História Prison love - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Demi Lovato, Drama, Hot, Lesbian, Lgbt, Lucy Vives, Norminah, Prison, Romance, Sexo, Vercy
Visualizações 160
Palavras 1.470
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, FemmeSlash, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Usem os coletes.

Capítulo 25 - Coral de natal


Fanfic / Fanfiction Prison love - Capítulo 25 - Coral de natal

Dinah aquecia a sua voz em um canto afastado enquanto eu descansava minha cabeça no ombro de Lauren.

- Mani por que essa merda está demorando? - Perguntou Lauren, a rainha da impaciência.

- Por que quem está na frente dessa merda sou eu e eu começo quando tiver que começar. - Respondeu a morena.

Lauren abriu a boca mais nada saiu e eu tive que rir.

- Era melhor ter dormido sem essa.

- Quieta Cabello. - Falou Lauren ficando emburrada.

Mani estava estressada a manhã inteira, o motivo era o coral e o quanto as detentas estavam enchendo o seu saco com perguntas, ameaças e até mesmo tentando comprar o voto positivo da mesma.

- Liberato pode subir. - Autorizou Mani iniciando as audições.

Liana Liberato subiu no palco da capela e respirou fundo.

- Bom dia. - Falou sorrindo.

- São uma hora da tarde sua branquela louca. - Zombou Lucy que estava sentando na fileira da frente.

Logo em seguida todas as brancas começaram a vaiar e xingar Lucy.

- FIQUEM QUIETAS VACAS. - Gritou Mani. - Comece logo Liberato.

- I, I feel like I'm losing my mind, mind She crept into your life, life... - Começou Liberato.

- Santo Deus! - Exclamei chocada pela escolha da música. - Ela vai mesmo cantar isso em uma capela santa?

- Ano passado ela fez uma versão de Crazy in love que se chamava xoxota com xoxota. - Falou Lauren rindo.

- Meu Deus!

- She can fuck you good, but I can fuck you betta Etta, etta, etta, etta, etta, etta, ay... - Enquanto Liberato cantava ela usava suas mãos para fazer gestos obscenos. 

- Já deu Liberato. - Falou Mani acabando com aquela palhaçada para o alívio de todas. - Ally é você.

- Opa. - Falou Ally saltitando até o palco. 

- Pode começar. 

Ally se alongou e forçou sua garganta para então começar a cantar. 

- When mama said that it was... O. K Mama said that it was quite alright... Our kind of people had a bed for the night... - Sua voz era bela e eu me ajeitei no banco para apreciar melhor a sua apresentação.

- Ela é ótima. - Falei para Lauren.

- Sim, ela fica com os solos todos os anos. - Contou lembrando dos natais passados.

Ally finalizou a canção com um falsete e todas gritaram e aplaudiram.

- Parabéns Brooke. - Falei quando Ally voltou a sentar em nossa frente.

- Cabello é você agora. - Avisou.

Comecei a tremer e senti Lauren apertar minha mão.

- Arrasa Cabello. - Falou me encorajando.

Eu sorri e lhe dei um rápido selinho correndo para o palco logo em seguida. Olhei para todos aqueles olhares sobre mim e fechei os olhos para não deixar o nervosismo me pegar e fazer eu esquecer da minha canção de natal.

- Oh holy night the stars are brightly shining... It is the night of our dear Savior's birth...Long lay the world in sin and error pining... - Comecei a cantar ainda de olhos fechados mas ouvi aplausos ao me redor. 

A cada parte cantada eu sentia o espirito do natal em meu peito e sentia a falta que minha família me fazia naquela época, mas também não podia negar que eu me sentia feliz por estar com aquelas garotas que eu tanto me apeguei nesses últimos meses que passou.

- Oh hear the angels' voices... Oh night divine... Oh night when Christ was born... Oh night divine, Oh night... Oh night divine... - Cantei o refrão com todo o meu fôlego e escutei mais aplausos. 

Quando finalizei a canção abri meus olhos e vi que Ally limpava uma lágrima, Lauren sorria e Mani estava de boca aberta.

- Puta merda latina, você me fez querer pedir perdão pelos meus pecados. - Falou Lucy.

Me curvei sorrido e todos me aplaudiram, desci correndo do palco e voltei a sentar ao lado de Lauren que me recebeu de braços abertos me abraçando forte.

- Você foi incrível. - Sussurrou em meu ouvido.

- Lovato. - Chamou Mani.

As audições foram rolando e Dinah ainda continuava afastada de todos, ela era a última da lista, ela apenas sentou-se afastadas de todas e ficou estudando cada apresentação.

- Jane leva essa merda realmente a sério. - Falou Lauren rindo.

Dei um soquinho em seu braço e ela me olhou sem entender.

- Não xingue em uma capela e não chame o coral de natal de merda. - Falei lançando um olhar irritado para ela.

Lauren deu de ombros se desculpando silenciosamente e eu voltei a prestar a atenção no palco, agora quem cantava era Mari, colega de beliche de Ally, sua música era Silent Night e meu lado emotiva falou mais alto.

- O natal não é lindo? - Perguntei emocionada.

Lauren confirmou com a cabeça e beijou meu ombro.

- Não chore, eu não gosto. - Falou olhando para o palco.

Para Lauren aquela frase pode ter saído sem grandes coisas, mas para mim mostrava muito coisa. Lauren Jauregui, a mulher pela qual eu estava apaixonada se importava comigo.

- Vamos passar o natal juntas? - Perguntei sorridente.

- Claro, esse ano vamos passar com a sua família ou com a minha? - Brincou.

Eu ri e lhe dei um peteleco mas entrei na brincadeira. 

- Com a minha, no próximo ano podemos ir para Milão passar com a sua. - Falei rindo.

- Cabello não acredito que se esqueceu, minha família está morando em Aspen há dois anos. - Falou fingindo indignação.

- Vocês duas, caladas. - Brigou Mani.

Lauren fingiu fechar a boca com um falso ziper e eu voltei a deitar a minha cabeça em seu ombro. Mari acabou sua canção e todas aplaudimos.

- Última do dia pessoal, Dinah. - Chamou Mani.

Dinah levantou-se com a postura reta e caminhou graciosamente até o palco.

- Boa tarde meninas, hoje irei cantar uma música muito especial para mim. - Falou e fez uma rápida analise em todas que estavam no local.

- Pode começar. - Falou Mani.

- Well I heard there was a secret chord... That David played and it pleased the Lord... - Dinah começou a cantar e fazer sons com as mãos e pés começando uma melodia calma. - But you don't really care for music, do you?... Well it goes like this: the fourth, the fifth... The minor fall and the major lift... The baffled king composing Hallelujah...

Dinah cantava com amor, dor e todos os seus sentimentos que estavam guardado no peito. Escutei um fungado ao meu lado e me assustei ao ver Lauren chorando. 

- Você está bem? - Perguntei.

- Eu cantei essa música no último natal que passei com a minha família. - Falou e cobriu a boca com a mão para sufocar um soluço, eu a abracei e a beijei logo em seguida. As luzes da capela estavam apagadas e não dava para nos ver.

-  Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah... - Cantou Dinah com todo o seu folego.

Dinah conseguia transmitir toda a sua dor e a capela estava toda parada apenas escutando seu show. Todas agora entendiam, aquilo era importante para Dinah pois aquilo era a sua libertação, seu grito de socorro por ter aquela vida de merda, era a sua pergunta secreta que todas ali tinham dentro de sim... Por que eu? Lauren continuava chorando ao meu lado e agora não era mais apenas ela.

- There's a blaze of light... In every word... It doesn't matter which you heard... The holy or the broken Hallelujah... 

- Eu tenho que sair daqui. - Falou Lauren levantando-se.

Eu me levantei logo atrás e a segui. 

Hallelujah, hallelujah, hallelujah, hallelujah... - A voz de Dinah ainda poderia ser ouvida pelos corredores e Lauren andava apressada.

Ela caminhou até a biblioteca que não estava funcionado naquele dia e foi para o nosso corredor, ao chegar lá se jogou no chão e gritou colocando sua angústia para fora. Eu apenas fiquei lá esperando seu ataque passar.

- Por que eu? - Sussurrou Lauren.

- Por que você é forte, eu sou forte, Dinah é forte, Mani é forte, Ally é forte, Lucy é forte, cada uma de nós somos fortes o bastante para aguentar nossos fardos e consequências. - Falei chorando.

- Eu não sei se sou tão forte. Eu só queria ter alguém que nunca me deixasse. - Falou magoada.

Caminhei até ela e sentei em sua frente. 

- Eu estou aqui com você e pretendo ficar. - Falei sincera.

- Por que eu? - Voltou a perguntar.

Mas dessa vez Lauren queria saber porquê eu estava com ela, porquê eu  não a deixei desde o inicio. Eu respirei fundo e olhei no fundo de seus olhos.

- Porque eu amo você. 


Notas Finais


Até coloquei esse final em negrito para vocês.
Beijinhos doce seus lindos!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...