História Pretty MermaidBoy - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Sensational Feeling 9 (SF9)
Personagens Inseong, Jaeyoon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, Taeyang, V
Tags Bangtan Boys, Boyxboy, Bts, Gay, Híbrido, Hybrid, Inseong, Jaeseong, Jaeyoon, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Kpop, Lemon, Mermaid, Namjin, Park Jimin, Rap Monster, Seokjin, Sf9, Taehyung, Taeyoonseok, Vhope, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 3.235
Palavras 2.013
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


GENTE, VAMO ESCLARECER AQUI
O HOT DO FUTURO N VAI SER C O JK DE PEIXINHO NÃO
OBG BOA LEITURA ♡


Acreditem ou não, eu tô só jogando a minha personalidade no Yoongi.

Capítulo 3 - You're not real


Fanfic / Fanfiction Pretty MermaidBoy - Capítulo 3 - You're not real


     — Quem disse isso? – Jimin sentiu um espasmo o atingir e então começou a andar lentamente em direção as águas. – Eu só posso estar ficando louco.

     Parou para observar a beleza do lugar. Era mágico, um pouco de areia cobria o chão enquanto na água límpida passeavam alguns peixes minúsculos. Não havia um adjetivo para descrever melhor aquilo tudo do que simplesmente, perfeito.

     — Aish...Meus pés estão doendo. – Pensou em molhá-los, já que agora mantinha-se sentado na beira do lago com as curtas pernas cruzadas, mas lembrou de como a lenda de Suga terminava.

     —  Quem é você? – Disse a mesma voz de antes, só que agora mais distante.

     — P-Park Jimin. – Apertou as mãos na barra do casaco, olhando para dentro da água.

     — É melhor ir embora, Park. Não quero machucá-lo. – Quem falava aquilo parecia choroso ao mesmo tempo que hesitante.

     — Primeiro me diga seu nome!

     — Meu nome é Jeon.

     — SE FOR UM DOS IMBECÍS AÍ FORA QUERENDO ME ENGANAR, EU VOU DAR NA FACE DE UM! – Exclamou, irritado, mas não obteve resposta.

     — Ah, pare de gritar! – Um jovem emergiu das águas, seus cabelos negros e molhados cobriam seu rosto. Estava sem roupa e tinha músculos bem definidos, apenas se mostrava do peito para cima. Mantinha-se na borda enquanto apoiado aos próprios cotovelos, um tanto quanto próximo do ruivo, que estava com a boca aberta e sentia como se seu coração fosse pular para fora de si a qualquer momento.

     — Você vai me matar? – Sussurrou sem conseguir sair do lugar, apenas encarando a criatura em sua frente.

     — Eu não conseguiria nem se quisesse. Só minha mãe sabia hipnotizar as pessoas. – Passou a mão pelo pé de Jimin, o fazendo sentir cócegas e soltar um barulho engraçado quando tentou segurar o riso. – Que saudades eu sinto das minhas pernas.

     — Ahn... – Grunhiu, pegando na mão do garoto e a retirando de si. – Você é real?

     Quando o garoto abrira a boca para falar algo, passos foram ouvindo atrás dos dois e ele submergiu rapidamente, permitindo que sua bela e enorme calda azul fosse vista antes de desaparecer nas águas.

     — JÁ SE CAGOU? – Yoongi gritou, invadindo a caverna que antes era silenciosa e olhando para o amigo. – Meu filho, você nos deixou na chuva te esperando pra lavar o pé? Vem logo, princesinha Sofia.

     Jimin o seguiu para fora, calçando os sapatos, sem dizer uma palavra.

     — Minha vida foi uma mentira, não acredito que a lenda é falsa. – Reclamou, indo até o carro com o celular nas mãos.

     — Você realmente acreditava que ia ter um garoto metade peixe aqui?  – Jin disse, entrando no veículo.

    — Jimin, por que você tá andando que nem um pato manco com essa cara de orifício anal? – Nam falou rindo.

     — Eu vi coisas que não podem ser desvistas.

     — Você não tem o direito de dizer isso sem nunca ter visto o pau do Namjoon. – Suga disse estreitando os olhos e em seguida balançando a cabeça, como se tentasse afastar alguma lembrança.

     — Que fixação você tem pelo meu pau.

     — Enfim, do jeito que esse garotinho é medroso deve estar falando de um gambá ou algo do tipo. Lembro bem do dia em que eu dormi na sua casa e ele me acordou ás duas horas da madrugada para matar uma barata no quarto dele.

     — AQUELA MERDA TINHA CABEÇA DE RATO E CORPO DE BARATA, ERA UM BARATO, PODIA ME COMER VIVO.

     — Não, ele era um caro. – Nam falou e começou a rir sozinho, enquanto os outros o encaravam.

     — Caralho, eu me apaixonei por um garoto com alma de tiozão. – Seokjin disse, já com o carro na estrada.

     — Ignorarei essa piada bosta e a viadagem. – O platinado falou enquanto sorria para a tela do celular.

     Em meio aquilo tudo, o que se passava na cabeça do Jimin era que tudo que viu há alguns minutos atrás foi por total efeito do álcool. Não existia nenhum garoto encantador de cabelos negros e orbes escuras, com dentinhos de coelho e uma calda de peixe habitando aquele lago, de maneira alguma.

     — CARALHO, EU RECEBI UM NUDE DO TAEHYUNG. – O salto que ele deu no banco foi tanto que chegou a bater a cabeça no teto.

     — MOSTRA AÍ. – Nam falou, recebendo um olhar raivoso do loiro ao seu lado.

     — Eu não filhão, tá loucasso? – Arqueou a sobrancelha. – Como eu faço pra mandar foto do pau aqui?

     — ESPERA ATÉ CHEGAR NA SUA CASA, NINGUÉM É OBRIGADO A VER SEU YOONGIZINHO. – Park gritou, colocando a mão sobre os olhos.

     — Para de chamar o Sugão de Yoongizinho, ele tá ficando ofendido.

     — Se esse é o nome que você deu para o seu pau, não quero nem saber o que você vai dar para seus filhos. – Namjoon se pronunciou, olhando para as gotas de chuva que atingiam o vidro do carro.

     Ao que foram mais alguns minutos de viagem de carro até a casa de Yoongi pareceram horas. O platinado não desgrudou do celular nem por um segundo, Jimin acabou caindo no sono e Namjoon apenas conversava com Jin.

      — Ahn...Nam. Quer passar a noite na minha casa? – O loiro disse um pouco hesitante, nervoso.

     — Como? – Perguntou para ter certeza do que teria ouvido. O garoto, que antes havia rejeitado seu toque, o estava chamando para dormir em sua casa.

     — Mais piranha que o Jimin, mané. – Suga murmurou do banco de trás, recebendo um soco na perna do amigo. – Quanta agressividade, tem que ver isso aí, hein. Sei lá, procurar um psicólogo, talvez Jesus.

     — Se eu te der cinco reais, você cala a boca?

     — Você diz como se não amasse as merdas que eu digo. Fala sério, se não fosse por mim, a vida de vocês seria muito bosta.

     — Verdade, você é o mal exemplo que faltava nas nossas vidas.

     — Me senti ofendido.

     — Me deixem dormir. – O ruivo murmurou, ainda tendo seus olhos fechados.
    
     E ao sono chegar novamente, Jimin teve sua mente completamente dominada pelos pensamentos em um tal garoto que conhecera há pouco. Seria realmente coisa da sua cabeça? O toque molhado em seu pé foi tão real que chegava a ser assustador.

     Mais alguns minutos e já estavam de volta para frente da casa de Yoongi. A chuva diminuira e a luz parecia ter voltado fraca.

     — Quem vai carregar essa trolha? – Suga referiu-se ao amigo roncando ao seu lado.

     — Ele que ande sozinho. – Nam disse e saiu do carro, indo até a porta de Jimin e a abrindo. – CARALHO CUZÃO, AQUELE ALI NÃO É AQUELE ATOR QUE O JIMIN AMA?!

     — ONDE? – Se levantou em uma velocidade tão rápida que poderia ser nomeado o novo flash. – Você não tem o DIREITO de brincar com meu coraçãozinho.

     — Incrível que nem quando dorme, o fogo no cu apaga. – Murmurou e foi até Jin, o acompanhando até onde ele morava. – Até amanhã.

     Yoongi e Jimin que agora estavam de frente para a porta da casa do maior. Se encaravam confusos, como que esperando que um deles fizesse algo.

     — Tá esperando o que? Abre a porta! – Exclamou Park.

     — Eu não achei a chave.

     — Mano, enfia o pau aí e tenta abrir, sei lá. Eu não vou passar a noite na chuva por sua culpa, nem que eu tenha que arrombar essa porta que nem o Namjoon vai arrombar o cu do Seokjin.

     — Vamos manter a calma. Se controla aí, lenhador de Bonsai. Se meus pais chegassem e essa porta tivesse no chão, você teria que ir ao meu enterro.

     — Eu acho que consigo entrar pela janela do segundo andar, você deixou ela aberta.

     — Vai lá, Tarzan.

     — Dá pézinho, caralho.

     — Que isso?

     — BOTA AS MÃOS DESSE JEITO, Ô SEM INFÂNCIA. – Suga juntou firmemente os dedos para que Jimin apoiasse os pés, conseguindo por fim, subir no pequeno telhado e ir até a janela.

     Desceu até o primeiro andar, ligando as luzes de alguns cômodos em que passava até chegar a porta e abrí-la. Os dois não trocaram uma palavra sequer, apenas se jogaram no sofá e acabaram por dormir ali mesmo, em cima de alguns farelos e embaixo do gato de Yoongi.

     — SERÁ QUE ALGUÉM PODE ME EXPLICAR, O QUE CARALHOS ACONTECEU AQUI? – Tais palavras foram ditas pela doce e gentil, senhora Min. Pegou os dois garotos esparramados pelas orelhas, os obrigando a acordar e se levantar. O senhor Min apenas observava a cena escorado no portal de entrada, ponderando se deveria gravar ou não.

     — Omma, eu... – O platinado olhou em volta. Logo depois do efeito do álcool passar e uma forte ressaca o atingir, havia notado a bagunça que fez com os amigos na noite passada.

     — Jimin, eu estou decepcionada com você. Sempre serviu como o garoto exemplo da família, o primo que só tirava as melhores notas! Agora veja você... – Estalou a língua no céu da boca e cerrou os olhos, seu olhar era tão intimidador que fez com que Park abaixasse a cabeça. – Minha irmã e seu pai não ficarão NADA contentes em saber sobre isso! Agora, arrumem tudo isso enquanto nós vamos ao mercado.

     Saiu pisando tão forte que os garotos achavam que o chão se quebraria, assim como a porta da frente quando a mesma a bateu com força depois de sair.

     — Meu cu trancou. – Jimin disse, soltando o ar dos pulmões. – Argh, estou com muita dor de cabeça.

     — E vai ficar mais, com os tapas que vai tomar da minha mãe se não arrumarmos isso.

     — Tem muita latinha, a gente podia amassar e ficar tentando acertar em algum saco de lixo, para ser divertido.

      — Do jeito que tu é zarolho, vai errar tudo e eu que vou ter que catar. Vai, Jimin, mexe essa bunda e vai arrumar a cozinha que eu cuido da sala.

     Bufou e obedeceu Suga, mesmo não gostando de ser controlado por alguém, não queria morrer nas mãos da tia.

     — Gente, que merda é essa? – Yoongi segurava uma peça íntima masculina nos dedos, evitando o máximo o contato. – CARALHO, O NAMJOON TAVA SEM CUECA. – Começou a ter um ataque de risos junto ao primo.

     — Eu não quero saber como ele conseguiu tirar essa merda, estando do meu lado.

     — Puta, ele usa samba-canção. Será que durante todos esses anos de ensinamento, ele nunca aprendeu nada do que eu ensinei na arte da sedução?

     — Broxei legal.

     — Se bem que, se ele usar aquelas boxer, capaz do pau dele até atravessar o pano.

     — CARALHO, VOCÊ NÃO VAI PARAR DE FALAR DA MERDA DO PINTO DO NAMJOON NUNCA?

     — Ficou exaltado. 'Vamo' que a gente tá perdendo tempo, fala menos e limpa mais essa bancada.

    Alguns minutos se passaram até que tudo estivesse realmente limpo, como antes da noite passada. Os dois estavam exaustos e tão suados que tinham suas camisas coladas ao corpo.

     — Vai tomar banho, pelo amor de Deus! Seu cheiro ta tão forte que eu tô quase desmaiando. Enquanto isso eu vou mandar mensagem para o pica das galáxias, quero saber se desvirjinou.

     — E você tá cheirando a rosas, né animal?

     Caminhou até as escadas e pegou uma muda de roupas no quarto, seguindo para o banheiro do primeiro andar. Trancou a porta atrás de si e retirou as calças, em seguida a blusa, reparando algo diferente ao olhar seu reflexo.

     — Desde quando eu tenho esse...Sinal? – Franziu o cenho, enquanto analisava cada detalhe da mancha em um tom pouco mais escuro que o da sua pele. Tinha uma forma engraçada, parecia-se com os desenhos de peixe que fazia aos oito anos. – Um peixe? – Lembrou-se então, da noite passada e de Jeon. – Não, sem chance de ter algo a ver.

     Entrou no chuveiro com a enorme sensação de estar sendo observado. Ao que a água tocou sua pele, sentiu-se relaxar e fechou os olhos, vendo o rosto do garoto de cabelos escuros tomar conta da sua mente.

     — Por que eu não consigo esquecê-lo?



Notas Finais


Amo vocês, tipo, muitão! Obrigada por todo apoio das leitoras, eu simplesmente amo seus comentários!



♡ O JIMIN TEM O SOBRENOME DE PARK PQ NA COREIA, O SOBRENOME VEM DO PAI E ELE E O YOONGI SÃO PRIMOS POR PARTE DE MÃE ♡

LEIAM ESSA ONESHOT MARAVILHOSAMENTE FOFA DA MINHA AMG ♡ https://spiritfanfics.com/historia/strawberry-cupcake-6739147


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...