História Primeiro e Último - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gildartz, Gray Fullbuster, Juvia Lockser, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Fairy Tail, Gilvia, Gray, Gruvia, Hentai, Juvia, Nali
Exibições 125
Palavras 3.460
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Antes de qualquer coisa: A sinopse tá meio bosta, eu acho. Mas acho que é a melhor forma. Para todos os casos, está sujeita a mudanças.
Boa noite. Essa fanfic, inicialmente, teria um capítulo. No entanto, por razoes que nem mesmo eu conheço, terá dois ou três. Não faço ideia de quando sairá o próximo. Também não quer dizer que voltei a postar, eu só tive um impulso ontem e comecei a digitar isso. Como disse na sinopse, se você limita sua mente para combinações de casais, por favor, não perca seu tempo. Eu realmente sou apaixonada por Gruvia, mas gosto de criar muito em cima deles, por isso, não estou interessada em ler comentários como “Autora, eu vou te matar.” “Autora, isso é inaceitável, acabou com meu shippe.” “Autora, você deveria morrer.”. Por favor, ninguém é obrigado a ler isso.Esse site existe justamente para podermos criar. Então, para quem já conhece meu trabalho e conhece meu estilo, aqui está mais uma de minhas loucuras. Para quem não conhece, divirta-se com esse estilo de escrita.
Sem mais, desejo uma boa leitura.

Capítulo 1 - Encanto.


Fanfic / Fanfiction Primeiro e Último - Capítulo 1 - Encanto.

“There's only two types of people in the world. The ones that entertain and the ones that observe.”

 

Gray Fullbuster.
          Tokyo - Hotel Estrelas de Gelo - Domingo - 21h45min.

 

A cidade é sempre a mesma. Os negócios são sempre os mesmos. O trânsito caótico e iluminado como de costume nos finais de semana, as buzinas infernais que tiram o sono de qualquer cidadão exausto no final de um domingo de trabalho. Os telefones tocando, carros de som passando, pessoas conversando na feira de comidas do domingo em Tokyo. Mulheres esbanjando riqueza ao lado de seus maridos ricos, fruto de casamentos arranjados, pensados por suas famílias. Sorrisos comprados, felicidade comprada, felicidade?!. Tudo pelo bem de sua posição social. Argh. Um verdadeiro inferno. Uma realidade patética. Ricos ficando, cada vez, mais ricos. Pobres ficando mais e mais pobres, sendo chutados dos grandes centros para não poluir essa imagem perfeita, mesmo fajuta e remendada, criada por todos. Não é como se estivesse reclamando dessa vida, mas, porra, mesmo estando na cobertura de um luxuoso hotel cinco estrelas, futilidades como essas podem tornar essa noite um verdadeiro caos. Definitivamente, um desfecho horrível para um homem como eu. Meu nome é Gray, Gray Fullbuster; 27anos de idade, cabelos negros e olhos no mesmo tom. Felizmente, solteiro, livre pra qualquer negócio. Atualmente, trabalhando para Fairy Tail, uma produtora de vinhos. Embora tenha dito "trabalhando" sou vice-presidente da mesma, essa que pertence ao imbecil, Natsu Dragneel, também conhecido como meu melhor amigo, patrão e sócio.

Trabalhar aos domingos sempre drena minhas energias e é por isso que costumo fazer sempre a mesma coisa para relaxar: Sexo. Muito sexo. Cliente vip de uma "Loja de Garotas" que, em minha opinião, não passa de um bordel de luxo, de fato, de luxo, mas um bordel. Costumo usar o pacote, apelidado por mim de "puta em domicílio ". Mas a verdade é que tenho estado com a mesma mulher (prostituta) há um bom tempo. Ultear. Essa mulher é, realmente, boa, sabe o que está fazendo e isso me deixou gamado em seu sexo e atitudes na cama.

 

------Ligação On------


         Gildarts: Boa noite, Gray. Parece que ligou mais cedo hoje. 

Eu: Boa noite, Gildarts. Sim, hoje consegui sair mais cedo. Trabalhei feito louco, não estava mais aguentando aquilo. 

Gildarts: Entendo, é complicado. Então, diga, o que vai querer para essa noite estressada de domingo?

Eu: Quero Ultear para passar a noite toda. 

Gildarts: Eh, vejo que minha garota está mesmo sendo do seu agrado. Bom, mesmo que isso me deixe orgulhoso, dessa vez, sinto informar, mas Ultear não pôde vir trabalhar hoje. Então, gostaria de saber se tem outra garota que seja de seu interesse.

Eu: Perdoe minha curiosidade, mas, o que aconteceu com Ultear?  

Gildarts: Problemas na família. Você sabe, sua mãe estava doente e parece que recebeu alta, mas ela ficou devendo o hospital, enfim, sei que hoje pediu sua folga para resolver isso. 

Eu: Entendo. Fez bem. Se Ultear precisar de algo, não pense duas vezes antes de me ligar. 

Gildarts: Se afeiçoou à prostituta?

Eu: Longe disso. Mas ela fode muito bem. É o mínimo que posso fazer já que se vende tão barato.

Gildarts: Maldito pirralho rico. E então, o que vai ser? Temos muitas garotas. Minerva é a que tem feito sucesso com os clientes da alta.

Eu: Seu bordel tem um bar, não é?

Gildarts: O melhor dessa cidade de lixo.

Eu: Bebe uma dose de Whisky comigo?

Gildarts: Se chegar antes de 23h00min, sua noitada de bebidas será por conta da casa.

Eu: Marca no Rolex, chego em trinta e cinco minutos.

Gildarts: Certo, nos vemos.


-----Ligação Off-----

Quando foi a última vez que entrei naquela Loja? Ah... faz tanto tempo. Um ano? Não, talvez mais que isso. Não gosto de ter que ir a esse tipo de lugar, não quando, infelizmente, sou uma presença a ser notada. De qualquer forma, pode ser que encontre alguma garota. Mesmo que para só essa noite. Mas... de alguma forma, hoje, sinto como se esse fosse ser... o último programa.

Prostitutas são mulheres extraordinárias. Vendendo seus corpos como se fossem objetos de prazer. Vendendo falsos sentimentos, escondendo suas feridas por debaixo de uma máscara de sedução. Levando qualquer homem à loucura com beijos, abraços, carícias, boquetes, cavalgadas, arranhões, tapas, palavras de baixo calão. De fato, são maravilhosas. Mas, até quando irei tirar proveito dessas fragilidades para usufruir de corpos tão marcados e maltratados? Mesmo sendo tentador, mesmo desejando isso, cada vez mais, não posso negar que o desejo de parar tem estado presente. Não é como se tivesse encontrado uma mulher para estar ao meu lado, pois, não vejo isso para meu futuro.

- O que será de um canalha como eu que está sentindo-se culpado por sair com prostitutas? Francamente. 

 

Juvia Lockser.
          Tokyo - Loja Boca Vermelha - Domingo - 22h00min.

A noite está alegre, mas, hoje em especial, nossa Loja está mais lotada que o habitual. Me pergunto o que está acontecendo....

- A casa está cheia hoje, pequena sereia. – Gildarts se aproxima, entrando em meu camarim.

- Sim. O senhor preparou algo especial hoje? – Pergunto o encarando enquanto se aproxima ficando a minha frente. Seu cheiro me faz sorrir, é realmente bom, esse cheiro de homem... ah... Gildarts-sama.

- Não. Mas estou curioso para saber quem será o sortudo dessa noite. – Sorriu – Juvia, minha sereia, antes de qualquer coisa, sabe que o lugar ao meu lado sempre será seu. Então, quando decidir, estarei ansioso para cuidar de você. Mesmo sendo um velho, posso te dar tudo que precisa. – Acariciou meu rosto com seu toque amável e gentil.

- Gildarts-sama, eu não acho que seja velho, muito pelo contrário, o senhor me faz sentir realmente quente... Mas, não acho que esteja pronta para te satisfazer completamente. Por isso, esse, será meu primeiro passo para ser digna de tal posição. Sou grata por tudo que fez por mim, mas não quero depender de sua bondade para sempre. Todas as mulheres dessa loja dão seu melhor, está mais que na hora de dar um passo à frente. Essa noite terei o meu primeiro programa e irei lucrar mais que qualquer outra. Por favor, espere por mim. Não irei lhe decepcionar. – Sorri, de fato, tenho sido muito mimada por ele, mas não o culpo, até mesmo em nossa loja, todos entendem isso e não me culpam... mesmo que nosso ramo seja prostituição, dentro dessa loja dividimos nossas dores, histórias, cuidamos uma das outras. Ninguém aqui me julgou, mesmo assim, não quero abusar da bondade dos outros, quero devolver em dobro, tudo que Gildarts-sama fez por mim.

- Francamente... – O mais velho me pegou no colo, fazendo com que minhas pernas segurassem sua cintura e me levou até um pequeno armário, onde me sentou, mas nos manteve próximos. – A ideia de permitir que faça com outro, me incomoda. Definitivamente, saber que outro homem vai explorar esse corpo... – Beijou meu pescoço, ah, Gildarts-sama. Com sua boca perigosa, trilhou caminho até meu ouvido e mordiscou o lóbulo, logo, vindo até meu queixo e beijando carinhosamente. – Quem garante que não vai se apaixonar por um homem mais jovem? São tantas as possibilidades, mas, estou pronto para qualquer decisão que tomar. – Roubou-me um beijo lento e apaixonado. Sinceramente, espero não me apaixonar por homem algum, a nossa diferença de idade é um fato, mas, o senhor me faz sentir realmente bem, seu calor, sua voz, carícias, seu sexo. Eu amo tudo. Sou viciada em tudo isso. – Pequena, talvez seja por estar ansioso, mas hoje em especial, quero muito estar dentro de você. – Apalpou meu seio esquerdo carinhosamente, me fazendo arquear as costas e empinar o quadril. O quero tanto.

- Gildarts-sama, por favor... me toque mais. – Pedi suplicante, abrindo minha camisa social e deixando meus seios à mostra. Houve um tempo que sentia vergonha desse tamanho exagerado, mas... os homens, realmente, gostam dos grandes, sim?

- Ah... você sabe me fazer perder o controle, não é? – Sussurrou abocanhando meu seio esquerdo e chupando deliciosamente. Sua língua brinca com meu mamilo, me fazendo morder a boca para não gemer alto. Quero mais... mais... mais... – Juvia, abra as pernas, vou te deixar gozar. – Encarou-me sério. Senti meu rosto esquentar, tão... lascivo. Obedeci, o mais velho alisou o interior de minhas coxas me fazendo ofegar manhosa... gosto disso. Minha vagina fica facilmente ensopada, sinto meu corpo febril. Não sinto que sou perdidamente apaixonada por ele, mas, poderia algum homem me fazer sentir como esse faz? Seu sexo, às vezes gentil, às vezes agressivo, às vezes tortuoso, sempre levando meu corpo ao máximo, poderia outro homem fazer isso? Mesmo que fizesse, poderia, uma pessoa como eu, se apaixonar? Acredito que não, acredito que mesmo que esse homem chegue... eu não queira entregar-me, pois, sei que... meu lugar é ao lado desse. – No que está pensando, Juvia? – Pergunta afastando minha calcinha branca de renda e lambendo meu ponto sensível me fazendo morder a mão, pois, só meus lábios não são suficientes. – Não pense demais nisso, as coisas vão acontecer da forma que devem acontecer. – Continuou me chupando, fazendo movimentos circulares, pouco a pouco, todo meu corpo estava entregue. – Gosta disso? – Mostrou-me dois de seus dedos, os chupei com gana enquanto o maior observava com atenção.

- Gildarts-sama... – Chupei os mesmos com gana, esses dedos, posso gozar apenas com isso, desde que seja ele, desde que seja com esse homem... – Juvia ama isso, Juvia... ama... – Mordi meu lábio quando os mesmos dedos me penetraram lentamente.

- Eu também, Juvia. Amo ver sua expressão de prazer, mostre-me um pouco mais, quero me saciar antes que comece essa noite. – Sua boca se dedicava a chupar meus seios e seus dedos me penetravam de forma alucinante, sinto como se estivesse prestes a alcançar meu limite.

- Gildarts-sama, por favor, coloque... o seu... logo, não posso segurar muito tempo. – Supliquei segurando em seus ombros e beijando seu pescoço.

- Ah... não se contenha, me mostre sua expressão lasciva, mostre o quanto gosta disso, Juvia, quero assistir tudo.  – Não é possível segurar, esse homem, o que acontece comigo quando estou em seus braços, sinto que não posso... vencer.  Não foi preciso mais que isso para gozar. – Você é linda, mas enquanto goza, torna-se irresistível. – Beijou-me lento, mas sem demora, para logo se aproximar e olhar-me nos olhos – Gostaria que essa expressão fosse minha e, apenas, minha, mas você me presenciou com isso por tempo demais, sim? Agora, rápido, se apronte, estarei assistindo você do segundo andar. Sabe para onde deve olhar.

- Por que não me deu o que queria? – Perguntei enlaçando seu pescoço.

- Quero que seu cliente experimente você sedenta. Não fazemos há uma semana, sim? Dê todo esse desespero para ele e me faça o maior programa da noite. – Sussurrou.

- Gildarts-sama... deixe-me ajuda-lo. – Desci e o sentei em uma poltrona, sem demora, pois tenho pouco tempo e muito desejo, abri sua calça social preta, vendo o membro ereto ser denunciado pela box vermelha, quente, grande, sedutor. Gostaria de perder toda essa noite com ele, gostaria de fazer loucuras em cima dele, mas... não posso. – O senhor é tão malvado. Deixando a mulher que ama sem isso... – lambi a glande, deixando-a molhada – por uma semana... – O engoli com fome, quero tudo, quero sugar até a última gota do que está por vir. Seus gemidos foram ganhando volume e intensidade, Gildarts-sama, tão grande, tão grosso, tão quente. Meu corpo tornou-se prisioneiro do seu, não posso conter-me. Me coloquei de quatro e comecei a me masturbar enquanto engolia seu membro até minha garganta, indo e vindo. Sedenta. Necessitada. Perdida.

- Juvia, Juvia... espere, afaste... eu.. não posso segurar, Juvia... – Segurou meu cabelo e me afastou um pouco de seu membro, no entanto, o coloquei entre meus seios e movimentei o sufocando – Ah, tão malvada. Não me culpe por isso. – Gozou, seu líquido sujou meus seios e meu pescoço, não que eu ligue. – Você fica um pecado mortal desse jeito. – Comentou enquanto passava a língua em meus seios sugando seu doce veneno.

 

 

Gildarts Clive.

Tokyo - Loja Boca Vermelha - Domingo - 22h21min.

- Não pense que terminamos. – Oh, essa expressão, sim... – Quando meu turno acabar, espero que esteja preparado, Gildarts-sama. – Sussurrou perigosa se levantando e caminhando para o banheiro. Droga, sinto que passarei mal essa noite. Que mulher!

Ajeitei meu terno e voltei para o bar, esqueci que Gray estaria me esperando. Juvia Lockser, 23 anos, sua pele é branca como a neve, olhos azuis escuros que parecem te absorver, um olhar intenso e fosco que é capaz de capturar qualquer homem. Cabelos azuis médio, longos, o corpo deve ter sido esculpido por algum artista, quadris largos, seios fartos e lindos, comissão traseira avantajada, pernas torneadas e uma vagina que... ah, céus! É a entrada para o paraíso. Desde a primeira vez que entrei ali nunca mais desejei outro lugar. Nossa história começa há dois anos atrás... – meus pensamentos foram interrompidos quando cheguei ao bar no segundo andar da loja.

- Gildarts, desgraçado! – Gray bebia sua dose.

- Gray! – Sorri logo me sentando no banco ao seu lado.

- Que incômodo, você já foi mais responsável, hã?

- Não fique tão birrento, pirralho de merda. Estava ocupado. Diga, alguma garota? – Pego minha bebida.

- Reconheço que te devo um pedido de desculpas, essa Loja está de parabéns. Comparado ao primeiro semestre, logo que abriu, sério, deve ser a melhor de Tokyo inteira. As garotas também são ótimas, aliás, principalmente elas. A segurança do estabelecimento é reforçada e eficiente, alguns pombos distribuídos entre clientes, gosto disso. Mas, ainda não encontrei. Mesmo tendo tantos prodígios aqui.

- Humf! Demorou para perceber isso, pirralho de merda. De qualquer forma, estou surpreso, não leve a mal, mas tenho garotas muito melhores que Ultear-chan. O que ela tem que você tanto gosta? – De fato, reconheço que aquela mulher é resistente, mas não acho que Erza ou Minerva, nem mesmo Kagura perca para ela.

- Quem sabe... talvez seja... o olhar? – Senti meus pêlos eriçarem. O olhar, esse pirralho de merda.

- Um olhar que te faz querer desvendar o que existe debaixo da máscara.

- Parece que entende o que estou falando, Gildarts.

- Há quanto tempo. – Nossa conversa foi interrompida por uma de minhas garotas. A loira se aproximou invasiva, pouco ligando para nossa conversa, não que eu fique irritado, gosto desse tipo de abordagem vindo delas, mas sinto que algo não vai acabar bem. Que seja. Existem coisas que não se podem mudar.

- Lucy! – Gray pareceu assustado.

- Por que está sozinho com meu patrão? Mudou de lado? – Perguntou a mesma se jogando para cima do rapaz, cara, de todas as moças, ela deve ser a mais ousada e atirada, no mínimo. Embora na cama... não seja tão boa assim.

- Continua vadia como sempre, Lucy. – Estapeou o traseiro dela. – Sentiu falta do meu pau, não foi? – Apertou o traseiro da loira, sério mesmo, vamos com calma, garoto, eu ainda estou aqui.

- Você ainda pergunta? Quero você. – Respondeu beijando o rapaz.

- Que vadia. Então, Lucy-san, qual o seu preço? Abaixa e começa a chupar. – Abriu o zíper, Lucy apenas agachou. Talvez no início disso tudo, eu ficaria olhando, mas já me acostumei, esse tipo de coisa acontece o tempo todo.

- Pensei que nenhuma havia chamado sua atenção, pirralho. – Comentei enquanto a loira o engolia com fome, fala sério, Lucy, você gosta mesmo disso.

- O que posso fazer? A boca dessa puta é realmente boa. Além do mais, é melhor ser chupado enquanto tomo um copo dessa bebida ao lado do meu amigo do que nada, sim? Por que não escolhe uma para você? – Perguntou empurrando a cabeça da loira contra sua virilha.

- Já tive o suficiente por hoje. Além do mais, oh, já vai começar. Acho que deveria terminar com isso logo, aquela mulher não permite que sua glória seja roubada por outra. – Apontei para o palco principal onde Juvia tinha acabado de chegar. Usava um vestido lindo e estava deitada. Encantadora.

 

 

Gray Fullbuster.

Domingo – Loja Boca Vermelha – 23h00min.

 

There's only two types of people in the world

Só há dois tipos de pessoas no mundo

The ones that entertain

Os que chamam atenção

And the ones that observe

E os que observam

Well baby, I'm a put-on-a-show kinda girl

Bem baby eu sou do tipo de garota que faz um show

Don't like the backseat

Não gosto de sentar no fundo

Gotta be first

Tenho que ser a primeira.

Ao som da cantora POP, uma mulher de cabelos azuis e pele branca, trajando um vestido e joias de ouro puro tomou conta do palco. Como uma sereia que começa seu canto hipnotizador. Em frente ao palco homens da alta sociedade se matavam como cães disputando restos, malas prateadas eram colocadas ao redor do palco como se fossem flores. A mulher pouco ligava, seus olhos azuis como o céu de fim de tarde pareciam observar tudo com aparente desinteresse. Que olhar. Que intensidade. Seu corpo se movia suave e sensualmente no embalo da canção sedutora, era como uma dança excitante, senti meu corpo esquentar mais e acabei gozando antes do previsto.

- Gray! – Lucy reclamou e me tirou, por instantes, do transe.

- Você tá molhada? – Perguntei a puxando pelo braço.

- Muito. – Respondeu sorrindo.

- Encosta na parede de vidro e mostra sua boceta. – Ordenei apontando para o vidro que delimitava o segundo andar. A loira não demorou e colou-se, como uma cadela, empinada na parede me mostrando sua boceta ensopada. Sabe o que mais gosto nas putas profissionais? Foder sem plástico no pau. Todas essas cadelas são vacinadas e por ser cliente antigo, posso aproveitar isso bem. Meti sem dó, infelizmente, não é apertada como eu queria, mas ainda assim, é boa!

- Gray, vai com calma... você... está me rasgando. – Pedia entre gemidos, fala sério.

- Você tá amando ser fodida, Lucy. Agora, me fala, quem é aquela?  - Apontei para mulher que dançava.

- O nome dela é Juvia. Quer saber de uma coisa interessante? Ela nunca fez programa na casa, só dança. Essa... é a hora dela. Mas, essa noite, ela vai escolher um homem. – Dizia com aparente inveja.

- Entendo. – Estapeei seu traseiro. – Rebola, vou gozar dentro.

- Ah... Gray.... – Não foi preciso muito, não sei se Lucy fodeu melhor que outras vezes, talvez seja aquela mulher, ela está olhando para cá, não está? Sei disso. Aqueles olhos parecem me absorver de tal maneira, esse olhar, essa mulher.

- Gildarts, quanto? – Quando encarei o mais velho, me surpreendi, o mesmo estava se masturbando.

- Quanto? – Perguntou encarando a mulher no palco.

- Aquela mulher. A quero. Quanto?

- Ah... entendo... infelizmente, ela faz seu preço. Então, ah... você deveria perguntar pessoalmente.

I'm like the ringleader

Eu sou como uma líder

I call the shots (Call the shots)

Eu dou as ordens (dou as ordens)

I'm like a firecracker

Eu sou como fogos de artifício

I make it hot

Eu faço esquentar

When I put on a show

Quando faço um show.

 

Desci do Segundo andar e caminhei em direção ao palco. Senti seus olhos em mim e a encarei sem esconder meu desejo. Acabei de gozar duas vezes com aquela puta, mas meu pau está queimando e doendo. A quero. Mulher, você faz meu sangue ferver.

I feel the adrenaline

Eu sinto a adrenalina

Movin' through my veins

Correndo pelas minhas veias

Spotlight on me

Holofotes em mim

And I'm ready to break

E estou pronta para arrasar

I'm like a performer

Sou como uma estrela

The dancefloor is my stage

A pista de dança é meu palco

Better be ready

Melhor estar pronta

Hope that you feel the same

Espero que você sinta o mesmo.

 

Quando a música terminou, todo o palco brilhou. Homens tocavam várias, outros comiam algumas vadias, ela fazia todos queimarem. Subi ao palco e a encarei, a mesma que me devolveu um olhar sedutor.

- Quem é você? – Perguntou quando me aproximei.

- Seu cliente dessa noite. – Respondi afrouxando a gravata. – Qual o seu preço?

- 100.000,00$ por duas horas.

- Te quero a noite toda, mulher.

- Oh. Entendo, então você deve ser o cliente que ouvi falar, o homem da Ultear-sama, estou certa? – Se aproximou me fazendo rosnar. Quero devorá-la.

- Não me lembro de ter dito que pertencia a uma prostituta barata.

- 10.000.000,00$ por essa noite. – Todas as cortinas se fecharam, o show havia terminado, pelo menos para eles, pois terei essa mulher toda a noite, nem que me custe todo o dinheiro do mundo. Tem algo em você que eu desejo. Não sei o que é, mas sinto que está aqui.

- Meu quarto é o n°7. Traga seu uniforme. – A beijei rapidamente.

- Como desejar, Gray-sama. – Sussurrou saindo do palco.

 

~continua...

 


Notas Finais


~Anexo:
Música citada no capítulo: https://www.vagalume.com.br/britney-spears/circus-traducao.html
Tudo que foi citado em na fanfic em inglês, tanto na capa do capítulo como no próprio capítulo (primeira frase) foi retirado dessa música, então deem uma olhada na tradução.
Continuando. Essa fanfic é diferente de qualquer coisa que já escrevi até hoje. Eu gostaria de deixar claro que não tem Natsu e Lucy como casal, então, não esperem por isso aqui. Estou escrevendo apenas para liberar minha cabeça, foi uma ideia e eu quero tentar. Não ligo se parecer loucura, tão pouco se alguém me odiar por isso. Não tô escrevendo porque quero favoritos, apenas porque escrever é arte e arriscar faz parte. Eu gosto disso. Se vão gostar, sério, eu não tenho a menor ideia, mas vai ser o de sempre, eu vou fazer o meu melhor independentemente do trabalho porque é assim que sou. É a primeira vez que escrevo algo com Gildarts de forma ativa. Particularmente, foi um desejo realizado. Se ficou bom? Não sei. Eu gostei. A fanfic é Gruvia, mas é um drama. Gosto de dramas, gosto de explorar o psicológico dos meus personagens a ponto de leva-los à loucura.
É isso, até o próximo. Nunca pensei que fosse dizer isso, mas não estou esperando por comentários nessa história, acho que ela vai sofrer preconceito, mas, para o caso de alguém gostar, estarei ansiosa para responder qualquer comentário. Boa noite!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...