História Preferred Flower of the Paraplegic - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez
Exibições 111
Palavras 1.696
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, amores.
Bom, eu comecei esse capítulo desde que o último foi postado, mas eu só consegui publicar agora porque estive com muitos problemas, tanto em minha vida pessoal, tanto no ''desenvolver'' deste capítulo. Minha saúde, também, não colaborou muito, estive bastante doente, mas por escolha própria, não quis ir ao Hospital e apenas me tratar em casa. Mas, mesmo estando um pouco mal ainda, estou aqui para atualizar a fanfiction, já que senti uma necessidade de postar, por todo o carinho que muitos de vocês aqui, tiveram com a minha outra fanfic, que postei no dia 17, Domingo, sério, vocês foram os melhores lá. Pra quem ainda não a leu, deixarei a sinopse e link nas notas finais...

Espero que gostem do capítulo, e até mais.

Capítulo 8 - ''Eu não costumo cumprir as promessas que faço.''


Fanfic / Fanfiction Preferred Flower of the Paraplegic - Capítulo 8 - ''Eu não costumo cumprir as promessas que faço.''

Preferred Flowers Of The Paraplegic - Capítulo S E T E  

Justin Bieber Point Of View. - Terça Feira, Segundo dia de Selena no apartamento.  

Com o meu chá de hortelã - o qual eu mais adoro – em mãos, observo o relógio preso a parede da sala, esperando que em trinta segundos, o mesmo apite como um despertador, indicando as dez horas da manha, horário em que Selena tem uma fisioterapia marcada. Na verdade, é o horário que devemos sair daqui, para que o tempo se encaixe com as tarefas e cheguemos ao hospital a tempo da sessão marcada as dez e vinte. 

Descanso a xícara de porcelana azul sobre a pia da minha cozinha, escutando o meu nome ser chamado em voz alta, como um grito por Selena. Já na sala, o primeiro degrau da escada, posso vê-la sobre o último, me esperando para a ajudar a descer. 

 As coisas não estão saindo tão fáceis quanto eu achei que sairiam, mas agradeço, por pelo menos, ela saber tomar banho sozinha. Saber e Conseguir com toda essa dificuldade que está encarando atualmente... ''Dificuldade em que ela está encarando atualmente'', é a frase que mais palpita na minha cabeça, todos os dias, nos momentos em que a observo tentar dar dois passos sem ajuda de aparelhos ou instrumentos de apoio... Mas ela não consegue, e vê-la nesse estado, tentando algo ''quase'' impossível, eu volto sentir a culpa; A culpa de a ter deixado deste modo, e mesmo que ela não faça o mesmo que eu – Jogar tudo nas minhas próprias costas -, eu ainda sei sobre o que ela pensa. 

Ao despertar de meus pensamentos, já estando ao topo da escada junto a si,  pego-a em meu colo, fazendo certa força para conseguir carrega-la pelos degraus a baixo e não cair, com o certo peso que carrego. Coloco-a no chão, ao chegarmos a porta de entrada, e com todas as luzes já apagadas, saímos um ao lado do outro e trancamos a porta. Seguimos direção ao elevador, que demora cerca de dois minutos para chegar a minha garagem, e cerca de mais dez para chegarmos ao hospital.  

E durante todo o percurso de carro, eu tentei explica-la que não a acompanharei hoje. Eu não costumo não ficar com a mesma durante as fisioterapias, mas hoje será preciso, já que preciso levar cerca de três papeis – documentos - para os pais de Selena assinarem, e também, os mesmos me pediram para acompanha-la hoje e amanha. Ou seja, deixarei todos os documentos no hotel. Sobre eles pedirem-me para ficarem com ela hoje, eu não fiz nada além de entender e concordei, simplesmente não poderia dizer não, são os pais dela. Sei que os três ficariam felizes. Selena, por os ter ali, confiando e acreditando nela, e Ricardo e Mandy, por estarem vendo a evolução que Selena está tendo. 

 Sim, me sinto orgulhoso em dizer, que ela está conseguindo. Ontem, recebi um e-mail do hospital, mais especificamente, foi escrito pelo médico de Selena, Orlando, o qual me passou grandes orientações como exercícios caseiros, já que ela estava indo muito bem, dando grandes resultados. São três semanas de terapias, esta está sendo a segunda, e para apenas uma semana, conseguir um pouco de movimento nas pernas, é uma grande coisa. Então, com grandes expectativas depositadas nela, o médico acredita que com a base de exercícios que ela faz todos os dias, esta semana ela consegue movimentar a perna com um pouco mais de força, conseguindo dar números a mais de passos.  

E se tudo não se encaixar na terceira semana, todos esforços escorrem pelo ralo. Tudo será em vão, porque significa que ela não andará mais. Nunca mais. E eu não sei exatamente o que pensar, sei que ela é capaz, sei que ela pode, mas sinto também o medo dela se iludir com as expectativas que cativam sobre ela, e se magoar quando no final, as coisas talvez não deem certo. 

 -Espero que dê tudo certo hoje. -Me pronuncio ao estacionar a frente do hospital, a entrada das alas de terapias. Eu sorrio, e ela também. -Quer ajuda para ir até os seus pais ? -Pergunto, ao os ver parados um ao lado do outro na entrada, a poucos metros.  

-Eu também espero, pois tenho muitas esperanças e muitos medos de me decepcionar. -Ela sorri fraco. -Mas acho que consigo sozinha, eles não estão longe. -Ela sorri aberto, abrindo a porta e depositando um beijo simples na minha bochecha antes de sair, e com dificuldade se aproximar dos pais, que com toda certeza, vão me criticar por não a ter ajudado. Mas foi escolha dela.  

Agora, com atenção depositada no transito, eu percorro o longo caminho até o hotel, que precisa de mim para alguns assuntos confidencias que eu ainda não sei sobre o que se tratam. Não chego no tempo que esperava, de dez minutos, levo no mínimo, vinte e cinco, já que o hotel fica no local mais frio e coberto por neve da cidade, a Bear Monatain. - Aonde vivi por anos, nasci no local, e ali foi aonde eu criei raízes, aonde o meu coração foi quebrado treze vezes em uma única noite, e aonde por motivos próprio, eu cortei tudo aquilo que me prendia, seguindo o meu próprio caminho. Eu comecei a fazer o meu próprio mapa.  

Antes de sair do carro, após estaciona-lo em algum lugar fechado, visto o meu casaco que estava ao banco de trás, esperando um pouco para que o mesmo esquente o meu corpo. São cinco minutos, até eu sair do meu quarto e chegar ao escritório do meu pai, que já me esperava há algum tempo. Não foi uma reunião tão longa, mas foi de fato, estressante. Ele apenas queria discutir sobre a alimentação de todo o local, a qual eu não dava a mínima. Eu apenas queria ir para o hospital ficar com Selena. Eu apenas queria ir para o hospital ficar com Selena, ver se ela estavam bem, e conseguindo. Mesmo sabendo, que todas as repostas eram ''sim''. 

Porque ela é forte, sei disso,  

Acredito na minha garota, com todas as minhas forças.  

Algum Tempo Depois. Selena Gomez Point Of View – Hospital  

Sentada em uma das cadeiras plásticas azul, na sala de espera do hospital – O qual eu não aguento mais vir todos os dias, para terapias ou exames -, batuco as minhas unhas, de ambas mãos, nas minhas pernas cobertas por um pano preto fresco, o que me impede de passar calor, com todo o sol que queima todas as extensões da cidade pequena.  

O clima de Apple Valley sempre bem definido, frio em todas as estações, mas neve centralizada no inverno. Estamos, atualmente, no outono, o que é estranho, pois é uma estação bastante fria aqui, e hoje, o sol é predominante em um calor não tão grande, mas diferente para os que moram aqui... Para mim, moradora de Los Angeles, é algo considerado também frio, já que estou acostumada com o sol ardente em contato com minha pele. 

 Estou sem paciência nenhuma. Por ainda ser uma terça feira, já me sinto cansada fisicamente, emocionalmente e espiritualmente. Então, estou sem paciência enquanto espero os resultados em um dos meus exames diários, os quais são caros, mas Justin cuida de todas essas coisas. 

-Selena Gomez. -Meu nome é chamado pela enfermeira loira de olhos escuros e lábios pequenos, e com certa dificuldade levanto-me, apoiando o meu corpo na muleta e seguindo caminho até o seu corpo médio parado agora em minha frente. -Precisamos da assinatura do responsável pela parte financeira do  seu tratamento, traga na sua próxima consulta conosco, e a entregue ao doutor Bloom.  

 São suas únicas palavras, porque após me entregar o envelope escuro com o nome do hospital escrito em vermelho, ela vira de costas e caminha em direção oposto do corredor... Ignoro-a, voltando a me sentar no mesmo lugar, e fico ali por certa de dez minutos, até que Justin chega para me levar a sua casa.  

-Me desculpe pelo atraso, o transito estava realmente horrível, e meu pai me prendeu no seu escritório por horas. -Ele me estende seu braço, como apoio, e assim seguimos caminho ao seu carro.  

Ele me ajuda a entrar, e após ocupar o seu local, o carro é ligado e com alma seguimos caminho, com um clima totalmente estranho, o qual deve ser quebrado, mas não tenho coragem para isso.  

-Meu pai me disse sobre as promessas que você o fez. -Digo baixo, com a voz fracamente rouca, tentando acabar com o clima que se instala entre nós, mas acho que as minhas palavras apenas pioram minha situação.  

-Não se preocupe –Justin ri, ironicamente, o que me assusta -Eu não costumo cumprir as promessas que faço. -Sorrio, apertando a sua mão que esteve esse momento todo, ainda grudada com a minha. Em um gesto carinhoso. 

 

No Dia Seguinte – Justin Bieber Point Of View  

Ao bater a porta do meu carro com certa força, tendo certeza que ela foi corretamente fechada, e o automóvel corretamente trancado. Guardo as chaves no bolço traseiro dos meus jeans escuros e levemente rasgados, e ao atravessar a rua que separa o hospital do estacionamento, sinto um pequeno corpo ser jogado contra o meu, e o mesmo me abraça com força, e ao rodar os meus braços em torno do mesmo, eu sinto o cheiro de baunilha predominar as minhas narinas.  

Ao apertar ainda mais Selena em meus braços, poucos segundos depois eu escuto seu pai chamar nossa atenção, querendo que nossos corpos estejam ao mínimo, um metro de distancia. Mas isto não acontece, pois a garota aperta ainda mais nossos corpos um contra o outro.  

-Eu consegui Justin. -Ela corta o nosso silêncio, e eu apenas sorrio sentindo um pouco mais o cheiro dos seus fios escuros.   

-Nunca duvidei sobre as coisas que você é capaz. -É a única frase que sai, em um tom baixo, mas antes que eu continue a dizer o que tinha ensaiado tanto para o dia em que ela conseguisse, eu sinto suas mãos em ambos os lados do meu rosto, e logo os seus lábios se juntam aos meus, em um singelo e demorado beijo. 


Notas Finais


Como eu disse lá em cima, deixaria aqui a sinopse e link da minha nova história se vocês tem interesse:::

Sinopse:
É possível se apaixonar pela mesma pessoa todos os dias ? A todos os momentos ?

Justin Bieber é um homem de vinte e dois anos, completamente apaixonado por Astronomia e principalmente pela lua, que é sempre tão brilhante. Ele trabalha na empresa de seu pai, Jeremy Bieber, e sua vida, aos olhos de todos que não o conhecem realmente, é perfeita, mas não veem o detalhe mais importante. Ele sofre aneurisma cerebral, o que lhe causa perda de memória recente, mas por sua grande sorte, ainda se lembra da família, amigos e outros grandes detalhes importantes, menos da garota em que ele se apaixona todos os dias. Selena, a qual significa lua em alguma língua que ele não conhece. Esse poderia ser um talvez, motivo pelo qual ele luta para se lembrar dela, mesmo que ela não saiba sobre o seu pequeno, talvez grande, problema diário. Mas é apenas um talvez, pois todos ao seu redor sabem que ele se apaixona pela garota dos olhos escuros, cabelos morenos apenas pelo modo em que ela é, e pelo modo em que ela o faz se sentir. Além de lutar para se lembrar dela, ele luta por se apaixonar por ela, todos os dias.

Link:: https://spiritfanfics.com/historia/brain-aneurysm-6751253


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...