História Prazer, eu sou a persistência. - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, V
Tags Ah Taeseok Também, Amo Tags, Exo, Got7, Jikook, Lemonada, Minjae, Namjin, Park Bo Gum, Saga, Suga, Vhope, Vkook, Yoonjin, Yoonseok
Exibições 220
Palavras 3.702
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Saga, Shoujo-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Notas do autor:
Esse capítulo enooooooorme foi feito para explicar sobre a malquerença TaeGi (que não é TaeGi). Talvez achem um chato capítulo, mas o fiz para os que estavam realmente curiosos. E é isso.
Boa leitura.




Me desculpem pela bosta de capítulo~ cof cof~

Ah! Vai ter um monte de pontos soltos pela história, mas contem-nos pois eles indicam quantos anos passaram.

Capítulo 21 - De volta ao passado


“A história trágica de amor de um homem chamado ‘Min YoonGi’ e um garoto chamado ‘Kim TaeHyung’ ”.

 

Só que não.

 

 Dia 30 de dezembro de 1997, às 04:32 da manhã, nasceu no Hospital Central e Particular de DaeGu um menino. O parto foi difícil, normal, mas difícil.

O garotinho quase morreu e quase matou sua mãe.

Mas acabou que ele nasceu saudável e era um garoto esperto com um lindo nome: TaeHyung. Kim TaeHYung.

.

.

.

.

.

– Hyung, por favor. Não me sol.... Hyung! Hyung!

Os gritos de TaeHyung se fizeram presentes no parque e duraram durante todos os cinco metros que foram exatamente a quantidade percorrida pela criança de cinco anos, Kim TaeHyung, na sua bicicleta roxa.

O hyung que segurava sua bicicleta antes apenas riu da desgraça alheia. Até tinha vontade de correr e levantar o garoto, mas estava sem forças por conta da crise de risos.

– Ya, YoonGi! – SeokJin, o irmão mais velho do garoto que caiu, repreendeu o que deixou seu irmão cair batendo forte nas suas costas – Eu disse que isso não ia dar certo, não disse? – Questionou irritadiço e correndo até o irmão caído.

TaeHyung não estava usando capacete ou proteção nos joelhos que SeokJin sempre coloca quando vai tentar ensiná-lo a andar de bicicleta e tudo foi ideia de Min YoonGi, seu amigo.

– Está machucado? – Jin perguntou ao garoto pequeno caído ao lado do transporte.

– Não estou não, hyung. – TaeHyung mentiu – Vamos tentar outra vez! – Ditou.

– Outra vez? Não, TaeHyung. – SeokJin retrucou o puxando pelos braços para levantar – E você está sim machucado. Não minta. – Disse ao que ficou de pé e estava com os joelhos em carne viva – É nisso que dá confiar no YoonGi. Eu te mandei usar a proteção, não mandei? Agora a Sra. Park vai brigar com você por estar machucado. – Relembrou querendo amedrontar seu irmão mais novo ao mesmo tempo que batia na poeira do corpo do menor.

– Não deixa ela brigar comigo, hyung. – TaeHyung pediu amedrontado.

– Eu não vou me meter. – SeokJin continuou assustando o menor.

– Hyung! – TaeHyung gritou arrastado e quase chorando. SeokJin sabia que seu irmão morria de medo da governanta deles.

– O que está fazendo, SeokJin? – YoonGi perguntou ao se aproximar – Para de assustar o garoto. – Mandou e devolveu o tapa nas costas – Nem parece um irmão mais velho.

– Quem que colocou uma aranha debaixo do travesseiro da própria irmã? – SeokJin questionou.

– Vamos de novo, TaeTae? – Ignorou e perguntou ao levantar a bicicleta.

TaeHYung já até tinha aberto a boca para responder, mas Jin falou mais alto.

– Ir de novo? Ele está machucado e está sem proteção, Min YoonGi. Ele não vai. – Respondeu pelo menor.

– Para de ser chato, Jin. – YoonGi retrucou.

– Eu sou o irmão dele, então eu sei o que é melhor para ele. – Jin falou ao puxar seu irmão pelo braço.

– Andar de bicicleta é o melhor para ele, seu chato. E ele nunca vai aprender se você não o soltar enquanto ensina. – Yoon disse – E ele já tem cinco anos, SeokJIn. Já pode decidir se vai ou não sem proteção.

– Ele só tem cinco anos. – SeokJin lembrou – E eu não quero você o ensinando. – Disse – Tchau. – Despediu-se e puxou o irmão.

– A minha bicicleta, hyung! – TaeHyung gritou ao longo que se distanciava da citada.

– Já está tarde, TaeHyung. A Sra. Park vai brigar com a gente. – Jin dizia irritadiço levando o outro pela mão e deixando seu amigo para trás.

O que acontece é que SeokJin é irmão de TaeHyung e tem oito anos de diferença na idade dos dois. SeokJin já é um adolescente, mas nunca age como tal. Sempre com birra de criança e costumes exagerados. Seu ciúme exagerado entre seu irmão e seu amigo são um exemplo da sua “infantilidade ”.

YoonGi, vizinho dos dois, cresceu junto à ambos. Filho de pais amigos da família de Jin, rapidamente fez amizade com o mesmo pelo fato dos dois não serem tão sociáveis e bons em fazer isso. Viraram amigos de classe, vizinhos e quando notaram, passaram a infância inteira juntos. Seria perfeito se essa amizade toda ficasse só até os muros da escola, mas YoonGi começou a frequentar a casa do Jin e vice-versa, passando assim a viver bastante um com a família do outro. Nessa Yoon conheceu o irmão mais novo de SeokJin, o TaeHYung, e, ao notar o quanto Jin e esse irmão eram próximos e se amavam muito, passou a querer ficar mais perto do mais novo para ver se Jin gostava e ficava mais próximo ainda de si – nunca viu ou ouviu falar de alguém que tenta “impressionar” a família dos amiguinhos para poder sempre estar na casa deles ou algo assim? – já que tinha um medo medonho de Jin o largar como um amigo larga outro. Mas, diferente do que Yoon pensou, SeokJIn não gostou muito disso por ser ciumento, então os dos chegaram até brigar muitas vezes. Mas a amizade não acabou. Era como se fossem muito amigos na escola e não muito em casa e tudo isso porque Jin tinha ciúmes do seu irmão que se apegou a YoonGi, seu amigo.

– SeokJin hyung, o YoonGi tá jogando pedra na nossa janela. – TaeHyung dedurou depois de escutar três pedras chocarem-se contra a janela do quarto do SeokJin.

Jin largou a atividade que estava fazendo com TaeHYung e foi para a janela. TaeHyung o seguiu e também apareceu na janela, vendo um YoonGi com uma bicicleta que nem Deus sabe como entrou ali dentro do quintal.

– Vamos andar de bike? – Perguntou lá de baixo.

Já estava de noite.

– Vamos! – TaeHyung respondeu animado – Vamos, hyung. – Chamou SeokJIn enquanto corria. Pegou a proteção dos joelhos e seu capacete no quarto ao lado e depois passou direto do quarto do irmão.

YoonGi sempre aparecia e fazia TaeHyung correr para fora de casa e no fim os dois e somente os dois levavam bronca da governanta.

SeokJin revirou os olhos ao ver, depois de algum tempo, TaeHyung lá em baixo e YoonGi o vestindo com os protetores.

– Tem que andar até o portão, TaeTae. – YoonGi dizia – Se não andar até lá, não te deixo mais brincar com a Yoona. – Ameaçou. Yoona é a irmã de Yoon e amiguinha de TaeHYung mesmo que os dois tenham dois anos de diferença na idade.

– Ok! – TaeHyung exaltou e subiu na bicicleta – Até o portão, né? – Perguntou.

– Sim. – O outro respondeu e segurou a bicicleta, a empurrando por um tempo depois e – Vou soltar. – Soltando em seguida.

E então Tae pedalou.

– Ya. – SeokJin chamou atrás de Gi – Venha. – Chamou ao abrir os braços e dar espaço para Yoon no cobertor que cobria seu corpo.

Estava frio, afinal. Era o decimo primeiro mês do ano.

– Ele vai cair. – Jin falou o que estava prestes a acontecer.

– E caiu. – YoonGi complementou e em seguida os dois riram enquanto TaeHyung segurava o choro.

 

Mas, no mesmo ano, a família de Jin se mudou para Seul e, por alguns tempos, não se ouviram falar de YoonGi ou DaeGu.

Mas Jin entrou na maior bad por isso. YoonGi sempre foi seu único amigo e teve medo de nunca mais vê-lo. Parecia exagero, mas para um garoto de 13 anos, revoltado, aborrecido, complicado e sem amigos era grande coisa. Começou a ficar mal.

Nem brincar com seu irmãozinho ele brincava mais de tão triste que ficou. Então TaeHyung ficou triste também.

Seus pais não paravam em casa, então quase sempre ficavam só os três em casa. Eles e a governanta Park. Depois Jimin, o filho da governanta, veio morar com eles, mas isso foi alegria apenas para TaeHyung e seu novo vizinho, Jeongguk, já que os três tinham basicamente a mesma idade. SeokJin ainda era triste.

Mas no meio do ano seguinte, tiveram uma enorme surpresa quando viram, de repente, YoonGi na porta da casa dizendo que iria morar em Seul também. Ele estava diferente. Mais magro, um pouco mais alto e sua voz estava passando por aquele estágio da adolescência. E tinha um bonito sorriso no rosto.

A verdade é que YoonGi ficou em estado pior do que o de Jin com a saída da família do mesmo. YoonGi sempre foi um garoto muito sozinho e nunca teve um irmão mais novo ou mais velho, seu pai e sua mãe sempre ligados ao hospital da família e depois à Yoona, só contribuiu para seu filho ficar assim, solitário. Achou um amigo e cresceu junto à ele, depois o perdeu. Se recusou a viver assim e passou a não comer, ir à escola ou fazer qualquer outra coisa.

Se não fosse pela sua irmã mais velha que notou tudo e que, por pura coincidência da vida, vivia entre Seul e DaeGu, seu irmão estaria em estado pior, pois YoonGi era realmente apaixonado pela amizade de SeokJin.

.

.

.

– Hyungs? – TaeHyung chamou ao colocar a cabeça no meio da porta semiaberta.

– O que quer, TaeHyung? – Jin perguntou trazendo de debaixo do travesseiro o baralho que havia escondido achando que era a governanta abrindo a porta – Onde estão os meninos?

– Eu não sei daqueles idiotas. – TaeHyung respondia com um bico fofo formado nos lábios enquanto entrava no quarto – O que estão fazendo?

– Jogando baralho. – Jin respondeu.

– E tomando cerveja. – YoonGi completou mostrando a garrafa, até agora escondida, para o menor. SeokJin o bateu com força por ter mostrado – O que? Ele não vai contar. – Explicou.

– Eu é que não duvido desse pestinha. – Jin retrucou – Ya, ya! Vá para o seu quarto. – Disse quando viu o irmão subir sua cama – Vá procurar o Jeongguk. Ele não ia dormir aqui?

– Ia. – Respondeu em outro bico – Mas o Jimin roubou ele e agora eles estão brincando juntos.

Respondeu enciumado.

– Sei como é. – YoonGi disse – O SeokJin sempre me troca pelos namoradinhos dele. – Falou em ar “brincalhão pendendo ao sério” enquanto bebia sua cerveja.

– YoonGi! – SeokJin repreendeu trincando os dentes. Já havia contado sua orientação sexual ao amigo, mas percebia que YoonGi não perdia uma oportunidade de ameaçar que contaria a alguém, principalmente quando Jin realmente estava tendo “namoradinhos” – Tae, vá para o seu quarto. O YoonGi e eu vamos dormir depois. – Mentiu.

– Aigoo! Deixa o garoto aqui. – Min disse em ar irritadiço – Os amigos falsos dele o deixaram. – Falou como quem solta indiretas – Não foi, mascote?

– Sim. Eu vou ficar quieto, hyung. Também não vou cantar nada. – O Kim mais novo explicou enquanto pedia para ficar.

SeokJin, agora com seus 16 anos na cara, ainda tem muito ciúmes desses dois. Ainda mais agora que TaeHyung tem ficado intrometido e rebelde porque está crescendo e, vê em YoonGi, outro rebelde, um ponto de segurança e um protetor.

.

Mas no fim são sempre os irmãos e a família a serem os que protegem realmente.

– Pai, ele é uma criança. – Jin lembrou ao que parecia ter esquecido – Ele só tem nove anos. E daí que ele mentiu? Crianças mentem mesmo. O que não cabe à você fazer é colocar o garoto num colégio militar por causa disso! – Terminou em gritos.

– SeokJin, abaixe a voz. – Seu pai lhe repreendeu em tom menos pesado – E não se trata de uma mentira. Foram várias. – Mas foi a única vez que falou baixo, pois agora está gritando também – E não foi só isso que me fez tomar essa atitude. Eu não colocaria meu próprio filho num colégio militar se ele não fosse essa besta que é hoje. – Gritou – TaeHyung é um garoto mal e nada educado. Ele não pode ser assim para sempre, e se não sou eu ou a sua mãe que der na cara dele por isso, alguém vai dar um dia. Então não tem melhor maneira de tentar educa-lo que não seja coloca-lo onde eu coloquei.

– Tentar educa-lo? – Jin repetiu – Você nunca sequer tentou o educar. Nunca o ensinaram a andar de bicicleta ou a jogar futebol como todo pai deve fazer. E a minha mãe, sempre desligada de tudo, nunca o ensinou a dizer “mãe” ou uma palavra só. Ele aprendeu sozinho ou com a minha ajuda, porque vocês nunca estiveram presentes. – Jin gritou mais alto que seu pai – E agora o que fazem? O colocam num colégio militar querendo consertar o erro que são de ninguém mais além de vocês os culpados, mas, claro, sem admitir de quem é a culpa de tudo isso?! Não! – Desabafou com olhos cheios de lágrimas.

Sabe perfeitamente o que é viver num colégio interno, porque seus pais também fizeram o mesmo consigo.

– Ele vai ficar lá até aprender. – Seu pai disse e deu as costas. Jin o virou com força. Sua mãe, mesmo do jeito que é, ainda arregalou os olhos e teve seu coração acelerado rapidamente ao imaginar seu marido batendo em SeokJin.

– Você que pensa. – Jin disse.

E não sossegou até tirar TaeHyung desse tal colégio interno. Demorou seis meses, mas não sossegou até lá.

.

– J-Jin! Aaanh.... – YoonGi gemeu alto o nome do que lhe “comia” mais rápido impossível.

Jin amordaçou a boca mais novo e mais baixo enquanto ia via seu membro sumir dentro da entrada de YoonGi. Em seguida tampou a sua própria quando se desfez dentro do outro. Era extremamente prazeroso transar com YoonGi, mas por ser às escondidas, sempre tinham que tomar muito cuidado.

Logo YoonGi também chegou ao seu ápice e em seguida os dois se vestiram.

– Eu tenho um encontro no sábado. – Jin avisou.

– O que? – Yoon perguntou não demonstrando estar surpreso, mas demonstrando já ter se chateado.

– Não faça essa cara, Yoon. – SeokJin mandou – Eu só vou conhecer um pouco ele. Ele é três anos mais velho, mas não vai ser nada sério.

YoonGi se calou por alguns segundos. Sorriu ao respirar fundo.

– Você sabe que não vai. – Falou.

– E por que não? – Jin perguntou – Eu sou livre. Posso sair com que eu quiser. Quem você acha que vai me impedir?

– Eu vou te impedir, SeokJin. Eu, Min YoonGi, a pessoa com quem você estava transando faz poucos minutos.

– Exatamente, Yoongi. Estávamos “transando”. Só. Não é você que sempre diz que isso aqui é só sexo e nunca vai ser sério? Que direito você acha que tem para me impedir? Hm?

YoonGi se debateu enquanto ficava roxo de raiva.

– O que, SeokJin?! O que você quer que eu diga, merda?! Que você é meu e somente meu?!

– Eu quero que você diga o porquê que eu tenho que ser seu e somente seu, YoonGi.

– Porque eu te amo, merda! – Gritou. Passaram minutos transando e tentando não fazer barulho para jogar tudo no ar – E-eu te amo, droga. Eu te amo e você me ama, então por que fica saindo com outras pessoas?! – Finalizou rouco. Caiu de cócoras e cobriu o próprio rosto com as mãos. Finalmente havia falado isso realmente. Isso que estava escondido junto com sua sexualidade renegada para todos menos para SeokJin.

SeokJin sorriu vitorioso. Era isso que queria ouvir desde seus 17 anos. Agora, com quase 19 anos, finalmente ouviu.

.

.

– Vai ficar tudo bem, meus amores. – A mãe dos dois disse em lágrimas aos filhos que olhavam o corpo do pai – Ok?

Hesitaram.

– Ok. – SeokJin e somente ele respondeu.

Não estava tudo bem para TaeHyung. Com certeza não estava. Ele estava imóvel desde que tudo aconteceu.

Parecia não ser ele ali.

E foi assim durante dois meses. TaeHyung não sorria e nem parecia viver durante dois meses, mas com a chegada do DaeGu, um cachorro que apareceu do nada, tudo mudou.

Tudo virou um mar de rosas durante quatro meses. Mas podia isso virar um inferno pelo mesmo motivo que o transformou na melhor coisa do mundo?

Podia.

Foi o que aconteceu quando DaeGu fugiu. Tudo virou um inferno quando TaeHyung teve sua primeira crise.

Ele destruiu tudo, exatamente tudo. Bateu na mãe e até tentou matar quem se aproximou dele naquela noite. Mas graças aos médicos que o seguraram e o sedaram, TaeHyung se acalmou e ficou desacordado por três dias.

– SeokJin! SeokJin! – TaeHyung gritou correndo pela casa e procurando pelo irmão – SeokJin?! – Adentrou o quarto do mesmo – Olha o cachorro que eu achei na rua! – Gritou.

Era o DaeGu, mas ele não lembrava disso e nem dois quatro meses que criou o cachorro junto à YoonGi. Não lembrava de nada relacionado ao cachorro e sequer tinha uma foto com ele, mas depois desse ocorrido, tratou de criar novas lembranças com o cachorro e registrar isso.

– Eu quero outra foto! – TaeHyung disse birrento.

– O moço das fotos já deve estar cansado de fotografar, TaeHyung. Deixe-o descansar. – A mãe de TaeHyung disse.

TaeHyung se debateu como uma criança mimada agarrado na coleira do DaeGu.

– Ya, TaeTae. Vamos, eu tiro a foto. – YoonGi tomou a cena e a câmera do fotografo profissional e contratado – Vai, Tae.

– Não quero mais. – TaeHyung agiu infantilmente.

– Vamos, TaeHyung. Você não vai fazer doze anos outra vez na vida. – Disse para tentar convencê-lo – Faça a pose. – Pediu.

TaeHyung se convenceu facilmente.

– Vamos, DaeGu. Faça uma pose. – TaeHyung pediu ao cachorro ficando agachado ao lado do mesmo.

Em 2009, no seu aniversário de 12 anos, foi o seu último aniversário passado com todos bem.

.

– Como assim “namorados ”? – TaeHyung perguntou. Entendia o que SeokJin e Yoon estavam dizendo, mas não entendia o porquê disso – Vocês.... Sério?

– Fazia tempo que queríamos te contar isso, mas só agora deu. – YoonGi comentou sorrindo. Ele parecia feliz, mas TaeHYung não entendia o porquê e, não, não era porque ele “nunca amou” e sim porque TaeHyung não achava isso, YoonGi e Jin juntos, algo bom – Fazem uns doi.... Três anos já, né? – Perguntou ao mais alto.

– Acho que sim. – Jin respondeu e também sorriu. Outro que também parecia feliz.

– E vocês acham isso algo bom? – TaeHyung perguntou em ar surpreso.

– Isso é algo bom, Tae. – YoonGi falou – O seu irmão me ama e eu o a...

– Assim como, cara? Não, não. Isso está errado. – TaeHyung disse obviamente alterado.

Os meninos hesitaram em perguntar, mas o fizeram.

– O que você acha errado, Tae? U-Um homem namorar outro?

– Não, pessoal. Vocês dois!

O que TaeHyung não queria era que os dois namorassem. Já até passou pela sua cabeça uma retrospectiva de como seria dali para frente. Os dois o excluindo, o deixando, indo morar juntos e cada um esquecendo de que um dia um “Taehyung” já existiu. Era óbvio que TaeHyung tinha uma ideia apodrecida sobre “relações amorosas”, mas também é claro que algumas vezes isso acontece.

O que não seria esse o caso, mas, para uma mente que já não é tão sadia assim como a desse Kim, o exagero faz parte.

– Taehyung, a gente se ama e você não tem que se meter. – Jin disse.

Pronto.

Para TaeHyung, aquela frase soou como “a gente se ama e não te ama, então pare de nos atrapalhar ”.

E assim quase um ano passou.

Muita coisa não mudou realmente, mas para TaeHyung, cheio dos seus complexos, muita coisa mudou, inclusive sua personalidade.

Ele passou a ser alguém bem diferente dali em diante. Ele era falso.

Elogiava e agia de forma amigável com YoonGi e Jin na frente dos dois e por trás arquitetava planos para separa-los. Fez isso durante quase um ano, mas quando Jin finalmente saiu de casa para morar com YoonGi e deixou seu irmão sozinho, pois sua mãe já havia ido embora, TaeHyung resolveu pôr seu plano em pratica.

Malicioso como passou a ser, pagou uma colega do Seok para embebeda-lo, a moça se precipitou e usou essa noite para se aproveitar, gravou e colocou na internet para não só YoonGi ver, mas para todos.

Foi um pouco mal da sua parte fazer algo assim com seu próprio irmão, mas por algum tempo da sua vida TaeHyung realmente foi um garoto mal e não se sabe até quando vai ser ou se ainda vai ser.

YoonGi era ciumento e maldoso. YoonGi era tão mal quanto o Kim mais novo. Bateu e humilhou SeokJin de todas as formas por causa de tudo isso, mas sequer sabia que a culpa não era toda de SeokJin. Não soube disso por muito tempo, mas TaeHyung não aguentou as consequências da culpa e desabafou e, acima de tudo, pediu, pela primeira vez na sua vida, perdão.

E foi então que YoonGi foi atrás de Jin outra vez e pediu para os dois voltarem, mas SeokJin ainda se sentia humilhado e desgostoso com o rumo como tudo tomou. YoonGi o bateu, o acusou de ter feito coisas e sequer escutou a sua versão, indo embora de uma vez e depois voltando. Era demais para Jin. Ele não gostava de como YoonGi agia, sempre de cabeça quente.

O mandou ir embora;

YoonGi foi.

Min nunca bebeu tanto na vida como nesta noite. Sua vida havia sido basicamente resumida em “Kim SeokJin” e ele não sabia o que fazer em diante.

E então, infeliz e decidido à não perder Jin, foi até a casa do mais velho. A casa dele mesmo e não a que os dois estavam morando juntos, pois havia o expulsado.

Descontou toda a sua raiva pixando e vandalizando tudo por fora, mas ninguém apareceu. E então quem pagou o pato foi DaeGu, o cachorro de TaeHyung, que tentou morder Yoon ao vê-lo vandalizar a casa dos seus donos.

YoonGi matou DaeGu e foi nesse exato momento que TaeHyung apareceu.

Apareceu e teve a pior crise de todas.

 

E com essa, esqueceu de basicamente toda a sua vida, mas lembrava de algo: ‘’YoonGi matou meu cachorro ’’.

Resumindo: “A Trágica História de Amor de Um Homem Chamado ‘Min YoonGi’ e um garoto chamado ‘Kim TaeHyung’ não tem nada de romântico. O romance era do SeokJin e Yoongi. Taehyung foi apenas um personagem coadjuvante na história (um antagonista talvez?) que não ficou feliz com o relacionamento do irmão. No fim, ele só era extremamente possessivo. Sentiu como se Yoon houvesse lhe roubado o irmão, já que, depois do que houve, seu relacionamento com Seok não fora mais o mesmo (por causa de ambas as partes) e, como se já não estivesse satisfeito, matou o cachorro que ele mesmo sempre o ajudou a criar. E foi basicamente isso que o garoto Taehyung tentou passar na carta escrita para Hoseok. Essa era a sua original versão, assim como SeokJin e Yoongi, os protagonistas, devem de ter a sua".


Notas Finais


Notas finais:
Para quem não entendeu, esse capítulo contou como Taehyung começou a odiar YoonGi, mas girou em torno do mais velho citado e do Jin.
EU AVISEI MIL VEZES QUE O MOTIVO ERA, EM OUTRAS PALAVRAS, DECEPCIONANTE, NÃO AVISEI? AVISEI SIM HM!
Digo, foi decepcionante para quem esperou um romance TaeGi ou sla – ou seja, todos – mas um romance TaeGi nunca esteve nos meus planos.
Para falar a verdade, no início, todos iam ser estudantes e eu ia fazer um TaeHyung putão q pegou todos os meninos (os cinco, porque o Jin ia ser irmão dele também) menos o Hoseok – por algum motivo – e se apaixona muio rápido, mas o Hoseok era difícil, mas eles ficaram e o Tae começou a perseguir SÓ QUE o Hoseok não acreditava, porque como eu disse o Tae se apaixona fácil, mas no fim rolava.
AH! Eu não sei se saiu E se saiu, não vi, se tem a hr q eles nasceram e tals – saiu algo assim ou sla? – então só coloquei a hr q eu nasci – se preparem para dia 11 de julho do próximo ano, às 04:32 da madrugada, me mandarem os presentes obg de nd pq não fazem 16 anos td dia né nom – e fechou.
É isso. Bjoos e se você parou no meio do capítulo por achar chato – c n vai ver isso né – vai tomar no meu cu seu filho da deusa.

DeEM AMOR AO CAPÍTULO, PLEASE. Pedi a minha irmã para ler antes de eu postar e ia mandar para a Sazi (Oi dlç) mas acabou que resolvi postar. Tipo, é isso. Estava nervosa por isso não postei antes mas já está escrito faz várias fucking semanas.

Amo vocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...