História Primeira Atração: Um Método Perigoso. - Capítulo 50


Escrita por: ~

Exibições 132
Palavras 5.421
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Desculpem a demora, semana de provas...
Aqui está o capítulo novo u.u preparem os hearts.
Boa leitura ♥

Músicas nas notas finais.

Capítulo 50 - Fantasy Night.


Fanfic / Fanfiction Primeira Atração: Um Método Perigoso. - Capítulo 50 - Fantasy Night.

Narradora pov's.


Desde a última conversa entre Matthew e Belle, os dois não se falaram no Colégio.
O grande motivo pelo fato da loira ter ficado muito envergonhada pelo que falou, apesar de não haver razão para isso... Do ponto de vista de Matt.


Na verdade, o que ele mais desejava no momento era poder falar com ela à sós, mas sabia que não conseguiria isso. Odiava a forma que Belle sempre fugia de tudo. As vezes, ele pensava que para ter uma conversa séria com ela, apenas a amarrando em uma cadeira.


Porém, Matt não tinha tempo para pensar em formas de fazê-la querer falar com ele, então... O mesmo apenas a deixou ter seu tempo. E afinal, as investigações de Sarah, e o início de seu tratamento com um psquiatra levou-o a se ocupar nos últimos dias.


Então, com o passar dos dias, havia chegado a outra semana. E agora, faltava apenas mais uma semana de aula, antes das provas, para então as férias de verão começar.
Seus homens, que estavam investigando o dia a dia de Belle, descobriram que haveria uma festa... Na noite de terça-feira. Em uma pequena boate. E pelas informações que Matthew conseguiu na internet, seria à fantasia.


Automaticamente ele visualizou a garota indo com o seu atual namorado... Ryan Jordan. E isso, Matthew pensou, ele não poderia deixar acontecer. Principalmente pelo fato de Belle estar vivendo uma mentira, de acordo com as três palavras que ela disse à ele.
Decidindo por impulso, Matt resolveu ir para a festa, exclusivamente para encontrar Belle.

 


-- Segunda à noite -- 


Sr. Bomer pov's.



" Em breve nos encontraremos, você querendo ou não. ", envio a mensagem, após longos minutos pensando se deveria avisá-la de algo assim ou não. O sobrenome de Belle é imprevisível... E eu não teria a paciência de vê-la fugindo de mim novamente.


Ponho o celular ao meu lado no sofá, enquanto passo as mãos sobre os fios de meu cabelo, os bagunçando, enquanto agora penso se deveria me arrepender da mensagem.


- Fiz salada para o jantar. -- Ouço a voz de Leslie se aproximar de mim, até sentar-se ao meu lado, e morder o lóbulo de minha orelha, me fazendo fechar os olhos. -- 


- Salada? -- Pergunto, achando estranho para um jantar. -- 


- Preciso manter a minha dieta. -- Ela fala, tirando os meus braços de cima de meus joelhos, e me fazendo encostar no sofá. Observo o que Leslie fazia, frazindo levemente o cenho, até a mesma sentar-se no meu colo, virada para mim. --


Sinto suas mãos subirem de meus braços até meu pescoço, até ela puxar-me para um beijo.
Seguro seu rosto, acalmando a intensidade de sua boca na minha, e então separo nossos lábios.
Encaro Leslie sorrir para mim, mordendo o lábio inferior.


- Podemos jantar depois... -- Ela sugere, e eu suspiro. --


- Te chamei para conversarmos... Não para transar, Leslie. -- Falo, e a tiro de meu colo. --


- Podemos fazer as duas coisas ao mesmo tempo. -- A mesma diz, rindo, e então me levanto do estofado. --


- Leslie... -- Digo, e então a campainha de repente toca. --


Nós dois nos encaramos por alguns segundos, até que ela me pergunta se eu não iria atender.
Então, sigo até a porta. Quando giro a maçaneta, vejo Patrick do outro lado, carregando uma mochila de plástico branca.


- Irmão! -- Ele fala alto e sorridente. Encaro-o surpreso, e então saiu do apartamento, indo para o corredor e fechando a porta logo atrás de mim. -- 


- Mas o que você está fazendo aqui?! -- Pergunto, irritado pelo fato do mesmo ter aparecido sem aviso. Ele não poderia encontrar com Leslie... Para não pensar coisas erradas... Como ela ser a minha namorada. --


- Ué, eu vim jantar com você. Tenho que te falar sobre algumas coisas. -- Patrick responde, fazendo menção de abrir a porta do meu apartamento, mas seguro a sua mão. --


- Olha... Eu estou com visita. -- Digo, soltando sua mão, e coçando os olhos com força, procurando por uma solução. --


- Eu atrapalhei alguma coisa? -- Ele pergunta, sorrindo com maliciosidade e bufo. --


- Sim. Você atrapalhou. -- Falo com irritação. -- Você pode esperar na recepção por alguns minutos? Isso não vai demorar.


- Nossa, não precisa fazer uma rapidinha por minha culpa. Eu posso voltar amanhã. -- Patrick sugere, e eu me seguro para não dar um cascudo em sua cabeça. --


- Ninguém falou em sexo, Patrick. -- Empurro ele em direção ao caminho para o elevador, enquanto o mesmo começa a rir. -- E amanhã estarei ocupado. Espere, e interfonarei para a recepção.


- Tá. -- Ele fala em bom som, já dentro do elevador, e quando ouço as portas se fecharem, volto para o apartamento. --


Quando entro, não vejo Leslie mais na sala de estar, então vou para a cozinha. 
Chegando, a encontro sentada no balcão, comendo um pedaço de tomate de um prato cheio de salada.


- Quem era? -- Ela pergunta, ao ver aproximar-me, e a encaro. --


- Sem perguntas. -- Digo, e então a mesma levanta uma sobrancelha, ficando calada. --


- Então... Podemos continuar a conversa agora. -- Sugiro, e ela sorri. --


- Ótimo. -- Leslie responde, colocando o prato no balcão ao seu lado, e puxa-me pela camisa até o meio de suas pernas. --


Ela começa a levantar minha roupa de cima, colocando suas mãos frias na minha barriga, e automaticamente seguro seus pulsos.


Leslie mesmo assim continua, levando sua boca até meu pescoço, começando a beijá-lo e mordê-lo.
Solto seus pulsos, colocando minhas mãos de cada lado do balcão onde ela estava sentada, e a sinto levar as mãos até minhas costas, arranhando.


- Leslie. -- Digo, e a mesma para brevemente, para olhar para mim. --


- O que você tem? Vamos lá, estive fora por tanto tempo... -- Ela diz, fazendo bico. --


- Vou falar de uma vez... Quero quebrar nosso contrato, Leslie. -- Falo, e por um momento vejo uma expressão de confusão em seu rosto. --


- Eu fiz algo de errado? -- Ela pergunta, segurando meu rosto. --


- Não... Mas no momento não quero uma submissa. Eu sinto muito. -- Digo, tirando suas mãos de mim. --


- Isso é uma pena. -- Leslie fala, olhando para baixo por um momento, até voltar seu olhar ao meu. -- Mas podemos ter uma despedida?


Riu do que ela diz, e me afasto da mesma.
Leslie desse do balcão, e então me segue até a sala de estar.


- É melhor não. -- Finalmente a respondo, dando uma olhada rápida no celular no sofá, até voltar a atenção ao seu rosto. --


- Tudo bem. -- Leslie diz, e então pega alguma de suas coisas na mesa do centro. -- Vou sentir sua falta.


A mesma se aproxima de mim, até seus lábios tocarem os meus em um beijo de despedida.
Com uma expressão triste, ela acena para mim, indo até a porta.


Quando me vejo sozinho dentro do apartamento, eu vou até o interfone e ligo para a recepção, avisando para deixarem o Patrick subir.


Enquanto ele não chega, vou até meu celular, e o pego, checando se havia mensagens.
Vejo coisas de outros contatos, mas nenhum de Belle.
Irritado, jogo o celular no sofá novamente, e então ouço a porta se abrir.


- Olá de novo. -- Patrick fala, e então viro-me em sua direção. --


- Espero que não tenha demorado. -- Digo, o seguindo para a cozinha. --


- Não... E aliás, se quem estava com você era aquela loira alta e peituda... Se deu bem. -- Ele diz, e reviro os olhos. --


- Manere as palavras, Patrick. -- Falo, e ele ri, idiota. --


- Enfim... Dessa vez trouxe a comida pronta. -- Ele arrasta para mim um prato com comida, no qual eu sequer o vi colocar. --


- Obrigado. -- Agradeço, indo buscar copos e talheres. -- Você disse que tinha algo para me contar... O quê?


- Ah sim. Este sábado... Tenho um compromisso e quero que você vá comigo. -- Patrick fala, me fazendo olhá-lo. --


- Por que tenho que ir com você? -- Pergunto curioso, e ele cora. --


- Eu não quero encarar uma família inteiro sozinho! -- Meu irmão choraminga, pegando um copo de minhas mãos. --


- Família? Que compromisso é esse? Vai conhecer os parentes de alguma namorada? -- Brinco, indo me sentar em um banco. --


- Na verdade não... Vou ter uma reunião com a Senhora Fanning, junto com a família dela. Eu preciso que vá comigo. -- Patrick fala, e praticamente me engasgo com o suco que estava bebendo. --


- Mesmo? -- Pergunto, depois de receber alguns tapinhas nas costas de meu irmão. --


- Sim. Então... Vai? -- Ele pede de novo, com uma expressão aflita no rosto, e respondo. --


- Claro que sim. -- Sorrio um pouco, tentando não demonstrar a animação interna. --

 


-- Terça-feira à noite. --


Belle pov's.



Assim que Ryan para o carro em frente à boate, Isabelle é a primeira a sair do banco de trás, batendo a porta com força logo depois, o que faz Jordan fazer uma careta.


Eu rio da cara dele, e então desço também. Izzy pisca para mim, animada, enquanto sua maria chiquinhas balançam com o vento. A festa seria à fantasia, o que explicava as roupas de caipira e de Thor de Isabelle e Ryan, respectivamente.


Ao contrário deles, apenas coloquei alguns enfeites dourados em meu rosto... Já que não tive nenhuma ideia do que me vestir.


Quando Izzy vira-se já adentrando a boate, após mostrar seu ingresso ao segurança, Jordan segura a minha mão, entrelaçando nossos dedos e nos encaminhamos até a entrada também.
Ryan mostra os dois ingressos ao segurança, no qual abre a porta para nós, deixando-nos passar.


Jordan entra primeiro, guiando-me no corredor de luzes neons azuis escuras. Eu aperto meus olhos, tentando enxergar melhor através da escuridão iluminada apenas por aquela luz, enquanto todo o espaço se misturava com a fumaça que saia do interior da boate.
Assim que passamos entre as pessoas, sorrio ao ver Isabelle acenar para mim, já sentada no bar conversando com um rapaz que parecia ser da idade de Ryan.


Por falar no mesmo, sinto-o ir para trás de mim, abraçando-me. Alguns segundos depois seus lábios roçam levemente em minha orelha ao falar alto, para me fazer escutar através da música.


- Quer dançar? -- Jordan pergunta, e eu concordo com a cabeça, começando a caminhar até a pista de dança. O mesmo logo me solta, para então segurar minha mão. --


Passamos por várias Arlequinas, Coringas, caras vestidos como strippers e mulheres com o que parecia ser lingeries. 

 

Quando subimos na pista de dança, Ryan vira-me para seu rosto, levando suas mãos até minha cintura. Sua boca forma um sorriso antes do mesmo encostar seus lábios nos meus.
Retribuo, sem me movimentar, enquanto coloco as mãos em seus braços. 


De alguma forma, sinto algo de errado e então o empurro levemente, fazendo-o se afastar um pouco de mim... Da mesma forma que eu havia feito a semana inteira.


- Está tudo bem? -- Jordan pergunta, voltando para mais perto, e levando uma de suas mãos até meu cabelo, enquanto uma música desconhecida por mim chegava ao fim. --


- Claro. -- Forço um sorriso, enquanto tento não fazer contato visual por conta da mentira. --


- Tudo bem... Vamos dançar. -- Ele fala, após me encarar por cerca de 1 minuto. --


A música que estava tocando para, e então passam-se alguns segundos de silêncio na boate, exceto pelo barulho das pessoas, até que outra música começa a tocar.


Reconheço como Wildest Dreams, em versão eletrônica. Olho para Ryan, que estava sorrindo de lado, e me observando.
Ele estava lindo, em sua fantasia um tanto apertada, mas que o caía muito bem. Além de mim, muitas outras garotas notaram isso, principalmente pela forma de o olhar ao passarem.


Jordan segura minha cintura novamente, me remexendo. Eu o olho sem entender, e o mesmo fala através da música, para eu dançar. 


Acordo do meus pensamentos, e descubro estar indisposta para uma festa, mas mesmo assim começo a me remexer lentamente, por conta de Ryan.
Ele se balançava de forma desajeitada e divertida, fazendo-me rir, assim como algumas pessoas que dançavam ao nosso redor.


He said: "Let's get out of this town"
Drive out of the city
Away from the crowds
I thought: "Heaven can't help me now"
Nothing lasts forever
But this is gonna take me down

Ele disse: Vamos sair desta cidade
Dirigir para fora dela
Para longe das multidões
Pensei: Nem Deus pode me ajudar agora
Nada dura para sempre
Mas isso vai me derrubar


Jordan fecha os olhos, jogando a cabeça para trás e cantando a canção também.
Sorrio, levantando os braços e me deixando levar pelas notas também. 
Apesar da letra triste e fortemente propensa à me deixar infeliz, balanço a cabeça de acordo com as batidas eletrônicas suaves, esquecendo de minha situação amorosa.


He's so tall, and handsome as hell
He's so bad but he does it so well
I can see the end as it begins
My one condition is

Ele é tão alto e terrivelmente bonito
Ele é tão mau, mas ele faz isso tão bem
Eu posso ver o fim enquanto isso começa
Minha única condição é


Ryan me puxa para perto, mas continuo com os olhos fechados. Sinto suas mãos percorrerem de forma não muito inocente as curvas de meu quadril, mas não ligo para aquilo, sussurrando as letras da música que chegam ao refrão. Mexo as minhas mãos junto da melodia, que ainda estavam para cima.


Say you'll remember me
Standing in a nice dress
Staring at the sun set, babe
Red lips and rosy cheeks
Say you'll see me again
Even if it's just in your
Wildest dreams, oh
Wildest dreams, oh

Diga que vai se lembrar de mim
Ali parada em um belo vestido
Olhando para o pôr do sol, querido
Lábios vermelhos e bochechas rosadas
Diga que você vai me ver de novo
Mesmo que seja apenas em seus
Sonhos mais selvagens, oh
Sonhos mais selvagens, oh


I said: "No one has to know what we do"
His hands are in my hair
His clothes are in my room
And his voice is a familiar sound
Nothing lasts forever
But this is getting good now

Eu disse: Ninguém tem que saber o que fazemos
As mãos dele estão no meu cabelo
As roupas dele estão no meu quarto
A sua voz é um som familiar
Nada dura para sempre
Mas isso está ficando bom agora


Assusto-me ao sentir os lábios quentes de Jordan sobre a curva de meu pescoço. 
Suas mãos sobem até minhas costas, puxando-me para ainda mais perto.
Eu queria me afastar.


- Você está muito gostosa.-- Ele fala em ouvido, e sinto meu rosto queimando aos poucos. --


Rio envergonhada, fazendo-o sorrir maliciosamente. Ryan então me beija, segurando minha nuca para que dessa vez eu não fugisse, e coloco minhas mãos sobre sua cintura, segurando de forma sutil o tecido de sua fantasia.


Quando Jordan parte o beijo extremamente intenso, ele desce seus lábios até meu pescoço novamente. Abro os olhos, agora apertando a roupa de Ryan.


De repente, vejo Isabelle passando entre pessoas na área da boate, até chegar em alguém. Minha visão é impedida de enxergar quem era por alguns segundos, até que logo percebo que era Matthew.


He's so tall, and handsome as hell
He's so bad but he does it so well
And when we've had our very last kiss
But my last request is

Ele é tão alto e terrivelmente bonito
Ele é tão mau, mas ele faz isso tão bem
E quando nós demos nosso último beijo
Meu último pedido é...


Paro de ouvir o que estava tocando, sentindo meu coração acelerar a ponto de meus ouvidos taparem.


Congelo ali mesmo, ao ver Izzy apontar para mim e para Jordan. Assim que o vejo olhar, ele retira os óculos escuros que estava usando, no qual provavelmente complementava a sua fantasia de policial.


Ryan nota a minha ausência, segurando meu rosto, obrigando-me à encará-lo.
Eu franzo o cenho, tentando arrumar uma justificativa para aquilo, de forma que ele não notasse quem tinha acabado de chegar.


- Belle, está me ouvindo? -- Jordan pergunta, ficando com uma expressão de preocupação. --


- Eu... É-é... -- Respondo entre gaguejos, não conseguindo manter o olhar longe de Matthew. --


Ryan olha por cima de seu ombro, para saber o que eu tanto encarava.
Ao olhar novamente para mim, ele parecia com raiva.


- O que esse cara está fazendo aqui?! -- O mesmo pergunta, e engulo em seco. Ao olhar novamente para Matt, o vejo ir para o bar, e sentar-se em um banco, enquanto continuava a encarar-me exclusivamente. --


- Eu não tenho a mínima ideia. -- Falo, com a voz mais baixa do que o esperado. --


- Agora ele está te perseguindo? É isso? -- Jordan parecia realmente irritado. O vejo passar a mão sobre o rosto, ficando vermelho. --


- Ryan... Estamos numa festa, pode ser pura coincidência. -- Digo, tentando acalmá-lo, e ele revira os olhos ao encarar-me. --


- Ah, por favor. -- O mesmo responde, e então respira fundo. -- Olha, me desculpe... Não queria ser rude com você. Vou ao banheiro, te encontro já.


Ele avisa, e simplesmente vira-se, caminhando para algum lugar da boate que eu não conhecia.
Mordo o lábio inferior, me controlando para não ter um ataque de pânico pelo fato de Matthew poder vir até mim a qualquer momento.


Quando estava pronta para sair da pista e ir tomar um ar do lado de fora, sinto uma mão se fechar em meu pulso e me girar.
Olho sem entender para a pessoa, até que reconheço Isabelle.


- Para onde está indo? Vamos dançar! Rihanna, meu amor. -- Ouço sua voz falar com muita animação, mas apenas continuo com uma expressão estúpida e estática no rosto. -- O que foi?


Quando não respondo, Izzy rapidamente olha para o bar, onde Matthew estava, e então ela levanta as sobrancelhas.


- Ah, isso... -- Isabelle começa, e então segura minhas mãos, balançando-as de acordo com as primeiras notas da música que começou a tocar. -- Tenta se divertir um pouco, e esquece esses caras.


Eu engulo em seco, olhando brevemente para Matt novamente, antes de tentar prestar atenção ao que estava acontecendo.
Izzy levanta as nossas mãos, as balançando no ar.


- Baby, this is what you came for. Lightning, striles everytime she moves. And everybody's watching her, but she's looking at you, oh. ( Querido, foi para isso que você veio. Um relâmpago cai toda vez que ela se mexe. E todos estão a assistindo, mas ela está olhando para você, oh. ) -- Isabelle canta junto com Rihanna, e eu sorrio para a mesma. --


Aos poucos me solto, apesar de sentir o olhar de Matthew sobre mim o tempo inteiro.
Rebolo levemente, enquanto Izzy e eu ficamos de costas e encostadas uma para na outra, nos remexendo de forma sensual.


Logo, sinto Isabelle desencostar-se de mim, e então ela dá um tapa leve em minha bunda. Viro-me para a mesma, que estava sorrindo, e na sua frente havia um cara.
Entendo o que ela estava querendo dizer, e então aceno para os dois, que rapidamente somem na multidão.


Sozinha, engulo em seco ao perceber que eu estava totalmente em zona de perigo por conta de Matthew.
Continuo a dançar, tentando ao máximo não olhá-lo. 


Minutos passam, e a música logo acaba. Abro os olhos, que fechei ao longo da dança, e quando começa a tocar outra canção, sinto alguém atrás de mim.
Imagino ser Ryan, mas estranho ao sentir minha pele arrepiar quando o mesmo me toca... Já que eu nunca havia sentido isso com ele.


Viro-me, e encaro Matt, com um uniforme de policial, no qual o fazia parecer um gogo boy de alguma boate para mulheres.
Não consigo controlar a vontade de sorrir, e acabo abrindo um sorriso para o mesmo, no qual retribui.


- Gostei da fantasia. -- Digo, ouvindo as primeiras batidas da música. --


- Obrigado. -- Matthew responde, então, olhando-me de cima abaixo. -- Você está chamando bastante atenção... Sabe... De quase todos os homens dessa boate.


Coro com suas palavras, e então olho para a minha roupa. Era realmente um vestido bastante curto, mas é o que pessoas usam em boates. Além de que, as franjas brilhantes na barra do mesmo o fazia parecer um pouco mais longo.


- Está com ciúmes? -- Pergunto, o encarando, enquanto vejo um sorriso de lado se formar em seus lábios. --


- Por você pode me chamar de protetor ou possessivo. -- Ele afirma, pegando minha mão e entrelaçando nossos dedos. --


A música começa a ficar mais alta, assim como as letras começam a surgir. Reconheço a voz de Justin Bieber, mas não a canção. 


Enquanto isso, ambos encaramos nossas mãos, até que Matt começa a mexe-las, e se movimentar.
Eu o observo, acompanhando-o também, e me surpreendo ao ver como ele sabia dançar esse tipo de música. 


Everybody gets high sometimes, you know?
What else can we do when we're feeling low?
So take a deep breath and let it go
You shouldn't be drowning on your own

Todo mundo fica chapado de vez em quando, sabe?
O que mais podemos fazer quando estamos pra baixo?
Então respire fundo e relaxe
Você não deveria estar se afogando sozinha


Matthew então levanta nossas mãos para o alto, observando-me dançar. Sorrio ao notar seu olhar, e jogo a cabeça para trás, sentindo a música guiar meus movimentos.


And if you feel you're sinking, I will jump right over
Into cold, cold water for you
And although time may take us to different places
I will still be patient with you
And I want you to know

E se você sentir que está afundando, eu vou pular direto
Na água fria, fria, por você
E mesmo que o tempo nos leve para lugares diferentes
Eu ainda serei paciente com você
E eu quero que você saiba que


Nas últimas palavras, Matt aperta mais as nossas mãos entrelaçadas, e então vira-me de costas para ele, fazendo-me me abraçar por conta de seus braços a minha volta.
Mordo o lábio inferior, sentindo nossos corpos juntos, e suspiro, com sua respiração entrecortada em meu pescoço.


I won't let go
I'll be your lifeline tonight
I won't let go
I'll be your lifeline tonight

Eu não vou te soltar
Eu serei a corda para te salvar esta noite
Eu não vou te soltar
Eu serei a corda para te salvar esta noite


- Eu não posso mudar, Belle. Mas eu posso melhorar, por você... Posso fazer qualquer coisa. -- Ele fala, me segurando em seus braços como se eu estivesse pronta para sair correndo. -- Eu não vou te soltar.


O mesmo repete o refrão da música na última frase, e meu coração começa a bater praticamente na minha garganta.
Deito minha cabeça sobre seu ombro, vendo o teto da boate se iluminar com as luzes coloridas.


'Cause we all get lost sometimes, you know?
It's how we learn, how we grow
And I wanna lay with you 'til I'm old
You shouldn't be fighting on your own

Porque todos nós nos perdemos de vez em quando, sabe?
É assim que nós aprendemos, é assim que crescemos
E eu quero ficar com você até eu ficar velho
Você não deveria estar lutando sozinha


A mão de Matthew vem até minha face, virando-a gentilmente até a dele. Encaro seus olhos azuis vibrantes, antes de descer o olhar para a sua boca, que estava muito perto.


Quando estava pronta para fechar os olhos e beijá-lo, uma voz chama meu nome, fazendo-me parar de dançar automaticamente.


- Belle? -- Ryan pergunta, e o vejo parado, um pouco distante de mim e de Matt. --


- Ah, droga. -- Falo, sentindo meu coração apertar por não ver uma solução para aquilo. Quando eu estava pronta para responder, Matthew se intromete. --


- Ela está ocupada. -- O ouço falar logo atrás de mim e percebo ainda estar abraçada com ele. Me desvencilho de seus braços, sentindo-me mal por isso, e então encaro Jordan, no qual possuia uma expressão de raiva e confusão no rosto. --


- Eu estou indo embora. -- Jordan fala, virando-se após olhar-me com decepção. --


- Me espere, Ryan! -- Chamo por ele, e tenho certeza de que o mesmo escutou, mas mesmo assim Jordan continua a ir para a saída da boate. --


Eu começo a ir atrás dele, porém sou segurada por Matthew. Olho para ele, que tinha uma expressão de confusão no rosto.
Eu sabia que o mesmo queria que eu ficasse. Mas eu não podia fazer isso com Ryan. Pelo menos uma explicação ele merecia.


Me solto de Matt em um movimento brusco, e então passo entre as pessoas, me batendo nelas e ouvindo algumas xingarem por conta disso.


O resto da boate estava muito escura para enxergar, apenas havia luzes no corredor lá fora, e na pista de dança.
Eu semicerro os olhos, tentando achar Jordan, e a fumaça que preenchia o local não ajudava nem um pouco.


Chamo por ele, mas não há resposta além da música alta e do barulho das pessoas.


Me sinto engolida e perdida pela quantidade de gente ao meu redor. Olho para trás, mas não conseguia sequer enxergar a pista de dança.


Sufocada, eu saio do caminho da saída, indo para um canto mais escuro ainda. Subitamente, sinto meu braço ser agarrado por alguém com muita força, me fazendo grunhir de dor.


Olho para a pessoa, que estava com uma máscara no rosto, mas que ainda dava para notar que era um homem.
Começo a ser arrastada para uma sala desconhecida e grito por ajuda, mas ninguém me ouve ou liga por conta da confusão de sons ali dentro.


Percebendo que eu não teria ajuda, assim que o homem me joga no chão empoeirado, da sala, que pude ver, era da manutenção e cabos da boate, eu dou um chute em sua perna. Ele se curva, xingando alto pela dor, e como um choque por todo meu corpo, percebo que aquela voz era a de Gabriel.


Tantas coisas acontecendo que eu havia esquecido da existência dele... Até mesmo no Colégio.


- Que merda você está fazendo, Gabriel?! -- Grito, e percebo que a porta havia ficado entreaberta... Se eu gritasse talvez alguém me escutasse. --


- O que você acha, sua vagabunda? -- Ele responde, tirando a máscara de sua face, que estava com um sorriso. -- Vim terminar de uma vez o que tínhamos começado naquele dia no rio... Lembra? Na festa de fim de ano do segundo ano.


- Uma tentativa de estupro não é algo que uma garota esquece. -- Grito de volta, tentando me levantar apesar de meu braço esquerdo doer, porque caí em cima dele. --


- Estupro é uma palavra muito forte. -- Gabriel fala, puxando-me para cima ao segurar meu outro braço. --


- Pare com isso! -- Peço, enquanto ele me empurra até uma parede cheia de fios muito grossos que machucam a minha pele pelo impacto. -- Você está me machucando, seu porco!


Ele então bate em meu rosto, fazendo-me bater a cabeça na parede e uma tontura tomar conta de mim.
Sou colocada sentada em algo que não consigo enxergar. Meu coração se acelera com o que estava acontecendo. Eu precisava sair dali de alguma forma. Qualquer uma.


Olho para tudo ao meu redor, apesar de meus olhos insistirem em fechar com a tontura. 
Minha cabeça estava doendo demais para uma batida na parede.
Então, com uma mão tateio a construção atrás de mim, e sinto um prego logo atrás de minha cabeça. Arregalo os olhos, sentindo algo quente e líquido descer pela minha nuca. Eu estava sangrando.


Enquanto isso, Gabriel põe suas mãos sobre minhas pernas, ficando entre elas, o que me impede de fechá-las para qualquer aproximação ainda mais invasora.


Vejo, ao meu lado, um cabo solto, e que parecia ligado. Logo abaixo daquilo, havia uma torneira, o que era extremamente estúpido de se ter em uma sala de fios.


Quando sinto Gabriel subir seu toque, levantando meu vestido até minha cintura, eu o empurro com força, o que o faz cambalear para trás e cair, por conta dos fios do chão.


Enquanto ele tentava se levantar, eu me jogo no chão, sentindo vontade de vomitar e desmaiar. Vejo a torneira em minha frente, então a ligo, sem Gabriel notar.


Logo, meu corpo é levantado do chão e posto de volta naquela espécie de balcão ali dentro.
Dessa vez, ele me deita, e tenta rasgar meu vestido na parte de cima, o que era muito difícil de conseguir fazer. Então, desistindo, sinto suas mãos irem até a barra de minha calcinha.


Me debato, gritando por socorro, e tentando chutá-lo. Enquanto Gabriel tenta segurar meus braços, eu olho para o chão e vejo a sala quase inteira se encher de água.


Como ali em cima eu estava protegida, tento fazer com que Gabriel solte meu braço.
Resolvo gritar, para ele ter que se ocupar com minha boca, e então o faço.


- Cala a boca, merda! -- Ele grita, irritado e sinto uma raiva maior que eu me atingir, fazendo meu corpo se encher de adrenalina. --


Quando Gabriel coloca a sua mão em minha boca, eu dou um soco em seu rosto, o que o faz emborcar a cabeça para trás. Aproveitando a sua fraqueza, eu chuto sua barriga, o fazendo cair no chão mais uma vez.


Vendo a única última chance ali, eu pego o cabo do fio solto, e então o puxo com toda a força que posso. Gabriel olha-me vendo o que eu estava fazendo, e tenta se levantar, lutando contra o chão escorregadio.


Puxo de novo, e de novo, com toda a força que posso até o fio se soltar da extensão e então o jogo no chão.
Em câmera lenta, eu me encolho no balcão onde eu estava, vendo a água e o fio entrarem em condutibilidade. De repente, uma luz azul se faz ali, e vejo vários raios de descarga elétrica se estenderem pela água, e consequentemente, atingindo Gabriel.


O observo cair novamente no chão, tendo uma convulsão. Ele não fez sequer nenhum barulho. 
Começo a chorar, vendo Gabriel ficar inconsciente.


De repente, a porta se abre e várias pessoas aparecem na entrada da sala. 
Eu tento proteger meu corpo quase desvestido, dos olhares, e vejo alguns pegarem os celulares e ligarem para a emergência.


Gabriel ainda tremia-se no chão.


- Alguém precisa tirar aquele garoto dali! -- Uma voz masculina grita, e eu desvio o olhar do corpo de Gabriel, que estava começando a sangrar pelo nariz e pelos ouvidos. --


Quando olho novamente para a porta, vejo Matthew, Isabelle e Ryan encararem-me, para depois olharem para Gabriel no chão. 


Começo a soluçar, e por um momento acho que ele havia morrido, já que seus olhos estavam fechados.


- Belle! Haja o que houver, não desça daí. -- Ryan grita para mim, e eu concordo com a cabeça, a sentindo arder e doer por conta do machucado. --


Um barulho alto e estrondoso se faz na sala, fazendo todos ficarem em silêncio. Percebo também que a música havia parado.
Engulo em seco, olhando para o lugar onde eu estava.


- Ai meu Deus. Aquela coisa vai ceder! -- Isabelle fala, colocando as mãos sobre a boca, e me olhando com horror. --


Franzo o cenho, sentindo a superfície onde eu estava sentada começar a tremer, até desabar no chão.
Sou bruscamente jogada contra a água, e grito com toda potência ao sentir o choque por todo meu corpo.


Bato a cabeça repetidas vezes contra o chão, fazendo sangrar ainda mais, por conta do tremor em mim.
Sinto tanta dor que lágrimas caem de meus olhos.


Olho para a porta, vendo Matthew ser segurado por Ryan e por um outro homem, gritando meu nome e tentando vir até mim.
Logo depois, vejo um bombeiro abrir passagem entre todas as pessoas, e olhar para mim antes de minha visão ser engolida pelo escuro.
 


Notas Finais


D= eita
Digam o que acharam nos coments, e não esqueçam de favoritar. Xoxo

Músicas:
Wildest Dreams Remix, Taylor Swift - https://www.youtube.com/shared?ci=gp6gaGA4IFk

This Is What You Came For, Calvin Harris feat. Rihanna - https://www.youtube.com/shared?ci=vcviE33CPf0

Cold Water, Major Lazer feat. Justin Bieber, Mø - https://www.youtube.com/shared?ci=6Divhx4BDCA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...