História Pretty Little Liars - Just a game - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Aria Montgomery, Caleb Rivers, Emily Fields, Ezra Fitzgerald, Hanna Marin, Jason Dilaurentis, Lucas Gottesman, Mike Montgomery, Mona Vardewaal, Personagens Originais, Spencer Hastings, Toby Cavanaugh, Wren Kingston
Tags Carol Montgomery, Isabel Hastings, Julia Fields, Melissa Marin, Pll, Pretty Little Liars
Exibições 34
Palavras 1.491
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Lemon, Mistério, Orange, Romance e Novela, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, tô eu aqui mais cedo com um capítulo. 🙂
Desculpas pelos erros ortográficos 😅
Boa Leitura e te vejo nas notas finais 💓

Capítulo 4 - Tão próximos


Fanfic / Fanfiction Pretty Little Liars - Just a game - Capítulo 4 - Tão próximos

P.O.V Melissa Marin
NÃO PODE SER, DENOVO ESSA MENSAGEM ESTRANHA?. - Eu realmente estava inconformada, se aquilo fosse só um adolescente  fazendo brincadeiras com a gente, porque ele continuaria? Uma mensagem já não basta?. - Isso parece algum adolescente brincando com a gente, Carol? - Julia perguntou a Carol com a famosa cara dela de 'Eu avisei' - Temos que chamar a polícia!. - Isa sugeriu. - Concordo!. - Nós falamos quase em uníssono e quando íamos nos dirigir para a porta, novamente os nossos celulares vibraram...

*Celular*

Sem polícia, vadias !

Ou eu faço uma de vocês aparecer no rio Granion em 24 horas, sem garantia de vida!

-C

Realmente quem quer que fosse esse louco, ele não estava de brincadeira, ele queria mesmo acabar com nossas vidas. Resolvemos então por nos despedir pois o funeral de Carla, seria amanhã e foi então cada uma pra sua casa.

P.O.V. Isabel Hastings
Era hoje, o funeral..., eu havia acordado e fui tomar banho, o dia de hoje realmente não seria fácil..., por mais que eu achasse que a Car fosse chata ás vezes e iritasse algumas pessoas, nunca imaginei que ela iria morrer dessa forma...
Eu já estava pronta, para demonstrar meu luto, resolvi por ir toda de preto.
Eu realmente ainda não havia acredito que a Carla se foi...

Quando chegamos lá, tudo estava quieto haviam já muitas pessoas lá, acho que até mais pessoas do que só a família da Car... Me sentei com minha mãe e depois de 5 minutos o pastor começou a cerimônia. - Carla DiLaurentis, uma pessoa de se orgulhar... de se orgulhar pela bondade e simpatia com todos a sua volta, quem poderia ser o monstro que tiraria a vida de uma pessoa tão bela assim? Bom, a pedido dos pais, serão deixadas rosas brancas nas margens do rio para demonstrar nosso amor pela falecida... Obrigado pela atenção de vocês... Um bom dia.... a todos - Todos aplaudiram e começaram ou se retirar do local ou a consolar a família da Carla. Eu estava prestes a me retirar quando a irmã de Carla, Alison DiLaurentis veio falar comigo... - Com licença, Isabel, não é? Sou a Alison, irmã da Car... Bom, eu só queria avisar que daqui 3 dias o meu casamento irá acontecer e como sei que se a Car estivesse aqui, ela convidaria vocês, então estou fazendo um favor a ela, o casamento será 14:00 da tarde, apareçam , você e suas amigas. - Eu dei os parabéns a ela e fui para casa, eu não aguentava mais ficar naquele lugar.

P.O.V. Mike Kingston
Depois que eu e o And saímos do hospital eu o convenci de ir para a minha casa para assistirmos um filme, já que não fazíamos isso mais, desde o ano passado, só iria faltar mesmo o Lucas... Escolhemos um típico filme de ação e suspense, eu acho que não me lembro muito bem, mas eu acabei caindo no sono e só acordei agora, ouvindo o And me chamando, eu acho que por estarmos ainda zonzos, não percebemos que eu havia dormido com a cabeça em cima de uma das pernas dele, como se fosse um travesseiro. - Ah Mike, acho que acabei dormindo... - Ele falava ainda zonzo, não pude conter um riso, ele ficava muito engraçado ainda se esforçando para acordar. - Ahn, Mike, como você conseguiu dormir em cima de umas das minhas pernas?. - Ele disse um tanto envergonhado, e eu então? Que havia completamente esquecido de que eu estava ainda em cima dele, tratei - me de levantar. - Ah me desculpa, acho que também acabei dormindo... - Ele soltou um leve riso, que não consegui me conter mais e acabei rindo também, realmente ele me fazia rir nas horas mais constrangedoras possíveis. Ele se levantou e teve que ir embora, eu ainda insisti para ele ficar mais, mas ele disse que tinha que avisar os pais ou até mesmo a Mel, sobre ele não ter voltado para casa na noite passada e disse que depois voltaria para cá... Nós parecíamos até um casal de tão próximos que estávamos nos últimos dias... *risos* isso soou meio estranho.

P.O.V. Andrew Marin
Eu havia acabado por dormir na casa do Mike, nós iríamos assistir um filme e depois eu iria embora, mas, parece que nos acabamos dormindo e acordando só no outro dia, e eu não sei como, mas ele conseguiu acordar em cima de uma das minhas pernas, achei um pouco constrangedor no começo, mas acabou por ficar engraçado só pelo mesmo motivo do constrangimento.

Eu voltei para casa para explicar a minha ausência a noite. E logo quando entrei, pude ver que minha mãe e meu pai que não estavam com as melhores caras, concerteza por causa de mim. - ANDREW MARIN, quer explicar aonde esteve nessa última noite?. - Eles estavam em uma mistura de preocupação e raiva. - Calma, eu iria apenas assistir um filme na casa do Mike, mas acabei dormindo e acordando há pouco tempo, e bom, aqui estou eu.- A expressão de preocupação e raiva deles se foi, ufa, eu havia me livrado de uma possível encrenca. - Ok, tudo bem, então, na próxima vez , avise... - Assenti com a cabeça e subi as escadas para tomar um banho, porque depois eu voltaria para lá, realmente, o término dele com a Melissa havia nos deixado mais próximos, estávamos fazendo tudo juntos, além dele ter voltado a ser como era antes, sempre com aquele jeito alegre. Como eu disse o velho Mike, eu sai dos meus devaneios quando notei que a Melissa não estava lá, por mais que eu estivesse ainda bravo com ela, ainda me importava. - Mãe, onde a Mel ?. - Perguntei já no outro andar da casa. - Ela está no funeral da amiga desaparecida, a Carla DiLaurentis, bom, não mais desaparecida, que a encontraram morta ontem no rio da cidade. - Eu não conhecia muito ela, mas eu sabia que tanto a Mel quanto as amigas dela se importavam com ela. Elas concerteza deveriam estar muito abaladas.

P.O.V Julia Fields
Depois do enterro eu não teria mais nada para fazer, a única coisa que eu podia fazer com muito desorgulho era pensar sobre o problema em que eu estava envolvida com aquele tal de -C, quando meu celular vibrou, já captei logo que poderia ser outra mensagem dele.

*Celular*

Ding Dong, vadia ! Tenho certeza que você ouvirá esse barulho... na sua morte...

-C

Já bastavam as mensagens estranhas, agora esse -C me manda um 'ding dong' do nada, isso estava começando a ficar macabro, eu e as meninas teríamos que descobrir logo quem é que está fazendo isso conosco, eu acabei saindo de meus pensamentos sobre essa mensagem quando ouvi uma batida na porta. Fui atender e era Jason, meu irmão que morava na cidade vizinha, Ravenswood. - JASON, QUE SAUDADE!. - Fui cumpriementa-lo com um abraço que fui logo retribuída com o mesmo. - Jujuba, quanto tempo!. - Jujuba era o apelido que ele havia me dado, eu realmente não gostava muito dele. - Entra vai, temos conversa para por em dia. - Resolvi por ignorar o apelido e então ele entrou e nos sentamos no sofá e começamos a matar as saudades que já duravam quase um ano.

P.O.V Carol Montgomery

Depois do triste funeral da Car, resolvi por ir na casa dos DiLaurentis para conforta - los um pouco, acho que um apoio de um pessoa conhecida seria melhor do que apoio de pessoas que apenas sabiam o nome da desaparecida e nada mais...

Chegando lá eu dei uma leve batida na porta e nada... Achei estranho, os pais da Car não deveriam estar aqui? Bati mais uma vez e nada denovo, foi quando eu ouvi vozes vindo do fundo da casa, havia uma pequena passagem no canto da cerca da casa da Car que a própria havia me contado, então passei por esta passagem e fui seguindo as vozes da conversa, quando cheguei perto o bastante pude ver que a Alison e um homem de estatura maior que ela, estavam falando de alguém, eu me aproximei mais de uma árvore que havia lá no quintal da casa e pude ouvir a conversa. - Porque ela tem que me desobedecer toda hora, hein? Era ela aceitar a proposta que eu havia feito a ela, não quase nos entregar para a polícia. - Calma, mas agora olha pelo lado bom, ela não está mais aqui e nada mais pode nos atrapalhar. - Pude ver a Alison assentindo com a cabeça e depois... não pude acreditar no que eu estava vendo, eles estavam se beijando! Eu me retirei então do local e voltei para casa, eu tinha que contar isso para as meninas, porque se eles estivessem falando da Carla, eles podiam ser os assassinos dela e até mesmo esse -C que está se intrometendo em nossas vidas.


Notas Finais


Obrigado por ler 😉☺ e até o próximo capítulo 🙂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...