História Princess finds Princess - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Camren G!p, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren G!p, Lauren Jauregui, Normani Kordei
Exibições 302
Palavras 5.973
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei? Demorei! Mas cheguei com att quentinha ♡
Boa Leitura.

Capítulo 12 - Capítulo X - Part I


Fanfic / Fanfiction Princess finds Princess - Capítulo 12 - Capítulo X - Part I

"Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela é agora única no mundo."

(O Pequeno Príncipe)

~~

- Tem certeza que não quer entrar, gótica? As crianças ficariam felizes de te conhecer. - Perguntei, com minha mão na porta do carro. Estávamos em frente ao Orfanato e Lauren parecia estar tendo uma luta interna se entrava ou não comigo.

- Não, Camz... Eu preciso resolver uns negócios com minha irmã. Ela quer que eu ajuda ela a escolher um vestido para uma festa. - Revirou os olhos, mas sorrindo docemente.

- Tudo bem então, vou indo.

Lauren me puxou para um beijo lento e calmo, nossos lábios já tão familiares se movendo em sincronia. Mordi seu lábio inferior levemente e sorri, dando um beijo em seu queixo e me virando pra sair do carro. Lauren segurou meu pulso e eu a olhei.

- Eu te mando uma mensagem.. - Falou, sua voz em dúvida me fazendo sorrir.

- Sim, claro. - Dei um último selinho nela e sai do carro, antes que eu decidisse ir com ela e entrasse em problemas.

Lauren buzinou alegremente, correndo com o carro pela rua e me fazendo rir.

- Por que você está andando engraçado, Kaki? - James perguntou, no minuto em que pisei no quintal do orfanato, chamando a atenção de todas as crianças que estavam lá fora.

- Uh.. Bem, eu cai de bunda. - Sorri sem graça e Kath, uma garotinha de oito anos arregalou os olhos.

- Você caiu aonde de bunda, Kaki?! - Perguntou, correndo para o meu lado.

- Hm... Sabe.. A escada? Então, foi nela...Na escada! - Falei mordendo o lábio nervosamente.

- Nossa, que horror! Não pode ficar caindo assim Kaki! Seu bumbum é sensível. - Ela então deu um pulinho, beijando minha bochecha e correndo de volta para brincar com as crianças.

Lauren e eu tomamos banho na casa e eu acabei tendo que usar as roupas dela. Eu ia para casa, mas queria conversar com Ally e ver as crianças, especialmente a minha pequena Bea.

Lauren e eu... Isso é realmente incrível.

Entrei no casarão, que estava bem agitado. Passei pela sala, encontrando algumas crianças e Alice assistindo um filme que eu julguei ser Harry Potter.

Entrei na cozinha, encontrando meus tios e Ally conversando seriamente.

- Olá? - Perguntei, encostando a porta.

- Camila, querida, como está? - Minha tia perguntou docemente, ela cortava alguns legumes na pia de mármore, enquanto titio e Ally discutiam em volta da mesa.

- O que ta acontecendo? - Perguntei, apontando para os dois que pareciam não ter notado minha presença.

- Ally quer um.. Bicho de estimação. Seu tio não quer deixar ela ficar com o pobre animal. - Sorriu, como se estivesse achando a situação engraçada.

- Que bicho ela quer?

- Um porco. Eu não sei aonde ela encontrou o pequeno baby, só sei que trouxe o bichinho pra casa e agora ele está lá no quarto.

- Um porco? - Bufei, desacreditada.

- Eu escuto! É o meu pequeno Cerdo! Eu já o amo. - Ally exclamou, cruzando os braços.

- Filha, eu já disse que nós não iremos ficar com um porco! - Meu tio falou cansado.

- Por quê?! Que mundo cruel. A gente vai sim! Mamãe... - Ally choramingou e eu comecei a rir.

Definitivamente, problemática

- Por Deus, tudo bem! Mas você quem vai limpar a sujeira do animal! - Titia se deu por vencida, apontando a colher de madeira para Ally e me fazendo rir mais.

- Sem problemas! Mila, o que acha de ir comigo ao veterinário comprar roupas?

- Roupas para o seu bicho de estimação. Um porco. Chamado Cerdo. - Falei lentamente e Ally sorriu contente - Aliás, onde você achou um porco?

- Uh, você lembra que eu voltei a trabalhar no bar essa semana né? Ai hoje apareceu um cara querendo dar seu porco. Ele era colombiano, eu acho. Tinha sotaque engraçado e nome divertido. Acho que era Compadre, algo assim. Enfim, ele apareceu lá todo desesperado e eu acabei comprando o Cerdo. Foi amor à primeira vista. - Ally explicou e titia começou a rir.

- Oh Deus, eu só queria uma filha normal. - Ela murmurou, balançando a cabeça e me fazendo rir também.

- História estranha, Ally. Mas porque Cerdo?

- O tal Compadre tava chamando ele assim, então eu achei apropriado.

- Você sabe que.. Cerdo significa carne de porco, né?

A julgar pela expressão chocada em seu rosto, não.

- Que horror! Isso é tipo humor negro! Seria a mesma coisa se eu desse bacon pra ele comer! - Ally falou horrorizada e eu não aguentei segurar uma gargalhada.

- Você deveria pensar em um novo nome para ele. - Titio comentou normalmente, como se não tivesse odiado a ideia de ter um porco em casa. Dois, contando com Ally.

- Que tal.. Peppa? - Optei e Ally fez uma careta.

- Meu porco não é gay, Camila. Não traga meu animal para o lado colorido da vida.

- Ei! - Reclamei, escutando as risadas dos meus tios.

- Já sei! Que tal Afonso?

- Que merda, Ally. É um porco, não um ser humano. - Bufei, rindo. - Que tal Bacon?

- Camila! Não!

- Bacon é divertido. - Ri.

- Eu não vou chamar meu porco de Bacon, Camila. Já sei, que tal Lauren?

Fiz uma careta e cruzei os braços.

- Não, você não vai chamar seu porco de Lauren.

- Hm... Ficou todo irritadinha, é? - Provocou e eu mostrei o dedo do meio para ela, fazendo-a rir - Certo, depois iremos falar sobre essa pessoa. Agora, me ajuda! Um nome!

Fiquei em silêncio por alguns segundos, até pensar em algo.

- Eu não consigo pensar em nada. Eu gosto de Bacon. Podemos chamá-lo assim? Vai Ally, é divertido! - Fiz um biquinho, olhando de forma triste.

- Ta, por enquanto, vai ser esse nome! Urgh, que horrível. Isso é horrível, me sinto um monstro. - Ally bufou, se levantando - Fique aqui, irei pega-lo e então iremos ao veterinário!

Ally saiu da cozinha rapidamente e eu revirei os olhos, rindo.

Me sentei na mesa junto do meu tio e ele sorriu um pouco.

- Luce foi adotada. - Contou, mostrando os papéis em sua mão. Um sorriso enorme apareceu em meu rosto.

- Jura?! Era uma família boa?

- Sim! Nós estávamos acompanhando eles já fazia um tempo... Deu tudo certo, no final. Por isso as crianças estão agitadas. Aliás, Luce pediu pra que eu te entregasse isso. - Ele estendeu um papel dobrado e eu peguei, abrindo totalmente a folha e sorrindo.

Era um desenho. Havia três bonecos com setinhas em cima, indicando ser eu, Ally e a Luce. Nós aparentemente estávamos em um parque e brincávamos. No final da folha, tinha uma mensagem em letras desproporcionais, com algumas palavras erradas.

"Obrigada por esses anos, Kaki! Eu amo você pra sempre e agora que você é uma princesa, não se esqueça de mim! Beijo da Luce!"

Meus olhos ficaram marejados e eu dobrei a folha, colocando-a em meu bolso da calça jeans - da Lauren - e sorrindo para meu tio.

- Isso é um bom sinal. Assim que meu avô voltar, irei falar com ele para fazermos alguma propaganda.. Algo que atraia a atenção das pessoas novamente. Vai ficar tudo bem. - Falei, tentando transmitir positividade e conseguindo um sorriso dele.

- Obrigado por isso, Mila. Você não imagina como fico feliz.

Ficamos em um silêncio agradável, até uma pequena criatura surgir na cozinha, puxando minha calça.

- Bea! Olá meu amor! - Sorri amável, pegando ela em meu colo e enchendo seu rosto de beijos.

- Boo! - Ela gritou animada, escondendo o rosto em meu pescoço. - Boo, dodói? - Seus dedinhos apertaram onde provavelmente havia um roxo e eu senti a cor sumindo do meu rosto.

Merda. O que falar?

- Uh.. Um bicho me picou, amor. - Sorri envergonhada e ela arregalou os grandes olhos verdes, seus dedinhos agora fazendo carinho onde havia provavelmente um roxo.

- Pobe Boo! - Murmurou, beijando o local de forma carinhosa.

Se antes eu estava com peso na consciência, agora eu tenho uma bola de demolição nela.

- Voltei! Oh, olá Bea! - Ally apareceu na sala, segurando uma caixa cheia de furos e que fazia barulhos estranhos.

- Pesente? - Bea apontou pra caixa, animada.

- Não gatinha. É meu, quer ver? - Ally sorriu e a pequena assentiu animada.

Ally então puxou uma cadeira, se sentando na nossa frente e colocando a caixa em seu colo. Ela retirou a tampa, revelando um pequeno porquinho rosa incrivelmente fofo.

Ally pegou o porquinho no colo, que começou a fazer barulhos estranhos, assustando Bea. A garotinha começou a gritar e tentar subir mais ainda em mim. Titia começou a rir e Ally passava a mão no porquinho, tentando acalma-lo.

- Calma, ele não machuca. Shhh. - Tentei tranquilizar a Bea, meus dedos fazendo carinho em seus cabelos e costas.

- Biso! Biso mau! - Ela choramingou, me abraçando mais forte.

- Não, Bea! O Bacon é legal! - Ally tentou falar e eu segurei uma risada. Bacon. Hilário.

Bea afastou o rosto e olhou meu rosto, como se estivesse procurando alguma segurança. Assenti calmamente, beijando seu nariz e fazendo-a sorrir. Ela ficou ainda meio escondida em mim, mas virou o rosto para encarar o porquinho que agora estava quieto no colo da Ally.

- Bea tocar? - Ela me perguntou e eu assenti, sentando-a corretamente em meu colo e Ally se aproximou. Bea esticou o bracinho lentamente até onde o baby porco estava, seus dedos tocaram levemente a pele dele e ela gritou, rindo. - Mole!

- A pele dele é mole, não é? - Ri junto dela, beijando sua testa. Ela assentiu animada, passando os dedinhos pelo corpinho do porquinho de forma mais confiante. O baby olhou para ela curioso, fazendo aquele barulho com o nariz de novo e assustando levemente a garota, que logo gargalhou.

- Nós vamos ao veterinário, sim? - Ally me olhou quase que implorando e eu apenas confirmei.

- Vou levar a Bea conosco. - Avisei e Ally concordou.

- Uh, a propósito, seus seguranças estão lá fora. Eu vi o carro pela janela do meu quarto, as crianças estão tentando brincar com o Green. - Ally disse e eu arregalei os olhos.

- Como eles sabem que eu estou aqui? - Perguntei, surpresa.

- Sei lá cara. São seus seguranças. Eles precisam saber onde você está sempre. - Ally deu de ombros.

- Ally disse que você estava com a Lauren... Talvez ele tenha contado, querido. Ou então eles viram que você não voltou para casa e vieram ver se você estava aqui. Devem ter perguntando para as crianças e como elas confirmaram, eles ficaram lá fora. - Tia Diana explicou e eu ponderei.

- É, faz sentido. - Dei de ombros, ainda surpresa.

- Vamos? - Ally se levantou animada e eu assenti.

- O que acha, bebê? Quer sair comigo e Ally? - Perguntei e ela bateu palmas.

- James! - Ela falou e eu franzi as sobrancelhas, confusa.

- James? O que tem o James?

- James.. Junto! - Ela fez um bico e eu entendi.

- Oh, você quer que o James também venha? - Sorri e ela balançou a cabeça rapidamente, feliz. - Tudo bem, então eu irei chamá-lo e nós poderemos ir. Fique aqui com a Ally.

-x-

- Eu não sabia que existia um veterinário tão grande! Isso é incrível! - Logan falou animado, segurando minha mão.

No final, Logan e James vieram conosco. Os dois estavam juntos quando fui chamar James no quarto, então não seria legal não convidar ambos. Nós ainda tivemos que sair pela porta dos fundos e dar a volta no quarteirão, para que as outras crianças não vissem e se sentissem excluídas. Eu traria todas, se pudesse. Mas não caberia no carro e provavelmente eu perderia elas.

- Nós vamos comprar roupa de super-herói para o Bacon? - James perguntou, pulando. Ele estava tão animado que era impossível não sorrir.

- Sim! E uma caminha também.. Vamos comprar muita coisa. - Ally sorriu animada e as duas crianças começaram a falar animadamente sobre o quão legal era o orfanato ter um bichinho de estimação.

- Não se esqueça que devemos levar ele para tomar vacina e ver se está tudo ok. Quero dizer, porcos de estimação tomam vacina? - Perguntei um pouco confusa e Ally me olhou meio perdida.

- Não faço ideia. - Deu de ombros.

Ficamos paradas no meio do grande veterinário, com três crianças aparentemente animadas, um porquinho e dois seguranças que fazem cosplay de armário.

- Boa tarde, senhores. Posso ajudá-los? - Uma funcionária da loja apareceu, sorrindo de forma simpática para nós. Seu olhar passou por todos, paralisando em mim. Sua expressão mudou para choque e ela parecia envergonhada.

- Uh, bem... Nós temos esse porco de estimação e gostaríamos de saber se.. Está tudo ok com ele... E.. Não sei, se ele precisa tomar vacinas.

- Certo, bem, se vocês me permitirem pegar ele e levá-lo lá dentro.. Enquanto isso vocês podem procurar roupinhas. Nós inauguramos recentemente uma sessão para porquinhos. As pessoas ultimamente vêem adquirindo muito esse bicho de estimação. - A mulher sorriu docemente e estendeu os braços para o Bacon. Ally lhe entregou um pouco desconfiada.

- Cuidado com ele! - Ally ressaltou e eu revirei os olhos.

- Tudo bem... Volto logo. - Ela me olhou uma última vez e saiu de perto de nós, conversando com o porquinho de forma simpática.

- Vou ficar de olho naquela garota. Ela é muito doce. Pessoas assim sempre são assassinas escondidas. - Ally murmurou e eu a olhei entediada.

- Você não pode ficar assistindo esses programas de assassinos. Você já é meio perturbada naturalmente. - Falei, fazendo as crianças rirem e Ally me bater.

- Vamos procurar roupas! - James chamou nossa atenção, correndo junto de Logan para a próxima sessão do veterinário. Bea começou a pular, querendo ir junto e eu a peguei no colo, andando calmamente até os garotos.

Era fim de tarde de um sábado, então o lugar estava praticamente deserto. As pessoas que estavam no lugar, me encaravam surpresas e eu tenho certeza de que vi algumas tirando fotos minhas.

Suspirei, me concentrando em Bea e rindo ao ver que James e Ally discutiam sobre algo.

- Camila? Ally? - Escutei uma voz estridente nos chamando e me virei, encontrando Mani e Dinah que sorriram animadas para nós.

- Hey! O que estão fazendo aqui? - Ally perguntou feliz, abraçando as duas. Eu as cumprimentei logo em seguida, com uma Bea escondendo o rosto em meu pescoço, envergonhada.

- Nós temos um cachorro e viemos comprar um brinquedo para ele. - Mani explicou, olhando para Logan e James que pareciam envergonhados, escondidos um pouco atrás da Ally.

- Meninos, são a Mani e Dinah. Vocês já viram eles, lembram? - Chamei os dois e eles saíram timidamente de trás da Ally.

- Olá! - Dinah sorriu para os garotos, que apenas acenaram.

- Não sejam tímidos! Até parece que vocês são assim. - Revirei os olhos, rindo.

- E quem é essa garotinha escondida em você? - Mani cutucou as costas dela levemente, fazendo a rir e se apertar ainda mais em mim.

- Beatrice. Mas podem chamar de Bea. É a minha garotinha! - Sorri terna e Mani trocou um breve olhar e com Dinah, que não passou despercebido por mim.

- Uh, Bea? Podemos vê-la? - Dinah sorriu um pouco... Estranho.

- Claro. - Afastei um pouco o rosto e tentei encarar os olhinhos da Bea - Princesa, o Mani e a Dinah querem te ver! Por que não diz 'oi' pra elas? - Sorri carinhosa e ela balançou a cabeça positivamente, virando-se lentamente e olhando as duas que pareciam... Surpresas?

- Uh.. É.. Olá! - Mani gaguejou, acenando para a Bea.

- Então.. Ela.. É do orfanato dos seus tios? - Dinah perguntou e eu apenas confirmei.

- Uh.. Bem, ela é adorável! Realmente.. Adorável. - Mani continuou nervosa e eu fiquei ainda mais confusa.

- Mani, você ta bem? - Perguntei, arrumando Bea no meu colo e sorrindo um pouco ao ver Dinah brincando com ela.

- Claro! Por que não estaria? Eu só.. Estou tão cansada! Uh.. O que acha de irmos ao palácio quando comprarmos tudo aqui? Aposto que suas irmãs estão com saudades e.. Elas podem brincar com Logan, James e.. Uh.. Bea! O que acha disso? - Sorriu nervosa, coçando a nuca levemente.

- Hã.. Pode ser.. - Murmurei, franzindo as sobrancelhas um pouco atordoada.

- Ótimo! Perfeito! - Mani arrumou a jaqueta e eu apenas dei de ombros, preferindo não perguntar sobre ela estar estranha.

- Milaa, vem cá, o que acha dessa roupa? - Ally me chamou e eu fui para o seu lado. James e Logan conversavam com Dinah e ao mesmo tempo brincavam com Bea.

Então eu me toquei. Eu iria ao palácio. E meu avô ainda não tinha voltado. E Lauren estaria lá. Junto com Sinuhe. E Michael.

Oh meu Deus.

-x-

Eu sentia minhas mãos soando, enquanto segurava as pequenas mãos de Bea ao meu lado. Ela parecia deslumbrada com o tamanho do palácio, grudando em mim com medo de se perder.

Logan e James observavam tudo em perplexidade, grudados em Dinah e Ally. Mani ia na frente, meio que nos guiando até sabe-se Deus onde. Ally segurava o pequeno Bacon nos braços, que agora usava uma roupa de homem-aranha.

- Kaki, porque você não mora aqui? É tão grande! - Logan me perguntou e eu apenas dei de ombros.

- Eu já tenho a minha casa.. Não sei se conseguiria morar aqui.

- Mas é um castelo! - James exclamou, me olhando como se eu fosse uma louca.

Um castelo onde tem uma mãe que me abandonou e um tio que me odeia. É, eu prefiro morar com meu pai.

- KAKI! - Um gritinho agudo me fez parar. Olhei para o lado e vi uma Sofia correndo animada em minha direção, usando um vestido azul extremamente fofo, os cabelos presos em um rabo de cavalo. Daisy estava atrás dela, junto com a baba, Jolene.

Me abaixei o suficiente para conseguir abraçar a pequena e logo senti seus bracinhos pequenos em volta do meu pescoço, me causando uma estranha sensação boa de conforto. Eu não percebi como estava com saudades dela, até agora. Retribui o abraço com um braço só, enquanto o outro ainda segurava Bea.

- Pequena Sofia! Como você está? - Beijei sua bochecha e me levantei, sorrindo para ela.

- Estava com saudades. Você se esqueceu da gente, Kaki? - Fez um biquinho.

- Claro que não, meu anjo! Eu só estive ocupada.. Mas eu não esqueci! Veja, vim ver vocês hoje é até trouxe alguns amigos para brincarem. - Sorri, sentindo-me internamente envergonhada por ter ficado alguns dias sem vir vê-las.

Seus olhinhos pausaram em Bea, que permanecia quieta ao meu lado, apenas observando tudo.

- Quem é ela? - Perguntou curiosa e eu sorri.

- Essa é a Bea. Ela é a minha princesinha também. - Expliquei, apertando a mãozinha de Bea levemente.

- Ah.. Oi Bea! - Sofia sorriu e a puxou para um abraço, me surpreendendo.

- Olá Camia! Que surpresa boa vê-la. - Jolene se pronunciou, sorrindo educadamente para mim e cumprimentando os garotos com um sorriso. Daisy segurava sua mão fortemente e me olhava tímida.

- Olá Jolene! Oi Daisy.. Tudo bem? - Sorri carinhosa para ela e suas bochechas ficaram vermelhas.

- Oi Kaki.. - Ela respondeu baixinho, se escondendo um pouco em Jolene. Ela era tão tímida!

- Kakii! Não vai apresentar a gente não? - Logan me cutucou e eu ri um pouco.

- Claro, foi mal! Meninas, esses são Logan e James! Garotos, essas são minhas irmãs, Daisy e Sofia. - Apresentei cada um e eles se cumprimentaram com sorrisos animados. Crianças. Daisy ficou mais tímida, mas isso não impediu Logan de abraçá-la de forma atrevida.

Esse garoto...

- E eu! Oi meninas! - Ally bufou, beijando a bochecha de Daisy e Sofia e sorrindo para Jolene.

- Isso é um porco?! Que legal! - Sofia apontou animada para o bichinho e eu acabei rindo. - Nós estamos indo para o salão de brinquedos! Vamos conosco! Ainda falta um tempo para o jantar! - Explicou, puxando Bea com ela e deixando minha mão vazia.

- Claro! Que demais, salão de brinquedos! Vocês tem muita coisa nele? - James perguntou animado e Sofia assentiu.

- Sim! Vamos apostar uma corrida! - Ela disse animada, soltando a mão de Bea e em questão de segundos eles corriam pelo longo corredor, virando em outro e sumindo das nossas vistas. Jolene riu e foi atrás das três crianças, segurando a mão de Bea junto com Daisy.

Eu fiquei parada no meu lugar, junto com Ally, Dinah e Mani. E o porco.

- Sua irmã é meio maluca. - Ally comentou, rindo.

- Cala a boca, você tem um porco! - Empurrei ela, fazendo Mani e Dinah rirem.

- E ela tem lagartixa chamada Camila! Eu lembro disso! - Ally gargalhou e eu revirei os olhos, sorrindo.

- Vamos atrás da Lauren. Acho que ela já voltou. - Mani disse, nos puxando para o corredor. Pelo menos aqui meus seguranças não ficavam me seguindo. Nem os das meninas.

A cada corredor que passávamos, eram seguranças paralisados que nos olhavam indiferente e empregadas que pareciam ter medo de me encarar. Eu realmente acho esse lugar estranho. As pessoas aqui são meio frias e tão distantes. É tão diferente do Orfanato.

Eu estava tão distraída observando os detalhes dos corredores, como sua decoração antiga e um pouco assustadora, que nem percebi quando esbarrei meu corpo em alguém.

- Perdão! - Falei rapidamente, levantando o olhar e encontrando quem eu menos esperava.

Clara Jauregui.

- Tudo bem querida, não se preocupe. Você se machucou? - Ela sorriu carinhosa e eu rapidamente neguei.

- Não... Mas eu machuquei a senhora? - Perguntei um pouco envergonhada, lembrando da filha dela e de imagens dessa tarde. Minhas pernas moles lembravam disso a cada vez que eu andava, por sinal.

- Não, que isso. E não me chame de senhora! - Riu e eu sorri - Como você está, Camila? Eu ainda não pude conversar com você. - Então seus dedos foram para o meu rosto e ela fez um pequeno carinho ali, sorrindo de forma doce. Como minha tia costumava fazer em mim. Por alguma razão, isso me deu vontade de chorar.

- Ah, eu to bem, senh-Clara. - Ela olhou para as meninas e sorriu.

- Olá garotas. E você.. Ally, certo? Eu lembro de você do jantar. A amiguinha engraçada da Camila. - Se com engraçada ela quis dizer indelicada... Então sim.

- Eae! Sou eu mesmo e esse é meu novo bicho de estimação, o Bacon! - Ally levantou o porco um pouco e Clara arregalou os olhos, rindo.

- Oh, bem.. Isso é um pouco diferente.

- Não precisa ser modesta, tia. Isso é super estranho! - Mani falou rindo e Ally mostrou a língua para ela.

- Ah, vocês meninas.. - Riu - Bem, eu preciso ir, garotas.. Lauren está no quarto dela, imagino que estejam a procurando. - Ela falou olhando diretamente pra mim e eu senti minhas bochechas queimarem - A propósito, vocês sabem o que aconteceu para ela estar tão feliz?

- Feliz? - Dinah sorriu

- Sim, ela está cantando Pretty Woman e musicas do Maroon 5 sem parar. Parece.. Apaixonada. - Me olhou como se estivesse tentando tirar algo de mim e eu apenas ri um pouco nervosa.

- Ah, nossa.. Que coisa, não? - Falei enrolada e ela arqueou uma sobrancelha.

- Sim.. - Clara então se despediu e saiu andando, mas não sem antes me lançar um olhar do tipo "eu sei de tudo".

- Cara, sua sogra é maneira. - Ally falou e eu comecei a rir um pouco desesperada demais.

- Você vai chorar? Você parece em estado de choque. - Dinah me olhou divertida e eu comecei a andar.

- Não, vamos logo. - Falei um pouco alto, escutando elas rirem.

- O motivo da Lauren estar feliz tem algo haver com você andando engraçado desde a hora que te vimos? - Mani perguntou e eu quase cai no chão, colocando uma mão na parede e a olhando.

- Não to andando engraçado! - Bufei, voltando andar e fazendo uma leve careta.

- Oh meu Deus, vocês duas..? - Mani perguntou e Ally começou a rir.

- Por isso a Lauren me perguntou onde você estava! - Ela gargalhou e as três começaram a rir.

- Calem a boca! - Grunhi, andando um pouco rápido e sem saber para onde estava indo.

- Qual é, Mila! Volta aqui! - Dinah gritou, rindo. Revirei os olhos e virei o corredor, ainda escutando suas risadas.

- Idiotas. - Bufei, andando com presa. Até perceber que já tinha entrado em vários corredores e me perdido.

Palmas para você, Camila.

Quem consegue se perder em um palácio?

Suspirei, parando de andar e me perguntando o que fazer. Até escutar o som do que parecia um choro.

Caminhei lentamente até a porta que parecia ser da onde saía o som do choro e percebi que ela estava um pouco aberta.

Meu pai costumava dizer que eu não deveria espionar as pessoas... Mas, poxa, eu só estou curiosa sobre o que pode ter ali.

No meio de uma batalha interna sobre o que fazer, escutei o barulho de passos por trás da porta e engoli em seco, procurando um lugar para me esconder naquele corredor. Por sorte, havia cortinas longas, então eu corri para trás delas a tempo suficiente para quem quer que estivesse saindo não me visse.

Espionei um pouco por trás da cortina, sem deixar com que a pessoa de costas me visse.

Era uma mulher..

Oh.

Sinuhe virou o rosto, seus olhos estavam vermelhos e inchados. Ela soltou um suspiro que parecia cansado e escondeu a chave da porta dentro de um pequeno vaso que havia ali ao lado da porta. Sua expressão era tão triste e seus olhos pareciam carregar tanta dor que eu quase sai do lugar em que estava.

Ela passou as mãos pelo rosto e suspirou algumas vezes, fechando os olhos por alguns minutos. Então ela os abriu e foi como se algo tivesse mudado ali. Ela parecia ter assumido outra pose e se não fosse pelo inchaço dos olhos, eu poderia dizer que estava vendo coisas e que imaginei ela chorando.

Esperei Sinuhe virar o corredor e sai de trás da cortina, percebendo como meu coração estava acelerado e meus olhos marejados. Mas o que acabou de acontecer?

Caminhei em passos vacilantes até o vaso, mordendo o lábio e me perguntando o que havia do outro lado e se seria errado entrar ali.

Fiquei nessa luta sobre o que fazer por um bom tempo e quando decidi finalmente me abaixar e pegar as chaves, escutei a voz do Ally me chamando. Merda.

- Camila! Sua bosta, a gente ficou preocupada! Pensamos que tivesse ido embora ou se perdido. - Ally falou aliviada e eu suspirei, me virando e encontrando quatro pares de olhos me encarando confusos e aliviados.

- Ta tudo bem? Você parece assustada. - Dinah perguntou e eu balancei a cabeça um pouco, percebendo o olhar de Lauren sobre mim.

- Encontramos a Lauren enquanto te procurávamos. Ela estava nos ajudando.. Tem certeza que está tudo bem? - Mani me olhou preocupada e Lauren deu alguns passos vacilantes até ficar próximo de mim.

- Camz? - Ela sussurrou, a voz rouca e receosa. Deixei meu olhar se perder em seus olhos verdes e a abracei, escondendo meu rosto em seu peito. Seus braços me seguraram no mesmo instante, sua mão acariciando meus cabelos.

Respirei fundo contra sua blusa, sentindo seu cheiro forte e único. Eu conseguia escutar seu coração batendo de forma descontrolada e sua respiração calma, suas mãos me apertando contra seu corpo com um cuidado que eu nunca senti.

Eu estou tão confusa e tão apaixonada. Eu queria ter coragem suficiente para enfrentar minha mãe e perguntar por que ela estava chorando. Por que ela não me quis e abandonou eu e meu pai, se casando com outro homem e construindo uma família. Eu queria saber tanto e não tinha coragem. Eu tinha medo. Me sentia pequena e tola. Perguntei-me, por um minuto, se as pessoas que fazem matérias sobre mim e a 'família real', sabem o quanto isso tudo é quebrado e frágil.  

Tão errado. É como se cada pessoa e cada canto desse palácio precisasse de uma reconstrução.

- Alguém fez alguma coisa para você? - Lauren sussurrou em meu ouvido e eu apenas neguei, me afastando um pouco e olhando em seus olhos.

- Eu só.. Eu não quero falar disso. Podemos fazer outra coisa? - Perguntei timidamente e ela sorriu. O sorriso verdadeiro da Lauren e não o da mídia com garotas.

- O que você quiser. - Beijou minha testa e eu sorri, a abraçando novamente.

- Elas são tão fofas que eu quero chorar. - Ally falou alto e eu ri um pouco.

- Eu também acho, duende. Eu também acho. - Mani falou emocionada, enquanto eu sorria mais e escondia meu rosto em Lauren.

-x-

- Você está gostosa. - Ally falou com um sorriso atrevido no rosto e eu revirei os olhos, encarando meu reflexo no espelho.

- Eu juro Ally, sua sexualidade me intriga. - Respondi, passando os dedos pelos fios do meu cabelo e tentando deixá-lo um pouco bagunçado.

- Ridícula, retiro o que disse. - Revirou os olhos e eu ri.

- Você me ama. - Mostrei a língua e ela negou, digitando em seu notebook.

- Agora, Camila, venha ver isso! Você tem tipo um fandom agora! - Ally falou animada e eu me sentei ao lado dela, na cama.

- O que quer dizer com fandom? - Perguntei e ela colocou o notebook no meu colo.

- Quero dizer isso. Seu nome está em no mínimo três hashtags nos Assuntos Mais Comentados Mundialmente! - Apontou para a tela e eu arregalei os olhos - Agora, tem uma tag sua e da Lauren, como pode ver. Tá uma loucura isso! Tem pessoas comentando sobre vocês serem lindas juntas e.. Alguns comentários não tão legais, mas os comentários bons se superam!

Eu apenas deixei Ally tagarelando, enquanto clicava na tag #CamilaIsPerfect. Havia inúmeras fotos minhas que eu nem sabia que as pessoas tinham, com comentários em todas as línguas possíveis. Tinha pessoas com icon que com fotos minha e comentando coisas como "Deus existe e é mulher!''. Eu estava um pouco surpresa.

Acessei outra tag, essa dizia "Camila and Lauren". Arregalei os olhos ao ver fotos minha com o Lauren no dia em que ela me tirou do meio dos paparazzis e no dia do show. Então percebi algumas montagens muito bem feitas e não pude deixar de ficar surpresa. Como essas coisas acontecem tão rápido?!

Tinha uma montagem com um tweet meu muito antigo. Eu nem lembrava mais dele. Nele dizia: "Eu provavelmente vomitaria se ficasse perto do princesa Lauren!'' então uma imagem abaixo, onde eu estava sorrindo e encostada na Lauren. A menina havia escrito: "Realmente Camila, você parece que vai vomitar" e eu acabei rindo.

- Nossa, elas realmente te stalkearam. Esse tweet é de quase dois anos atrás. - Ally observou e eu concordei, ainda chocada com o tamanho de coisas sobre mim e Lauren. Ou apenas sobre mim. Isso era novo e insano.

Sai da conta da Ally  e entrei na minha, não deixando escapar um murmúrio surpreso ao ver quantos seguidores eu tinha ganhado e como as minhas mentions não paravam de aumentar. Santo Deus.

Decidi tuitar algo idiota, só pra ver o que aconteceria.

"Ally agora tem um porco chamado Bacon. O quão engraçado de forma horrível isso pode ser ?? Haha!" Enviei o tweet e em questão de segundos já tinha mais de 500 RT's. Uou!

- Isso é irado, você sabe. - Ally comentou e eu apenas continuei em choque, observando as mentions triplicarem. Parece que agora que eu estava "online", as pessoas estavam mandando mais tweets.

- Você já está pronta? Lauren e as meninas chegarão logo. - Perguntei, meus olhos não deixando a tela do notebook.

- Claro. Eu não acredito que estamos indo em um bar em pleno domingo a noite. - Ally riu - Me sinto uma bêbada.

- Louis deu a ideia, poxa! Vai ser divertido.

- Estou louca para ver Lauren em um lugar como aquele. Será que ela vai ficar dando chilique? Mila, eu vou ter que filmar! - Ally me olhou como uma criança e eu revirei os olhos, rindo.

- Criança - Falei simplesmente e Ally apenas sorriu.

Continuei vendo os tweets e respondendo alguns que eram engraçados. Segui algumas pessoas que por acaso - bem acaso - tinham fotos minha e/ou da Lauren.

Escutei o barulho da porta do andar de baixo sendo aberta e vozes preenchendo o local, com direito a meu pai falando alto. Até ele me gritar e eu fechar o notebook, descendo com Ally e encontrando as meninas paradas.

Elas estavam vestindo roupas simples, como eu havia pedido. Bom.. Lauren ainda vestia algo chamativo.. E com isso eu quero dizer que ele usava skinny jeans preta, suas botas e uma camisa xadrez aberta. Toda aberta. Deixando sua barriga a mostra com uma recém tatuagem.

- Mas o que..? - Perguntei, me aproximando lentamente. Meus dedos foram de forma automática para os dois pássaros, sentindo o inchado recente delas. Estava um pouco vermelho ainda, denunciando que foi feita provavelmente há poucas horas.

-Two lovebirds. - Lauren sussurrou. Levantei o rosto e a olhei, um sorriso travesso estava ali, como se ela tivesse feito algo insano e estivesse achando isso legal. O que, provavelmente, foi.

- Isso seria..

- Eu e você. - Confirmou, seu dedo contornando meu maxilar. Mordi o lábio, tentando impedir o sorriso bobo que estava crescendo em meu rosto.

- Você é muito boba, Lolo. - Falei, ganhando uma risada baixa e rouca como resposta.

- Você me amaldiçoou, Camila Cabello. Eu odeio-te por não conseguir ao menos realmente lhe odiar. - E dizendo isso foi o suficiente para eu lhe beijar, pouco me importante se meu pai estava ali.

Não foi um beijo profundo, como os outros. Até porque Lauren parecia lembrar que não estávamos sozinhas ali, então foi somente um coração acelerado, uma respiração falhando e duas bocas se explorando calmamente.

Assim que me afastei dela, escutei meu pai falando:

- Eu acho que perdi alguma coisa nesse meio tempo.

Ally, Mani e Dinah começaram a rir, enquanto eu e Lauren ganhávamos uma coloração vermelha nas bochechas.

- Hm.. Nós meio que estamos.. Juntas.. - Falei e papai bufou, revirando os olhos.

- Jura filha? Eu pensei que ela estava fazendo respiração boca a boca em você. - Cruzou os braços e sorriu debochado. Nossa.

- Pai! - Falei surpresa e as meninas riram.

- Só tomem cuidado, por favor. Não tornem isso público ainda. - Ele disse um pouco mais serio, sorrindo um pouco preocupado - E se precisarem de algo, me digam.

- Pode deixar, sogrão! - Lauren sorriu torto e meu pai fechou a cara, enquanto eu apenas a encarava perplexa.

- Sogrão. - Falei em choque.

- Gosto de você, Lauren! - Meu pai disse sorrindo e eu bufei, cruzando os braços.

Sogrão. Essa é nova.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...