História Princess - Mitw - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 87
Palavras 1.638
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Fantasia, Festa, Lemon, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


✩ MAIS UMA FANFIC ONDE DEMORAREI PARA POSTAR CAPÍTULOS ✩

✺ Tudo bom? bora ler mais uma fanfic dessa garota que acha que sabe escrever algo sendo que sempre tira nota baixa em português? bora.

✺ Seguinte, resolvi lançar essa fanfic por que já estava escrevendo ela faz tempo. So estava passando tudo para a primeira pessoa. Mas resolvi postar esse capitulo na primeira pessoa, e o segundo na segunda pessoa. Vocês decidem qual o melhor.

✺ Boa leitura e perdão para os erros.

✺ Sim eu to vidrada no Felipe Neto

Capítulo 1 - Capitulo I


PrincessMitw

Casa dos Pacanha’s

18/07/2016

10:23

Vesti meu moletom rosa com unicórnios e donuts espalhados como sua estampa, também coloquei meu tutu de mesma cor que o moletom, e por debaixo uma calça jeans na cor branca, eu estou um gato. Me admiro no espelho, se eu me visse na rua me pegava de jeito, já me acostumei com meu jeito “garota”. O que me faz sofrer preconceito, mas continuo aqui firme e forte. Ai caralho quem ta batendo nessa porta me incomodando a essa hora, ando até a porta e abro a mesma revelando minha irmã – essa porra que me incomoda pra caralho, serio mesmo não gosto, morre — Que logo entra no cômodo. Olho para ela confuso, a garota anda até a minha penteadeira e recupera seu esmalte pink, “filha da puta” penso, mas seria bem improprio chamar ela assim, vou continuar com o visual: “perfeitinho e fofo” ela se vira para para mim e me encara, dou de ombros e me sento na cama observando minha irmã ir até o único objeto não rosa daquele quarto, meu “quadro de empregos ”. Ela lá vê um novo papel, de uma pizzaria, acho que deduzio que seu querido irmão tentara trabalhar naquele local, é o primeiro panfleto naquele quadro, se ela estava orgulhosa? Claro! Eu vou finalmente ajudar a pagar o tratamento de sua mãe que tem leucemia.

— Pizzaria Linnyker? Não é aquela bem famosinha? — Assenti. — Finalmente você vai largar a balada?

— Não né, a propósito eu estava indo pra uma agora, para comemorar. — Isa ri e balança a cabeça negativamente.

— É como perguntar a um animal se ele quer sair de seu habitat natural

— Por que ainda está aqui mesmo? – Ela ri e sai do meu quarto, gloria.

Me olho na penteadeira. Me lembro do presente que prometi à mamãe, ou como a chamo, mama. Vou até a cama e me abaixo pegando de lá uma carteira, saio do meu quarto e vou em direção a sala, minha irmã está lá. Murmuro um “Já volto” e saio de casa indo para uma loja feminina.

Suspiro Feminino

11:07

Eu já sou bastante conhecido aqui. Sou recebido por uma simpática atendente – Mirelly, mais uma das pessoas naquela cidade que me veem como o perfeitinho – ela sorri para mim.

­— Bom dia Tarik.

—Bom dia Mirelly!

— O que quer hoje doce?

— Vocês têm peruca?

— Só um momento. Wanda! Venha atender esse mocinho! — E uma garota de cabelos tingidos por um rosa forte amarrados por um rabo e cavalo e usando o uniforme do local sai de trás da uma cortina bege. Sua maquiagem era no estilo Marylin Monroe. Ela sorri simpática para mim, que putiane, mas se nota um pouquinho de nojo em seu olhar, talvez pelas minhas vestes.

— Bom dia — Ela anda até mim. – O que deseja?

— Uma peruca!

— Ah! Temos várias, em milhares estilos! Verei uma castanho escuro para você e...

— Mas eu quero loira… —Falo manhoso.

— Não combinaria com você — Ela ri, esta vendedora está realmente pensando que euqueria uma peruca, eu vou é soltar o verbo.

— Problema! Mas do mesmo jeito não é para mim! É para minha mama! E sim! Combinaria muito comigo! Você não entende nada! Tchau Mirelly! Sua funcionaria precisa de bons modos! Essa vagabunda, ensina pelo menos antes, me poupe, se poupe nos poupe queridinha. — Então saio do estabelecimento irritado. Sem peruca. Sem presente, retorno para casa.

Casa dos Pacanha’s

11:59

Sou recebido pelo olhar confuso de Isa, ela mexia em seu notebook. Apenas ignora aquilo e subo para o quarto, a raiva que sentia era grande. Muito, muito grande. Queria estrangular aquela atendente. “Ela não entende nada! ” Pensava. Me deito no carpete rosa e pego meu celular, várias mensagens, várias notificações. Mas só mas coisa me importava ali. Mesmo que odiado por uns, adorados por outros… Havia achado uma função para o Facebook. Ele havia se tornado um stalker. Quando ia abrir o aplicativo recebe uma mensagem de sua melhor amiga, a Ana.

Conversas

Ana Amorzin: Tarik! Me responde! Aaaaaaaa!

Eu: O q foi sua louca?

Ana Amorzin: Até que enfim! Seguinte, hj cê num vai começar aquele seu emprego tals na pizzaria lá?

Eu: Sim ué

Ana Amorzin: Então, eu, sua mãe e a Isa, vamos lá no seu turno pra comer pizza comermorar! Kkjhgfdcfvghjk sou bem engraçada néah

Eu: Como vamos comermorar? Eu não vou poder comer ;~;

Ana Amorzin: Eu dou meu jeito ‘u'

Ana Amorzin ficou offline

 

Sorrio, se ela iria arrumar um jeito, ela iria conseguir. Olho as horas e decido ir para a balada que havia perto de la de casa. Prefiro dormir um pouco, pois essa balada também só abriria as 22:00 da noite.

Após dar um “cochilo” de horas... Me dirigo ao banheiro me despindo de minhas vestes e entrando na banheira já cheia e com tudo o que precisava. Não posso ir com minhas roupas, já fui uma vez em uma balada vestido com meu jeito e digamos que as coisas não foram agradáveis. Meu banho termina e me enxugo. Visto uma box, calça branca um tanto quanto apertada em alguns locais – Como minha bunda por exemplo – E um moletom com o nome “Follow” estampado. Me admiro em seu espelho. Sim era estranho se ver vestido daquela forma. Mas ele não liga, pois agora frequentará um de seus locais favoritos de todo o mundo.  E também está se achando bem sexy, porém, um pouco hetero demais. Pego meu celular e ponho no bolso, minha carteira também entra nesse meio. Abro a porta descendo as escadas para a sala, minha irmã não está mais lá, e mamãe estava provavelmente na cama repousando, ela tinha leucemia, seus cabelos já haviam caído, mas ainda a achava a mulher mais linda do mundo, eu amo minha mama. Mesmo ela já me ter pego entrando aos beijos com diversos homens em casa, ela correspondia ao meu amor, era uma relação perfeita de mãe e filho, até mesmo com os problemas que enfrentávamos. Saio, a balada não era muito longe dali, então, ia a pé.

Kiss & Fly

22:25

Ao chegar na balada já sinto o cheiro de álcool – Que ele simplesmente adorava mais que tudo – Entrar em minhas narinas, haviam várias pessoas ali, dançando, rindo, brincando, esquecendo de como o mundo lá fora era ruim, mesmo ali dentro não sendo o melhor lugar do mundo. Uma música eletrônica ecoava pelo lugar. Então logo me misturo naquele meio. Danço, digamos que bem? Não sei, não sou um crítico de dança sei lá.  Sinto duas mãos em sua bunda este preparado para “sambar” na cara o sujeito, Me viro e dou de cara com um homem grande, de pele branca, olhos possivelmente com uma lente de contato vermelha, cabelos grisalhos, e um sorriso intimidador, várias tatuagens estavam espalhadas pelo seu corpo, era um momento ruim para decifra-las.

— Olá princesa, o que acha de irmos ali? Vou te mostrar como sou um bom espadachim.

— Sai daqui seu idiota. — Retruco cuspindo as palavras. O homem me puxa colando-me ao seu corpo. –Por que você não enfia uma espada no cu e me deixa em paz?

— Posso lhe dizer que meu nome não é idiota, me chame de Ryan.

— Dane-se você é seu nome — Cuspo em seu rosto.

— Olha só! A princesa é ousada! Mas eu sou mais. — Ryan me puxa é me força para um beijo. As mãos do homem faziam um passeio por cada parte de meu corpo. O empurrava, mas Ryan era mais forte.

— Ei idiota. — Uma voz não de Ryan é escutada. Rapidamente Ryan separa aquele beijo roubado dando uma oportunidade para respirar. Olho para pessoa ela usava roupas completamente pretas um óculo escuro e uma touca na mesma tonalidade que suas roupas, não era possível ver seus olhos nem seus cabelos, só um sorriso simpático em seu rosto. Agradecia mentalmente por aquilo. — O que pensa que está fazendo? Ele está comigo. — “Dois” penso, mas o homem de preto puxa meu braço me levando para si, e o puxando pra fora do lugar.

— Por que? Eu já ia ser estuprado por um agora outro? Escuta aqui se me atacar eu vou te atacar seu palhaço.  —Falo tentando olhar os olhos do homem que mais aparentava ter sua idade.

— Ta louco? Eu te salvei seu idiota!

— Que?

— Ninguém te avisou que não se pode ser novato da Kiss & Fly?

— Não…

— Ai credo. Que tipo de amigos você tem? — Ele põe a mão no peito. -Ele é tipo… Ahn, como eu posso explicar… já leu Percy Jackson? —Afirmo com cabeça -Então, você é um sátiro, e o Ryan lá é o Polifemo. —Eu tentava associar tudo o que saia de sua boca.

— Mas eu só vi o filme…

— Então por que disse que leu?!

— Calma!

— Ara!

— Ara o que?

— Nossa que lerdo você!

— Lerdo não! Incapacitado de pensar de velocidade alta!

— E isso lá existe!

— Você é engraçado — Digo rindo.

— É melhor você ir para casa “Princesa”.

— Mas está legal falar com você, a propósito, não me disse seu nome.

— Me chame príncipe. Só isso. Adeus, Tarik. — Ele se vira e some, como sabia o meu nome? Eu não havia o dito. Fica no ar.

— Af, vai se fuder! Para de suspense, qual o problema das pessoas de hoje em dia? – Fazer o que né, tenho que ir para casa agora. Mas para não passar a limpo, entro naquela balada novamente e danço ignorando o olhar do “polifemo”.  Vou até a barraca de comes e bebes e pego um drink forte virando o copo de plástico na cor verde neon. Volto para pista de dança onde caio nos braços de um homem que nem mesmo o conhecia, mas o que importa para mim, era que estava me divertindo sem a interrupção de nada. E mais um para minha“coleção”.


Who is this prince?


And how he knew... princess?

 


Notas Finais


✺ Twitter: https://twitter.com/DiskLinnyker

✺ Comenta ai o que achou!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...