História Pretty Bad - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias NCT 127, NCT U
Personagens Haechan, Jaehyun, Mark, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Comedia, Doyoung, Drama, Escolar, Fluffy, Haechan, Jaehyun, Mark, Nct 127, Nct U, Romance, Taeil, Taeyong, Ten, Violencia, Winwin, Yuta
Exibições 148
Palavras 6.538
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Assim que terminei (há algumas horas atrás) eu não corrigi a gramatica :)
Eu espero que gostem do capitulo. Honestamente, eu estava com varias emoções misturadas ao escrever principalmente mais para o final do capitulo. Eu aumentei muito o tamanho do capitulo, mas espero que gostem <3

Capítulo 8 - Capitulo 8


Fanfic / Fanfiction Pretty Bad - Capítulo 8 - Capitulo 8

Eu estava penteando os cabelos, realmente não sei por que tenho que fazer isso, eles logo iram ficar bagunçados, não preciso me arrumar apenas para ir á escola. Hoje apenas acordei com vontade de aparentar mais agradável. Foi apenas um impulso dos meus hormônios, mas já que comecei é melhor terminar. Colocando a escova em cima da mesa, eu verifiquei minha aparência uma ultima vez, fixando ligeiramente minha franja com a ponta dos dedos. A repentina batida na porta fez com que meus movimentos parassem, e num instante levantei e joguei a mochila sobre o ombro.

 

“Já estou indo!” Eu disse a pessoa do lado de fora, que continuou batendo quando não havia escutado minha voz.

 

Eu fui em direção a porta pensando que a pessoa irritante por trás disso fosse apenas um dos meus irmãos, mas quando a abri, suspirei ao ver Yuta olhando para mim com uma expressão seria.

 

“O-Oque esta fazendo aqui?” Perguntei confusa.

 

Ele suspirou, passando os dedos sobre seu cabelo já bagunçado. Aparentemente ele não estava com bom humor, mas eu estava mais do que curiosa em saber o porquê ele estava aqui. Ele não deveria esperar lá fora?

 

“Sua mãe me disse para chama-la para tomar café” Eu pisquei varias vezes antes de entender o que ele havia dito.

 

Eu balancei a cabeça e o segui em direção as escadas. “Mas o que eu quero dizer é, por que esta aqui?” Perguntei-lhe com a voz um pouco elevada.

 

Ele inclinou a cabeça para o lado e levantou uma sobrancelha. “Sua mãe me convidou para entrar, idiota” Ele apressou o passo.

 

A mesma imagem de sempre. Meu pai estava lendo o jornal, minha mãe estava preparando o café da manhã para todos, Mimi estava vendo seu reflexo no pequeno espelho em suas mãos, e Yuta estava sentado em silencio ao lado do meu pai enquanto tomava seu café. Eu coloquei as mãos na cintura quando notei que faltava alguém.

 

“Mãe, onde está o Jaehyun?” Eu perguntei, sentando-me na cadeira de frente para Yuta.

 

Ela olhou para mim enquanto arrumava o resto dos aperitivos no meio da mesa. “Ele precisava de tempo para organizar as coisas em seu apartamento, Jae vai dormir lá por alguns dias” Ele respondeu sorrindo no final.

 

Quando terminamos, eu e Yuta nos despedimos. Meu pai ofereceu para que nos levasse, mas eu persistentemente recusei mesmo sabendo que Yuta havia aceitado a oferta, se ele saísse do mesmo caro que eu apenas iria aumentar meus problemas na escola. Nossa “grande” saída da escola no dia anterior seria o suficiente para me colocar em problemas, então seria mais fácil manter distancia dele.

 

“Por que fez isso? Seu pai ofereceu carona e você foi estupida suficiente para recusar. Poderíamos ter economizado o dinheiro do ônibus, se não fosse pela sua idiotice” Yuta proferiu em um tom irritado.

 

Tentei focar no caminho em minha frente para que não brigasse com ele. “Ele tem que trabalhar, além disso, eu não quero ser vista saído do mesmo carro que você” Eu disse a ele com indiferença.

 

Eu o ouvi gemer em aborrecimento. Ele não falou comigo durante todo o percurso, Yuta me deixou para trás ao entrar na escola, graças a deus ele entendeu.

 

“Continue assim, Yuta. Continue assim” Murmurei a mim mesma ao vê-lo chutar algumas pedras ao longo do caminho.

 

Passei pelos portões com a mesma mentalidade de sempre para evitar problemas, mas no momento em que coloquei meus pés no edifício o tempo fechou. As nuvens escuras me deixaram levemente preocupada.

 

“Eu não trouxe o guarda-chuva” Sussurrei. Nunca mais duvido da minha mãe, ela disse que ia chover, mas mesmo assim eu tirei o guarda-chuva da mochila. Eu gostava dos dias chuvosos, mas apenas quando estava no meu quarto.

 

A cada passo meu, os olhares misteriosos dos outros alunos aumentavam. Eles olhariam para mim e, em seguida iriam fofocar algo com o amigo do lado. Alguns apenas iriam fazer uma careta ou ranger os dentes para me assustar. Eu sabia que isso era normal já que eles me achavam repugnante e odiosa, mas o fogo em seus olhos definitivamente estava diferente hoje. Eu balancei a cabeça, tentando me livrar daqueles pensamentos. Eu não quero começar o dia assim.

 

Eu continuei a caminhar em direção aos armários para pegar os livros habituais. O lugar estava repleto de pessoas que me odiavam, e isso não me surpreendeu, já que essa era a hora de se divertirem comigo.

 

O objetivo de vida dos adolescentes de hoje em dia é apenas passar o dia fazendo coisas sem sentido. Ao contrario deles, eu aprendi a não perder tempo depois de quase morrer de leucemia. O tempo era algo que eu não gostaria de perder, por que é algo que nunca irei recuperar. Naquela época, eu estava com medo de deixar as pessoas que amo para trás que acabei passando cada minuto da minha vida com minha família, mas agora é o contrario. Eu só a única que tem medo de ficar para trás, então eu nunca crio relacionamentos duradouros, meu namoro com Taeil foi apenas um caso que eu não deveria ter deixado acontecer.

 

Fechei meu armário depois de ter certeza de que não havia esquecido nada, eu não queria fazer uma segunda viagem na hora do almoço. Fiquei surpresa ao ver Yuta, Doyoung, Johnny e Taeil rondando pelos corredores. Eles estavam falando sobre coisas sem sentido de novo, provavelmente sobre como ter mais meninas em suas mãos, ou como poderiam se livrar da escola. Aqueles rapazes particularmente não chamavam muita atenção por seus estudos, mas ainda assim conseguiam súditos o tempo todo. Muitas vezes eu me pergunto como eles faziam isso, mas então eu me lembro da conexão que Johnny tem com o diretor.

 

Em momentos como este, eu simplesmente os ignoraria e iria para a aula, mas assim que meus olhos encontraram os de Taeil meu corpo paralisou. Ele sempre estava bonito e bem arrumado, ao contrario do pirralho ao seu lado, Yuta. Bem, eles eram completamente opostos um do outro, Taeil era bom e gentil, Yuta era arrogante e agressivo, mas os dois tinham uma boa aparência. Eles eram populares apenas por ter uma boa aparência? Se for apenas por isso, todos não passam de idiotas.

 

“Hey!” Taeil me chamou tirando-me dos meus pensamentos. Ele sorriu e acenou para mim, sem se preocupar com o que os outros pensariam. Olhei em volta e todos já estavam me encarando, eu não sabia se deveria falar algo, então apenas dei um breve aceno.

 

Eu estava de bom humor quando entrei na sala de aula, mas logo acabou quando um balde de água fria e farinha caiu de cima da porta me cobrindo da cabeça aos pés. Aparentemente o garoto mais “legal” da sala, Taeyong, havia puxado a corda, me tornando mais uma vez a estrela principal de seu show. Meus colegas não pensaram duas vezes antes de rir e apontar para mim, e tudo que consegui fazer foi fugir e segurar para que não derramasse uma lagrima.

 

Eu havia esquecido completamente das intimidações desde que Yuta se aproximou de mim, eu achei que as coisas iriam melhorar, mas eu estava enganada. Ele provavelmente se aproximou de mim para que não suspeitasse dele e de seus amigos, fazendo com que eu abaixasse a guarda para que tirassem sarro de mim com mais facilidade. Eu me sinto tão mal por isso. Eu não sei mais o que fazer.

 

Fui até a sala onde ficavam as roupas de ginastica. Tentei remover toda a farinha do meu rosto e cabelo, mas estavam grudadas de mais para saírem dos fios. Sem ter o que fazer enrolei meu cabelo em um coque bagunçado e sai daquela sala. Coloque as mãos no bolso e baixei a cabeça para evitar o olhar dos outros alunos, mas eu não conseguia ignorar o que eles diziam sobre mim.

 

“Ela mereceu isso. Especialmente por estar dando em cima em um dos meninos”

 

“Como alguém com a aparência tão horrível pode mostra a cara depois de toda a humilhação? Ela definitivamente tem algum problema.”

 

“Ela não percebe que não vai ganhar nada com toda a escola contra ela?”

 

“Ela definitivamente é uma maçã podre, mas não sei como ela piorou ao longo do ano”

 

“Ela mexeu com as pessoas erradas, ela quere se aproveitar da situação”

 

Maçã podre? Se aproveitar? Eu sou a única com problemas? Eles ainda pensam que eu sou a única com problemas? Por que eles não ficam anos em um hospital ou algo assim? Eu não fiz nada contra eles e mesmo assim nunca me deram espaço para respirar confortavelmente. Eu não tinha liberdade. Sim, talvez eu me aproveite da situação, mas não por que eu tenho medo de me machucar. É por que eu tenho medo de perder para pessoas como ele. Eu simplesmente não posso deixa-los pensar que agradam todo mundo com todo o charme, ou aparência, ou as palavras, ou apenas suas ações. Há pessoas que gostam disso, e eu sou uma delas. Eu só preciso encontrar mais pessoas como eu... Mas até agora não há ninguém, por isso estou perfeitamente sozinha nessa escola.

 

“Adivinha quem é!” Uma voz divertida cumprimentou-me, e em minutos meus olhos foram cobertos por uma amarra. Tentei virar, mas minhas mãos foram firmemente retidas em minhas costas.

 

“O que você esta fazendo?! Para com isso!” Fiz uma pequena careta para os intrusos que começaram a amarrar meus pulsos.

 

“Temos uma pequena surpresa então não seja teimosa, ok?” A voz familiar disse. E eu fiu imediatamente levantada do chão e arremessada por cima do ombro de alguém. Fiquei balançando minhas pernas, mas o garoto continuou segurado minhas pernas com os dois braços.

 

“Não seja teimosa princesa. Você esta prestes a ser transportada como entrega especial para salvar a si mesma” Ele me disse em um tom brincalhão, mas eu continuava a mexer as pernas. “PARA DE SE MEXER QUE MERDA!” Ele disse irritado.

 

Ouvi algumas pessoas rirem, então ele não estava sozinho? “Ah qual é, apenas espere. Você sabe que não podemos fazer nada sobre essa missão de sequestro” Outro rapaz falou.

 

“Certo” O garoto que me carregava disse em um tom irritado. Ele apertou o ritmo, e não muito depois, senti-me sendo colocada em uma cadeira de madeira.

 

“YAH! Que brincadeira é essa seus bastardos?! Me desamarrem ou eu realmente vou matar vocês!” Fiz uma pequena careta ao tentar levantar, mas fui fortemente segurada pelos ombros.

 

Ouvi algumas risadinhas não muito longe de onde eu estava sentada, não são apenas dois? Não é novo os alunos fazerem brincadeiras comigo, mas isso não era algo do feitio deles.

 

“Calma, princesa” Finalmente reconheci o dono daquela voz. Era Taeyong de novo.

 

Tente tirar as cordas dos meus pulsos, mas foi em vão, estavam apartadas de mais e se eu continuasse me mexendo iria apenas machucar minha pele.

 

“Pare de tentar. Não vai conseguir solta-las assim” Eu ouvi Taeyong dizer em um tom assustador ao segurar meu queixo.

 

“Você tem merda na cabeça! É melhor me soltar ou eu vou dizer tudo que fez para o diretor” Eu sabia que era a coisa mais estupida a se fazer, mas eu apenas senti a necessidade de falar alguma coisa ou então eu realmente iria chorar. Todos começaram a rir o que me deixou ainda pior.

 

“Sabe de uma coisa” Ele falou. “Você sempre nos faz ir, por isso não cansamos de você. Eu tenho certeza de que sabe que o tio do Johnny é o diretor, certo?” De repente, ele puxou meu cabelo fazendo formar algumas lagrimas nos meus olhos.

 

Mordi o lábio enquanto tentava abafar meu grito, mas não sucedi em escondê-lo por completo. Os dois rapazes riram.

“Você esta chorando?” Doyoung falou em um tom arrogante, e depois segurou queixo com mais força. “Acho que se selarmos essa boca seria menos irritante, não é uma boa ideia?” Ele colocou um pouco de fita sobre meus lábios, abafando a minha voz completamente.

 

“Não se preocupe, vamos deixar que veja tudo” Taeyong disse removendo o pano dos meus olhos.

 

Eu abri lentamente os olhos tentando ajustar minha visão. Meu desespero aumentou quando vi havia algumas das lideres de torcida e Sohee na sala com sorrisos brincalhões no rosto, Seulgi estava com um olhar de desaprovação no rosto, Johnny e Ten estavam sorrindo, Doyoung e Taeyong fizeram as honras para o inicio do show, Yuta estava com uma expressão seria assim como Taeil.

 

Eu me senti tão humilhada e traída. Meu olho lacrimejou quando encarei Yuta. Ele definitivamente tinha algo a ver com isso, não é? Foi ele quem começou, de qualquer forma. Eu não estaria aqui se não fosse ele. Então tudo que ele fez foi atuação? Era tudo mentira? Toda a bondade que ele mostrou para minha mãe era apenas uma fachada. Eu não deveria ter sido estupida em acreditar. Ele é pior do que eu pensava.

 

“Calma, princesinha. Nós ainda não começamos, então não chore ainda, ok?” Taeyong disse puxando ainda mais meu cabelo, fazendo-me jogar a cabeça para trás.

 

Meus olhos foram de encontro aos seus. E quando firmou a mão nos fios do meu cabelo e chamou Sohee e seus amigos, eu fiquei petrificada. Ela caminhou em minha direção e colocou uma pequena caixa no chão.

 

“Hora da vingança” Sohee disse com a voz suave ao olhar nos meus olhos e sorrir com amargura.

 

Ela começou a pintar meu rosto com a maquiagem que tinha em suas mãos, enquanto Doyoung e Taeyong me seguravam. Tentei me mexer, mas apenas recebi um tapa por estar sendo teimosa.

 

“Eu estou tentando deixa-la bonita, mas você está estragando tudo!” Ela zombou de mim com as sobrancelhas franzidas. “Segurem-na ou não vamos terminar isso nunca”

 

Os dois rapazes apertaram os dedos em meus ombros para me segurar fazendo-me gemer de dor e derrubar algumas lagrimas. Logo, Sohee terminou seu trabalho e voltou para seu lugar ao lado de Taeil. Ela segurou seu braço, mas Taeil apenas ficou estático me encarando o tempo todo. Eu não sabia se ele queria me tirar dali ou se estava entretido.

 

“Agora não vamos concluir nosso trabalho se não trocar de visual, então, por favor, não se mova, se não quiser se cortar, Esta bem?” Doyoung disse ao me mostrar um par de tesouras afiadas.

 

Meus olhos se arregalaram em surpresa quando ele segurou perto do meu rosto e agarrou meu pescoço. Eu fechei os olhos quando o ouvi cortando o tecido da minha roupa. Tentei me mover, mas apenas resultou em uma pequena picada em minha pele. Tentei gritar, mas minha boca estava selada. Apenas minhas lagrimas eram visíveis. Eu não iria conseguiria sair dessa.

 

“Mas que merda” Alguém falou.

 

E em minutos escutei um baque forte. As mãos que estavam me segurando não estava mais em meus ombros. O par de tesouras caíram no chão. Eu abri os olhos, e Doyoung estava caído no chão com a boca sangrando. E em cima dele estava Yuta. Eu não sabia se acreditava naquilo, mas se era realmente real. Yuta acabou de socar Doyoung. O olhar ameaçador em seu rosto ao segurar o colarinho da camisa do outro.

 

“Tch” Doyoung cuspiu. “Que merda você esta fazendo agora Yuta?!” Ele empurrou Yuta o fazendo tropeçar e cair no chão. Doyoung fechou o punho e socou o rosto de Yuta. Ambos estavam se batendo até Taeyong, Ten e Johnny segurar ele

 

“Você, Aish! Pra que isso?! Você esta tentando defender essa cadela agora que ela tem você nas mãos?!” Doyoung rosnou quando ele estava retido por Taeyong e Ten.

 

Yuta estava com uma expressão furiosa, mas ainda assim estava quieto, enquanto estava se debatendo contra o domino de Johnny.

 

“Não foi você que começou a porra dessa confusão?! Por que voltou atrás, e descontou sua raiva em mim?!” Doyoung estava irritado ao continuar se debatendo.

 

“Doyoung chega!” Taeyong gritou, mas o garoto não prestou atenção.

 

“Você é a pessoa que tornou a vida dela um inferno, então agora começa a se preocupar com ele?! Fala sério! Diga a ela por que ela esta aqui!” Doyoung rosnou ao apontar o dedo para mim.

 

Olhei para Yuta, e seus olhos encontraram os meus. Franzi a sobrancelha ao notar a maneira que seus olhos castanhos suavizaram ao olhar para mim, mas logo ficou escuro quando voltou a encarar Doyoung. Eu estava ficando confusa. Se ele estava por trás disso tudo por que parar Doyoung? Ele realmente quis me ajudar?

 

“Eu simplesmente não me sinto bem com você fazendo isso tudo” Yuta balançou a cabeça enquanto escarava Doyoung com o mesmo fogo nos olhos que estava sendo encarado. “Você esta certo que eu transformei a vida dela em um inferno, mas eu nunca quis machuca-la dessa forma!” Yuta tentou empurrar Johnny, mas ele continuou a segura-lo. “Johnny me solta, eu não estou com paciência para lidar com Doyoung e muito menos com mais uma de suas mentiras, então me larga!” Yuta fez uma breve expressão de raiva. Johnny se afastou.

 

Yuta caminhou em minha direção, e desamarrou a corda que segurava meus pulsos. Ele se agachou na minha frente, sua expressão tristonha fez meu olho lacrimejar, Yuta gentilmente removeu o adesivo que cobria minha boca. Eu respirei fundo e com certa dificuldade enquanto tentava aceitar o fato de que ele realmente estava me ajudando depois de tudo que aconteceu, ele até mesmo brigou com um de seus amigos. Ele me puxou pelo braço, mas meus joelhos cederam ao lembrar-me das cenas de minutos atrás. Ele tirou o blazer e colocou sobre meus ombros, enquanto olhava nos meus olhos com certa simpatia, essa foi a primeira vez que ele me olhou dessa forma.

 

Yuta se abaixou um pouco e passou o braço na minha cintura, e de certa forma esse pequeno gesto me fez sentir que finalmente estava segura, mesmo que a tempestade não tenha acabado.

 

“Vamos” Ele disse com a voz suave, eu balancei a cabeça e juntei toda a força que me restava para sair como ele havia me instruído.

 

Saímos do lugar, o ginásio para ser mais especifica, e atravessamos ao longo dos corredores que levavam até a saída do edifício principal. Fizemos isso sem dizer uma palavra. Ele provavelmente estava se sentindo mal, e isso era reconfortante ao ponto de eu não conseguir conter as lagrimas. Meus olhos apenas não me obedeciam, essa foi a primeira vez que fui tratada tão mal.

 

“Espere aqui” Ele disse me deixando na entrada do edifício principal.

 

Eu não olhei para onde ele estava indo, eu nem sequer sabia se ele iria voltar. Apenas olhei para o céu, sentindo-me ainda mais solitária ao ver que estava chovendo. O céu estava chorando junto comigo, como se soubesse da minha dor. O vento forte me causava arrepios. Hoje parece estar mais frio que todos os outros dias. Essa é a razão de estar odiando isso.

 

Hoje o amor que eu tinha pela chuva havia sumido, tornando-se um ódio excepcionalmente forte. Talvez por ter acontecido algo ruim comigo. Eu lentamente me afastei do abrigo do prédio principal estava me dando, e eu comecei a andar sem rumo ficando encharcada.

 

“É chato não ter um guarda-chuva” Eu disse a mim mesma com amargura, eu tentei rir, mas minha risada se transformou em soluços de choro. Minhas lagrimas se misturaram aos poucos com as gotas em meu rosto. E por essa razão deixei de odiá-la, ela estava escondendo todas as minhas lagrimas.

 

Eu continuei a andar, sem saber para onde ir. Eu escorreguei os braços pelas mangas do blazer do Yuta, usando-o corretamente. Ele me cobriu completamente, mas eu ainda estava com frio. Não fazia diferença. Não estava me protegendo mesmo.

 

“Por que fugiu de mim?!” Fui puxada para o lado, e recebida por um par de orbes castanhas furiosas, que lentamente se acalmou ao encontrar os meus.

 

Meus olhos vagaram por todo seu rosto. O cabelo encharcado e confuso por causa da chuva, assim como o meu. Suas mãos geladas segurando meus braços. O uniforme igualmente encharcado.

 

Mas no momento em que fui puxada para mais perto, e Yuta ter passado os braços ao redor do meu corpo, eu deixei de sentir frio. De repente, eu estava quente. Ele trouxe o calor e não apenas ao meu corpo, mas também ao meu coração. Era reconfortante. Eu deixei que todas minhas lágrimas caíssem com ele me abraçando. Eu não iria conseguir parar.

 

Eu me senti mal por ter duvidado dele. Que minha confiança nele havia vacilado. Eu não estava chorando por estar machucada, mas por que pela primeira vez uma pessoa me protegeu e me fez sentir segura. Pela primeira vez, alguém me levantou e me fez querer ter fé nele. Mesmo que essa pessoa fosse Yuta, meu inimigo público.

 

O mundo sempre ira transformar e mudar as coisas, e eu sempre teria que lembrar de uma coisa, eu nem sempre estarei sozinha.

 

Yuta bateu o pé na pavimentação do concreto ao sentar do meu lado. Ele manteve a cabeça baixa e de vez em quando era possível escutar um suspiro alto suficiente para que eu percebesse estar frustrado com alguma coisa. Eu ocasionalmente olhava em sua direção, mas instantaneamente desviava o olhar, com medo de que ele percebesse. Sua mão estava segurando a minha com força, certificando de que eu não sairia dali. Ficamos sentados por muito tempo sem dizer nada um ao outro.

 

Com o vento frio tocando minha pele, eu tremia muito, mas eu estava contente de ter a mão dele para me aquecer um pouco. Eu estava segura, e com sua mera presença eu tinha certeza que de não iriam me machucar.

 

A chuva forte não passou, então nós apenas ficamos parados no mesmo lugar até que meu irmão viesse. Eu liguei para ele quando parei de chorar. Jaehyun me perguntou se algo havia acontecido, mas eu disse que iria explicar quando nos buscasse. Ele concordou, e eu estava mais do que feliz por ele não ter ficado perguntando.

 

Um espirro escapou de mim, fazendo com que eu cobrisse o rosto com as mãos quando ele repetiu diversas vezes. Uma das razões por odiar mudança climática. Eu fico resfriada com facilidade.

 

“Você esta bem?” Yuta perguntou em tom de preocupação.

 

Eu desviei o olhar e balancei a cabeça para lhe assegurar que estava bem, mesmo estando com muito frio. Para minha surpresa a mão de Yuta deixou a minha, e ele passou o braço em volta de mim, me puxando para mais perto dele. Sua mão livre puxou o blazer para nos manter aquecidos.

 

“Esta melhor agora?” Ele perguntou de novo, com um tom calmo. Eu balancei a cabeça de novo e desta vez lhe dei um sorriso tranquilizador. “Você pode apoiar a cabeça em mim se quiser. Eu acho que seu irmão ira demorar um pouco para vir, então se quiser dormir um pouco” Ele disse, seria injusto apenas eu dormir enquanto esperamos.

 

“Eu estou te devendo por isso, Yuta” Eu disse a ele, ainda com um sorriso no rosto.

 

Ele mordeu o lábio inferior e suspirou. “Bem, eu lhe devo muito” Ele proferiu.

 

“Hm?” Cantarolei, esperando que ele continuasse falando, mas ele apenas coçou a nuca e exibiu um pequeno sorriso. “O que você vai fazer com o Doyoung?” Eu perguntei a ele por curiosidade. O que aconteceu obviamente deixaria uma marca na amizade dos dois.

 

Ele suspirou profundamente e deu de ombros. “Não vamos falar dele agora” Yuta falou e eu apenas concordei.

 

O silencio enquanto esperávamos era insistente e Yuta se manteve próximo ao meu corpo para mantê-lo aquecido. Ele frequentemente perguntava se eu estava bem, eu provavelmente me irritaria com a mesma pergunta continua, mas considerando a situação, eu não podia simplesmente ficar brava com ele. Um carro branco parou do outro lado da rua, e eu vi meu irmão colocar a cabeça para fora da janela e fazer um sinal para que entrássemos, Yuta em momento algum me soltou, ele segurou a porta para que eu entrasse.

 

“Vocês dois estão bem?” Ele perguntou. Yuta e eu nos olhamos e logo fizemos um sinal positivo com a cabeça.

 

Vi Jaehyun sorrir pelo reflexo do retrovisor, mas ainda cotinha uma leve preocupação, o que provavelmente o levaria a pensar o que realmente havia acontecido com nós dois. Olhei para Yuta que me olhava fixamente. Eu sorri, mas ele apenas desviou o olhar.

 

Chegamos ao apartamento do meu irmão no centro Gangnam depois de uma hora e meia. Era situada nas ruas mais movimentadas, em um arranha-céu que provavelmente continha cinquenta andares. O lugar era moderno e limpo. Meu irmão trabalhou duro para conseguir o apartamento.

 

“Vou pegar uma muda de roupas” Jaehyun disse ao ir em direção ao seu quarto.

 

Yuta sentou-se no sofá de couro preto, e eu segui o exemplo. Olhei ao redor por um tempo, tentando pegar cada detalhe da pequena sala, até meus olhos pararem na enorme janela com a bela vista noturna de Seul. Caminhei devagar em direção a ela, sentindo as gotas escorrerem pelo meu corpo até o carpete, espalmei a mão no vidro abrindo um pequeno sorriso ao ver aquela bela vista.

 

“É lindo, não é?” Balancei a cabeça em resposta, inclinei a cabeça para o lado apenas apara notar que Yuta estava ao meu lado.

 

As mãos mergulhadas em seu bolso. Seu rosto adornado com um sorriso um pouco triste. Seu rosto estava machucado por conta do soco que levara de Doyoung, Yuta estava nublado com tantas emoções que eu não conseguia entende-lo. Não era a primeira vez que via esse olhar, mas esta é a primeira vez que havia me preocupado com ele por que ele estava triste o tempo todo.

 

“Você esta bem?” As palavras saíram da minha boca por curiosidade. Yuta virou em minha direção. As sobrancelhas franzidas ao olhar nos meus olhos, ele mordeu o lábio tentando encontrar a resposta.

 

“Estou” Yuta disse, mas ele realmente não parecia bem. Garoto mentiroso.

 

Afastei-me do vidro e o encarei. “Você esta mentindo, não é?” Perguntei-lhe com certa curiosidade ao levantar uma sobrancelha.

 

“Eu estou, consegue ver? Você deve estar pensando muito” Ele disse em um tom severo e logo desviou o olhar.

 

Afastei-me, e logo me abracei para afastar o frio novamente. “Eu sempre observei você, franzindo a testa o tempo todo. Não é algo que consegui ver hoje. Então, eu apenas achei que você realmente esta mentindo sobre estar bem” Deixei que escutasse minha opinião sincera.

 

Yuta deixou escapar uma pequena risada como se estivesse zombando de mim, ele parecia estar se divertindo, mas sua expressão facial logo voltou a ser a mesma de antes.

 

“Mesmo que seja verdade, por que esta se preocupando? Quando você mesma tem problemas maiores que os meus?” Ele disse com a voz firme.

 

Aproximei-me da janela de vidro e soprei sobre ele formando uma fina película branca no vidro. Eu pressionei o dedo no meio dela, deixando um pequeno ponto.

 

“Assim como esse único ponto nessa pequena camada branca, as pessoas só veem o que está errado o tempo todo. E, assim como todos, para mim, percebi que há pessoas com mais problemas que eu em toda Seul” Eu disse a ele. Yuta balançou  a cabeça novamente e passando os dedos em seu cabelo em gesto de frustração.

 

“Você pode estar certa, mas é algo que não lhe diz respeito, pare de perguntar sobre isso” Ele disse antes de se afastar.

 

Eu segurei sua mão para impedi-lo, e ele parou no lugar como eu desejava. “Eu apenas queria que você pudesse me dizer alguma coisa já que me ajudou. Eu me sentiria incomodada seu não for capaz de ajuda-lo também” Fui interrompida ao ter os braços segurados, Yuta olhou para o meu pulso assustado ao ver um pouco de sangue escorrendo. “Yuta, por favor, me solta” Falei fazendo uma leve careta de dor.

 

Eu tentei fazer com que ele soltasse meu braço, mas ele apenas continuou a olhar para meus pulsos. Seus lábios tremeram levemente enquanto tocava suavemente minhas feridas com a ponta dos dedos.

 

“É-É culpa minha isso ter acontecido com você” Ele disse com a voz embargada, ele estava arrependido.

 

“Repete isso!” A voz do meu irmão ecoou pela sala, e fazendo com que nos afastasse um do outro e olhasse em sua direção.

 

Jaehyun mostrou uma expressão de descrença e desagrado. Ele provavelmente havia escutado o que Yuta disse. Ele andou em nossa direção, e sua mão foi abruptamente ao colarinho do Yuta.

 

“Jae!” Segurei seu pulso para detê-lo, mas ele apenas deu um tapa em minha mão, deixando as roupas que estava segurado caírem no chão.

 

“O QUE VOCÊ DISSE?!” Perguntou com raiva, mas Yuta apenas desviou o olhar. “Diga-me o que acabou de dizer a minha irmã!” Ele ergueu o punho no ar em uma tentativa de socar o garoto em sua frente.

 

Yuta permaneceu imóvel. “Eu... Sinto muito” Foram às únicas coisas que saíram de sua boca.

 

Jaehyun parecia irritado por causa da confissão de Yuta. Seus olhos estavam cheios de raiva e seus lábios tremiam na tentativa de não dizer coisas rancorosas. Ele moveu a mão, mas eu consegui para-lo com ambas as mãos.

 

“Por favor, Jae. Por favor, não machuca ele” Eu implorei sentindo algumas lágrimas escorrerem pelas minhas bochechas, minhas emoções estavam tomando conta das minhas ações. “Bater nele só vai piorar as coisas , então, por favor, se acalme” Implorei mais uma vez, esperando que Jaehyun voltasse aos seus sentidos.

 

Jaehyun me olhou e franziu as sobrancelhas quando a confusão tomou conta de seus pensamentos. “Por que você esta tentando defender esse garoto! O que ele fez com você não foi errado?!” Ele fez uma careta para mim ao aumentar o tem de voz me deixando nervosa por um segundo.

 

Mas eu balancei a cabeça em frente a ele para que entendesse que estava errado. Yuta era culpado de tudo antes, mas não agora, ao menos era o que eu queria acreditar.

 

“Y-Yuta foi o único que estava lá para impedir que me assediassem de novo!”

 

 Yuta me olhou perplexo ao escutar o que eu havia falado. Eu também não sabia por que estava defendendo-o do meu irmão, mas de uma coisa eu tinha certeza, eu não queria que ele se machucasse de novo por minha causa. Jaehyun suspirou baixando a mão e soltando a camisa do Yuta. Ele pegou as coisas que caíram no chão e as jogou no sofá antes de sair.

 

“Os dois devem mudar de roupa antes de ficarem doentes. Pelo visto a chuva não ira parar hoje, então durmam aqui essa noite. E eu realmente não estou afim de conversa agora, amanhã conversaremos quando nossas mentes clarearem” Jaehyun falou antes de voltar para o seu quarto. “Hyerim você vai dormir no meu quarto, tudo bem?” Ele disse novamente e eu apenas concordei.

 

Nós três jantamos sem mencionar uma única palavra naquela noite. Era algo que não estava acostumada, nossa família costumava ser muito barulhenta durante as refeições, mas eu sabia o porque Jaehyun não queria falar nada. Ele não estava confortável em saber que Yuta havia me feito algo. Mesmo que eu tivesse negado varias vezes ele apenas iria acreditar no que ouvira.

 

Eu lavei os pratos, como pagamento ao meu irmão ter nos ajudado, e logo voltei a sala de estar. Jaehyun ligou para a mamãe para avisar que iriamos ficar por conta da chuva. Meus pais pareciam preocupados enquanto falavam de mim, mas logo se acalmaram quando lhes assegurei que estava bem. Quando a ligação acabou, ele disse para que dormisse em seu quarto.

 

Jaehyun falou que me sentiria desconfortável ao dormir no mesmo cômodo, mas a verdade é que eu estava cansada, depois de tudo que aconteceu, estava exausta de tanto chorar e a cama confortável do meu irmão não estava me acalmando. Eu estava preocupada com Yuta, eu queria saber o que ele esta escondendo esse tempo todo, e por que ele estava triste o tempo todo, por que ele fingia não se preocupar quando na verdade fazia o oposto? Qual o segredo que o menino perfeito Yuta escondia? Eu queria lhe perguntar. Queria respostas, mas eu sei que ele não iria responder nenhuma das minhas perguntas.

 

Comecei a sentir minhas pálpebras ficarem pesada depois de ter visto o relógio que marcava 3:15 da manhã. Pouco tempo depois eu estava em sono profundo.

 

Na manhã seguinte, a chuva finalmente havia parado. Somente as poucas gotas na janela sobraram da noite anterior, e o ambiente nublado. O lindo arco-íris no horizonte causou um pequeno sorriso em meu rosto. Hoje, provavelmente, seria um novo começo para mim. Eu queria acreditar nisso, queria acreditar que as memorias ruins iriam embora.

 

“O café da manhã está pronto” Jaehyun disse ao abrir a porta do quarto e colocar metade do corpo para dentro apenas para checar se eu estava bem.

 

Eu balancei a cabeça, voltando o olhar para a janela, tentei sorrir. Jaehyun sorriu um pouco para me animar, e eu corri em sua direção. Yuta já estava na mesa de jantar quando chegamos. Ele parecia cansado e sonolento enquanto segurava sua xícara. Seu cabelo estava mais bagunçado que de costume. Soltei uma pequena risada ao sentar em sua frente, Yuta me olhou com uma expressão mal-humorada.

 

“Bom dia” Eu timidamente sorri ao apoiar os cotovelos sobre a mesa e colocar o queixo em minhas mãos. Yuta franziu a sobrancelha e logo olhou para baixo. Pelo visto ele iria me ignorar. Eu posso brincar assim também.

 

“Bom dia” Ele disse. Soldado abortar missão! Ao escutar aquelas pequenas palavras eu levantei a cabeça e sorri como uma idiota.

 

O café da manhã não foi tão tenso igual a janta da noite anterior. Jaehyun começou a falar novamente com Yuta sem mostrar sinal algum de que estava irritado. Yuta levou isso como um bom sinal e acabou conversando confortavelmente com meu irmão. Jaehyun sentou-se conosco na sala quando estava próximo do meio-dia e seu interrogatório começou ali. Ele pediu para que fossemos honestos com o que aconteceu.

 

Eu lhe disse tudo, desdá brincadeira com o balde de farinha e água até a última coisa que aconteceu. Jaehyun fechou o punho em seu colo enquanto eu falava. A raiva em seus olhos era obvia quando pôs o olhar em mim. Eu sabia que ele estava arrependido por mim, lhe dei um sorriso tranquilizado para que soubesse que eu estava bem.

 

“Essa foi a primeira vez que fizeram isso?” Jaehyun disse em um tom severo, mas ainda se mantia calmo. Eu balancei a cabeça e olhei para minhas mãos. Jaehyun bateu uma das mãos no sofá. “Então por que você não contou a mãe e o pai sobre isso?! Por que esta dizendo isso só agora, Hyerin?!” Ele elevou o tom de voz, me fazendo recuar um pouco.

 

A única coisa que consegui fazer foi manter o olhar nos meus dedos entrelaçados, o que eu iria dizer? Foi minha culpa ficar calada esse tempo todo, mas era a melhor opção que tive durante todo esse tempo, eu só não queria mais problemas e nem trazer problemas para os outros.

 

“Eu tinha medo do que a mãe e o pai sentiriam” Foi tudo que consegui dizer.

 

Jaehyun suspirou e cobriu o rosto com ambas as mãos enquanto tentava aliviar a carranca em seu rosto. Quando ele finalmente nos encarou de novo, ele parecia calmo, mas seus olhos estavam cheios de lágrimas.

 

“Eu.. Eu realmente---” Yuta estava prestes a se desculpar de novo, mas eu segurei uma de suas mãos para que parasse. Ele olhou para mim e eu apenas balancei a cabeça.

 

Seria melhor não dizer mais nada. Eu estava fazendo um favor ao meu inimigo. Eu estava protegendo Yuta de ser odiado pelos meus pais e receber uma punição severa da escola. Eu sei que ele me fez mal. Quando ele bateu em seu amigo e me tirou daquele lugar eu sabia que ele está arrependido de tudo que fez, e que aquilo não era parte de seu plano. Eu tinha alguns motivos para perdoa-lo.

 

“Eu vou contar a eles sobre isso” Jaehyun disse. Fiquei surpresa ao ouvir aquilo, mas não tive coragem de protestar por que pelo seu tom de voz estava claro de que ele tinha certeza do que iria fazer. “Vamos contar para que as crianças que fizeram isso sejam punidas”

 

“NÃO!” Eu finalmente protestei, depois de ter olha a expressão assustada de Yuta.

 

Jaehyun suspirou. “Você é a vitima aqui Hyerin. Você não esta machucada apenas fisicamente, mas emocionalmente também. Agora me diga, como espera que aceitemos isso?!” Ele apontou para meu pulso, e eu acabei me encolhendo ainda mais.

 

“Eu vou apenas esconder. Eu vou encontrar uma forma” Eu fui hesitante ao retrucar.

 

“E espera que tudo acabe?!” Jaehyun levantou e segurou meu braço com força, arrancando um pequeno gemido de dor. “Eles iram fazer as mesmas coisas! Vai ser a vitima até se formar?! Você é estupida suficiente para deixar isso de lado?!” Ele me encarou com raiva.

 

“Você acha que eles iriam para se eu contasse ao diretor!?” Gritei no mesmo tom que ele.

 

“SIM!”

 

“Não” Eu gritei o contrariando, já sentindo as lágrimas nublarem minha visão. “Você acha que eu não tentei isso antes?! Você acha que ele faria alguma coisa?! NÃO! Você sabe por que?! Porque um dos alunos que me intimida é seu sobrinho! Graças a ele, eles sempre fogem das acusações! E quando souberam que eu era as coisas apenas pioraram. Ele tornaram as coisas difíceis para mim! Todos os dias que eu vou para a escola, era um inferno para mim! Mas eu suportei tudo! Eu suportei tudo sozinha! Eu estava sozinha.. E-Eu---”

 

Eu não aguentei mais, eu perdi completamente a capacidade de falar quando passei a desabafar e Jaehyun passou os braços ao redor do meu corpo para me confortar. Ele acariciou meu cabelo suavemente e eu acabei me calando, mas isso apenas me causou uma enorme vontade de chorar tudo que não chorei até agora. Deixei que todas as lágrimas guardadas de uma vez só enquanto ele me contava o como estava arrependido de me fazer lembrar todas as coisas horríveis que me aconteceu.

 

*

 

No caminho para casa já estava escuro e não havia estrelas visíveis no céu. Estava completamente escuro e o silencio foi tão ensurdecedor que era impossível não sentir a atmosfera sombria sobre nós, Jaehyun parou em frente a nossa casa e apenas disse para que Yuta fosse para casa. Yuta obedientemente cumpriu ao seu pedido, e atravessou a rua sem ao menos olhar para mim. Me senti triste quando ele não se despediu, mas apenas decidi ignorar aquele sentimento.

 

“Quando entrarmos, basta ir direto para o seu quarto. Eu vou explicar tudo por você” Meu irmão disse antes de entrar.

 

Eu estava preocupada ao pensar que ele realmente fosse contar algo, mas eu tinha que confiar nele. Meu irmão nunc afaria algo para me machucar.

 

Nós fomos para dentro, e quando minha mãe nos viu, Jaehyun fez um sinal para que eu subisse as escadas. Fui para meu quarto sem segundas intenções e pulei em minha cama. Eu estava com medo, e tenho certeza de que eles estavam com raiva de mim por esconder algo deles, mas eu espero que eles entendam depois de ouvir o que meu irmão tem a dizer sobre mim.


Notas Finais


Desculpe se fiz o Doyoung e o Taeyong tão ruins nesse capitulo. Eles só tinham que agir dessa forma, mas mudanças viram ao longo do caminho... Quem sabe eles mudem também?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...