História Pretty Reckless - Capítulo 69


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Demi Lovato, Justin Bieber, Katy Perry, Taylor Lautner, Taylor Swift
Tags Colegial, Festas, Justin Bieber, Romance
Visualizações 784
Palavras 6.204
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Quero agradecer :3
Muito obrigada a todas que comentaram, que me apoiaram a postar, e eu fiz isso por vocês pelo apoio de vocês, porque vocês diziam que gostavam, se não fosse por vocês, porque eu postaria?
Então, muito obrigada mesmo, de verdade, por tudo que vocês me disseram, e divas são vocês, cada uma de vocês <3
Repetindo, eu amo vocês <3 muito obrigada <3

"Você é a luz que alimenta o sol,
No meu mundo,
Eu enfrentei mil anos de dor
Pela minha garota.

Tantas coisas na vida,
Que eu poderia temer
A única coisa que me machucaria
Seria você não estar aqui , woah

Eu não quero voltar
Para ser apenas
A metade da equação
Você entende o que eu estou dizendo?

Garota sem você eu estou perdido,
Não é possível corrigir esse compasso de coração
Entre mim e o amor,
Você é o denominador comum"
-Common Denominator, Justin Bieber

Capítulo 69 - Final


Fomos para o tal restaurante de táxi, e Justin escolheu um típico restaurante brasileiro, nada de sanduíches ou coisas americanas. Descemos e Justin que pagou o táxi. Entramos e nos sentamos em uma mesa perto a janela.

-Amor, o que você vai querer? Eu vou comer o que você for comer. -Jus falou sorrindo.

-Eu não lembro do sabor de nada amooor! -Falei rindo também. -Mas está de noite e eu não vou deixar você comer feijoada.

-O que é isso? É bom, né? -Ele falou.

-Sim, muito bom, mas é pesado. -Falei sorrindo.

-E o que vamos comer? -Ele falou olhando o cardápio.

-Já sei, que tal camarão?. -Falei.

-Pode. -Ele falou sorrindo. Chamei o garçom e fiz o pedido. Ele e se foi e Justin e eu ficamos conversando.

As pessoas quando passavam olhavam para nós, porque o nosso idioma despertava curiosidade. Justin reparou em cada coisa do ambiente, até mesmo o banheiro ele quis ir ver se era igual.. Criança. O jantar foi bem entusiasmado, Justin adorou a comida e comeu demais! E abusou do guaraná! Achei até que ele ia passar mal, mas ele não tem fundo não! Pedi pudim de leite condensado e foi ai que ele se matou mais ainda de comer. Realmente, os doces brasileiros são perfeitos.

-Vamos? -Falei levantando.

-Ai minha barriga, acho que comi muito! -Ele disse se levantando.

-É, sua barriga tá grande! -Falei rindo.

-Tá?? -Ele falou levantando a blusa e a olhando. Ri mais ainda.

-Justin, como você é bobo. -Falei pegando e sua mão e saímos do restaurante. -Vamos andar por aí? -Falei. Ele sorriu concordando e fomos andando.

O tempo estava ótimo. Um vento gostoso, a noite com estrelas e o calor amenizado. Não tínhamos noção da onde estávamos  mas depois era só pegar um táxi. E foi isso que fizemos depois de andarmos umas 3 quadras rindo de nos mesmos. O táxi nos deixou na porta do hotel e subimos para nosso apartamento.

-Amor, você comprou repelente? -Falei abrindo alguns armários no banheiro.

-Não... -Ele falou coçando a cabeça.

-Você vai ser comido pelos mosquitos. -Falei saindo do banheiro.

-Vou nada.. -Ele falou. -Tem alguma coisa pra assistir? -Ele falou se sentando do sofá com controle na mão.

-Dá uma procurada. -Eu disse indo pra varanda. Cara, que delícia de tempo, essa cidade maravilhosa.. Ouvi o som da televisão, e mudança de canais.

-Esqueci que não entendo nada em português. -Justin disse em meu ouvindo, logo me abraçando pela cintura. Ri fraco de sua lerdeza.

Senti seus lábios em meu pescoço e ombros, me causando arrepios. Suspirei fundo e Justin riu no pé do meu ouvido, aproveitando e dando uma mordidinha no lóbulo da minha orelha. Ele tirou suas mãos de mim e as recolocou instantes depois. Mas pude sentir sua pele quente -antes coberta por sua camisa- encostar na minha.

Me virei o analisando. Um sorriso torto e safado brotou em seu rosto. Encostei minha cabeça em seu peitoral, me aninhando a ele. Dei um beijo em seu pescoço e fui subindo, até chegar a seus lábios. Suas duas mãos estavam em minha bunda, dando um apertão na mesma. Ele pegou no colo e eu passei minhas pernas em sua cintura, que ele logo agarrou minha coxa, me impedindo de cair. Justin me levou para o quarto.

-Espera. -Falei saindo de seu colo e subindo na cama. -Preciso fazer uma coisa. -Falei saindo do quarto e fechando a varanda e a porta principal. Voltei e Justin me esperava deitado. -Fui fechar aqui. -Disse tirando a blusa.

-Opa.. -Ele falou safado, observando meu sutiã. Ri e fui até a mala procurar algum pijama, e claro, como quem arrumou a mala foi a Demi, o pijama era curtíssimo.

-Já venho. -Falei pegando a camisola e indo pro banheiro.

-Ei, pode se trocar aqui. -Ele falou mas fui pro banheiro. Tirei a roupa toda, e coloquei a tal da camisola. Saí do banheiro e coloquei a roupa na mala. -Que gata!

-Demi... -Falei indo pra cama.

-Tá uma delicia. -Ele falou me puxando para si.

-Tonto. Você tá ao mesmo tempo mais safado e mais tarado. -Falei.

-Acho que o Brasil faz isso comigo.. -Ele falou rindo. -Vou ter que falar que estou louco pra tirar essa camisola. -Ele falou rindo e subindo em cima de mim.

 

**

 

Acordei e olhei para meu lado, Justin dormindo. No chão, um pacote de camisinha aberto, e a camisola. RASGADA. Pelo menos eu nunca mais teria que usa-la. Subi em cima de Justin e dei tapinhas de leve em seu rosto, para acorda-lo.

-Que delicadeza. -Ele falou abrindo os olhos depois de uns 983479236842 tapas.

-Você que não quis acordar. -Falei.

-Acordaria antes se soubesse que você estava assim. -Ele falou observando minha nudez.

-É, alguém rasgou minha camisola. -Falei. Ele começou a gargalhar.

-Eu te disse que estava louco para tira-la. -Ele disse sorrindo.

-Podia tirar do jeito tradicional. -Falei rindo e saindo de cima dele. Peguei o telefone e pedi café da manhã.

-Qual a programação, doce donzela? -Justin falou sorrindo.

-Praia, ai depois eu não sei. -Falei.

-Quanto tempo demora daqui pra São Paulo? -Perguntou.

-De avião uns 45 minutos. De carro vai algumas horas. -Falei procurando algo leve pra vestir.

-Prefere o que? -Falei.

-Tanto faz. -Eu falei. -Você decide. -Falei. Fui até a varanda do quarto e o tempo tava bom pra ir pra praia.

-Prefiro avião. -Ele falou. Concordei com a cabeça, sorrindo. -Eu to com fome.

-Justin é incrível essa sua capacidade de sempre estar com fome. -Falei voltando para o quarto.

-É? -Ele riu. -Eu tenho fome. Não sei o porque., Jay. -Ele falou. Liguei a TV e ficamos vendo desenho, eu entendia, mas Justin nem um pouco, era engraçado, ele pedia para eu traduzir. A campainha tocou e eu fui pegar o café da manhã. Agradeci ao cara e voltei pra cama.

-Chegou. -Falei colocando a bandeja em cima da cama.

-Oba! -Justin falou sentando. Tinha pão francês, suco de pêssego  geleia  pão de queijo, banana e algumas outras frutas. Justin pegou o pão de queijo, claro.

-Come o pão, é gostoso. -Falei passando a geleia no pão.

-Tá, deixa eu engolir. -Ele disse com a boca cheia. Acabamos o café e resolvemos ir pra praia. Já eram 9h:30. Coloquei o biquíni que havia comprado ontem e Justin outra bermuda que ele trouxera. Passei protetor em mim e nele antes de irmos para a praia, porque era melhor.

-Pronto! -Falei lhe dando um selinho.

-Vamos! -Ele falou empolgado e pegando as toalhas. Peguei a minha bolsa e descemos, de elevador, com Justin me segurando, claro.

Quando chegamos a praia, fomos no mesmo quiosque do dia passado, pelo menos já conhecíamos lá. Justin estava mais feliz que ontem, por causa do biquíni eu supus. Sentamos nas cadeiras e ficamos de mãos dadas observando as ondas se quebrando.

-João, posso te falar uma coisa? -Falei me virando na cadeira para ele.

-Pode, mal educada. -Ele falou sorrindo e se virando também.

-Eu te amo. -Falei e ele sorriu mais ainda, ficando vermelhinho.

-Eu também te amo. -Ele disse. -Vem, vamos caminhar. -Ele disse levantando.

-Coooool. -Falei levantando, e novamente, pedi para o casal tomar conta, mas claro, não era o mesmo. Começamos a andar de mãos dadas, fofamente.

-OLHA ISSO JAMIE! -Justin falou correndo pra areia, uns 13 minutos que começamos andar. Ele apontava para um siri saindo da areia.

-Ai, Justin! Eu odeio esses bichinhos! Eles ficavam pegando meu pé quando eu era pequena! -Falei.

-Odeia? -Ele disse arqueando a sobrancelha .Assenti brava. -Sério... -Ele falou e pegou o siri pela pata. -Toma ele, amor. -Justin disse vindo pra perto de mim

-SAI CANADENSE FALSIFICADO! -Falei me afastando. Ele começou a gargalhar e veio para mais perto. Fui me afastando. -JUSTIN NÃO! -Ele ameaçava jogar aquele animal em mim.

-Vem cá!! -Ele gritou e eu sai correndo, e ele vinha atrás, a água molhava meus pés e eu tinha que desviar dos toquinhos de gente no meio do caminho. Ele vinha correndo mais, e gritando me mandando voltar. Senti ele me pegar pela cintura. -AHAAAA PEGUEI.

-SAI FORA!! -Falei o batendo. Ele me virou ficando de frente pra mim e colocando a criatura perto do meu rosto, que nojo!!!!!!!!!!!!!!!!!!

-Ah, amor, ele é tão bonitinho! -Justin falava.

-PAAARA!! -Falei e ele riu e colocou o bicho na areia

-Chata.. -Ele disse me abraçando.

-Você! Eu não gosto!! -Falei. Ele riu gostoso e me beijou. Dei um tapa em suas costas.

-Aiiiiiiiiiiii! -Ele reclamou.

-Por causa desse bicho. -Falei apontando para o buraco na areia. E sai andando.

-Medrosa. -Ele falou já me acompanhando.

-Tonto.. -Falei revirando os olhos. Voltamos para o nosso lugar e Justin sentou na areia, brincando de fazer castelinhos feios. Eu sentei e fiquei relaxando.

-Tá feio! -Falei chutando, destruindo um bolinho de areia que ele tinha acabado de fazer.

-AAA!Olha o que você fez! Bruxa! -Ele falou me tacando areia. Comecei a rir de seu bico. -Não tem graça!

-Tem sim. -Falei e sentei ao seu lado. -Por causa do bendito siri. -Falei.

-Vai me ajudar a fazer outro. -Ele falou já juntando um bolinho.

-Tenho ideia melhor. -Falei avançando em seus lábios. Minhas mãos massageavam seu cabelo, enquanto as mãos dele me puxavam para perto. Senti uma de suas mãos saírem dali, e depois, a mesma puxar a parte da frente da minha calcinha, só que JOGANDO AREIA!

-JUSTIN FILHO DA PUTA. -Falei correndo até ele, que já estava entrando no mar. Viado, criança do caralho! Fui até o mar, ele estava fugindo, mas primeiro eu precisava tirar essa areia de mim.. Depois fui correndo até ele, até o pegar pelo cabelo.

-Seu idiota! -Falei pra ele.

-Ai, meu cabelo, solta, solta! -Ele reclama enquanto eu o tirava do mar.

-Não, vai aprender a não fazer isso. -Falei puxando mais forte. -Retardado.

-Ai ai ai amor.. Para. -Ele reclamava e o soltei.

-Seu bobo. -Falei voltando a sentar na areia.

-Foi engraçado. -Ele falou sentando ao meu lado.

-Não foi não. -Falei fazendo um montinho de areia. Justin colocou seu pezão em cima do meu montinho. -Bruto! -Falei lhe dando um soco na perna.

-Vem cá.. -Ele falou estendendo os braços.

-Não. -Falei fazendo outro bolinho.

-Vem sim.. -Ele falou só que dessa vez apoiando seu peso nos braços.

-Não quero mais. -Falei. Ele saiu da areia e se jogou no meu colo.

-Eu sei que quer.. -Ele cantarolou bem perto da minha boca. Ele se aproximou e me beijou, contornando minha cintura com os braços. Correspondi e peguei um pouco de areia com a mão. O deitei na areia enquanto continuava o beijo. Abri a mão deixando a areia caindo em seu perfeito cabelo.

-Pronto. -Falei lhe dando um selinho e levantando.

-iSSO VAI DEMORAR UM ANO PRA SAIR! -Ele gritou sacudindo o cabelo.

-Nem ligo. -Falei fazendo outro montinho e rindo. Ele levantou também e me ajudou a fazer os montinhos e depois fomos comer alguma coisa, mas antes fomos ao chuveirão para ele tirar um pouco da areia. Justin quis comer camarão de novo, e foi o que comemos. Depois disso, voltamos para o nosso lugar, para eu passar mais protetor em Justin e em mim mesma.

A tarde passou rápido, ficamos nos pegando, brincando na areia e indo pro mar. Eram 3h da tarde quando resolvemos voltar para o apartamento. Arrumamos tudo e fomos para lá.

-A gente nem foi na piscina do prédio, amor. -Justin falou.

-É, você quis ir torrar lá. -Falei rindo e me jogando no sofá. Ele veio até mim, me empurrando pra fora do sofá. -Que brutaria. Fica ai. -Falei levantando e indo pro quarto. Tirei minha roupa, tranquei a porta do quarto, peguei a toalha e fui pro banheiro. A água fria estava perfeita, mesmo. Acho que fiquei 20 minutos lá dentro. Me enrolei na toalha e fui pro quarto. Passei hidratante no meu corpo e coloquei só a calcinha e o sutiã.

-Abre logo. -Justin falou.

-O que? -Falei.

-Estou aqui faz meia hora, amor. -Ele falou do outro lado da porta.

-Vai pro sofá então. -Falei. O ouvi bufar. Me espreguicei e me ajeitei. Fiquei ali bem folgada.. Depois de 10 minutos a porta foi aberta. Era Justin e um outro homem vestido como um 'pinguim'.

-JAMIE!!! -Justin gritou me vendo apenas de sutiã e calcinha "na frente do cara".

-O que foi? -Falei me cobrindo. -Porque arrombou essa porta?

-Porque você não abriu. -Ele falou. -Já pode ir. -Ele disse para o cara, que sabia em inglês, logico.

-Você me jogou do sofá. -Falei.

-Foi brincadeira amor.  -Ele disse vindo pra cama. Me virei contraria a ele.

-Eu estava tomando banho, por isso não te ouvi. -Falei ainda virada.

-Eu imaginei. -Ele falou e veio me abraçar por trás. Era tão gostoso seu abraço e seu calor, que acabei dormindo.

 

**

 

-Amor, levanta. -A voz rouca de Justin falou.

-Oi amor. -Falei abrindo os olhos.

-Vamos pra SP? -Ele falou.

-Aham, vamos, comprou as passagens já? -Falei sentando na cama. Calor infernal.

-Sim. É as 19. -Ele falou sentando ao meu lado.

-São 17h30? -Falei fitando o relógio.

-Isso.. Você dormiu. -Ele disse beijando perto da minha boca.

-Sol me cansa. -Falei retribuindo o beijo. -Saudade. -Falei fazendo o deitar.

-Oppa.. -Ele falou sorrindo safado. Fui pra cima dele e comecei a beija-lo. Suas mãos já tiravam minha calcinha quando eu interrompi.

-Pode parar, eu tenho que me arrumar. -Falei.

-Sem sexo? -Ele disse.

-Sem sexo. -Falei voltando a beija-lo.

-Nem uma rapidinha? -Ele disse interrompendo de novo.

-Justin! -Falei e ele tornou a me beijar. Levantamos dali a mais uns beijos e eu fui me arrumar, trocar de roupa e organizar as malas. Justin me ajudou a organizar as malas.

-Amor, o que eu faço com a sua mala de roupas de inverno? -Jus falou.

-Eu que te pergunto! -Falei.

-Quer mandar pra lá? -Ele falou.

-Pode ser, a gente vai passar quanto tempo aqui? -Falei ajeitando a mala junto a dele.

-Uma semana. -Ele falou com um sorriso.

-Então acho melhor. -Falei.

-A gente passa no Correio antes de ir pra SP, pode ser? -Ele falou e eu assenti. -E eu to com fome. -Ele disse rindo.

-Quer comer o que, guloso? -Falei sentando em seu colo e enquanto ele mexia em meu cabelo.

-Doce.. Bala. -Ele falou sorrindo.

-No aeroporto deve ter então. -Falei.

-Quer ir já? -Ele falou.

-Acho melhor, eles costumam pedir para que a gente chegue com uma hora de antecedência. -Falei levantando.

-É, eles falaram isso mesmo.. -Ele falou rindo.

-EEE Justin! -Falei.

-Então vamos, sua chata. -Ele falou. Coloquei as malas na porta para descermos e peguei minha bolsa.

-Chama o elevador, Justin. -Falei ajeitando um pouco o apartamento. Ele saiu do apartamento e foi pedir o elevador. Escutei o barulhinho do elevador e fui levando as malas lá pra dentro, e Justin me ajudou. Fechei o apartamento com todas as coisas as nossas coisas no elevador e o colocamos para descer. Fechamos nossa conta e pedimos um táxi. Esperamos do lado de fora já. Justin estava com um shorts branco, uma camiseta regata vinho e o vans da mesma cor. Eu estava com um shorts um pouco abaixo da metade da coxa e uma regatinha também, bem colada ao corpo, verde, e nos pés, vans também. Sentei em cima da minha mala.

-Ta tudo bem, princesa? -Justin falou vindo até mim.

-Só estava cansada de esperar em pé. -Falei sorrindo.

-Ali, chegou. -Justin falou fazendo sinal. O motorista desceu e nos ajudou a colocar as coisas. Entramos, eu falei o nome do aeroporto e ele partiu.

-Ahn, moço, no aeroporto tem correio? -Falei pro cara.

-Tem sim. -Ele falou. Sorri.

-No aeroporto tem correio amor. -Falei sorrindo pra Justin.

-Certo, e doce? -Ele falou.

-Tem. -Falei beijando seu nariz.

-Eu to com fome. -Ele falou me fazendo rir. O beijei calmamente, sem pressa ou vergonha do taxista. Sentimos o carro parar.

-O que houve? -Falei parando o 3 º beijo.

-Transito. -Ele falou apontando para a fila de carros.

-Acha que da tempo? -Falei.

-Qual o horário? -Ele falou e senti o carro andar mas logo parar.

-Ás 19h. -Falei.

-Dá sim. -Ele falou olhando o relógio. Assenti e voltei para os braços de Justin.

-Transito amor. -Falei.

-Potz, que merda. -Ele falou.

-Mas ele falou que dá tempo. -Falei.

-Certo. -Justin falou e já começou a me agarrar novamente. E ficamos nesse agarramento até chegarmos no aeroporto, que por incrível que pareça, eram 18h20. Fizemos o check-in e despachamos as malas. E fomos achar o correio.

-Quero balaaaaaa. -Justin falava pela milésima vez desde que saímos do táxi.

-Ai que guri mais persistente. -Falei. Fomos ao correio e mandei a mala pra minha casa, minha mãe que receberia. Percebi que fazia 2 dias que eu não falava com eles.

-Agora bala. -Ele falou.

-Vamos, agora sim, vamos achar essas balas! -Falei.

-Yaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaay! -Ele gritou correndo. Esse menino tem problemas... Fomos até a doceria e tinha tanta coisa! Justin ia abusar, fazer o que... -Dessa, dessa dessa, dessa aqui, essa também. -Ele falava pra moça, que só entendeu porque ele apontava. -Pronto, amor! -Ele falou com os olhos brilhando. Doidinho.. A moça passou tudo no caixa e ele pagou. -Obrigado. -Ele falou pra moça quando ela lhe deu a sacolinha. Sorri.

-Satisfeito? -Falei quando saímos da loja.

-Sim! -Ele disse abrindo a caixinha de Sour Patch.

-Eu quero. -Falei estendendo a mão enquanto íamos a caminho do portão de embarque.

-Toma. -Ele falou me dando uma.

-Guloso! Quero mais! -Falei colocando na boca.

-Toma. -Ele deu mais uma.

-Me dá isso aqui. -Falei pegando da mão dele e pondo mais na minha. -Valeu. -Falei devolvendo.

-Gulosa, comeu quase tudo. -Ele disse e entreguei nossas passagens.

-Comi nada. -Falei e fomos sentar. Ficamos comendo balas até nosso voo ser chamado. Levantamos e fomos pra lá. -Pronto? -Perguntei na pista de embarque.

-Sim, e você? -Ele falou.

-Pronta. -Falei e subimos a escada de acesso a aeronave. Fomos para nossos lugares e ficamos conversando sobre nada. Dessa vez nem, nem Justin dormimos, ficamos o tempo todo acordados e nos beijando, claro. Assim que o avião pousou, descemos e eu senti aquela brisa que só São Paulo tem.

-Vamos para algum hotel, Jus? -Perguntei.

-Vamos sim, amor. -Ele falou pegando na minha mão e saímos do avião. Fizemos nosso checking todo e fomos para o táxi, e dessa vez, Justin falou o nome do hotel.

 Ah, que saudade daqui, do tempo, das comidas, de tudo. Menos da minha vida aqui. Eu estou feliz onde estou, morando em NY, ao lado de Justin, dos meus amigos, da minha mãe, das minhas 'tias', da minha escola e futuramente da minha faculdade. Chegamos no hotel e Justin tirou as malas.

-Vamos? -Ele falou vendo que eu observava minha cidade.

-Sim. -Falei com um sorriso e pegando uma das malas também. Justin já havia reservado nosso quarto. Só falamos com o recepcionista e pegamos a chave do apartamento.

-Esse é maior. -Justin falou em relação ao quarto.

-O quarto ou todo? -Falei.

-Todo. -Ele falou sorrindo. Subimos pelo elevador até o 12 º andar. E quando chegamos ao quarto 324 era realmente maior que o outro.

-Uau, você tinha razão. -Falei soltando as malas.

-Vem, vamos ver o quarto. -Ele falou me guiando. Chegamos ao tal quarto. Lindo. -Gostou?  -Ele falou.

-É lindo, amor. -Falei contornando seu pescoço. -Eu te amo. -Falei com um sorriso, bem próximo a sua boca.

-Eu te amo. -Ele falou dando início a um beijo. Lento e romântico. Ele interrompeu o beijo com mordidinhas no meu lábio inferior. -Vamos jantar.

-Aonde? -Falei.

-Num restaurante que você conhece, não deve se lembrar, mas você conhece. -Ele falou.

-Indicação da minha mãe? -Falei.

-Sim. Vai assim ou vai se trocar? -Ele falou.

-Vou me trocar, essa blusa ta muito fresquinha. -Falei indo até a sala e abrindo a mala, e pegando outra blusa.

-Eu já aluguei um carro para nós. -Ele falou.

-Pensou em tudo, Jus? -Perguntei tirando a blusa.

-Sim, em tudo, cada detalhe. -Ele falou com um sorriso no rosto.

-Cara de quem vai aprontar.. -Falei colocando a outra blusa e ele gargalhou. -Podemos ir.

-Vamos, eu quero dirigir aquela belezinha logo. -Ele falou me guiando pela cintura. Fomos até a recepção e Justin pediu a chave do carro do quarto 324. O cara lhe deu e fomos pra garagem. -AQUI! -Ele falou observando a ferrari branca em sua frente.

-Justin! -Falei. -Aqui é caríssimo esse carro, amor!

-Eu sei, mas é especial. -Ele falou destravando o carro e abrindo a porta pra mim.

-Eu estou com impressão que deveria ter vindo mais arrumada. -Falei entrando.

-Eu estou de vans e bermuda, amor. -Ele falou e fechou a porta. Atravessou e entrou no outro lado. -Gostou?

-Sim. -Falei lhe dando um selinho.

-É um pouquinho longe. -Ele disse ligando o carro e o tirando-o da vaga.

-Estamos com pressa? -Perguntei.

-Nenhum pouquinho.. -Ele falou sorrindo. Fomos passando pelos lugares da cidade e eu me lembrava vagamente das coisas. A cidade estava muito movimentada.

-Reconhece? -Justin perguntou.

-Não muito amor. -Falei tentando me lembrar. Passamos em frente a uma igreja e eu realmente me lembro, eu a frequentava. Estava quase do mesmo jeito, só haviam mudado a vidraria e a cor. -Daqui eu me lembro, eu e mamãe vinhamos aqui quando morávamos aqui, amor. Vinhamos umas 3 vezes por semana, era legal.

-E seu pai? -Jus perguntou.

-Ele era de outra religião. -Falei.

-Aqui. -Ele falou parando a ferrari, e eu não me lembrava do restaurante.

-Eu não lembro daqui, amor. -Falei.

-Lá dentro vai se lembrar. -Ele falou e saímos do carro. Ele travou o carro e deu a volta, me dando a mão. Entramos no restaurante, agora eu lembro! Essas paredes, aqueles quadros na paredes, as mesmas mesas e cadeiras até hoje. Meu restaurante italiano favorito! Como pude esquece-lo!

-Não acredito que você me trouxe aqui. -Falei pra Justin.

-Tem algo errado? -Ele falou um tanto preocupado.

-Ao contrário, tá tudo perfeito. -Falei e ele sorriu. -Ali, vamos ali. -Falei apontando a mesa perto da cozinha em que eu e meus pais vinhamos jantar.

-Porque ali? -Ele questionou me seguindo.

-Essa era a mesa em que eu e meus pais vinhamos jantar. -Falei sentando. Eu devia estar igual uma menina de 9 anos que ganhou uma Barbie. Era o melhor restaurante de SP, e me lembrava muito as noites que eu vinha aqui com minha mãe e meu pai...

-E vai comer um ravioli de brócolis ao molho com bacon. -Ele falou meu prato favorito daqui.

-Seu sem-graça. -Falei sorrindo e ele retribuiu. Justin chamou o garçom e eu fiz nossos pedidos, Justin pediu macarrão a bolonhesa.

-E guaraná. -Justin falou pro garçom. Justin conseguia ser o tipo de homem que eu sempre quis em minha vida, para ficar uma vida toda ao seu lado. Sorri e o garçom se  foi.

-Você é tão bobo.. -Falei.

-Eu? Você tá vomitando arco-íris ai! -Ele falou brincando.

-Eu estou feliz. -Falei sorrindo.

-Eu amo te fazer feliz. -Ele disse entrelaçando nossos dedos. Quando os pratos chegaram, Justin atacou, ôooh menino guloso! Estava muito muito muito bom, sinceramente. Perfeito, igualzinho na minha infância  E o guaraná combinou perfeitamente. Estava tudo tão perfeito.. Assim que acabamos, o garçom passou tirando os pratos.

-Obrigada. -Falei pra ele.

-Eu gosto de fazer essas coisinhas especiais. -Ele falou sorrindo. -Vamos?

-E a sobremesa? -Falei.

-Em outro lugar. -Ele falou levantando.

-Se você me levar aonde eu to pensando.. -Falei lembrando da doceria mais perfeita de todo o mundo! Nem nos EUA tinha algo como ela.

-É lá mesmo. -Ele falou me puxando pela mão. Fomos até o caixa e ele pagou, novamente.

Voltamos para o carro e Justin abriu a porta para eu poder entrar. Entrei e ele deu a volta, entrando também. Ele se sentou e me fitou. Arqueei uma sobrancelha e ele fez com o dedo indicador um sinal de 'vem cá'. Me aproximei rapidamente e pressionei seus lábios nos meus. Suas mãos massageavam minha cintura e as minhas eu puxava seu cabelo. Ele me puxou mais e eu fiquei em seu colo.

-Pshi... -Falei colocando o dedo em sua boca e saindo de suas pernas.

-Volta vai.. -Ele falou manhoso.

-Depois, vamos! -Falei e ele lambeu os lábios, sorrindo em seguida.

-Vai fazer tudo o que eu quiser depois. -Ele disse ligando o carro. Gargalhei. Em poucos minutos chegamos em na doceria. Oh Meu Deus, estava maior. E tava bem cheia. Eu sai do carro empolgada e esperei Justin sair, que estava tão animado quanto eu. Fomos caminhando até a entrada e quando entramos.. UAU. Tinha doces para todos os lados, em prateleiras, coisas que vinham do teto até nossa altura, carrinhos, gôndolas. PARAÍSO! 

-A gente não vai voltar pra L.A. nunca, Jamie -Justin falou com a boca formada em um 'o'.

-Eu concordo. -Falei no mesmo estado. Nos recuperamos e atacamos a doceria toda. Pegamos tudo que nos podíamos. Sabe aquelas crianças correndo por um lugar? Estávamos assim. Fomos pro caixa e o valor foi 432 reais em doce. Dá pra imaginar? Passamos o cartão e eu teria que ligar pra minha mãe mais tarde, mas estava tão bom..

-Isso foi caro? -Ele falou rindo abrindo o carro. Eu com 4 sacolas e ele com 5.

-Sim, amor. -Falei rindo também.

-Percebi pela cara da moça, foi muito engraçada. -Ele falou rindo e entramos.

-Foi mesmo. -Concordei rindo. -Temos doce pro resto da vida. -Falei.

-Eu como isso em um mês. -Ele disse ligando o carro.

-Mas não mesmo! Você ia passar mal! -Falei e ele riu.

-Ia nada, mas não vou comer tudo, vou te dar alguns. -Ele disse dando outra risada.

-Alguns! E não é seu! -Falei dando um tapa de leve nele. Ele sorriu.

-Chata! -Ele falou brincando e eu me virei no banco, ficando de frente para ele.

-Eu te amo. -Falei brincando com seus cabelos.

-Eu te amo. -Ele falou olhando pra mim e voltando a olhar a estrada, com um sorriso.

-O que vamos fazer amanhã, Jus? -Falei ainda mexendo em seu cabelo.

-Vamos a um lugar, não vou falar. -Ele disse sorrindo.

-Justin Justin.. -Falei e ele riu.. Estavam tranquilas as ruas por onde passávamos. Justin tinha uma mão no volante e outra em minha coxa. E a minha ainda estava em seu cabelo. Justin entrou com a ferrari na garagem e estacionou o carro. Fui abrir a porta mas Justin não tinha destravado.

-Nada disso.. -Ele falou subindo em cima de mim.

-Porque? -Falei estranhando.

-Eu falei pra você voltar, e você não quis.. E concordou em fazer tudo o que eu quisesse. -Ele disse beijando meu pescoço.

-Eu não concordei não, eu só dei risada. -Falei.

-Quem cala consente. Já ouviu isso? -Ele falou descendo os beijos.

-Justin! Vamos subir.. -Falei resistindo a seus toques.

-Quero aqui. -Ele falou. Pensei em uma coisa.

-Cade a camisinha? -Falei arqueando uma sobrancelha.

-Vai se fuder. -Ele brigou consigo mesmo e destravou o carro. Sorri perversa e ele saiu de cima de mim. -Sabia que eu não tinha trazido?

-Claro. -Falei descendo também. -Você esqueceu de trazer pro Brasil. -Falei. Ele sorriu sem graça e subimos para o nosso andar.

Entramos no apartamento e Justin me agarrou assim que pisamos. Ele puxava meu cabelo com força, e eu já sentia sua mão por de baixo da minha blusa. Fechei a porta, me soltando de seu beijo e trancando a porta. Quando me virei, Justin não estava mais ali atrás de mim.

-Amor? -Perguntei. Ele não respondeu. Fui caminhando até o quarto, as luzes estavam apagadas e quando entrei nele, a porta se fechou.

-Você tem sido uma garota muito má. -Justin sussurrou em meu ouvido, prensando seu corpo ao meu, me fazendo arrepiar.

-O que você vai fazer comigo? -Falei fingindo medo e coloquei minhas mãos pra trás, como seu eu tivesse algemada.

-Isso. -Ele falou me beijando e eu senti algo em meus pulsos.

-Justin.. -Falei vendo que sim, a algema estava em meus pulsos.

-Na cama, agora. -Ele falou autoritário. Justin e seus fetiches. Fui indo pra cama e ele me empurrou, fazendo me deitar.

-Como você pretende tirar minha blusa se eu estou assim? -Falei com ele em cima de mim.

-Assim. -Ele falou e rasgou minha blusa.

-BIEBER! -Falei e ele gargalhou.

-Fica quieta. -Ele disse num sussurro. Suas mãos passearam por meu colo e pararam em meus seios. Justin tirou meu sutiã, que tinha o fecho atrás e como eu estava algemada, não dava pra tirar, então ele subiu sutiã e começou a fazer movimentos em meu seio com a boca. Eu odiava ficar presa, queria que ele me soltasse. Mas ele não faria isso.

-Me solta, Justin. -Pedi.

-Eu ainda nem comecei. -Ele falou. -Só relaxa.. -Ele falou desabotoando meu shorts. Ao mesmo tempo que eu estava brava eu estava excitada. Ele tirou meu tênis e jogou longe, jogando também meu shorts junto.

-Me beija. -Pedi com o desejo falando mais alto. Ele atendeu ao meu pedido, me beijando enquanto tirava sua roupa. Era perturbante eu não puxar seu cabelo durante o beijo. Senti sua mão em minha coxa e ele tirar minha calcinha. -Justin, me tira daqui. -Falei parando o beijo.

-Não.. -Ele falou esticando a mão para alcançar o criado mudo. Ele abriu o pacote, desenrolando a camisinha. -Vai ser uma boa garota?

-Sim. -Falei duma maneira tentando ser sexy. Ele destravou a algema e eu o ataquei.

 

[...]

 

A claridade e o calor me irritavam quando abri os olhos. Eram 7h. Shit. Olhei para o meu lado e Justin ainda dormia, com as mãos em minha cintura. Retirei-as delicadamente dali e me sentei, fitando o chão. OH MY GOSH. 3 pacotes de camisinha no chão abertos e usadas. Nossas roupas espalhadas por todo o quarto, a maldita algema no chão, e uma cadeira no chão.. Meu Deus... Justin estava um furacão noite passada, ele não é o cara mais safado do mundo, mas parece o clima tropical o deixou assim.  Um celular apitou e pelo toque, era o meu. Fui até minha bolsa e o atendi.

-Alô. -Falei sem olhar o visor.

-Oi filha!

-Oi mãe, como está?

-Estou bem e por ai?

-Quente, mas tudo perfeito.

-Awwn que bom, e Justin como está?

-Ta ótimo. Dormindo igual a um anjo.

-Que horas são ai???

-7.

-Noooossa filha, acho que te acordei, mas está tendo noite do pijama aqui e ai quiseram te ligar. Você não dá noticia.

-A gente ficou muito ocupado.

-Qual foi a desculpa? -A voz de Katy estava no celular agora.

-A gente estava ocupado!

-HAM OCUPADOS??? SABEMOS.. -Ela gritou e pude ouvir todos rindo.

-Katy, para de trouxisse. -Falei rindo baixo.

-Liga a câmera e filma o quarto. -Ela disse e riu.

-Não! -Eu nunca poderia ligar! Tem cadeira no chão!!

-Agora!

-Não!

-Sim, anda. Tia Nina, a vadia da sua filha tá escondendo alguma coisa.

-Vadia, cala essa porra de boca. -Eu falei, mas pude escutar Demi ao fundo "Liga na tv" e depois minha mãe "MOSTRA ESSE QUARTO AGORA, MOCINHA"

-Ouviu né?

-Você vai apanhar. -Falei e liguei a câmera, filmando o ambiente.

-Mostra o Justin! -Chaz gritou. CARALHO, ELE TÁ PELADO. Com o pé, coloquei o lençol em sua bunda.

-Pronto, caralho. -Falei mostrando ele.

-TIRA ESSE LENÇOL DE CIMA DELE, TÁ CALOR NÃO ESTÁ? -Tay gritou e todos riram.

-Taylor cala a boca! Eu não vou tirar.

-Amor? -Justin falou sentando.

-Bom dia Jus, eles me ligaram. -Falei lhe dando um selinho.

-Oi gente! -Justin falou dando um tchau pra câmera.

-Oi Justin! -Ouvimos um coro.

-Justin, pega o celular. -Ouvimos Ryan gritar. Justin deu de ombros e eu lhe dei o celular, com a câmera apontando pra frente.

-Agora filma a Jamie. -Demi falou e escutamos risadas ao fundo. 

-Justin não! -Falei.

-Não vou fazer isso. -Ele falou rindo.

-Ow, porque aquela cadeira tá no chão? -Caio falou. Nos entreolhamos.

-Justin colocou a mala em cima e ela caiu, mas Justin só pegou a mala e não levantou a cadeira. -Falei rapidamente, agradecendo mentalmente por inventar isso. 

-Ahhh, eu sei, já usei a cadeira também, admitam que é bom. -Caio falou e fez todos nós rirmos.

-Cala a boca, bro. -Justin falou rindo. Peguei o lençol e me cobri.

-Tudo bem, tudo bem, vamos deixa-los em paz, tendo seus fetiches em paz. -Minha mãe falou e eu e Justin arregalamos os olhos. 

-Mãe.. Ur.. -Falei sem ter o que falar. 

-Eu vi a algema ali em baixo. -Ela falou e senti meu rosto queimar, mais ainda quando minha apontou pra tela da tv e todos localizaram a algema, e gargalharam.

-Ahhr.. -Justin ficou sem palavras .

-Usaram direito meu presentinho? -Demi riu mais ainda. 

-Ahn então, tchau. -Falei.

-Tchau gente, aproveitem. -Minha mãe riu baixo e todos gritaram um tchau. E eu desliguei o telefone.

-Você tá vermelha até agora. -Justin falou rindo e subindo em mim.

-Lógico.. -Falei e ele gargalhou e me selou. 

-Vamos. -Ele falou de pé. 

-O que? -Falei.

-A surpresa é agora de manhã. -Ele disse.

-Tudo certo, vamos. -Falei e subi em suas costas. -Banho. 

-Malinha! -Ele falou e fomos pro chuveiro. Desci de suas costas e liguei o chuveiro e tomamos nosso banho. 

-Amor, posso saber pelo menos o que eu visto? -Eu falei abrindo a minha mala, de volta ao quarto. 

-Sim, ahn, um vestido ia ser perfeito. -Ele falou sorrindo e colocando sua cueca. 

-Esse pode? -Falei mostrando o vestido florido. 

-Está perfeito. -Ele falou sorrindo.  Retribui o sorriso e me troquei. Justin colocou uma bermuda branca e uma regata branca também. E por cima uma camisa xadrez com verde e tons amarelos.

-Tá lindo. -Eu falei agarrando ele. 

-Então vamos logo. Vai pedindo o elevador, amor? -Ele falou e eu o selei antes de ir. Peguei minha bolsa e fui pro corredor. Chamei o elevador e antes dele chegar, os dedos de Justin já estavam entrelaçados nos meus. Chegamos a ferrari e entramos. 

-Tá pronta? -Ele falou e eu sorri, mas convicta do que nunca que ele era quem eu queria para o meu futuro.

-Sempre. -Falei. Ele retirou o carro da vaga, e indo pra saída do estacionamento. O tempo estava gostoso, quente, mas gostoso.

-Nossa amor, parece uma das manhãs de domingo em que nós três, eu e meus pais, íamos a um parque lindo, muito lindo mesmo, que eu corria por um monte de flores e ficava brincando. Era tão lindo. -Falei pra ele.

-É pra lá que vamos. -Ele falou sorrindo.

-Não brinca? -Falei empolgada.

-Não, é verdade. -Ele falou sorrindo. OMG

-Você é o melhor. -Falei realmente empolgada. 

-O melhor para a melhor. -Ele disse sorrindo. Eu corei e em poucos minutos chegamos ao melhor lugar do mundo.

Estava bem vazio. Justin parou o carro e eu sai correndo pra achar a campina repleta de flores.  E ela estava mais bonita do que eu já vira um dia. Ninguém no mundo todo faria isso por mim, me traria aqui, só ele, eu tinha certeza de que queria ele pra sempre, pra sempre meu, ao meu lado. Eu tinha novamente me apaixonado, não por um moleque que prometia coisas e não cumpria, mas pelo homem da minha vida. Eu amo ele. E vou dizer isso a ele, agora. Justin apareceu radiante entre as flores e eu fui até ele, me jogando em seu colo, o abraçando. Caímos no chão, no meio das flores. 

-Obrigada. -Falei me sentando e ele se sentou. 

-Não foi nada, eu amo seu sorriso e me contaram que aqui era especial. 

-Não só por isso. -Falei. -Por tudo,  por não desistir de mim, por ficar sempre ao meu lado e por me amar. Eu te amo como nunca amei ninguém, eu te quero pra sempre, para ficar do meu lado, quero só você, só você Justin Drew Bieber. Eu nunca senti isso por ninguém antes, você me ensinou o que é o amor verdadeiro. Eu te amo. -Falei sorrindo muito.

-Amor... Eu te amo. -Ele falou sorrindo. -Eu te quero como nunca quis ninguém nesse mundo, você é a minha paixão, eu te quero pra sempre, como minha mulher, como minha esposa. Tudo que eu falei esses meses todos foram a mais pura verdade. Eu só consigo pensar em você, não existe mais ninguém na minha vida, só você. Eu quero você. Vem, quero te mostrar uma coisa. -Ele falou me fazendo chorar. Sorri, mesmo com lágrimas nos olhos e nos levantamos. Ele me arrastou para a árvore no canto e pegou uma flor do chão. -Coloca ela, ali em cima, naquele galho. -Ele falou e eu não entendi mas eu estava tão feliz. Peguei a flor e fui até o galho que tinha escrito JB & JC ∞ eu sorri e coloquei a flor ali. 

-Jus... -Falei mas o vi ajoelhado em meio as flores, com uma caixinha na mão. Coloquei a mão na boca, sorrindo e chorando ao mesmo tempo.

-Jamie Coleen aceita se casar comigo? -Justin Drew Bieber falou com o maior sorriso que eu já vi.


Notas Finais


AWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW quem gostou??????????????????????
ATENÇÃO: LINK PARA SEGUNDA TEMPORADA http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-justin-bieber-pretty-reckless--the-second-season-1143765

awwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwn minhas lindas, acabou :,( crying <3
espero que tenham gostado, muito obrigada por tudo <3
e ficarei honrada se vcs me acompanhassem em How to Love? http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-how-to-love-883063
MUITO OBRIGADA <3 A VCS 59 LEITORAS Q FAVORITARAM, E AS OUTRAS Q NÃO FIZERAM ISSO MAS LERAM : MUITO OBRIGADA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...