História Prince of Revenge - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Elle Fanning, Shawn Mendes
Tags Elle Fanning, Principe, Sexo, Shawn Mendes, Traição
Visualizações 29
Palavras 3.950
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiie, meus amores, mais um capítulo, agora eu vou postar aos finais de semana, hoje eu atrasei por que a internet não facilitou. Desculpem-me pelos erros. Beijos, amo vocês.

Capítulo 10 - Chapter Nine


Fanfic / Fanfiction Prince of Revenge - Capítulo 10 - Chapter Nine


                                                                                                           Hanna POV's
Sim, nós tínhamos um filho. Um bebê lindo de pele morena e olhos negros como o pai, pensei admirando o pequeno corpo adormecido no berço. Liam me trouxe para casa uma semana depois que me recuperei. Na verdade aquele enorme palácio numa Planície costeira cercado de um lado por um verde magnífico e pelo outro lado o Mar Mediterrâneo ia muito além da simples definição de "casa". Mas, segundo meu marido ali era minha casa. Meu marido. Ainda soa um tanto estranho. Eu não conseguia lembrar de nada do que aconteceu nos últimos dois anos. Mas, uau! Parece que os vivi intensamente. Fui recebida pelos funcionários do palácio todos perfilados. Lembrei-me do filme O Diário da Princesa. Liam me carregou nos braços sob os aplausos e sorrisos deles. Eu corei e enfiei meu rosto em seu peito amplo. Deus! Ele cheirava maravilhosamente bem! Meu corpo sentia que havia uma intimidade inegável entre nós, mas estranhamente não me sentia em casa. Minha mãe veio conosco. É bom ter um rosto conhecido por perto. Contudo, notei que havia certa tensão entre ela e Liam. Será que não se davam bem?

Conheci o tio de Liam, o rei Maximiliano Gregório Di Castellani. Já era idoso e parecia cansado. Contou que Liam era o primeiro na linha de sucessão e certamente precisaria assumir o trono em breve. Conheci também a prima de Liam que vivia no Palácio, Jade, uma linda morena de olhos exóticos. Tratou-me com tanta delicadeza, mas algo nela me incomodava. Não sei, existia uma espécie de antagonismo entre nós. No entanto, havia aquele lindo garotinho chamado Dimitri que me olhos e sorriu abrindo os bracinhos rechonchudos em minha direção quando cheguei pela manhã. A emoção que senti foi algo indescritível. Tenho certeza que era aquela a emoção que as mães sentiam. Sim, era. Ele era meu, simplesmente soube. Sorri acariciando seu rostinho adormecido.

-Ele é um bebê muito tranquilo.

Sobressaltei-me ao ouvir a voz baixa e sexy de Liam junto a meu ouvido. Sua voz me fazia tremer. Virei-me para ele e quase perdi o fôlego. Ele estava simplesmente magnífico. Usava apenas a calça do pijama pendendo na linha baixa dos quadris, deixando o abdome mais impressionante que eu já tinha avisto à mostra. Puta meda! Nunca vi tamanho apelo sexual e masculinidade juntos, e olha que na minha profissão havia fotografado com inúmeros homens bonitos. Entretanto, este, meu marido é... Tive que sufocar um gemido ao levantar o olhar para o rosto másculo, os cabelos estavam soltos e molhados caindo sobre os ombros largos, exalando testosterona por todos os poros. Minha boca secou. Puta merda!

-Ele é lindo. Se parece com você.- eu corei violentamente quando me dei conta de que indiretamente o chamei de lindo. 

-Sim. Ele é.- os cantos da boca sensual ameaçaram sorrir. Os olhos escuros presos a mim com uma intensidade desconcertante, fazendo-me mil promessas lascivas. Eu usava uma camisola branca de alças finas que dava uma boa visão de meus seios. Seus olhos desceram me devorando. Meus mamilos endureceram com o calor de seu olhar. Meu ventre incendiou. Puta merda! O que é isso? Nunca me senti assim. Bom, pelo menos não que me lembre.

-Preciso lhe pedir uma coisa, Liam.- o encarei apreensiva me afastando um pouco de seu corpo poderoso, tentador e enlouquecedor.

-Peça, perla mia.- ele tocou-me o queixo erguendo-o suavemente.- Qualquer coisa e eu providenciarei.

-Notei que há outro quarto através daquela porta.- apontei sobre o ombro dele.- Gostaria de ocupá-lo por enquanto... Não me sentirei à vontade dividindo a cama com você. Sei que é meu marido. Soube disso mesmo antes de me mostrar as evidências.- o olhei direto nos olhos, precisava ser honesta. Não iria para a cama com ele. Embora meu corpo desse sinal claro de que desejava isso. Muito!
Liam acariciou meus lábios, o olhar brilhando não conseguindo disfarçar seu desejo.

-Estou queimando, morrendo por você, Hannah.- ele desceu a mão para o meu pescoço numa carícia suave e prendi a respiração. Cristo! Eu o quero.- Mas esperarei que venha até mim quando estiver pronta.- sussurrou e levantou meu rosto, abaixando a cabeça em minha direção roçando meus lábios levemente.- Seu cérebro não se recorda de mim, mas seu corpo não me esqueceu, delizia mia... Você sente isso, não é? Diga.

-Sim, Liam.- confessei mal podendo raciocinar direito com ele enlouquecendo-me daquele jeito.-Meu corpo sente... Mas preciso de um tempo. Por favor, me conceda isso.- Implorei sabendo que não seria capaz de resistir se ele continuasse tão perto.
Liam afastou-se com relutância abrindo um meio sorriso. Ele sabia que eu estava tão afetada quanto ele. Era um macho alfa completamente ciente de seu poder de sua fêmea: eu.

-Queria tanto dormir com você em meus braços. Sonhei tanto com isso...- disse pesaroso e deu um longo suspiro e resignado.- Ok. Certo. Será como você quiser, bebê.- sussurrou e seus olhos se suavizaram.
Aproximei-me dele e ficando na ponta dos pés depositei um beijo em sua bochecha.

-Obrigada, tinha certeza de que entenderia. Boa noite, Liam.- e fui pra o outro quarto antes que me arrependesse e pulasse em cima dele.
No dia seguinte minha amiga Kênia ligou bem cedo e nos falamos por Skype.

-Você está quente com esse cabelo curto.- ela brincou logo que me viu. Eu gargalhei. Ela estava tentando disfarçar, mas sua voz tremia um pouco.

-Liam levou um profissional para me arrumar ainda no hospital.- toquei meus cabelos bem curtos, agora num corte desfiado. Eu havia gostado, mas ainda os preferia longos. Liam também, ele me disse.- Deus! Isso tudo é tão surreal! Eu não me lembro dele. Mas praticamente entro em combustão quando  me olha, quando fala comigo.
Ela sorriu, um sorriso tenso, eu percebi.

-Sempre foi assim entre vocês, Anna.

-Eu sinto que sim. Mas você pode me ajudar a montar algumas peças. Você nos acompanhou desde o início? Eu... eu não lembro.

-Liam vai ajudar você com essas peças, querida.- sua voz soou mais tensa.  Era como se tivesse me escondendo alguma coisa.- Esse homem te ama.- eu senti que queria dizer mais.

-Eu sei. Ele me disse e vi em seus olhos que é verdade.- eu franzi o cenho.- Eu o amo? Você deve saber como minha melhor amiga.

-É claro que sim. Deus! Você o viu não é? Que mulher não cairia durinha de amores por ele?- caímos na gargalhada. Ela sempre aliviava qualquer tensão com seu bom humor contagiante.- eu também estou firme com um cara. Você não lembrará, mas já conversamos muito sobre ele. Seu nome é Stefan, um modelo italiano lindíssimo.

-Estou tão feliz por você, Ken. Quando você vem me ver? Quer dizer nos ver? Minha mãe me disse que você é madrinha do meu filho. Deus! Eu tenho um filho!

-Sim, muito lindo por sinal. Eu o vi quando estive aí e em Nova Iorque visitando você. Eu os verei em breve, prometo.

-Eu te amo. Sinto a sua falta.- disse sentindo um nó na garganta.

-Também te amo.- sua voz soou igualmente emocionada.- então... Você e Liam... Já transaram?- ela riu desviando o foco.

-Cristo! Não! Eu... Eu acho que ainda não estou pronta, apesar do meu corpo querê-lo claramente. Você o conhece. Que homem é esse?- pausei um pouco.- Mas há algo que me segura. Não sei o que é. Estou tão confusa amiga.

-Eu torço para que tudo dê certo entre vocês amiga. Ele... Liam realmente ficou louco quando você sofreu o acidente... Nunca fui muito com a cara dele, mas me ganhou por tudo que fez para cuidar de você.- novamente senti que queria dizer mais alguma coisa.

-Sei que vai acontecer em algum momento porque a química entre nós é realmente louca. O sexo entre nós deve ser explosivo... Arrg! Isso é uma merda! Como posso não me lembrar de ter perdido a virgindade?

-Sei de todos os detalhes altamente picantes. Posso contar se você quiser.- nós rimos de novo.- De acordo com seus relatos o cara é um deus do sexo. Cristo! Eu fiquei morrendo de tesão toda vez que ouvi você.

-Sua pervertida! Não fale assim do meu marido.- conversamos por quase duas horas. Ela me atualizou de quase tudo nos últimos dois anos.

Quando nos despedimos, minha mãe entrou no quarto com Dimitri nos braços. Liam me disse que havíamos discordado quanto ao nome que escolhemos: Dimitri em homenagem ao irmão mais novo de Liam já falecido e Ricardo escolhido por mim. Dimitri Ricardo, meu lindo principezinho.

-Como se sente hoje, filha?- minha mãe se aproximou da cama e me beijou na cabeça. Ela ainda era deslumbrante aos quarenta e oito anos. Tínhamos o mesmo tom de pele e cabelos. Mesmo porte físico. Mas meus olhos são herança de meu pai. Minha mãe tem olhos castanhos vivos, inteligentes.

-Muito melhor, obrigada mãe.- disse e ela franziu o cenho.

-Por que está me agradecendo?- disse entregando-me Dimitri que balbuciava alegre estendendo os bracinhos.

-Por estar aqui comigo. Tudo é tão confuso e... Intenso.- sentei Dimitri na minha barriga. Ele se desmanchava em risos.- Sua mamãe está tão confusa pequeno príncipe. Você vai ajudar a mamãe? Promete?- toquei na pontinha do seu nariz e ele gargalhou, balbuciando sons incompreendíveis.

-Sei que não posso concorrer ao prêmio de mãe do ano, mas eu te amo, bebê.- ela sentou-se na cama. Seus olhos brilhantes. Eu nunca vi minha mãe chorando. Ela era sempre tão composta.- Quando a vi quebrada aquele hospital eu... Senti-me tão responsável quanto Liam.-Como assim? Tão responsável quanto Liam?- não gostei do tom dela.

-A relação de vocês nunca foi feliz.- revelou com cuidado.- Você sempre foi muito apaixonada por ele e ele não...- ela foi interrompida por batidas na porta.

-Pode entrar.- falei me sentando na cama com Dimitri escarranchado em minha cintura. Então eu prendi a respiração com a visão de Liam num short caquí e camisa pólo azul escuro. Os cabelos estavam presos num estilo samurai. Nossos olhos travaram e minha boca secou.

-Bom dia, perla mia.- sorriu aproximando-se da cama.- Como se sente tesoro?- beijou-me de leve nos lábios.- Laura.- cumprimentou minha mãe com uma expressão contida.

-Bom dia, Liam. Eu estou bem.- sorri sentindo minhas bochechas incendiarem. Minha reação a ele é tão pateticamente adolescente.
                                                                                                        Liam POV's

O rosto de Hannah já estava recuperando a cor novamente. Minha linda menina estava voltando ao  que era antes daquele maldito acidente. Eu ainda estava totalmente encantado olhando-a quando a voz de Laura me tirou do transe.

-Noah estará chegando daqui a pouco.- disse encarando a filha. Quem?

-Noah?!- os olhos de esmeralda se iluminaram e Hannah sorriu eufórica.- Sério? Ele vem me ver?

Quem é esse filho da puta que colocou esse sorriso no rosto da minha mulher? Por que nunca ouvi falar desse nome antes? Fiquei tenso de imediato. Algo não me cheirava bem. Desviei o olhar para a mãe de Hannah. Ela ostentava um sorriso misterioso. O que essa mulher estava tramando? Estreitei os olhos nela.

-Quem é Noah, tesoro?- minha voz saiu um tanto estridente. Porra! Estou louco de ciúmes apenas pelo sorriso que ela abriu ao ouvir o nome desse bastardo!

Hannah ficou visivelmente tensa e baixou os olhos. Oh merda! Sinto que não vou gostar dessa resposta.

-Ele é um modelo brasileiro. Nós hum... Namoramos por um tempo.- revelou com voz baixa. Eu senti um baque no coração. Ela havia amado esse babaca? Sua expressão feliz ao ouvir o nome dele dizia que sim. Porra! Eu não quero esse bastardo perto da minha mulher. Ela deve ter percebido meu semblante infeliz, pois acrescentou:- Isso foi há quatro anos, Liam.

-Eles se separaram porque Noah assinou um contrato em Paris e teve que ir embora do Rio.- Laura olhou diretamente para mim, depois desviou os olhos para Hannah.- Mas ele nunca deixou de de procurar por você filha, você sabe disso.

As palavras de Laura pingavam veneno. Eu odeio o que ela está tentando fazer. Ela quer tirar minha mulher de mim. Se aproveitando de seu estado de memória. Maldita megera!

-Mãe...- Hannah repreendeu a mãe com voz suave. Olhando para mim revelou:- Noah era também meu amigo antes de namorarmos. Mas não há mais sentimentos entre nós, Liam. Posso não lembrar de nossa vida, de como nos casamos, mas não farei nada que de desonre você como meu marido.

Meu coração cantou ao ouvir minha linda menina. Ela é assim. Mesmo não se lembrando de mim, não quer me magoar. Eu a amo! Eu a amo tanto.
-Sei disso perla mia.- sentei-me na cama e a beijei de novo nos lábios, brincando com nosso pequeno que se desmanchava em risos para mim.- você está cuidando de nostra principessa mio piccolo? Hum? Vai me ajudar a cuidar dela? Si, você gostou disso, não é tesoro?- Dimitri balbuciou sons incompreensivéis, rindo para mim. Esta é a minha família e eu não vou deixar ninguém me tirar isso.

-Eu vou tomar café no meu quarto. Depois conversamos filha.- Laura disse tensa e deixou o quarto.

Tomei café com Hannah na sacada dos nossos aposentos. Falamos sobre temas mais amenos. Eu precisava desses momentos a sós com ela para reconstruir nossas intimidade. Logo depois, convidei sua mãe para uma conversa no meu escritório.

-Em que posso ajudá-lo, alteza?- seu tom sarcástico assim que se setou à minha frente me irritou de imediato.
Dei-lhe um olhar gelado e fui direto ao ponto:
-Sei o que está tentando fazer convidando esse tal modelo para visitar Hannah.
-E o quer seria isso?- seu tom continuou jocoso.
Eu simplesmente sorri. Essa mulher louca não me tiraria do sério. Minha mulher estava finalmente em casa, na nossa casa e eu não deixaria que a levassem de mim.

-Não vai funcionar. Ela é minha mulher e não vou deixar nem você nem ninguém tirá-la de mim.

-Você a ama? Realmente a ama?- seus olhos cravaram-se em mim soltando faíscas.- Porque não foi essa a impressão que tive quando minha menina teve que passar um ano fugindo de você. Ela estava destruída. Você a machucou muito. Não sei ainda o que aconteceu porque Hannah nunca quis falar-me sobre isso, mas tenho certeza que você fez algo muito grave a ela.

As palavras dela me acertaram como um soco. Ela tinha razão. Toda razão.

-Eu a amo, Laura. Si, eu fiz algumas besteiras. A magoei, mas eu a amo e não posso, não vou perdê-la agora.- disse firme. Ela me avaliou séria por alguns instantes, então se levantou.

-Prove-me disto.- disse entre dentes e saiu.

Esfreguei as mãos no meu rosto antevendo que os próximos dias seriam um teste de resistência e paciência. O maldito modelo chegou antes do almoço e estava pendurado em Hannah desde então.

Quando fui convidá-la para almoçar comigo o bastardo já havia se adiantado.

-Vim convidá-la par para almoçar comigo, perla.- disse assim que entrei no seu quarto. Estavam todos rindo acomodados nos estofados da sala de estar. Hannah sentada no estofado de dois lugares e o bastardo estava do lado dela. Meus olhos voaram para a grande mão dele pousada sobre o joelho direito dela. Ela usava um de seus vestidos florais e soltos que tanto adora. Tire as mãos de cima dela, porra! Cerrei o maxilar quase ao ponto de dor. Ela levantou-se e tomou-o pela mão andando até mim. O babaca era alto, atlético, tinha um cabelo loiro escuro e olhos verdes escuros e tinha aproximadamente a mesma idade de Hannah. Eu me senti ridiculamente velho na frente deles. A expressão nos olhos dele quando me encarou de frente dizia o que eu já temia. Esse bastardo quer o que meu.

-Esse é meu amigo Noah, Liam.- Hannah disse e acrescentou um tanto desconfortável:- Andrew, esse é hum... Meu marido, Liam.

Porra! Me senti um nada pela forma forçada como me apresentou.

Troquei um aperto de mão com Noah e nossos olhares disseram mais que nossas poucas palavras. O meu disse fique longe dela, seu imbecil! O dele me desafiou parecendo dizer você está em desvantagem! É de mim que ela se lembra. 

-Então, Hannah? Vai almoçar comigo?- insisti não gostando nada que o bastardo continuasse a segurar a mão dela.

-Noah acabou de chegar. Prometi almoçar com ele.- revelou tensa. Ela estava me dispensando? Eu, seu MARIDO? Por aquele merdinha?- Faz tanto tempo que não nos víamos...

Eu contei até dez para conter a raiva. O merdinha me olhava com um claro desafio nos olhos. Porra! Quem foi o bastardo que disse que contar controla a raiva? Eu ainda quero arrancar a cabeça desse filho da puta! Só isso vai controlar minha raiva.

-Certo. Vamos deixar para outro dia então.- assenti, resignando e um silêncio desconfortável se instalou sobre o recinto. Eu esperei Hannah me convidar para me juntar a eles, mas o convite não veio. Caralho! Eu estou morrendo por dentro.- Bom almoço para vocês.- me obriguei a sair do quarto me sentindo um cachorro mendigando atenção, mas rejeitado pelo seu dono.

O jeito que o babaca olhava para minha mulher era de puro êxtase. Eu queria tanto socar aquela cara bonita dele. Apesar de Hannah me assegurar que não havia mais sentimentos entre eles, fiquei incomodado com a intimidade que ainda tinham. Eu nunca fui ciumento antes, mas agora eu quero matar esse filho da puta porque ela se lembra dele e não de mim.

Os próximos dias foram uma tortura requintada para mim. Tive que suportar dividir minha mulher com seu entusiasmado amigo. Ele não me enganava em por um momento. Redobrei as atenções da nossa segurança pessoal e peida relatórios diários do que faziam quando deixavam o palácio nos muitos passeios sugeridos pela maldita mãe de Hannah. Ela queria claramente me torturar. Naquela tarde encerrei o expediente mais cedo e resolvi ir até Hannah e convidá-la para ir ao Cassino comigo à noite. Fui recebido pela babá de Dimitri que um tanto tensa me informou que estavam na piscina. Desci a escada para o jardim privado e meu humor mudou ferozmente porque dentro da piscina estavam Hannah e o maldito Noah segurando meu filho nos braços. Dimitri se desmanchava em sorrisos para aquele bastardo sem ter ideia de que ele queria roubar sua mãe de mim. Aproximei-me da borda e entrei na piscina de roupa e tudo.

-Me dê meu filho, agora!- avancei furioso e tirei Dimitri dos seus braços. A boca dele se curvou num sorriso provocador. Ele estava gostando de me ver no limite.- Hannah, venha comigo.- minha voz saiu mais dura do que gostaria, mas eu estava puto que ela tivesse permitindo que visse seu corpo naquele biquíni indecente e ainda o deixasse pegar meu filho. enquanto eu, seu marido era mantido à distância de um braço. Eu estava morrendo de saudade dela e ela desfilando com aquele maldito o tempo todo.

-O que é isso, Liam?- ela ficou mais perto do imbecil, pronta para a briga.- Noah não estava fazendo nada demais. Ele estava apenas brincando com Dimitri.

O maldito ampliou o sorriso e seu seus olhos me diziam que ele queria jogar minha mulher contra mim. Eu quero arrancar a cabeça dele nesse momento, mas isso vai me deixar muito mal com Hannah. Ele tá querendo me provocar para que eu faça alguma besteira na frente dela. Ele não sairia vitorioso. Definitivamente não!

-Você vem comigo.- disse entre dentes para ela.

-Não, não vou.- os olhos de esmeralda inflamaram desafiando-me.-Noah é meu amigo e não vou tolerar que seja grosseiro com ele.- as palavras dela me rasgaram. Ela ficou do lado dele. Porra! Ela ficou do lado dele!

-Eu sou seu marido e você tem me ignorado para ficar com ele, porra!- gritei perdendo de vez minha compostura.- Você vem comigo, agora!- agarrei seu pulso, mas ela rosnou como uma leoa e desvencilhou-se se afastando de mim.

-Eu não sou sua criada, alteza.- cuspiu meu título com desprezo.- Jamais me envergonhe de novo na frente de meus amigos, entendeu? Ou vou aceitar o convite de minha mãe e ir passar um tempo no Rio, bem longe daqui! Eu não me lembro de você!- disse furiosa.-Sinceramente eu não sei como me casei como um homem das cavernas como você- berrou e saiu da piscina. Mesmo naquela situação caótica meus olhos não puderam deixar de devorar seu corpo escultural no biquíni preto minúsculo. Ela andou até a borda da piscina e dirigiu-se à escada. Ficamos eu e o bastardo boquiabertos admirando sua bundinha firme e perfeita. Foda-se! Ela vai me matar se continuar me ignorando assim.

Forcei-me a me controlar e saí da piscina sem mais uma palavra. Deixei Dimitri com a babá e rumei para a sala de esgrima. Precisava extrapolar toda essa energia negativa ou explodiria. Eu preciso de um plano urgente porque o bastardo está ganhando cada vez mais terreno com minha mulher. Dio! Eu não posso perdê-la. Não agora que sei que a amo mais que minha própria vida. Duas horas depois, já suado me preparava para sair quando a porta se abriu e Noah entrou caminhando até mim. Sua postura rígida. Acho que essa conversa vai ser interessante.

-O que deseja?- cuspi, ríspido enquanto enxugava o suor do meu rosto com uma toalha de rosto.

-Você sabe o que eu desejo.- sua expressão foi séria.- Eu a amo. Abri mão dela uma vez porque era jovem e tolo, mas agora não vou fazer isso.

Meu sangue ferveu. O que aquele filho da puta estava me dizendo?

-Você obviamente não tem a menor noção do perigo, não é?- avancei em direção a ele.

-Estive longe por muito tempo, não vou me afastar mais.

-Realmente, onde você estava quando ela ficou em coma por dois meses?- cuspi quase na cara dele.- Por que nunca ouvi falar de você antes?

Chupa essa, babaca!

-E quem a colocou naquele hospital, hein? Há rumores de que ela foi vista chorando e correndo pouco antes do acidente. Eu tenho minha própria teoria: você a colocou lá! Apenas você!- ele rosnou em meu rosto.

-Ela é minha mulher seu bastardo! Vou acabar com você se ousar tocar nela, ouviu?

Ele apenas sorriu sem se afastar. Era quase tão alto quanto eu. Então ele não é um covarde. Bom, gosto de brigar com bons adversários. A vitória é muito mais doce.

-Ela não se lembra de você. Laura me disse que você a fez sofrer antes, então não fique posando de marido devotado agora. Não vai demorar muito e eu a terei de novo.

Eu mal o deixei terminar, meu punho já encontrava seu maxilar num soco poderoso que o levou ao chão.

-Levante-se seu merda! Apanhe de pé como um homem!- rosnei ensandecido. Ele levantou agilmente e avançou para mim. A próxima coisa que eu vi foi seu punho no meu olho esquerdo. Porra! Isso foi rápido. Cambaleei para trás, mas me reequilibrei  o atraquei pelo meio jogando-o no chão. Montei em cima dele e bati com vontade na sua cara que agora já não era tão bonita pelo sangue que saia da boca, nariz e supercílio. Então, senti braços fortes me arrancando de cima do bastardo. Saí a contragosto. Eu sentia um ódio mortal.

-Você está louco, Liam?- A voz de meu treinador e amigo de infância Pabllo(Vittar) encheu meus ouvidos.

O bastardo levantou-se com dificuldade e olhou-me sorrindo. Por que diabos ele estava sorrindo? Eu o machuquei muito. Sua cara estava toda ensanguentada.

-O que será que Hannah vai achar disso, alteza?- disse cuspindo sangue.

-É melhor você sair, amigo.- Pabllo rosnou para ele.

Ele me olhou de novo e saiu cambaleando. A compreensão afundou em mim. O bastardo preparou-me uma armadilha. Gemi me desvencilhando de Pabllo. Hannah vai me odiar quando vir o estado em que o deixei. Oh! Dio mio!


Notas Finais


O que acharam? Mereço comentários e favoritos? Vocês estão bem? Amo vocês. XOXO Juuh.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...