História Power and Blood - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Poder, Sonhos
Exibições 3
Palavras 954
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Faz muito tempo que postei o primeiro capítulo e finalmente vou continuar a escrever.

Espero que gostem!

Capítulo 2 - Found you


Fanfic / Fanfiction Power and Blood - Capítulo 2 - Found you

Dou um pulo na cadeira e olho para trás. Collin que estava distraidamente anotando coisas no seu caderno se assusta. Todos olham em minha direção. Aí droga.

-Está tudo bem senhorita Young?

-Sim, claro – respondo ao professor, enquanto o garoto me encara. Ele não me olha com firmeza, mas mesmo assim sinto como se estivesse encarando minha alma. Vendo cada detalhe de minha vida em segundos.

Quando ele se senta, o professor começa a escrever na lousa, mas não consigo prestar atenção. Não pode ser a mesma pessoa com quem sonhei. Não pode! Mas mesmo assim é tão parecido... E aquela voz? Deve ter sido coisa da minha cabeça.

...

As horas passaram mais depressa do que imaginei.

No almoço, o garoto se sentou sozinho em uma mesa no canto do refeitório. Ele parecia um tipo de pessoa popular retirada de uma escola de um filme adolescente. Era extremamente bonito e parecia frio e firme em cada passo.

O sinal bate e a aula eterna de química acaba.

- Hey Aly, já vou indo. Preciso ajudar minha mãe a desfazer o resto das malas, vai ser tão divertido – Diz Collin revirando os olhos.

- Boa sorte com isso garoto exemplar – Digo sarcástica.

Continuo guardando meus cadernos. Passei o dia completamente distraída pensando nos meus sonhos. Percebo que sou a ultima a estar na sala. Pego minha mochila e vou com rapidez em direção à porta.

 O corredor esvaziou mais rápido que o normal. Caminho em direção à saída principal quando paro subitamente. Meu corpo todo arrepia sem explicação e eu congelo no lugar. Uma sensação ruim invade meu peito e sobe até a garganta me sufocando. Sinto uma brisa gelada no lado direito do meu pescoço. Quando finalmente consigo me mexer, viro bruscamente naquela direção. Ao mesmo tempo ouço um som forte, e quando viro em direção à fileira de armários a minha direita, um deles está fortemente amassado. Era como se alguém tivesse dado um soco muito forte. Minha respiração acelera e começo a correr para fora da escola. Quando chego à calçada tento recuperar meu fôlego e vejo que o carro da minha mãe já esta virando a esquina.

 

-Graças a Deus - sussurro enquanto vou em direção ao carro.

...

Estamos eu e Zoe na sala de jantar. Minha mãe está no escritório, como sempre. Desde que meu pai nos abandonou ela se tornou mais distante, fria. Esta sempre cuidando de um caso novo cheio de papeladas. Por isso eu e Zoe nos viramos, na maior parte do tempo, sozinhas.

- Como foi a escola hoje? – pergunto enquanto jantamos.

- Cheia de alunas novas sem cérebro que só pensam em flores e borboletas. – diz ela com um sorriso sarcástico.

- Você devia parar de implicar com elas.

- Só quando elas pararem de implicar comigo. E é tão divertido assusta-las com aranhas de brinquedo – diz ela rindo.

-Você não tem jeito. – Digo com um leve sorriso.

Enquanto jantamos, mamãe desce as escadas e vai em direção a geladeira. Sua pele é pálida e seus cabelos são loiros como os meus. Zoe sempre teve inveja, pois seus cabelos são castanho claro como o do nosso pai. Nosso ex-pai. Ele nos deixou quando eu tinha 9 anos. Era uma noite chuvosa em que meus pais tiveram uma discussão horrível. Zoe estava no meu quarto, enquanto eu tentava abafar os gritos deles. Quando finalmente eles ficaram em silêncio, ouvi o porta-malas do carro fechando e meu pai indo embora. Ele nunca mais voltou.

- Não vai jantar? – pergunto, como se já não soubesse a resposta.

- Estou ocupada, mais tarde como alguma coisa – responde ela enquanto pega uma jarra de água na geladeira. Ela enche um copo, acaricia rapidamente a cabeça de Zoe e sobe as escadas. Zoe abaixa levemente a cabeça e quando percebe que estou olhando, pega seu prato, coloca na pia e sobe as escadas.

Por muito tempo eu tive mágoa da minha mãe. Não é nossa culpa se nosso pai é um idiota. Ela sempre foi muito próxima. Nós assistíamos filmes, saíamos pra comer fora, visitávamos museus, conversávamos no jantar. Isso ainda acontece, mas com menos frequência e com menos sorrisos. Ela parece estar sempre preocupada. Só há alguns momentos onde ela parece deixar a preocupação ir embora, e esses são os momentos onde ela parece mais feliz.

Zoe sempre tenta ficar mais próxima dela, mas sempre fica frustrada com as longas horas de trabalho. Recentemente eu percebi que ela tem ficado cada vez mais cansada disso, e eu tento sempre fazer o papel da irmã mais velha, que esta lá quando os pais não estão.

...

Depois de tomar um longo banho, me troco e vou deitar. Fico rolando na cama por um tempo. Estou morrendo de sono, mas não quero dormir. Não quero sonhar com aquilo de novo. Espera, eu estou com medo? Alysson Young não é possível que você esteja com medo de um sonho. Foram 2 meses vendo a mesma coisa enquanto dormia, não vai ficar com medo agora, afinal, não passa de um sonho. Fecho os olhos e relaxo meu corpo até que o sono vem.

...

Estou correndo novamente naquele mesmo vestido. Mas dessa vez, me escondo atrás de uma árvore. Minha respiração está ofegante, meu coração bate forte e tudo está em silêncio. Ouço galhos quebrando atrás de mim. Meu corpo todo congela por um instante. Quando não ouço mais nada, corro o mais rápido que posso. Olho rapidamente para trás, e quando viro para frente bato com força em alguém. Sinto suas mãos segurando meus braços. É ele. O mesmo garoto da escola, o mesmo de todos os sonhos. Ele dá um leve sorriso com os lábios e diz:

- Achei você.


Notas Finais


Digam o que estão achando da história!
Até o próximo capítulo ♢


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...