resumindo ninguém aqui pode mentir. – Ele fala isso como se não fosse nada. E todos ficam assustados. – Calma, lembrem de vocês não vão se lembrar de nada desse lugar.

Dipper – isso é não pode, como, isso pode acabar com relações.

- É, eu sei, mas com explicado antes, vocês não vão se lembrar de nada desse lugar, seguindo desafio: Dipper beije a pacifica ou vice-versa, não me importo quem quiser fazer a iniciativa.

Dipper – eu não vou fazer is- ele foi interrompido por um beijo da pacifica na boca. - So.

Pacifica – então não gostou? – Ela fala isso com a cara vermelha e olhando para uma coreana putasa no canto.

Dipper – adorei – ele estava um verdadeiro tomate de tão vermelho, e com um sorriso bobo na cara

Cristhian – agora sim gostei, continuando: Desafio a Grenda a sair correndo pela escola imitando uma galinha.

Grenda – por que eu?

- Por que o desafio foi para você, não me julgue só selecionei eles, agora vamos lá – ele teleporta todos para um corredor da escola. – Pode começar.

Grenda – eu mereço. – Ela começa a correr imitando uma galinha e com a vos grossa dela foi uma sena engraçada de se ver. – deu acabei agora vamos voltar.

- Okay. – Estralo os dedos de novo e volto para a o programa. – Bem para a próxima pergunta é da ~Louca_Alice: como é a família da pacifica?

Pacifica – horrível, eles são preconceituosos como as famílias de mestiços e com os trouxas. – Ela se espanta com o que estava dizendo – por que eu disse isso.

Cristhian – lembra poção da verdade, mas continuando, sim, eles são preconceituosos com qualquer família de magos que não são de puro sangue e ricas, são extremamente elitistas, e odeiam em principal os sangues-ruins. Na mansão deles há vários House-elf que são tratados como lixo, mesmo eles sendo bastantes leiais a seus mestres. – Acabo por responder a pergunta e as meninas ficam olhando para a Pacifica incrédulas, e a mesma ficou com a cabeça baixa durante toda a explicação como se realmente tivesse vergonha das ações da sua família.

Dipper se aproxima da pacifica e toca no ombro dela – ei calma, lembra do que o chapéu disse você não é como eles, seus pais podem ser pessoas horríveis, mas não quer disser que você vai ficar igual a eles. – Ela levanta a cabeça e sussurra um obrigado para o Dipper.

Cristhian – próxima pergunta é do ~Jam1Helsing e essa é para mim: Cristhian você parece um mago Poderoso, você já pode usar magia sem a varinha e sem recitar a magia?

Cristhian -E a resposta é sim eu posso, levou muito tempo mas aprendi, o mais fácil foi sem utilizar a varinha, no começo eu falhava miseravelmente, e acabava me explodindo todo, mas fui começando a me acostumar, em questão de sem recitar foi um pouco mais demorado pois já tem que estar tão habituado a conjurar ela que é só pensar na magia.

Cristhian - Próxima é para o Dipper: por que o você consegue utilizar feitiços sem ter a varinha se ele ainda é um iniciante, só magos com muita capacidade mágica conseguem?

Dipper – na verdade é que muitos magos se prendem a conformidade das varinhas, e não conseguem fazer sem utiliza-las, um exemplo é quando se faz uma conta de matemática complicada, você pode muito bem fazer ela sem utilizar uma calculadora, mas sua chance de errar é muito grande, enquanto com a calculadora fica mais fácil diminuindo a chance de erro. Eu comecei a me arriscar a utilizar feitiços sem ela pois não é sempre que ela vai estar lá comigo.

Cristhian- boa explicação agora próxima, legal de novo é para mim: qual é a magia que você usa para sumir do nada? – Fico pensando um pouco e logo respondo – bem é uma magia que eu aprendi lendo uns livros na biblioteca, os House-elf tem essa habilidade naturalmente, então foi pesquisar e achei um feitiço parecido, tanto que foi o primeiro feitiço que eu aprendi a fazer sem o conjurar.

Dipper – então é assim que você faz isso, pensei que você possuía uma capa da invisibilidade.

Cristhian – eu tinha, mas acabei perdendo ela em algum canto do castelo, e acho que nunca mais vou acha-la, irônico não?

Todos – é realmente. KKKK

Cristhian – vamos para a última pergunta: Diário que Dipper encontrou tem uma magia a nível maldição imperdoável?

Dipper – eu acho que não, não parece que tem alguma coisa muito perigosa no diário.

Cristhian – é, nem parece que metade dele está escrito com letras enormes perigo né? E a outra metade está em branco né?

Dipper – mas eu já li sobre quase todas as magias de nível maldição imperdoável?

Todos + Cristhian – por que você estava pesquisando essas magias? – Todos falamos juntos com uma cara de espanto para ele.

Cristhian – você sabe o por que elas são “maldição imperdoável” né? Se recitar qualquer uma, vai ser uma viagem só de ida para Azkaban.

Dipper – eu sei, nunca utilizaria elas.

Cristhian – okay, mas continuando a resposta dessa pergunta, oficialmente o diário não possui maldições imperdoáveis. – Falo isso e as garotas e o Dipper suspiram aliviadas. – Mas possui magias que seriam milhares de vezes piores que as maldições, mas não são listadas pois são magias a muito tempo esquecidas. – Acabo a explicação e eles se entre olham preocupados.

Dipper – nossa não pensei por esse lado. Vou tentar ler com mais cuidado esse diário.

Cristhian – do que adianta vocês vão esquecer tudo que aconteceu aqui.

Dipper – o que, eu não quero me esquecer do que aconteceu aqui.

- Mas vão ter, as informações adquiridas aqui, vocês só deveriam conhecê-las mais para a frente.

- Não dá para fazer um acordo?

- Como assim? E o que eu saio ganhando com isso?

- Bem, você apaga quase todas as nossas memórias, mas deixa escolhermos uma coisa para não esquecermos.

- Continua a pergunta o que eu ganho com isso?

- Faz a história correr mais rápido.

- É ta bom, cada um tem o direito de manter uma memória, e só.

Eles ficam um tempo conversando e discutindo sobre o que cada um quer manter.

Mabel – okay, eu primeiro.

Cristhian – e o que seria?

Mabel – o café, adorei, como você fez?

Cristhian – tá esse foi inesperado, mas okay, é só café preto com muito açúcar, eu adoro café doce. – Eu estralo os dedos e a Mabel volta para o colégio pois ela ainda tem aula hoje.

Grenda – okay, agora eu.

- E o que deseja manter?

- Nada, as perguntas não me ajudaram em nada e eu ainda tive que correr pela escola imitando uma galinha, não quero me lembrar desse dia.

- Okay, se fosse você não iria quer mesmo. – Estralo os dedos e ela volta para o refeitório.

Candy – agora eu.

Cristhian – fala

- Quero ficar com a minha confissão.

- Tudo bem, já pode ir. – Estralo de novo e ela desaparece voltando para a o laboratório de poções.

Pacifica – bem eu quero – ela se aproxima do meu ouvido para sussurrar para o Dipper não ouvir – se possível guardar a minha confissão e o beijo. – Ela fala isso vermelha.

-Okay, só para você – logo estralo os dedos e ela volta para o salão comunal da corvinal. – Bom agora você é o último, o que quer manter?

Dipper – que o nosso mundo é invenção sua.

Cristhian – mas nem a pau, escolhe outra coisa.

- tá, sobre as magias perigosas do diário.

- Okay. – Estralo os dedos e ele volta para o quarto dele.

Cristhian POV off

Bem agradeço a todos que leram e deixaram o favorito: ~Isa_Onee-chan, ~bruninho04, ~POKEMON-EX, ~okamigin, ~IsabelleCardos, ~Louca_Alice, ~JoneCruz, ~Matheusffkg, ~luli_nolove, ~MayhemPlays, ~Devoe, ~Lion_Black, ~pfcs2000, ~dipper_gleeful, ~LaMuedas, ~ArthurL, ~MonsterKill330, ~Juju_gamer, ~sk8novaes, ~AlucardX11, ~Victor_Chiper, ~Charaot, ~Ratka, ~BrunoBryBy, ~Farofa11, ~Guh-Kun, ~Rebel_Angel_-, ~itsukannen, ~JP0906, ~bipper_cipher, ~minewes.

Se não fosse por vocês eu nunca teria chegado aqui.

E um agradecimento mais que especial para quem comenta em todos os capítulos.

Até o próximo capitulo dessa história.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...