História Presa no amor- Uma garota diferente! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 26
Palavras 1.798
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


U.u mais um capítulo, espero que gostem 😅
Em relação a imagem não deixei o link pq não consegui pegar. Foi maus😅

Capítulo 2 - Acusada de bruxa-Um nobre gentil


Fanfic / Fanfiction Presa no amor- Uma garota diferente! - Capítulo 2 - Acusada de bruxa-Um nobre gentil

Safira

Acordei ainda com a voz da noite passada, era uma voz doce e suave, e ela falava do meu pai. Olhei para as campinas, e de longe avistava o muro branco de marfin que envolve a cidade, o sol ainda estava nascendo, a noite não foi tão fria, gosto de dormir do lado de fora porque fico mais alerta se algo acontecer. Além de que posso ver as estrelas, o nascer do sou visto da colina é incrível, porém esses muros tampam uma grande parte de seu espetáculo. Não imagino porque eles estão lá, todos dizem que é para nos manter seguros, quando imagino que são elas que estão seguras.
Levantei da grama verde agora um pouco úmida pelo pouco nevoeiro que consegue passar pelos incríveis muros altos. Abro a porta e entro em casa, logo pego uma cesta de palhas e uma jarra, vejo se meu pai está bem e dou um carinhoso beijo em sua testa, ele estava um pouco quente, mas logo se sentirá melhor, assim que eu voltar com comida.
Saio de casa e deixo a porta trancada por fora, deixo a chave debaixo de uma pedra e vou em direção a floresta que rodeia o segundo muro, os muros das torres do castelo. Escondido em um tronco de árvore coberto de musgos está meu arco e flecha, que foi usado por Denafh,minha mãe, a guerreira mais brava, destemida e forte que já lutou ao lado do rei, meu pai me contava histórias dela quando tinha 3 anos. Dizia que nunca os inimigos do rei Arthur I sentiram tanto medo dos olhos enfurecidos de minha mãe, meus cabelos eram iguais aos dela juntamente com os olhos. "Eram" porque minha mãe já não existe mais, meu pai soube da história mas nunca me contou, escutei dos soldados quando vieram dar a notícia a ele, desde então ele nunca mais me contará nenhuma história, e logo depois ficou doente, muito doente, o rei nos retribuiu com dinheiro e alimentos o que minha mãe tinha feito por ele. Ela se colocou na frente do rei quando lhe seria jogado um feitiço mortal, Denafh salvou o rei, salvou o reino, mas não se salvou. Já não lembro como era seu rosto, ou como era sua voz, já não lembro de nada dela, além dos cabelos e olhos, mas algo na voz em que escutei ao sonhar lembrou-me dela.
Peguei uma aljava que se encontrava no mesmo tronco do arco, retirei os musgos que cobria para esconde-los, e fui caçar. A floresta era de pinheiro e  grande o suficiente para ter no mínimo cervos. Estava com um em minha mira depois de persegui-lo silenciosa, então um cavaleiro do rei sai de uma trilha a galope com seu cavalo, ele para no mesmo instante em que me vê caçando o cervo que já havia indo embora saltando por troncos e raízes.

-Ei! Garota!-O cavaleiro chamou- É proibido caçar nas terras do rei! Terei que prende-la se fizer isso novamente!

-Me prender? NUNCA- enfatizei a palavra. No momento em que terminei de falar ele se aproximou no seu cavalo mais perto da árvore que estava atrás.

-Denafh?-ele perguntou curioso ao se aproximar. Não esperei mais nada para fugir, sai correndo fora do alcance do cavaleiro, logo ele estava correndo atrás em galope chamando por Denafh, ele teria me confundido com minha mãe, mesmo assim resolvi fugir. Cheigei em uma parte da floresta em que ela era muito mais densa, criando trepadeira em carvalhos que não tinha visto antes. Sem pensar duas vezes, escalei o tronco do carvalho com ajuda das trepadeiras e me escondi em meio aos galhos. Quando o cavaleiro chegou perto do carvalho onde estava escondida, olhou para um lado e depois para outro percebendo que não havia ninguém foi embora murmurando alho como "deve ser minha imaginação"
Depois de subir mais alguns galhos avistei ninhos de pássaros.

-Ótimas omeletes- falei sozinha.

Cheguei no ninho e peguei os ovos, toquei neles e notei que ainda estavam quentes, ou foram colocados à pouco tempo, ou a mãe estava aqui a pouco tempo. Uma bela águia assada, quando ouvi seu grito peguei rapidamente meu arco e tirei da aljava uma flecha, enquanto ela se aproximava esperei as correntes de vento ficarem calmas, então. Pof, à atingi com minha flecha certeira na cabeça, desci do carvalho com os ovos na cesta, quando já estava no chão peguei a ave e coloquei dentro do cesto, percebi que muitas das trepadeiras que tinham me ajudado a descer tinham propriedades medicinais como meu pai tinha me ensinado. Peguei algumas colocando junto a ave e os ovos dentro do cesto. Em seguida passo por uma nascente, onde encho de água a jarra, novamente pego meu arco e preparo uma fecha quando vejo patos matando a sede.
Saí da floresta com 3 ovos, uma águia e 2 patos, caçada boa, além de que consegui trepadeiras medicinais. Escondo meu arco no mesmo tronco junto com a aljava, coloco mais musgo e dessa vez acrescento casca de outras árvores.
Novamente amarro meu cabelo e o cubro com o capuz. Vou para o mercado é consigo vender os dois patos por 4 moedas de bronze. As moedas são divididas entre bronze, prata e ouro. Cada uma delas tem o símbolo do castelo equivalente, claro que existem milhares de reinos por todos os cantos, mas existem 3 reinos mais importantes, os três que são representados pelas moedas.
  A moeda de bronze é representada pelo reino flowery castle, por isso tem uma flor em desenho, sua moeda é a mais baixa comparada as outras, mas a economia do reino não é pequena. Muito pelo contrário, eles tiram toda a sua economia e energia da natureza. Nesse reino só são permitidas criaturas da floresta, humanos não são bem-vindos. Seu rei é chamado de Gasu e sua rainha é Nallra, ambos são elfos, e tem duas filhas ainda novas.
Já a moeda de ouro é representada pelo Golden Castle, sua moeda tem em desenho um sol e totalmente diferente de qualquer outro reino, nele só são permitidos criaturas nobres, como elfos duques, ou corajoso guerreiros, lá não existe a palavra pobreza ou camponeses. O reino é comandado por Rei Edgar III, governando ao seu lado está Marliki Golden, todas as casa levam em seu nome o nome do reino, os dois tiveram 7 filhas.
A sua moeda é a mais valiosa de todas, sendo a mais almejada por muitos.
E por fim o reino White Castle, que é o reino representado na moeda por um tigre branco, ele teria o significado de que trás paz porem que sempre estamos preparados para uma guerra, a pesar da moeda de ouro ser a mais almejada, e mais valiosa, é a de prata que está mais no mercado. Além de ter uma força bem armada, nosso reino é comandado por Rei Arthur I,  e logo o príncipe irá se casar e assumir o trono. Ao seu lado está a rainha Mirellai.  Eles são bons governantes, mas ao contrário do rei a rainha é mais reservada. Os dois tiveram 3 filhas pequenas e 2 filhos homes. Diferente dos outros dois reinos, ele aceita qualquer criatura mágica "boa".
Mas chega de falar sobre os reinos.
Peguei o às moedas e fui direto para a barraca de maçãs, iria pedir desculpas ao dono. Quando cheguei tratei de falar logo.

-Senhor, desculpa não pagar por sua maçãs, aqui está o pagamento- ofereci as 4 moedas de bronze, ele aceitou rapidamente- espero que me perdoe-dito isso tirei o capuz.

-Não tem porque pedir desculpas, você vai pagar por seus atos, SUA BRUXA!!!

Logo um murmurinho começou, e seu filho mais velho o ferreiro real apareceu.

-Ibik mate essa BRUXA!- o dono da barraca gritou.

-Hora hora, o que temos aqui, uma bruxa?!- Ibik perguntou se aproximando de mim.

-N-Não sou BRUXA!! Eu sou uma humana!!!

-BRUXA!!!- todos que estavam na rua começaram a gritar- Mate a BRUXA!!!!

  Já tinha me preparado para correr quando as pessoas começam a puxar meu cabelo.

-Ahhh, aiiii, parem de puxar, eu sou humana!!! Eu sou humana!!!- comecei a chorar e gritar quando Ibik pegou meus cabelos e os puxou, já não sabia com quem estava minha cesta, o que me deixou desesperada.
Ele me puxou até um palco, onde já haviam colocado uma vara e uma forca. Eles só poderiam está loucos, eles não teria esquecido que minha mãe salvou cada um deles, ou teriam?

-O CABELO DELA É DA COR DO INFERNO!!!-O povo afirmava um "ééé!!!"

-ELA MORA EM UMA CASA SOZINHA NA COLINA!!!-Novamente todos afirmavam.

-O QUE TEM NA CESTA DELA??!!!- Uma mulher responde.

-OFERENDAS!!! ELA IRIA USAR ESSA AVE- Ela levanta a águia que peguei mais cedo- PARA FAZER UM PACTO COM O DEMÔNIO!!!

Do nada começa a chover. E a chuva ensopa todos, mais cada um continua onde está.

-ELA ESTÁ MANDANDO ESSA CHUVA PARA NOS ASSUSTAR!!! ELA CONTROLA O CLIMA!!! ELA É UMA BRUXA!!

-Não sou BRUXA!!-gritava mas ninguém me ouvia- não sou BRUXA!!

-ONTEM ELA ROUBOU MAÇÃS!!A FRUTA DO DIABO!!!-Mas aquelas maçãs são gostosas, foi a única coisa que consegui pensar, ele ainda segurava meu cabelo, agora mais forte quanto antes- PEGEM AS MAÇÃS, E TAQUEM NELA!!!- Todos começaram a me atingir maçãs, cada uma era mais doirida do que a outra.

-ACHO QUE PREFIRO TOMATES!!-gritei a todos, quando o mesmo instante várias maçãs e tomates eram atingidos em mim, tentei me proteger com meus braços, mas Ibik os pegou e me levantou só com uma mão.

-VAMOS VER O CORPO DESSA BRUXA!!!-todos começaram a dizer BRUXA! Mate-a, quando Ibik rasgou minhas roupas. Me soltei dele é agarrei meu joelhos, tentando proteger meu corpo-VENHA CÁ BRUXA!!- Ele tentou tocar em mim, quando mordi com força o seu antebraço. Acabo mordendo com tanta força que sinto sangue em minha boca, mas ainda consegui tirar uma parte da pele de seu braço nojento e cuspir ao público.

-BRUXA!!-todos falavam-Ela é uma BRUXA!!!

-SUA BRUXA MALDITA!!!-Ibik gritava de dor no chão já pedindo ajuda ao pai.

-Não sou BRUXA!!- me defendia em meio aos soluços-Não...sou..BRUXA.. não sou!-então tudo ficou silêncio, quando um quando um nobre rapaz coloca seu casaco por cima do meu corpo nú.

-Quem disse que essa jovem é uma bruxa?-Ele perguntou mas não ouve reposta-QUEM FOI QUE DISSE QUE ESSA MULHER É UMA BRUXA!!!!!??-Ele perguntou enfurecido.

-Meu senhor ela é uma bruxa!-Ibik tentou se explicar, o cabelo dela...-Ele foi interrompido.

-Essa moça não é uma bruxa, e não cabe a vocês decidirem o que ela é ou não, creio que esse julgamento seja do rei!

-Mas senhor...-Novamente foi interrompido.

-Ferreiro quer mesmo ir contra a palavra de seu futuro rei?- futuro rei?-Você senhorita está bem?- ele perguntou.

-Sim, Estou, obrigada, mas quem é você? Perguntei curiosa.
   


Notas Finais


Espero que tenham gostado🤔😄❤😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...