História Primeira Atração: Um Método Perigoso. - Capítulo 41


Escrita por: ~

Visualizações 892
Palavras 3.829
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oulá pessoas, cap novo ( eu ia demorar mais pra postar, pra dar uma ênfase ao tempo que se passou na fic, mas sou boazinha hdhsjjd )

Tem perso nova u.u ela é legal s2

Boa leitura, música nas notas finais.

Capítulo 41 - The Sin of Domination.


Fanfic / Fanfiction Primeira Atração: Um Método Perigoso. - Capítulo 41 - The Sin of Domination.

Você é a luz, você é a noite
Você é a cor do meu sangue
Você é a cura, você é a dor
Você é a única coisa que quero tocar
Eu nunca soube que poderia significar tanto, tanto. - Love Me Like You Do.

- 2 MESES E 1 SEMANA DEPOIS. -

Sr. Bomer pov's.

Sinto mãos se estenderem pelas minhas costas, indo do meio até meus ombros em um toque suave.

Continuo com o olhar fixo na fileira de chicotes na parede à minha frente, com o pensamento distante o suficiente para não me importar com o carinho. 

Me encontrava no meu quarto especial. Junto com Leslie. Uma nova submissa.

Havíamos passado toda a noite ali... E agora era segunda-feira de manhã, porém cedo demais para eu ter de me arrumar para meu trabalho.

Vejo uma camada de fios loiros cair ao meu lado, roçando em meu ombro esquerdo.

Olho para o rosto de Leslie, que se encontrava com um leve sorriso.

- Qualquer coisa pelos seus pensamentos. -- A mesma fala, e eu sorrio para ela. --

- Não precisa saber no que estou pensando. -- Respondo, levantando-me da cama. -- Mas quero saber os seus.

- É fácil. Você. -- Leslie responde, e me viro para ela. -- 

Vejo-a ainda nua, coberta até a cintura por uma coberta fina de veludo negro.

Ela ajeita o cabelo, colocando-os para trás, e estende as mãos para mim, e prende os dedos no cós da minha calça moletom. Eu seguro seus pulsos, impedindo-a de me deixar sem roupa.

- Vamos tomar banho. -- A mesma sugere, e eu a puxo para fora da cama, fazendo ela ficar exposta para mim. --

- Apenas banho. -- Aviso, girando-a de costas, e a levando comigo para fora do quarto. -- 

- Ah, não. Mais uma vez, por favor. -- Leslie pede, e imagino o bico que ela estava fazendo. -- 

- Leslie, não. Você vai ficar com a parede do útero desgastada. -- Respondo, preocupado com a mesma. --

Tínhamos passado a noite inteira transando.

Admito que não porque sentia-me insanamente atraído por ela... Mas porque era melhor do que dormir e meus pensamentos serem levados para outra pessoa que antes estava no lugar dela.

Abro a porta do quarto, e Leslie saí, seguindo o caminho para o banheiro no qual já conhecia.

A observo caminhar pelo corredor, e então tranco a porta novamente.

Quando a loira vira para o cômodo do banheiro, vou atrás da mesma, e então entramos juntos.

[ ... ]

Termino de fechar o último botão de minha camisa social, e coloco apenas um colete social por cima da mesma. O dia estava consideravelmente quente para um paletó.

Então, coloco uma gravata, e esfrego meus olhos, afastando a névoa de uma noite sem dormir de mim.

Sigo para as escadas, e desço rapidamente os degraus, encontrando Leslie já na sala de estar, mexendo nas decorações de uma cômoda de madeira escura.

- Vamos. -- Falo, pegando minha pasta em cima do sofá, e oferecendo a minha outra mão para a mesma. --

Ela aceita, com um sorriso gentil, e observo seu vestido preto e arrumado demais. Eu precisava me acostumar e lembrar que Leslie era uma modelo, e que ela sempre estaria vestida como se fosse para uma festa.

Mas não por mim, para a mídia, claro.

Eu aperto o maxilar, e então saímos de meu apartamento.

Após alguns minutos dirigindo, paro meu carro em frente ao hotel de Leslie, e a mesma deposita um beijo em meus lábios, saindo do automóvel logo depois.

A observo entrar na construção, e fico alguns minutos parado ali, sentindo-me perdido ao ficar sozinho. Até que acordo, e sigo meu caminho para o Cumbria.

Paro no estacionamento dos professores como de costume, e saio do carro para entrar no Colégio. Vejo que eu havia me atrasado alguns minutos, pela quantidade de alunos que já se encontrava na área exterior do local, e me irritando levemente com isso, continuo meu caminho.

Passo por umas garotas fofocando, e escuto meu nome no meio da conversa, o que me faz olhar brevemente para elas, e as mesmas coram de vergonha. Primeiramente, achei que elas haviam falado comigo, mas logo noto que elas estavam sobre mim.

Eu sigo meu caminho para a sala dos professores, ignorando-as, e me irrito ainda mais com a quantidade de estudantes no corredor, fazendo a passagem ficar apertada.

Passo por entre eles devagar, o que me faz ficar com a cabeça quente já aquele horário.

Como se não bastasse, meu olhar capta um sorriso já conhecido por mim. 

Vejo-a conversando com a amiga, e as duas riam de algo que eu fiquei alterado por não saber. Apesar de tentar ignorar as emoções, achava justo saber o que causava tanta felicidade à Belle, mesmo que fosse algo estúpido.

Quando noto, eu estava parado no meio do corredor a encarando. 

Agradeço mentalmente por ela não ter me notado, e volto a caminhar para algum lugar, atordoado com meus pensamentos, e com vontade de me castigar por ter feito aquilo.

Assim que abro a porta da sala dos professores, vou entrando de vez e não percebo que havia alguém saindo.

Me bato com a professora de física, Lilian, e a mesma sorri, mordendo o lábio inferior ao mesmo tempo ao ver que havia sido eu.

- Sr. Bomer. Bom dia. -- A mesma deseja, e eu passo uma mão sobre o cabelo, recompondo-me. --

- Igualmente. -- Respondo com a educação formal que tinha por ela, então passo pela mesma, indo até meu armário. --

- Está tudo bem? Parece que vai vomitar. -- Lilian fala. Inconveniente. --

- Estou sim. -- Respondo com visível irritação no tom. --

- Que bom. -- Ela parece não ligar pelo modo que falei, e a observo pelo canto do olho me olhar de cima abaixo. --

- Professora, por favor. -- Falo, incomodado com seu comportamento inapropriado, e fecho meu armário com força. --

- Perdão. -- Ela abre um sorriso, e respiro fundo. -- Olhar não arranca pedaço.

- Isso não significa que quero seu olhar sobre mim. -- Falo, surpreso com a sua opinião. -- Garanto que você não iria gostar de alguém assediando-a no trabalho.

Ela faz uma leve careta para mim, e então segura minha gravata. Sinto o resto de minha paciência ir embora.

- Você ainda vai ser meu. -- Ela fala, depositando um beijo em meu rosto. --

- Ponha-se no seu lugar. -- Falo, arrancando sua mão de minha roupa, e saio da sala, batendo em seu ombro ao passar. --

Já estava sentindo-me suficientemente irritado para um início de manhã.

Falo a mim mesmo para manter o controle, e mexo o pescoço de um lado para o outro, tentando relaxar.

Entro na minha sala, e coloco a pasta sobre a mesa. Alguns segundos depois, o sinal toca, e o restante de alunos que ainda não estavam na classe entram alvoroçados pela porta.

Eu observo eles brevemente, e então me viro de costas, anotando mais um assunto no quadro.

As primeiras provas haviam sido no mês passado, e em 2 semanas já começariam as outras.

Quando largo o piloto na mesa novamente, faço barulho o suficiente para todos se calarem e olharem para mim.

- Bom dia. -- Falo, apoiando duas mãos na mesa à minha frente, e olhando para alguns sentados próximos à mim. --

A turma responde de volta, e tento ao máximo não olhar para Belle. Mas já acostumado com todas as vezes que falhei, todos os dias, ao dar aula à ela, cedo a minha vontade.

Meu olhar se encontra com o seu, que me encarava de forma sutil e tímida.

Passo cerca de 10 segundos absorvendo toda a sua imagem de hoje. 

Cabelo preso em um rabo de cavalo, um casaco azul marinho por cima da típica camisa branca que ela gostava de usar, como se fosse um fardamento, apesar de não haver exigências sobre a parte de cima do uniforme escolar. Sua boca estava com um leve brilho, que denunciava que a mesma havia passado... Como se chama? Ah sim, gloss, nos lábios.

Passo minha língua pela extensão de minha boca, desejando doentiamente sentir o toque daqueles lábios novamente. Mas eu não podia. Porque como a mesma disse, ela não podia.

Aquela última frase dela me deixou em uma profunda e obscura confusão na minha mente. O que ela não podia? Por quê não ficar comigo? O que havia de errado em mim? Ainda tenho um alívio por não ter contado nada sobre meu passado, talvez fosse pior... Porque tudo isso pode ser pelo fato dela achar que sou um monstro, por conta de minhas preferências...

Eu noto que eu estava encarando demais a mesma, quando vejo suas bochechas corarem, e alguns alunos olharem para Belle, tentando entender o fato de eu estar a observando tão fixamente.

Então, eu volto a minha postura, ajeitando a gravata, e arranho a garganta.

- Bem. Como já sabem, as provas estão se aproximando, mas falta apenas mais um assunto para a explanação do que vocês farão na prova, e então poderão tirar todas as dúvidas. Próxima semana já será possível isso, e não exitem em me procurar fora da sala para uma reexplicação do que foi dito aqui. -- Aviso, e então ajeito as mangas de minha camisa social, as puxando mais para cima. --

- Dará aulas particulares, professor? -- Uma garota levanta a mão, e sem nem mesmo esperar minha permissão para falar, ela pergunta. --

- Não exatamente. Posso explicar qualquer coisa na biblioteca. -- Respondo, a olhando, enquanto cruzo os braços. --

- O senhor poderia ir na minha casa, me explicar a anatomia do seu corpo. -- Diz, abrindo um sorriso enquanto a sala começa a rir. --

Eu passo uma mão pelo rosto, ignorando a petulância da garota, e mando a turma se calar.

- Mais um comentário do tipo e vai para a detenção. -- Falo para a garota, na qual me lembrava do nome vagamente, como Rachel. --

Ela coloca os braços para cima, em um gesto de rendição, enquanto um sorriso ainda dançava pelos seus lábios, me irritando.

Após o inconveniente, eu dou uma olhada em Belle, que se encontrava com uma expressão de irritação no rosto, e então me viro para anotar outras coisas.

[ ... ]

Já na hora do almoço, eu me encontrava na sala dos professores. A comida que eu havia pegado no refeitório estava tão salgada que era impossível comer tudo sem ter uma crise de hipertensão.

Portanto, a bandeja estava parcialmente intacta em um canto da mesa na qual eu estava. 

No meu celular, chegava várias mensagens de Leslie, dizendo que estava com saudades, e outras coisas mais ousadas.

Arqueio uma sobrancelha quando vejo uma foto sua apenas de sutiã, em frente a um espelho que ia até sua cintura.

Guardo imediatamente o celular quando vejo um professor adentrar a salar, mas não sem antes responder aquilo.

Leslie era uma pessoa muito intensa e aberta para qualquer nova experiência. Ela quis sem nem mesmo protestar quando revelei meus gostos à ela.

Nos conhecemos em uma festa na qual Patrick - que ainda estava em Carlisle, mas residindo em um Hotel de luxo -, me obrigou a ir junto.

Eu não queria envolver-me com mais ninguém por um tempo, mas digamos que Leslie é uma garota insistente e atraente o suficiente para me fazer mudar de ideia.

O único problema, é que eu descobri, na primeira vez que estive com ela mais intimamente, fora que minha mente me traía da forma mais inadmissível possível, ao ver Belle, em vez da própria, ao beijar seus lábios ou coisas a mais.

Eu não poderia desistir de Leslie por conta disso, afinal, algo em mim me dizia que isso não mudaria... Mesmo que eu tentasse achar mais outra garota. 

Belle estava impregnada em minha pele e na minha mente.

Eu poderia dar uma de " Se não está comigo, não estará com mais ninguém. ", mas eu não poderia impedir a felicidade dela, já que eu não era capaz de proporcionar isso.

E isso me matou lentamente pelos primeiros meses, mas agora, eu já estava conformado o suficiente para olhar seu rosto sem ter vontade de bater em algo.

E de qualquer forma, parecia que Ryan Jordan era felicidade o suficiente para ela.

Se eu soubesse no que resultaria a ida ao teatro, eu nunca teria a levado naquele lugar. E hoje, ela continuaria sendo minha, como deveria.

- Matthew? -- Um homem fala, balançando-me pelo ombro levemente. --

Eu olho para o mesmo, e o reconheço como o professor de Biologia do último ano.

- Sim? -- Pergunto, percebendo como Belle tomou conta novamente de meus pensamentos. --

- O sinal de sua aula tocou. Inglês para o 1º ano agora. -- O mesmo responde, e eu arqueio as sobrancelhas. --

- Ah, sim. -- Me levanto da cadeira onde estava, e nós dois olhamos para a minha bandeja que ainda havia comida. --

- Eu posso levar isso para o refeitório. O senhor já está atrasado. -- Ele informa, e eu agradeço brevemente, me dirigindo até a saída. --

Chego na sala rapidamente, e abro a porta. A turma estava conversando, e havia alguns em pé. 

Todos me olham, e eu peço perdão pela demora. Então, fecho a porta e me dirijo até a minha mesa.

O resto do dia se passou normalmente, visto que Belle não estava em nenhuma das salas que eu tinha aula para lecionar, e que como eu estava ocupado com os alunos, minha mente traiçoeira não tinha jeito de me trair ao me fazer pensar nela.

Quando o último sinal toca, eu dispenso a classe do 2º ano, e saio da sala, indo diretamente para o estacionamento, já que minhas coisas estavam comigo.

No caminho, meu celular toca e eu atendo a ligação de Patrick.

- Oi, irmãozinho. -- O mesmo me cumprimenta, e eu franzo levemente as sobrancelhas. --

- Diga logo, Patrick. -- Respondo impaciente, sentindo fome por não ter comido nada desde de manhã cedo. --

- Calma aí. Eu só quero saber se posso jantar com você hoje. -- Ele pergunta, e eu suspiro, me encaminhando para a entrada do colégio. --

- Tudo bem. Não chegue atrasado, se não saio para comer e te deixo me esperando na recepção. -- Ameaço, enquanto um sorriso se forma em meu rosto. --

Patrick pragueja no celular, porque nós dois sabíamos de seu problema de atraso, e sorrio mais. 

Meu sorriso se desfaz assim que vejo Leslie encostada em meu carro, checando as próprias unhas.

Sem me despedir, desligo o celular, o guardando em um bolso da calça social.

Leslie me avista, e eu passo o olhar pelo estacionamento, para ver se alguém poderia estar nos espionando, mas ao longo disso, meu olhar se prende em Belle assim que o passo sobre ela.

A mesma estava falando com uma garota de cabelos castanhos, e noto que não era a Isabelle.

Como um ímã, seu olhar vêm de encontro ao meu, e começo a caminhar mais lentamente.

Olho para Leslie novamente, que agora olhava para Belle, provavelmente vendo que antes eu olhava para minha aluna.

De repente, me sinto incomodado por Belle estar prestes a saber quem Leslie era.

Antes de chegar perto o suficiente de minha submissa, olho por cima do ombro para Belle mais uma vez, e a vejo com o cenho franzido, como se estivesse presenciando algo ruim. Isso faz uma estranha sensação de esperança nascer em mim. A sua reação deveria significar algo.

Quando me dou conta, sinto Leslie colocar seus braços ao redor de meu pescoço, e sem aviso, me beijar calorosamente.

Eu retribuo, apesar de estar incomodado com a presença de Belle nos observando.

Não deixo aquilo demorar por muito tempo, segurando o rosto de Leslie com as mãos, e a afastando. 

- O que faz aqui? -- Pergunto, realmente surpreso. Ela nunca fez isso, e sabe como prezo a descrição de minha vida pessoal. --

- Eu estava com muita saudades. -- Responde, como se fosse motivo o suficiente, e morde o lábio inferior, encarando minha boca. -- 

- Não deveria ter vindo... Aqui é meu local de trabalho. -- Falo, levando uma de minhas mãos até sua cintura. --

- Eu sei. Sinto muito. Você me deixa louca. -- Ela diz, e volta a me beijar. --

Eu parto o beijo quase instantâneamente, fazendo a mesma me olhar estranho.

- O que foi? -- Leslie pergunta. --

- Nada. Entre no carro, vamos até seu hotel. -- Falo, e tiro seus braços do cima de mim. -- Mais privacidade. 

Quando a mesma sorri, girando e entrando no automóvel, eu olho ao redor só para notar que praticamente todos os alunos estavam nos observando. Algumas meninas olhavam para mim com raiva, outras com tristeza, e os garotos sorriam orgulhosos. Eu faço uma expressão de irritação aos últimos, percendo que era por conta da Leslie, e eu não gostava que ficassem olhando para a minha submissa.

Porém, eu realmente me importo com a expressão de apenas uma pessoa.

Belle me encarava com o rosto totalmente vermelho. Sua boca era uma fina linha vermelha, que demonstrava que ela havia mordido os lábios com força.

Eu controlo a vontade que meu corpo tem de ir até lá e dizer que Leslie não era nada comparado a ela. E uma palavra de Belle, eu deixaria Leslie para podermos voltar a ser o que éramos.

Porém, eu não poderia deixar esse lado selvagem de desejo e paixão por minha aluna falar mais alto que a razão.

Então, eu me viro de costas para ela, e entro no meu carro, tentando não fazer mais nenhum contato visual.

Em meio a tudo, sinto uma sensação forte e estranha de estar sendo observado. Porém, não pelos alunos, outra pessoa.

Um frio se faz no meu estômago, e percebo que estava quase a beira de um ataque de pânico. Meu corpo estava reagindo ao perigo, mas eu não conseguia identificar nada que pudesse por em risco o meu bem estar.

- Matthew? -- Leslie pergunta, colocando uma mão em meu ombro. -- Matthew, o que houve?

- Nada. -- Minha voz vascila, fazendo-me ficar surpreso, e eu olho pela janela, porém não vejo ninguém. --

Em meio ao leve tremor de minhas mãos, eu ligo a chave do carro e saio o mais rápido que posso do Colégio. Sinto aos poucos, a sensação ir embora e eu pisco com força, sem entender simplesmente nada.

Ao chegar no hotel da Leslie, eu paro o carro no estacionamento, e então descemos.

De mãos dadas, subimos até seu quarto, e ela tenta me beijar no elevador, mas a impesso. 

Quando chegamos no seu quarto, Leslie praticamente já estava subindo em cima de mim.

Eu a seguro, enquanto a mesma sobe por si só, e prende as pernas ao redor de meu quadril.

Ela abre a porta com dificuldade, ocupada enquanto a beijo incessantemente.

Adentrando, eu caminho até a cama, a jogando na mesma, e então vou fechar a porta.

Quando me viro, o vestido vermelho que Leslie usava já não estava mais em seu corpo.

Sorrio, a olhando, e a mesma se deita na cama, esperando por mim, com os cotovelos apoiados no colchão.

Me aproximo dela, tirando o colete, assim como a gravata e a camisa social.

Leslie sorri mais abertamente, observando-me, e vejo seus olhos serem engolidos por desejo.

[ ... ]

Chego em casa exausto. 

Me sento no sofá, olhando para a tv à minha frente.

O silêncio do apartamento se fazia ensurdecedor. O único barulho que se podia ouvir era o da minha mente, na qual estava agitada.

Eu abro a camisa social, e então apoio os cotovelos na parte um pouco acima de meus joelhos.

Rezo para Patrick chegar logo, porque nos últimos meses, ficar sozinho era algo torturante. Era como se algo me obervasse de longe, rindo de mim. Rindo por conta de Belle ter me deixado pelo que sou, rindo por eu ainda ser fraco ao sequer pensar em Sarah. 

Eu me levanto do sofá, afastando meu pensamentos, e subo para a minha suíte, sentindo um cansasso físico intenso, por culpa de Leslie. Ela era incansável, e eu, apesar de tudo, não conseguia negar as suas provocações e investidas... Afinal, sou um homem.

Minutos depois, já vestido com uma calça jeans e uma camisa branca, eu desço para a sala de estar ao ouvir a campainha.

O porteiro conhecia Patrick, afinal, ele havia passado 1 mês comigo. 

Minha cabeça já estava girando pela falta de alimento. Quando abro a porta, puxo meu irmão para dentro, e o empurro para a cozinha.

- Cozinhe para mim, escravo. -- Falo, acendendo a luz do cômodo, e pegando um avental para entregar à ele. --

Patrick carregava uma mochila carregada de ingredientes, levanto uma sobrancelha ao ver aquilo.

- Na minha casa tem coisas, sabia? -- Pergunto irônico, e ele pega o avental de minha mão. --

- Escravo é seu... -- Eu levanto um dedo, mandando ele parar de falar, e rio. --

- Olha a língua. -- Aviso, brincando, e me sento em uma cadeira. --

- Você não tem o necessário para o que eu, o mestre, irei preparar. -- Ele fala, e o observo começar a preparar a refeição. Rezo silenciosamente que não fosse algo nojento ou mortalmente gorduroso. --

No fim, Patrick preparou uma macarronada. Estava boa, o que é surpreendente, visto que ele não é tão bom na cozinha, apesar de gostar disso.

Já eram 23h quando o mesmo se foi.

Agora, eu estava apagando as luzes da casa para poder subir até meu quarto e poder descansar da noite não dormida, e do dia cansativo.

Tranco a porta do apartamento, e no mesmo instante, um objeto cruza por debaixo da porta, batendo em meu pé.

Olho para baixo, e noto que se tratava de um papel, para ser mais exato, uma carta.

Ao ver um S escrito em vermelho no selo, meu coração acelera tanto que sou tomado por uma falta de ar repentina.

- Deus. -- Sussurro, recobrando o ar de repente perdido, e rasgo a carta rapidamente, sentindo meus dedos estremecerem. --

Ao ler o conteúdo, eu percebo quem estava me observando no estacionamento era ela. Por isso aquela sensação. E agora, a mesma estava voltando, e eu tive que acalmar para não deixar o cansaço e o choque me fazer desmaiar.

O papel tremia em minhas mãos, e eu me dirijo até o sofá rapidamente, tentando pensar no que fazer, e rápido.
Meus pensamentos estavam completamente presos em Belle, e em um jeito de protegê-la de Sarah.

" Olá, querido. Tenho certeza que aquela jovem bela e loira, na qual você está entregue, não continuará tão bonita daquele jeito, quando estiver debaixo da terra. E morta. " - Sarah.


Notas Finais


Não esqueçam de falar o que acharam do cap :3 e favoritem 💟
Tem surpresa para vocês hoje =D à tarde ou a noite posto aqui!
Abraços, xo.

Música: https://www.youtube.com/shared?ci=sBQ2p-U4vos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...