História Problem Girl - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Angelina Johnson, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Carlinhos Weasley, Dino Thomas, Dominique Weasley, Draco Malfoy, Fleur Delacour, Fred Weasley Ii, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Hugo Weasley, Jorge Weasley, Lílian L. Potter, Lorcan Scamander, Louis Weasley, Luna Lovegood, Lysander Scamander, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Molly Weasley II, Neville Longbottom, Personagens Originais, Ronald Weasley, Rose Weasley, Roxanne Weasley, Rúbeo Hagrid, Scorpius Malfoy, Simas Finnigan, Ted Lupin, Tiago S. Potter, Victoire Weasley
Visualizações 47
Palavras 2.467
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E AI PESSOINHAS DA MINHA VIDA, COMO VÃO?
Espero que bem.
Bom, eu vim aqui pedir mil desculpas sobre eu ter demorado um seculo para postar este capitulo.
Sorry!
Mas confesso que estou sem motivação..
Bem de qualquer forma, aproveitem.
Nos vemos lá em baixo.

Capítulo 5 - Maleficently fluffy dog


Fanfic / Fanfiction Problem Girl - Capítulo 5 - Maleficently fluffy dog

"Extraordinário, como um cachorro tão fofo, consegue botar o terror nas pessoas dessa maneira?" 

Pior do que ter que rever James Sirius Potter é ter que jantar ( uma comida maravilhosa por sinal, ta bom Sra. Weasley?) ao lado do capeta em forma de gente. Por acaso vocês têm ideia do quão horrível foi não poder cravar uma faca bem naquele coração idiota? Claro que eu não deixei barato suas provocações e acabei por responder diversas vezes da mesma forma provocativa, o que causou risadas da família sentada em volta da mesa. Eu já disse uma vez e repito:  ESSE BANDO DE RUIVOS, LOIROS E MORENOS TÊM PROBLEMAS MENTAIS. Onde já se viu um ato desses? Rir de uma coisa dessas? Felizmente ou infelizmente eles não sabem o que se passa na minha mente, principalmente o Tio Harry e a Tia Gina, por que não sei como reagiriam se soubessem que o filho deles corre sérios riscos de morte causado pela minha maravilhosa pessoa.

Sou tirada dos meu pensamentos nada psicopatas, pelo meu maravilhoso irmão mais velho .

— Você chega aqui voando, não é?  Pois não é possível que suba tudo isso sem nenhum auxílio - disse Caleb, visivelmente ofegante, enquanto se senta ao meu lado, em cima do galho da árvore reforçado. Esqueci de mencionar, são dez da noite e adivinha onde essa pessoa incrível está? Sim, em cima de uma das arvores mais altas do campo ao lado da Toca.

Se eu tenho problema? Provavelmente.  Mas essa hora da noite é mais calma e tenho mais liberdade para pensar. Sem contar que eu não vou subir no telhado e correr o risco de acordar a Sra. Weasley, ainda não estou louca.

— Não estou vendo nenhuma vassoura aqui - respondi olhando para os lados, fingindo estar procurando algo, ou melhor,  a vassoura.

— Entendeu o que eu quis dizer, Sky - Caleb rolou os olhos, e encarou a linda paisagem a sua frente. Não que eu seja uma pessoa louca por paisagens maravilhosas igual a Rose, mas seria mentira se eu dissesse que o que estava a nossa frente é ridículo. Subir na árvore mais alta tem suas vantagens, daqui é possível ver toda a cidade, a luzes das ruas brilhando acompanhadas do brilho da Lua Cheia.

— E não precisava ser grossa. - completou sem voltar sua atenção para mim.

— É para não perder o costume - respondi, Caleb me olhou e soltou um riso baixo.

— Acredite, com o James por perto você nunca ira perder o costume.  - respondeu e dessa vez foi eu que rolei os olhos.

— Não estrague a minha noite falando daquele ser humano. - Dei um leve empurrão em seu braço, fazendo com que ele quase se desequilibrasse.

— Skyler, se você ainda quer me matar me fala antes, ta bom? Preciso estar preparado para a minha morte. - respondeu me olhando com um sorriso de lado.

— Nunca estaremos  preparados para morrer, Caleb - dei uma de filosofá e pisquei para ele.

— Bom, pelo menos avisa da próxima vez.  - Disse divertido.

Ficamos em silêncio por alguns minutos depois daquilo, apenas olhando para as luzes distantes.

— Caleb? - Quebrei o silêncio-  Por que está aqui?

— Bem, papai ligou. - Caleb começou desanimado. Eu e ele sabíamos melhor do que qualquer um como nossos pais são.

— Pelo menos, ele deu satisfação.  - Interrompi mantendo a pose de durona.

— É, pelo visto mamãe teve uma emergência no Hospital. - Caleb completou.

— Esse é o lema: Trabalho em primeiro lugar. - Respondi um pouco grossa.

— Está tudo bem?

— O que você acha? - perguntei irônica.

Caleb deu de ombros.

— Eu acho que você está mal. - Respondeu.

— Eu voltei e parece que isso não é importante para eles. Sabe como eu estou me sentindo? Uma excluída na minha própria família.-  Caleb não se surpreendeu com as minhas  palavras, já deve estar acostumado. Caleb é o único com quem eu consigo ser sincera, sem ter que mentir ou sorrir. Ele se aproximou de vagar, tomando cuidado para não cair e me puxou para um abraço de lado. Deitei minha cabeça em seu ombro. Como sentia saudade disso, por que por mais idiota que pareça,  são sempre nesse momentos que eu tenho certeza que ele sempre estará no meu lado.

— Acho melhor descermos Sky. - Ele diz depois de um tempo.

— Vai me dizer que o "melhor jogador de quadribol" está com medo de altura? - zombei imitando sua frase mais dita desde que eu me conheço por gente.

— O que? Não!  - falou rapidamente, arqueei uma sobrancelha e ele desviou sua atenção para baixo-  Pode se dizer que talvez, só talvez, eu esteja com receio de cair daqui. Afinal estou do seu lado, não é lá uma coisa muito segura.

— Caleb eu não sou uma psicopata. - respondi - Mas assisto muitas séries, acho melhor não me irritar hoje.

— Não me faça rir maninha,  todos sabem que você é formada em assassinatos sem deixar vestígios e graduada em psicopatia. - respondeu da forma mais natural possível.

— O Juízo que você faz de mim é lindo - respondi irônica.

Ele me zoou mais um pouco e acabamos descendo logo depois.  Pulei nas costas do meu irmão e ele me carregou até a porta do quarto em que dividia com as meninas.

(...)

— Toby, para de me lamber... - resmungo pela terceira vez ainda de olhos fechados,  me viro para o lado oposto e voltou a dormir, ou melhor,  tentar dormir.

— Não é melhor avisarmos?  - escutei a voz de Rose um pouco distante. Por quer raios Rose está no meu quarto?

— Sim, mas..quem vai descer e tentar acordá-la ? - Dessa vez foi Lily que respondeu.  Tem reunião na minha casa e esqueceram de me avisar?

Abro meu olhos e vejo as meninas um pouco assustadas em cima da primeira cama de cima para baixo do beliche. Lucy por outro lado esta em cima da cômoda. Elas sorriem nervosas e eu me dou conta de que não estou na minha casa e muito menos no meu quarto, e sim em um dos quartos da Toca. E se essa não é a minha casa, significa que o Toby não está aqui, e não tem nenhum cachorro na Toca. Então quem diabos está lambendo o meu rosto?

Dou um pulo do colchão, o que foi uma péssima ideia, não era o Toby que estava me lambendo e sim outro cachorro, três vezes maior que o meu "filho". O cachorro se assustou e se afastou me olhando. Cara, eu quero esse cachorro para mim, ele parece um lobo branco, e eu sempre amei lobos.

— Que coisa mais fofa! - falei manhosa tentando me aproximar.

Ele começou a rosnar na minha direção. Esquece o que eu disse sobre ele ser fofo! Recuo e em um movimento rápido me levanto do colchão no chão e subo na comoda junto de Lucy. 
A loira albina me abraça assim que o cachorro começa a arranhar a cômoda.

— Ele não é fofo agora, não é? - Roxanne sorri ainda assustada.

— Acabou qualquer consideração que eu tinha por você - respondi em direção ao cachorro,  como se ele fosse escutar ou entender alguma coisa.

— O que a gente faz?  - Dominique se pronuncia pela primeira vez e só então percebo que ela estava ali.

— Chora? - Lucy sugere, agarrada ainda mais ao meu braço.

— Grita? - sugeriu Lily.

— Matamos o seu primo? - sugeri, eu poderia apostar a minha vida de que tinha sido ideia do Potter fazer umas barbaridades dessas.

— Ou tenta acalmar esse cachorro? - falou Roxanne como se fosse óbvio.

— Concordo - Rose respondeu - Skyler você vai primeiro.

— Eu? Porque eu? - perguntei tentando cruzar os braços,  mas está meio difícil com Lucy grudada em mim. - Essa coisa maleficamente fofa, vai me matar! Não,  não, não.

Apontei para o cachorro que quase mordeu a minha mão.

— Você é irmã do Caleb e todos sabem que ele é um cachorro! - Dominique afirmou,  todas a encararam espantadas,  até mesmo Lucy que se soltou de mim imediatamente.

— Você está bem? - Lily perguntou e colocou uma mão da testa da Dominique.-  Febre não é.  Está se sentindo bem?

Gente, alguém me explica o que está acontecendo por favor?

— Sim, estou ótima.  Então vai ou não vai Skyler?  - Perguntou em minha direção.

—  Se para você é tão fácil assim, por que não vai você? - respondi acompanhado de um revirar de olhos.

— Por que eu tenho medo de cachorro.- Dominique respondeu tão rápido quanto a minha pergunta.

— Engraçado - Lily se virou para a prima. - Do Caleb você não tem Medo.

— Essa história de vocês tá muito estranha. Vocês todas irão me explicar direitinho depois. - Apontei para cada uma delas, autoritária.

Respirei fundo depois de três vezes contando a até 10 e desci da cômoda ficando de cara com o cachorro. 

— Você não vai me machucar não é? - perguntei para ele, que tombou sua cabeça um pouco para o lado e voltou a me olhar do mesmo jeito que Toby faz quando não está entendendo nada.

— Eu não teria tanta certeza disso - Rox disse aparecendo no canto da cama.

— Cala a Boca Roxanne! - respondi grossa. Voltei a olhar o cachorro que parecia querer duas coisas.  Ou ele queria me morder e acabar com a minha vida ou ele queria carinho. Não fiquei muito ali para descobrir. Assim que a coragem resolveu aparecer corri em direção a porta, a qual foi aberta escancaradamente pela minha pessoa, e continuei a correr sendo obviamente seguida pelo infeliz mas muito fofo do  cachorro.

— Péssima ideia Skyler, péssima ideia! - escutei Rose falar mais para atrás.

— TINHA OUTRA MELHOR?  - Gritei de volta. Desci as escadas pulando vários degraus de uma vez, desviei da mesa da cozinha e passei por de baixo dos braços das Sra. Weasley que segurava uma panela na mãos.

— Bom dia Sra. Weasley - desejei e sai da cozinha antes mesmo que ela respondesse, só escutei o grito de susto, que pelo visto foi por ter visto o cachorro. 

Corri em direção ao jardim desviando dos meninos que pareciam ter brotado do nada. Como eu sou uma pessoa muito sortuda, acabei tropeçando e trombando com a única pessoa na qual eu desejava estar "morta". E como resultado eu caí em cima do infeliz do Potter, que amorteceu minha queda.

— Está com pressa Skyler? - ele perguntou com as mãos na minha cintura, com um sorriso que me deu vontade de estrangula-lo ali mesmo.

— Eu vou matar você! - respondi ameaçadoramente.

Sai de cima dele e fui derrubada de novo,  dessa vez pelo cachorro. 

— Lá se vai mais uma vida. - Tyler dramatizou.

Fechei meu olhos pelo impacto,  esperando o pior. Mas o que aconteceu foi o contrário,  ele começou a lamber meu rosto. 

Me levantei e fiquei de joelhos. O cachorro nem tão maléfico agora, balançava o rabo freneticamente.

— Agora você gosta de mim? - perguntei confusa passando a mão em sua cabeça.

Em resposta ele me lambeu novamente.

— Você é bipolar, sabia?  - Perguntei rindo - Gostei ainda mais de você.

— Perdi alguma coisa? - Rose chegou acompanhada das outras, igualmente confusas e ofegantes.

— Como é o seu nome? - perguntei - Você tem nome?

— Endoidou de vez. - Alvo falou mais distante.

— Pipoca? - sugeri. O cachorro hesitou. - Não é pipoca.

— E depois sou eu que só penso em comida. - Hugo reclamou.

Prestei atenção na correntinha em seu pescoço, um martelo de ouro que parecia o de Thor dos  vingadores. É isso!

— Thor? - ele pulou novamente em mim alegre.

— Desde quando ficou boa em adivinhação?  - James perguntou debochado.

— Como?

— É o nome dele. Thor. - respondeu Caleb de aproximando.

— Conhecem esse cachorro? - perguntei confusa.

— Claro.  Ele é meu. - James respondeu dando de ombros. - Venha cá garoto!

Potter bateu a mão direita na perna e Thor correu em sua direção.

— Não é não! Não temos nenhum cachorro James! - Lily respondeu cruzando os braços.

— Sim Lily, nós temos. Há mais de um ano. - James respondeu.

— Nunca vi esse cachorro na minha vida! - exclamou Rose.

— Acredite. Estou tão surpresa quanto vocês! - Lily cruzou os braços indignada.

— Bem, ele não fica muito aqui perto da Toca, ele gosta de correr bastante. -  disse James - Não é garoto?

— Espera só um pouquinho!  Se esse cachorro é seu, o que ele estava fazendo no nosso quarto? - perguntei.  Me levantei, limpando o pijama que graças ao bom Merlin era de frio e não era curto.

— Digamos que foi uma surpresinha. - Fred respondeu sorrindo.

— E essa surpresinha foi ideia de quem? - perguntei novamente.

Todos os meninos apontaram para o James que deu alguns passos para trás quando percebeu a atenção de todos sobre si.

— Seus filhos de uma...das minhas tias! Agora é tudo eu, mas na hora de fazer todo mundo ajuda. - reclamou o Potter mais velho.

— Eu pensei que nunca fosse falar isso, mas eu quero te matar agora!  - disse Rose já ficando vermelha.

— Eu concordo plenamente.  - Roxanne ficou ao lado da ruiva de braços cruzados.

— Corre! - disse.

As meninas passaram por mim correndo atrás do primo,  que se tocou para vida e começou a correr também.  Thor não sabia se o acompanhava brincando ou seu ficava deitado na grama. Mas optou por ficar deitado. Folgado igual o dono, pelo menos o cachorro é bonito e fofo.

— E ainda dizem que a Rose é da Paz.  - disse Alvo olhando a cena.

— Eu não disse! Sua prima não tem nada de Paz. - falou Scorpius ao amigo.

— Inverteram os papéis?  -  perguntou Tyler aproximando-se de mim.

— Como?

— Rose está batendo e você está aqui parada.  Você está bem? Está doente?  - exagerou  Tyler.  Ele se aproximou colocando a mão na minha testa.

— Cai Fora! - Bati em sua mão.

— Deixem ele apanhar delas, tenho muito tempo para acabar com o seu amigo. E além do mais eu tinha duas opções:  bater no Potter ou ir comer. Ambas são tentadoras, mas a fome falou mais alto. - dei de ombros e caminhei até a cozinha novamente.

— Ela nunca muda. E nem vai. - escutei Scorpius dizer.

— Ei, me espera! Também estou com fome. - Hugo correu até mim,  parando ao meu lado.

— E quando você não está?  - perguntei rindo. Hugo riu e me acompanhou até dentro da cozinha.  Logo os meninos chegaram. Já as meninas e a praga do Potter, demoraram um bom tempo para chegar. 

“Wish we could turn back time, to the good old days 
When our momma sang us to sleep but now we're stressed out ”

(Gostaria de poder voltar no tempo, para dias melhores. Quando nossas mães cantavam para a gente dormir, mas agora estamos estressados)

Stressed Out, Twenty One Pilots


Notas Finais


E então? O que acharam? Gostaram? Odiaram?
Deem suas opiniões, amo ler elas.
Me desculpem qualquer erro ortográfico, ainda irei revisa-los.
Até o próximo..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...