História Pra Sempre Minha. - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Lesbicas, Romance
Exibições 533
Palavras 4.026
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oie gente!!


Voltei...

Espero que vocês gostem e comentem ok?!
Adorei os comentários do ultimo capitulo!


Vamos juntos.

Capítulo 75 - Viagem- parte 1


 

 

 

 

Terminei de arrumar minha mala. Ia passar na casa da Débora para buscá-la, seus pais não gostaram muito dessa ideia de viagem. Eles chegaram da deles e ela estava saindo pra nossa. Ficaram mais preocupados quando souberam que nós iríamos de carro. Eles não confiam em mim, mas depois da Débora insistir muito, acabaram cedendo.

 

 

 

A viagem é longa, comparado a quanto eu já dirigi em horas seguidas, seriam 7 horas de estrada. E eu nunca fiz essa distância toda, mas tô preparada, dormi bem e descansei pra aguentar firme e ainda chegar disposta pra aproveitar o restinho da noite. Porque eu preciso transar com essa mulher.. ela tem me evitado, e isso me incomoda muito, só que não toco no assunto porque senão teríamos que falar de novo da proposta e isso já está me enchendo a paciência.

 

 

 

Planejei com todo cuidado essa viagem, teria que dar tudo certo pra mostrar pra Débora que posso cuidar dela, que ela pode confiar em mim pra isso. Deixei o hotel reservado desde o natal, quando ela aceitou vir comigo. Programei tudo o que faríamos lá, desde a chegada, as praias que íamos conhecer, os lugares pra comer, tudo... deixei tudo organizado. Essa teria que ser a prova da minha maturidade, quero que ela se entregue a mim por completo, assim como eu já estou entregue a ela.

 

 

 

Sai de casa e passei na Duda que já tinha voltado, mas eu ainda não tinha visto pessoalmente. A mãe dela estava saindo e me deixou subir direto, fiz o caminha já muito conhecido e por costume abri a porta. Só não esperava ver, o que vi lá dentro.

 

 

 

 

- Oh Meu Deus!- digo assuntando as duas e tapando os olhos, automaticamente.

 

 

 

 

- Merda. – ouço a Marcela e descubro os olhos.  A Duda rindo, não fala nada.

 

 

- Vocês sabem que a porta tem tranca né?!- digo rindo.

 

 

 

- O que você tá fazendo aqui, Oh estraga prazeres?!- Duda pergunta.

 

 

 

- vocês ficam fazendo isso o dia inteiro? – pergunto debochada.

 

 

 

A marcela tentou cobrir a Duda que está de calcinha somente, a Marcela com menos que isso pelo pouco que eu vi. As duas estavam nas preliminares, e eu cheguei pra atrapalhar. Nem me senti culpada, essas duas parecem ninfomaníacas, a Duda achou a parceira ideal, e quem olha assim pra Marcela nem diz.

 

 

 

- Eduarda! - a Marcela grita quando vê a Duda vindo na minha direção quase nua.

 

 

 

- Amor, aqui não tem nada que ela já não tenha visto.. Relaxa! - diz rindo e a Marcela revira os olhos com raiva.

 

 

 

- Desculpa Cela, tô saindo já! Só vim me despedir de vocês! Vocês voltaram e vivem trancadas nesse quarto. - digo enquanto a Duda veste uma camisa grande que pegou no armário, para alívio da Marcela que continuava escondida com a coberta.

 

 

 

- Vai dar tudo certo né?! Não quero socorrer ninguém hein..- diz a Duda pra mim.

 

 

 

- vai dar tudo certo, tenho certeza!- digo sorrindo confiante.

 

 

 

 

- Vai sim.. você é ótima e gosta muito daquela mulher! – Diz a Duda.

 

 

 

-  Gosto mesmo! -digo - E vocês esse fogo não passa não!? A porta tem que trancar, já te falei Duda! - pergunto e a Marcela fica mais vermelha Ainda.

 

 

 

- Esquecemos, minha mãe ia sair aí, aproveitamos! – Diz a Duda como quem não liga.

 

 

 

 

- Não fizemos sexo lá na casa dos meus pais.. - diz a Marcela. - Ela ficou de graça e aqui eu tenho que passar por isso! - aponta pra mim.

 

 

 

- Entendi, entendi... tô saindo tá?! Fiquem bem! Qualquer coisa me liga!- digo para as duas.

 

 

 

- Ok, fica bem. E dirigi com cuidado! - diz a Duda. Que me levou até a porta.

 

 

 

- Sério, com ela o fogo não passa! - diz pra mim já longe do quarto.

 

 

 

-Imagino, sinto o mesmo com a Débora!- digo pensando na minha neguinha.

 

 

 

- Agora você vai ter que deixar eu ver a Débora nua pra ficar quites..- diz a Duda rindo.

 

 

-Nunca na vida! - digo rindo também.

 

 

 

 

-Você viu minha mulher cara! Isso não é justo. – diz fingindo estar chateada.

 

 

 

- Ela bem gostosa né?!- digo pra provocar, nem deu pra ver direito.

 

 

 

- Deixa a Débora saber disso!- me ameaça.

 

 

 

- Só verdades... Vai cuidar da sua mulher que tá bem brava com você!- digo empurrando ela pra dentro da casa.

 

 

 

- Nada que um bom sexo não resolva. – diz safada. Não muda nada essa menina!

 

 

 

Sai, peguei o carro e logo já estava na porta da Débora. Não queria entrar, os pais dela estariam prontos pra me passar todos as recomendações possíveis e impossíveis, ia ser um saco, então pedi pra ela sair e trazer as coisas.

 

 

 

Ela fez isso, veio com uma mochila, e mais uma bolsa de mão. Sai do carro pra ajudar a colocar no porta-malas. Logo atrás dela, para meu tormento, veio o pai e eu não escapei do sermão. Ele olhou o carro todo, mesmo eu dizendo que fiz revisão nessa semana.

 

 

 

- Ele vai mesmo fazer isso..? - pergunto emburrada pra Débora do meu lado enquanto a pai dela estava dentro do meu carro, pra testar os freios. Vê se pode esse absurdo.

 

 

 

 

- Desculpa amor!- ela pede com vergonha.

 

 

 

- Se ele achar algum problema, que impeça a gente de ir, eu te sequestro! - digo séria mas ela logo ri.

 

 

- Ele não vai achar..- me abraça de lado.

 

 

 

- Tá tudo certo..- ele diz ao sair do carro.

 

 

 

- Que bom! Vamos?! -ela pede.

 

 

 

- Como eu disse, fiz revisão essa semana! – continuo com a minha cara feia.

 

 

- Vão com cuidado! - ele beija a filha na cabeça, cena linda se eu não estivesse com raiva. - Alice se sentir sono, pare. Não tenta seguir em frente não! - ele pede olhando pra mim agora.

 

 

 

 

-Tudo bem..- digo entrando no carro, sem dar muita importância para o que ele dizia.

 

 

 

 

- Pede desculpas a ela! Só tô preocupado!- o ouço dizer a ela.

 

 

 

- Ela entende pai, relaxa! Eu te ligo quando chegar. – finaliza a conversa.

 

 

Ela entra, e no mesmo momento, eu acelero o carro que já estava ligado.

 

 

- Isso é pressa? – ela pergunta rindo.

 

 

 

- Tenho medo dele desistir da permissão!- digo olhando pra frente, ainda séria.

 

 

 

- Ele só tá preocupado! isso é novidade pra ele, sempre fui eu que fiquei ”segura” em casa! - ela diz

 

 

- Foi mal tá! Só me irritou!- Respiro fundo. - Eu entendo.. tô carregando o tesouro mais precioso dele, só que ele não sabe que é o mais precioso pra mim também. - digo e ela sorri, sabe aquele sorriso que até os olhos sorriem junto... esse mesmo.

 

 

 

- Eu te amo! –ela diz, peguei sua mão e dei um beijo de leve.

 

 

 

- Tá preparada?! Vamos nos divertir muito nesses dias! -  digo sorrindo.

 

 

 

- Sim..- ela diz animada, parecendo aquelas crianças.

 

 

 

 

Fomos o caminho todo conversando. Com uma música baixinho rolando no rádio, tinha feito uma playlist pra viagem, tinha de tudo um pouco,  músicas pra me manter acordada, músicas pra animar, e músicas pra me declarar..essas sim escolhidas a dedo.

 

 

 

- Música bonita Alice! - ela diz parando de falar e prestando atenção na música que tocava baixo no rádio.

 

 

 

- sim, Linda..- digo

 

 

 

- Não me lembro de já ter ouvido.. - diz aumentando um pouco. Ela dá um sorriso na hora do refrão, não sei se achando engraçado ou o que.

 

 

A música era do Marcelo Jeneci, eu tinha acabo de conhecer, mas já estava apaixonada pelas musicas dele. Essa em especial, fazia um sorriso bobo surgir no meu rosto todo vez que eu ouvia. “Pra sonhar” o clipe era lindo, dá vontade de casar...

 

 

“...Mil coisas eu deixei

Só pra te falar

Largo tudo

 

Se a gente se casar domingo

Na praia, no sol, no mar

Ou num navio a navegar

Num avião a decolar

Indo sem data pra voltar

Toda de branco no altar

Quem vai sorrir?

Quem vai chorar?

Ave Maria, sei que há

Uma história pra sonhar...”

 

 

 

 

- Você se casaria comigo?!- perguntei aproveitando a letra.

 

 

 

 

- Alice, você não acha que tá cedo não? - ela pergunta sorrindo.

 

 

 

 

- Eu tô falando sério Débora..- digo.- não tô falando agora, ou no domingo..- ela ri...pela referencia que fiz a música.

 

 

 

 

- Um dia, daqui a alguns anos?! - ela pergunta, imagino que esteja sorrindo, estou olhando o caminho.

 

 

 

- Sim! Um dia, daqui a alguns anos... Você se casaria comigo, num lugar bonito, com todas as pessoas que nos amam assistindo, com um vestido branco, e um buquê lindo nas mãos, você casaria comigo?!- pergunto dividindo a atenção entra a rua é o rosto dela, que mesmo sem poder ver direito, sei que está emocionada.

 

 

Ela não diz nada, acho que tava se recuperando de tanta informação.

 

 

 

- Chegamos! -Digo observando a entrada da pousada.

 

 

 

- É lindo aqui. – ela diz.

 

 

 

Estávamos numa pousada que era de frente para o mar, dava pra ouvir o barulho das ondas e sentir o cheiro da marisia. Estacionei o carro no local indicado pelo Seguranca. Pegamos as malas e fomos para a recepção.

 

 

- Seu quarto está pronto sim.. venham comigo! - disse uma das recepcionistas me entregando uma chave, e seguindo na nossa frente.

 

 

 

Seguimos com as malas, por um caminho de pedra decoradas, os quartos eram afastados um do outro, tipos chalés, o nosso era no início então não andamos muito, E logo nos acomodamos.

 

 

 

- essa cama é enorme!- diz a Débora sentando nela.

 

 

 

 

- é sim! Muito bonito né?! Tudo igual nas fotos do site. – digo..- Vem ver?!- chamo para ela ver a piscina. Que ficava quase de frente a nossa janela.

 

 

 

- Ual..- ela diz.

 

 

 

 

- É como uma extensão do quarto, igual diz na propaganda. - digo

 

 

- Você escolheu muito bem!- diz me abraçando.

 

 

 

- Gostou?! - pergunto beijando sua bochecha.

 

 

 

 

- Muito! Você tá ouvindo as ondas?!- ela pergunta  encantada.

 

 

 

 

- Tô sim! Lindo né?! -digo sorrindo.

 

 

 

- Muito, obrigada. - diz olhando nos meus olhos.

 

 

- Nós merecemos! Você ainda mais, por me aturar por 6 meses.. como conseguiu?!- pergunto fazendo-a rir.

 

 

 

- Também me pergunto isso, todo dia..- faz graça, e eu a beijo. Beijo apaixonado.

 

 

-  Sua boca é uma delicia sabia.?! – digo entre o beijo.

 

 

 

- Sabia sim..- diz rindo safada.

 

 

 

- Você tá com fome?! A gente pode ir jantar.. - já estava escuro na hora que chegamos! Por volta das 18:45h, e minha barriga já reclamava por alimento.

 

 

 

- Pode ser. Quer tomar banho antes?!- ela pergunta

 

 

 

 

- Pode ser na volta! Tô com fome!- digo é ela ri concordando.

 

 

 

 

Saímos do quarto depois de lavar as mãos e ir para o restaurante, estava vazio, o que foi bom pra gente, o lugar era bonito, estilo rústico e com comidas caseiras. O cheiro dava pra sentir de longe.

 

 

 

Escolhemos, fomos servidas e tudo certo! Conversamos, observamos o lugar, e rimos das nossas conclusões idiotas. Ficar longe de tudo, fazia bem pra gente, ficávamos mais leves, mais soltas...

 

 

Terminamos e voltamos para o quarto pra tomar banho. Fui primeiro enquanto ela ainda escolhia o que colocar. Depois ela foi e combinamos de quando ela acabasse nós íamos conhecer o lugar, dentro da pousada, havia um espaço enorme para andar.Tinha uma piscina enorme que rodeava quase todos os chalés, inclusive o nosso, uma sauna, banheira e ofurô, e quero aproveitar tudo, teríamos muito tempo pra isso.

 

 

A Débora colocou um short jeans, curto, e uma blusa soltinha, eu estava de vestido largo, que havia comprado pra usar aqui. Com os chinelos nas mãos, começamos a caminhar pela areia da praia.

 

 

 

 

 

 

- Aqui é muito bonito..-ela diz enquanto caminhamos de mãos dadas.

 

 

 

 

A orla da praia era bem iluminada, passando segurança maior, havia muitas pessoas ali, algumas caminhando, crianças brincando, e tinha até gente na água. Havia quiosques vendo coisas.. tudo muito bonito.

 

 

 

- Você é mais bonita que tudo!- digo olhando pra ela, que fica envergonhada.

 

 

 

 

- Para Alice..- diz vermelha.

 

 

 

 

- Parei.. – digo rindo.

 

 

 

 

 

- Vamos entrar?! Você deve estar cansada..- diz e eu não posso negar o sono já batendo em mim.

 

 

 

 

- To sim, você não se importa?!- pergunto.

 

 

 

 

- Não Amor, a gente aproveita amanhã. - diz me puxando para voltarmos a pousada.

 

 

 

- Ok, você quem manda..- digo

 

 

 

 

- Sempre..- diz rindo.

 

 

 

 

Caminhamos de volta, sorrindo o clima estava muito bom entre nós, uma paz reinava. Pedi para que ela desse uma volta comigo, para vermos a piscina. Era iluminada a noite, deixando muito mais bonito e romântico. Não tinha ninguém ao redor, as pessoas deveriam estar curtindo a praia. E eu quero curtir minha moreninha.

 

 

 

 

- Vamos sentar aqui..- chamei ela pra sentar e colocar os pés na água.

 

 

 

 

- Seus pés estão sujos Alice..- ela diz.. me puxando, impedindo de colocar meu pés

 

 

 

-Ah Débora, a água limpa..- digo tentando novamente.

 

 

 

- Não faz isso..- ela me puxa de novo.

 

 

 

- Sim.. vem..- faço um pouco mais de força para sair do aperto de suas mãos, e como estava na borda, acabei caindo dentro da piscina.

 

 

 

 

 

- Oh meu Deus.. Alice!- ela me chama.

 

 

 

 

- Porra!!! Que água gelada do Caralho! - grito quando submergi.

 

 

 

- Olha a boca! Você ta bem!- ela pergunta preocupa.

 

 

 

- To molhada!- digo até um pouco irritada.

 

 

 

Eu queria molhar os pés, não o corpo todo. Mas tive uma ideia, já estava ferrada mesmo.

 

 

- Me desculpe, você ficou puxando.. e..- ela tenta se explicar nervosa.

 

 

 

 

- Tudo bem, me ajude a sair..- estendo minha mão, e ela prontamente se aproxima da borda da piscina. Não acreditei que ia ser tão fácil.

 

 

 

 A puxei.. ela dão um grito tão alto, que achei que alguém apareceria.

 

 

 

- Puta que P..- tampei a boca dela.

 

 

 

- Olha a boca linda..- digo e ela empurra minha mão. – Eu não acredito que você caiu nessa?!- digo rindo.

 

 

 

- Eu não fiz por querer.. você é muito vingativa..- diz se afastando de mim.

 

 

 

- Hei onde você vai?- nadei ate ela.- Fica aqui.. já ta molhada..- peço.

 

 

 

- Vou me secar, antes que pegue um resfriado..- diz emburrada.

 

 

 

- Você fica linda assim com raiva..- digo – Eu te esquento..- abraço o corpo dela, que esta de costa pra mim.

 

 

 

Ela com as mãos na borda, nem me dando ideia, e eu com meu corpo todo encostado nela, abraçando seu corpo, não ia esquentar, a água estava gelada. Só esquentaria se fizéssemos algo diferente.

 

 

 

- Me perdoa por ser idiota?!- peço em seu ouvido, e ela não responde nada.

 

 

 

 

- Vamos.. por favor? – peço dando beijos em seu pescoço.

 

 

 

Sinto seu corpo arrepiar, não sei se de frio ou do que eu estava fazendo. Continue com os beijos ali, subi um pouco para mandíbula dela, mordi sua orelha, comecei a alisar suavemente sua barriga, por baixa da camisa molhada.

 

 

 

Ela soltou o ar com força..ta esquentando.

 

 

 

 

- Hein.. você me perdoa?!- pergunto de novo. E a viro pra mim.

 

 

 

 

Tento beijar sua boca, mas ela vira o rosto. Beijo a bochecha e me encosto mais nela. Seguro forte em sua nuca e faço ela olhar pra mim.

 

 

 

- Então?!- pergunto.

 

 

 

 

- Te perdoo, mas me deixa sair daqui.- ela tenta se soltar,mas não consegue.

 

 

 

 

- Me dá um beijo, pra provar que me perdoo?!- peço rindo.

 

 

 

 

- Você é chata demais..- reclama e me da um selinho.

 

 

 

- Isso não é beijo... quero um de verdade?- peço.

 

 

 

Ela revira os olhos e eu me aproximo, encosto nossos lábios e espero pra ver se ela vai fazer algo. Ela abre um pouco a boca, e só. Dou um sorriso e a beijo de verdade, que mesmo contrariada retribui. Sinto suas mãos nas minhas costas, e eu a puxo mais pra mim.

 

 

 

Quando falta o ar, volto a beijar seu pescoço.  Ela geme quando deixo uma mordida ali.

- Alice, você sabe que tem gente vendo né?!- diz

 

 

 

- O que tem isso?- pergunto sem parar o que estava fazendo.

 

 

 

 - Seguranças.. Eles vão brigar com a gente!- ela diz, mas não faz nada para me afastar.

 

 

 

 

- Eles não vão atrapalhar, devem estar gostando.. – digo rindo.

 

 

 

 

- Sério, Amor.- já me chamou de amor, isso é bom sinal.

 

 

 

 

- Eu quero você Débora, eu preciso..- digo olhando em seus olhos.

 

 

 

 

Ela me puxou e me beijou, esqueceu-se da neurose de ter alguém olhando, se o lugar era realmente bem protegido teria sim. E Nós certamente levaríamos um esporro.

 

 

Quanto tempo ela não me beijava assim, sem receios, sem duvidas..Minhas mãos logo viajavam em seu corpo. Apertei sua bunda, e ela gemeu em minha boca. Nada mais importava, a água não estava mais gelada, quando ela me beija assim, sinto como só estivéssemos nos duas no mundo.

 

 

 

 

Ela me soltou pra respirar, olhando nos olhos dela, deixei minhas mãos abrirem o seu sutiã. Logo estava passando as mãos de leve em seus seios. Apertei seu mamilo que já estava rígido na minha mão. Ela soltou um gemido baixo e fechou os olhos curtindo.

 

 

 

 

- Você quer mesmo, fazer isso aqui?!- ele pergunta ainda de olhos fechados.

 

 

 

 

- Deixa eu entrar em você?!- peço e ela abri os olhos surpresa.

Não conseguia deixar de achar graça da maneira como ela reagiu, ela está vermelha e  nem consegue me responder. Beijei sua boca de novo, Desci minha mãos devagar, passei em suas pernas, apertei de leve, subi chegando em sua intimidade. Eu podia sentir o calor, mesmo através do short que ela usava. Tentei abrir, mas ela me impediu.

 

 

 

 

- Alice...- ela diz ofegante, e segura minha mão.

 

 

 

 

- Ai Débora..- digo e me afasto dela.. – Você tem que parar com isso..- digo achando que era por conta da conversa..

 

 

 

- Não é isso Alice..- ela diz me segurando.- Só que aqui não!- ela diz e abaixa a cabeça.

 

 

 

Não acreditei muito, me soltei e fui em direção a escada da piscina.

 

- Você vai ficar ai?!- pergunto depois de sair. Ela faz que não com a cabeça e vem atrás de mim.

 

 

 

 

Não queria brigar, mas eu estava com um fogo e é frustrante ser barrada. Entrei no quarto, e deixei a porta aberta, era pertinho da piscina, e nós logo chegamos. Pingando e molhando o quarto todo, eu fui procurar uma roupa pra colocar. Fiquei ali concentrada e não reparei no que ela estava fazendo.

 

 

 

- Porra!!- digo ao me virar e ver a Débora completamente nua.

 

 

 

 

-Eu quero você Alice.. eu sempre quero você!- ela diz e eu fui caminhando em direção a ela.

 

 

 

- Será?! As vezes parece que você não quer... – eu digo, louca eu né? Invés de agarrar essa mulher.

 

 

 

Ela me agarrou, num abraço que e sentia todo o corpo dela encostar no meu.

 

 

 

- Você vai mesmo discutir isso, comigo assim..- diz se referindo a estar nua..- eu tô toda molhada, me fode Alice!- ela pede.

 

 

Na mesma hora eu pego ela no colo e a deito na cama, ela sorri pra mim, sabe que eu não resisto a ela. Fiquei admirando por um tempo, ela estava linda assim com os cabelos molhados. Ela é safada gente, na cama ela é safada, garanto isso a vocês, pena que vocês nunca vão poder ver.

 

 

 

Fui ate a janela, fechei, voltei meu olhar a para ela que estava lá, com cara de impaciente.

 

 

-Você vem ou  desistiu de mim?!-ela diz.

 

 

 

- Nunca, mas podia te deixar de castigo um pouquinho.- digo rindo ainda de longe.

 

- Olha meu estado?- ela diz abrindo as pernas, consigo ver um liquido brilhante naquela área, não me contive e já cai de boca ali.

 

 

 

Segurei firme suas pernas abertas, comecei a chupa-la devagar, deu um beijo e continuar a ver ela se contorcendo, entramos no ritmo rápido. Ela segurava minha cabeça, para que eu não me movesse do lugar, mas de pirraça eu parei. Ela reclamou.

 

 

 

- O que, achei que quisesse ir devagar..- digo tentando não rir.

 

 

 

- Ridícula. Eu te odeio..- ela diz, e eu a beijo rindo.

 

 

 

- Você me ama! Ama muito! – digo enquanto a beijo.

 

 

 

- Amo, mas me faz gozar vai?! Por favor!- ela diz fazendo bico.

 

 

 

- Adoro quando você implora. – digo rindo

 

 

 

Passo minhas mãos, devagar entre seus seios, e fui descendo parei no seu umbigo, e continuei descendo. Ela automaticamente abriu as pernas.

 

 

 

Enfiei de vagar dois dedos de uma vez nela, que deslizaram facilmente, coloquei o terceiro dedo.

 

 

- Isso Alice..- ela geme no meu ouvido.

 

 

 

Continuem com os movimentos de vai e vem, com certa força, sentia ela começando a apertar meus dedos.

 

 

 

- Que saudades que eu estava de te ver assim, tão entregue, tão minha..- digo no seu ouvido. E Continuava no com força, os movimentos, ela segurava no meu cabelo, me puxando para um beijo.

 

Sentia sua respiração ficar mais ofegante, mais conseguia se concentra nos beijos. Ela estava suada, eu ainda completamente vestida e minha calcinha já incomodava.  

 

 

 

- Goza pra mim Débora..- peço vendo que ela ta perto.

 

 

 

- Continua que isso vai ser inevitável...- ela diz me fazendo rir,

 

 

 

Fui mais fundo e logo ela chegou lá, continuei os movimentos até ela parar de tremer, Sentia o seu liquido quente escorrendo por meus dedos. Retirei eles com cuidado e levei ate minha boca.  

 

 

 

 

- Você é uma delicia! – digo.

 

 

 

 

 

- Deixa eu provar.. – ela me puxa para um beijo bem molhado.

 

 

 

 

 

 

- Gostosa!- digo pegando em sua bunda agora.

 

 

 

 

- Você que é e ta vestida porque?- ela pergunta.

 

 

 

Me levantei e tirei toda aquela roupa molhada, joguei num canto do quarto e voltei a deitar sobre ela. Tão quente agora, tão deliciosa a sensação de ficar assim com ela. Voltamos a nos beijar, mordi seu lábio inferior com força. Beijei com todo o desejo que estava guardando esses dias. Ela levou a mão a minha intimidade.

 

 

 

 

- Tão molhada! Me desculpe por te fazer esperar!- ela diz.

 

 

 

 

 

- Faz gostoso que fica tudo bem..- digo sorrindo, ao sentir ela me penetrar.

 

 

 

 

Ela começou com um dedo, e ficou nisso um tempo. Comecei a me movimentar junto. Dava pra ouvir o barulho da cama balançando.

 

 

 

 

-Coloca mais Débora!- peço e ela obedece. Mais dois dedos, sinto dentro de mim. – Que delicia..

 

 

 

 

- Rebola, Alice! Rebola gostoso..- ela diz e não precisei de muito pra gozar.

 

 

 

 

 

Ela ficou me olhando surpresa pela rapidez.

 

 

 

 

 

 

- Isso foi...- ela não termina, mais fica rindo.

 

 

 

 

 

- Rápido!- digo envergonhada. - Culpa sua que me deixa assim.. com tanta vontade!- digo escondendo meu rosto no travesseiro.

 

 

 

 

 

 

- Oh meu Amor..! – diz me fazendo olhar pra ela. –Minha futura esposa, não precisa ter vergonha de nada.. assumo minha parte de culpa. – diz sorrindo.

 

 

 

 

 

 

 

- O que você disse?- perguntei sorrindo.

 

 

 

 

- Ué, não foi você quem perguntou? A resposta é sim.. eu me casaria com você, um dia, daqui a alguns anos, com um vestido branco e um buque na mãos.. – diz sorrindo um lindo sorriso.

 

 

 

 

- E com festa, madrinhas e muitos convidados?!- pergunto boba com a ideia.

 

 

 

- Ou só eu e você, num lugar só nosso, trocando nossos votos eternos, sem precisar de nada ou de ninguém, por que nosso amor nos basta. - ela diz e eu achei tão lindo que nem tinha palavras.

 

 

 

 

- Não pode voltar atrás...- digo ficando sentando na cama.- Quando fizer o pedido oficial não pode voltar atrás.- digo com um sorriso enorme.

 

 

 

 

 

 

 

Do jeito que fosse, com muita gente ou só os especiais, com festa, lugar chique ou lugar simples, não importa! Se ela me disser sim.. Vai ser o dia mais perfeito.

 

 

 

 

 

 

- Tudo bem..- diz sentando também. – Como a gente vai marcar esse momento?

 

 

 

 

- Como? Você tem dúvidas. - a puxei para um beijo e logo já estávamos entregues uma a outra novamente.

 

 

 

 

Não tinha mais nuvem sobre a gente, não tinha mais clima ruim. Passamos boa parte da noite fazendo sexo, sexo não fazendo amor. Era muito mais do que algo carnal, era uma conexão de almas.

 

 

 

Minha alma estava unida a dela pra sempre, espero que ela não se arrependa de me ter desse jeito. 


Notas Finais


é isso!

Comentem, tem muita coisa boa nesse viagem pra rolar.


Lia♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...