História Princesas aos 18 - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Bela e a Fera, A Pequena Sereia, A Princesa e o Sapo, Aladdin, Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland), Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, Cinderela, Enrolados, Frozen - Uma Aventura Congelante, Mulan, Peter Pan, Pocahontas
Personagens Aladdin, Alice Kingsley, Anna, Ariel, Bela (Belle), Branca de Neve, Chapeleiro Maluco, Chapeuzinho Vermelho, Cinderela, Elsa, Fa Mulan, Fera, Hans, Peter Pan, Princesa Jasmine, Rapunzel, Tinker Bell, Wendy Darling
Exibições 31
Palavras 2.457
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Incesto, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem e desculpe qualquer erro de PT.

Boa leitura! <3

Capítulo 10 - Branca de Neve: Maçã do amor


Fanfic / Fanfiction Princesas aos 18 - Capítulo 10 - Branca de Neve: Maçã do amor

Branca nasceu em um povoado pequeno e foi transportada para o castelo com à intenção de quando crescer fosse empregada da rainha, e assim o fez. Branca de Neve, nome dado pela sua mãe antes dela ser obrigada à dar o bebê para à rainha, um nome dado pelos motivos mais claros: um bebê com uma tonalidade de cor única, branca como à neve, sem nenhuma outra cor à não ser às bochechas vermelhas como maçãs. Olhos grandes e negros, boca pequena e rosa, e cabelos negros como o carvão. Branca cresceu aos cuidados da rainha e aos dezoito anos à sua beleza foi revelada pelos amigos da rainha e por todos que viam à menina. "Uma beleza única e não há outra igual", isso fez nascer um ódio no coração da rainha e um desejo de matá-la.

Branca estava pegando água no poço para lavar os vinte e cinco banheiros do castelo quando, chegou um príncipe filho do rei do castelo vizinho. Ele para de longe e fica olhando à linda garota cantarolar e pegar sua água, ele vê sua formosura e fica encantado, logo vai a seu encontro. Branca pega dois baldes na mão e ao se virar leva um grande susto do príncipe que estava parado atrás de si. Branca da um grito e deixa os baldes cair: —Pela rainha! Que susto meu senhor. —disse ela se recompondo e se curvando ainda agitada.  O príncipe apenas sorriu e segurou em seu ombro para ela se levantar. —Não quero que uma bela princesa se curve para mim. —Branca da um sorriso e segura em sua barra do vestido já velho. —Não meu senhor, não sou nenhuma princesa, sou apenas à empregada da rainha... —suas maçãs do rosto ficaram mais vermelhas do que o normal, uma beleza natural que não era carcerário nenhuma maquiagem pois, o seu rosto já era formoso naturalmente. O príncipe ficou pensativo por uns instantes e logo voltou a falar: —porque uma linda garota de beleza única é tratada assim?! Irei falar com à rainha para leva-lá comigo. Ela me vendeu três cervos pra mim e vim escolher, quero leva-la comigo e lá você irá te-lá uma boa vida... — sem o príncipe terminar Branca o interrompe. —por favor senhor...a rainha não gosta de mim, me trata diferente das demais, e não quero deixa-lá ainda mais furiosa, irá pensar que eu implorei para o senhor me levar... —jamais! Jamais irei permitir tratar uma dama como você.. —ele disse com uma voz forte e seus olhos sempre aos de Branca, ele passava uma confiança para Branca que o deixava confortável, algo que ela nunca tinha sentindo. Quando Branca iria falar a rainha sai do meio dos arbustos com um olhar sério. —porque um belo príncipe irá querer uma simples cerva como está.. —disse com nojo olhando para Branca que estava com à cabeça baixa e muito tremola. —você irá escolher outras, essa já é minha, já tenho planos para ela. —mas minha rainha, me permita leva-la e faze-la minha princesa. — a rainha ri e logo fica seria. —você irá querer faze-la uma princesa? Uma garota que você nem conheci? Que reino é esse. — o príncipe engole um seco e tenta mais uma vez. —deixe-me leva-la, pago o quanto for preciso. — a rainha fica com raiva pois tinha inveja de Branca. — NÃO! ELA NÃO IRÁ COM VOCÊ E SAÍA DO MEU CASTELO ANTES QUE EU NÃO MANDE CORTAR SUA CABEÇA, NÃO APAREÇA MAS AQUI. —sua voz foi tão alta que os pássaros das árvores sobrevoaram dalí, Branca se arrepeiou de medo e o príncipe respira. —eu não irei desistir. —ele foi até Branca e segurou suas mãos delicadas, por mais que estivessem machucadas de tanto trabalhar. —não irei desistir de você. —ele beija sua mão e saí dalí. A rainha manda os guardas pegar Branca e prende-lá no subsolo. À rainha sabia que o príncipe poderia vencer essa guerra pois ela tinha um acordo com o reino vizinho de vender ou dar tudo que o príncipe queria, porque ela só se tornou rainha por causa que o príncipe havia nascido e sua mãe morrido, à rainha se tornou madrasta dele e logo que ele havia completado sete anos ela se separou do rei e exigiu ser rainha mas em outro reino, assim se fez más com contrato de dar tudo ao príncipe. O príncipe não sabia disso mas provavelmente iria saber assim que falasse com seu pai.

À princesa fica em uma sela fria com apenas um banco de madeira, às paredes toda úmida e cheirando à urina. Havia um guarda para vigia-lá, alí em sua frente havia sete crianças com aparência de velhas e o corpo todo mal tratado, estavam com roupas e capuz. Branca vai até às grades e fala com eles: — O que vocês estão fazendo aqui crianças? —todas ficam quietas com um olhar de medo, apenas uma menor de todas começou à falar mas logo foi cortada por um de seus irmãos. — nós estamos aqui porque.. — seu irmão tampa sua boca com às mãos e o guarda apenas os olha. —é proibido falar. —disse ele para Branca. Branca senta no banco e fica olhando às criançada. Logo chega outro guarda com um balde, ele dá alimentos aos outros que estavam alí, à maioria era criminosos, ele distribuia com uma concha algo que parecia ser comida de porcos, cheirava mal, ele servia jogando dentro de uma tigela velha e suja. Às pessoas comiam com muita vontade, assim ele foi passando em sela em sela e Branca ficou abalada com a situação, ela nunca havia passado por isso, por mais que fosse odiada pela rainha. Quando chegou na vez das crianças, ele pôs em sete tigela e elas comiam até lamber o à última gota do alimento. Quando chegou em Branca, ele deu um sorriso pois havia achado ela bonita e colocou com cuidado no prato e repetiu duas vezes, os outros que alí estavam ficaram observando algo que nunca havia acontecido antes. Ele saí e Branca apenas cheira o alimento e deixa de lado, estava sem fome.

/um mês se passou/

  À rainha chama o melhor matador do País e manda ele fazer algo que nunca havia feito antes, ela iria pagar muito para esse trabalho, estava disposta à pagar trilhões. O príncipe já havia dito uma semana antes para à rainha que iria pegar Branca no final do mês de Dezembro para esse casar com ela. Branca já estava um mês na sela, seu corpo estava fraco e sem vida, ela mal dormia e não via à luz do dia, não tomava banho e se alimentava mal, bebia água suja e só podia ir ao banheiro uma vez ao dia. Ela havia dito ao príncipe que Branca estava tão ocupada que não iria poder ir com ele te fim do mês, e ele concordou em esperar. À rainha então rapidamente contrata o matador e sem saber de quem se tratava ele aceitou em: tirar à cabeça de Banca e seus órgãos e levar par à rainha, que irá comer e por à cabeça de Branca em uma caixa de vidro em seu quarto.  Os guardas levam Branca para uma sela isolada e escura, ela estava com às mãos, pernas e boca amarrados, à rainha havia dito para o matador "brincar" com a garota antes de mata-la, mandou ele satisfazer o sadismo que havia dentro dele, e ele foi com esse desejo até chegar de encontro à Branca. Ele vê ela deitada no chão, por mais que estivesse mal de saúde e aparência, ela ainda aparentava uma fomosura, o matador fica paralisado olhando para ela, ele havia sentido um sentimento de dó e pena, algo que nunca havia sentido por nenhuma de seus alvos antes, era como se Branca tocasse no coração de todos que os via. Ele deixa sua faca cair no chão e se aproxima se ajoelhando de Branca, ela fica observando ele com um semblante de medo no rosto. —calma bela princesa..  . —dizia ele enquanto mexia nos cabelos curtos da garota. —não irei machuca-lá. — ele pega Branca e o leva consigo até à floresta, lá longe do reino ele o desamarra. —fuja garota, vá o mais longe que puder, vai em direção às árvores amarelas, lá você ir encontrar  chalés de crianças que trabalham em minas de carvão, você pede abrigo à elas, elas iria lhe ajudar. —mas porque? Porque disso tudo? —disse ainda com medo e fraqueza. — à rainha te odeia por você ser bela, ela quer mata-la e me contratou para isso, ela irá dizer ao príncipe que você caiu da janela e que morreu... Irei dizer à rainha que você morreu e antes e eu leva-la seus restos mortais eu o enterrei. — Branca começa a chorar, ela via à rainha como mãe, por mas que nunca teve um carinho e amor. Branca então corre até os chalés e o matador volta para o castelo.

O príncipe vai então atrás de Branca para ve-la, faltava apenas uma semana para ele pega-lá e torna-lá sua esposa. Ele chega no castelo e a rainha o recebe com choro falsos, ele fica sem entender então ela explica toda à mentira. O príncipe fica em choque e não sabe o que dizer, sem antes à rainha terminar, ele saí correndo com seu cavalo, sem pensar em nada ele para no pico da montanha e se joga, se suicidando. À rainha sabe da notícia e fica feliz , o matador chega e explica alegando que Branca também havia morrido. À rainha então manda matar o matador também por não ter trazido os restos de Branca, mesmo assim a rainha então fica feliz com o seu plano.

Branca chega no chalé e encontra os animais reunidos como se eles entendesse o que estava acontecendo. Ela se aproxima e vê um caixão de vidro e cristais alí, logo ela chega e os animais ao ver Branca se curvam como se ela fosse uma rainha. Branca vê o príncipe alí dentro morto, seu corpo estava como se estivesse dormindo. O seu cavalo havia o pegado e trazido alí, pois, o príncipe cuidava dos animais da floresta e os animais o amava. Branca começa a chorar sem saber como isso havia acontecido.

  Às crianças foram libertado pela rainha para escavar mais diamantes para ela, então eles voltaram para às suas casas depois de um ano fora, chegando lá encontraram os animais e Branca. Ela estava fraca e mesmo assim se mania firme olhando o príncipe. Às crianças chegam perto de Branca e com um semblante triste eles ficam alí com ela, sem mesmo saber o que estava acontecendo. — porque isso aconteceu... —disse ela chorando. —nós podemos salva-lo princesa. — disse uma criança. Branca então parou de chorar e olhou para ela. —como? Como você pode salva-lo? Ele está morto! —nós sabemos uma poção feita pelos anões antigos... —disse à criança mais velha. Sem dizer mais nada eles foram fazer a poção, e Branca ficou esperançosa. Depois de um tempo eles voltaram com um frasco com um formato de maçã. —você irá beber e logo beijar o príncipe, porém, o príncipe irá viver más você terá que sacrificar sua vida...essa é a troca de vida das poções, uma vida pela outra. —se for para salva-lo, eu aceito. Branca seca suas lágrimas enquanto às crianças tiram a tampa de vidro, logo ela bebi a poção que tinha um gosto de maçã e beija o príncipe que estava já gelado, ela então sente uma enorme sonolencia e adormece e às crianças colocam seu corpo no chão. Alguns segundos depois o príncipe acorda sem entender direito o que estava acontecendo. —como estou vivo...eu havia pulado do penhasco... —o príncipe olha para o chão e vê Branca de Neve, ela parecia estar dormindo, estava formosa. Ele pega ela no colo e coloca no caixão. —À rainha havia me dito que ela tinha morrido... — ela estava viva. À rainha havia o prendido no subsolo do castelo e provavelmente mentiu dizendo que ela estava morta. — eu pulei cometendo suicídio pensando que ela estava morta...era para mim estar morto como estou vivo e ela morta... —às lágrimas começaram a descer de seu rosto. —ela bebeu uma poção que te trouxe a vida e em troca ela adormeceu, não morreu, mas irá dormir até sua velhice ou até morrer por falta de comer... Praticamente ela está morta, ou melhor,.está dormindo. —disse a criança orelhuda. O príncipe chamou seu cavalo e pôs a Branca consigo e levou para seu castelo.

Ele fez uma cama de cristal com colchão de penas, e pos do lado de sya cama, assim, todos os dias ele iria ficar do seu lado, alimenta-la por sonda e cuida-la de suas higienes, sua esperança de que ela iria voltar a vida, era enorme. Durante um mês foi assim, até que no aniversário do rei a rainha compareceu e viu o príncipe lá e do seu lado Branca em uma cama, ela ficou sem entender nada e antes dela tomar alguma providência, o rei ordenou os guardas colocar sapatos de fogo em brasa em seus pés e o rei forçou ela dançar com ele até seus pés ficarem alejados e assim foi banida como rainha e jogada na prisão.

O príncipe passou a morar com a Branca, que ele tomou como esposa e virou a rainha, um mês depois de seu "casamento" ele sentiu um forte desejo por ela, e a possuiu mesmo dormindo, ele amou ela mesmo dada como morta, seus desejos por ela eram intensos e ele iria ama-lá mesmo dormindo.

Um tempo depois o príncipe havia se deitado com Branca de Neve, ele notou diferenças em seu corpo, e chamou imobiliária médico da família real, logo foi constatado a gravidez da rainha. O príncipe ficou muito surpreso e feliz, mas triste por Branca não poder comemorar com ele. Durante meses ele cuidou de Branca até que no dia do parto algo surpreendente aconteceu. Branca de Neve acorda assim que a bolsa se rompe e ela sente uma dor intensa, entender e saber de nada ela logo automaticamente ela começa a fazer força para tirar os bebês, o príncipe chega com os médicos e fica em choque de alegria ao ver sua esposa acordada com um bebe em seu colo. Ele sai correndo e beija Branca, logo já descansada ele explica todos os detalhes e Branca fica feliz por ele ama-la e cuida-lá e dado à ela um grande presente, uma filha. Mesmo Branca não lembrado de nada, ela estava feliz, e o príncipe mais ainda. O nome de sua filha se chamará: maçã  do amor, pois,graças ao frasco de poçao de maçã eles estavam alí juntos.


Notas Finais


Proximo sera: Ciderela <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...