História Proibido? - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Cana Alberona, Carla (Charle), Elfman Strauss, Erza Scarlet, Evergreen, Freed Justine, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Happy, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Laxus Dreyar, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Makarov Dreyar, Millianna, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel
Tags Mirza
Visualizações 108
Palavras 1.435
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Magia, Violência, Yuri
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei espero que gostem! Capítulo talvez tenha ficado grande kkkkk

Desculpe os erros e boa leitura!

Capítulo 10 - Adeus?


Fanfic / Fanfiction Proibido? - Capítulo 10 - Adeus?

Pvo's Mira

Não sei quanto tempo já se passou só sei que veio a noite e o sol já bate, mas está começando a chover, posso ver tudo isso graças a janela do quarto. Erza já se divertiu muito comigo, mas eu não me divertir nada, ela está bruta, ela quer me machucar, não basta sua traição ela tem que me machucar fisicamente. Já me sinto bem estranha, zonza por causas das drogas que ela está injetando em mim. Meu corpo todo dolorido. A ruiva veio na minha direção.

— então Mira me odeia agora? Odeia a mim Erza Scarlet?

Olho nos olhos dela, olho bem para ela. Essa não é Erza, é idêntica, é seu corpo, é sua voz é seu rosto, mas não é ela, eu sei, meu coração não me enganaria eu amo Erza Scarlet, mas não sinto nada por essa na minha frente.

— não odeio Erza Scarlet, ela pode ter me traído mas eu a amo, eu odeio a você! — ela riu e nesse momento olho pra janela, vejo um vulto do lado de fora.

— você é bem insolente, tão idiota! — ela levanta o braço para me dar um tapa.

Fecho os olhos esperando o impacto, escuto o barulho de impacto, pele com pele, escuto também o barulho de algo sendo chocado contra parede. Abro meus olhos vendo Erza segurando Erza contra a parede. As duas se encaram. Bem, isso pode ser efeito das drogas, que está me fazendo ver duplamente? Pode, mas sinto que não é.

Pvo's Erza

Achei o cemitério que Mira fez de bestas, entretanto não encontrei ela própria, comecei a andar sem rumos, não sei porque mas acho que meus intuitos me levaram a ela, achei uma cabana no meio da floresta fui até a janela e vi minha albina presa em uma cama, suas pernas abertas e tem algumas coisas dentro de sua entrada, também tem um soro ligado ao seu braço e ela não parece nada bem, isso me parte o coração, vi uma mulher no quarto, ruiva como eu até que vejo seu rosto, Erza! Mas o que me fez quase chorar foi o que Mira disse em resposta a falsa Erza.

— não odeio Erza Scarlet, ela pode ter me traído mas eu a amo, eu odeio você!

Nesse momento pulo em cima do telhado, uso minha espada do purgatório para entrar dentro da casa segurando um tapa que ela iria dar na minha albina, jogo a contra a parede, nos encaramos.

— Erza Scarlet — fala a mulher me provocando.

— Edo Erza, pensei que a surra que te dei em edolas seria o suficiente, mas parece que você quer uma segunda dose — ela riu — entretanto lamento dizer que eu te manterei hoje! Ninguém faz mal a MINHA ALBINA E SAI VIVA! — aperto o pescoço dela com meu antebraço, assim que o faço escuto o grito de Mira.

— AAAAAAH!

Me viro soltando Erza.

— Mira? — indaguei preocupada, ela está com cara de dor e estar se contorcendo na cama.

— cui.…..dado!— ela me alerta com dificuldade, mas não deu tempo de me defender.

Levei um belo soco da ruiva, ela me deu uma joelhada forte o suficiente para quebrar minha habitual armadura fazendo meu kansou se cancelar me deixando assim só de sutiã, estranho deveria voltar a minhas roupas habituais, e como ela conseguiu quebrar minha armadura? Com uma simples joelhada, ela me acerta do mesmo modo que antes, agora posso entender o porquê da minha armadura não resistir. O golpe foi forte o suficiente para fazer eu cuspir sangue.

— AAAAAAH! — escutei o grito doloroso de Mira.

— isso é tão bom para meus ouvidos! — a ruiva fala apertando um botão em um controle em sua mão e assim que o fez Mira gritou mais.

Entendi é um vibrador! Essa vadia, não acredito que ela fez isso com minha namorada! Me levanto, seco o sangue que escorre da minha boca.

— você vai pagar por isso! VAI PAGAR POR CADA GRITO DELA! KANSOU! — não funcionou.

Erza riu, gargalhou.

— você não pode usar sua magia aqui! — ela pegou a lança dela — mas eu posso!

Ela veio na minha direção com sua lança, seguro ela com minha mão direita que se corta, ignoro a dor e dou um soco nela fazendo ela dar um passo para trás, dou um chute na barriga dela o que fez ela cair no chão batendo a cabeça. Essa é minha chance! Me viro indo correndo na direção de Mira. Ela geme e se contorce, sua expressão é de pura dor.

— tira.... Isso! — ela implora, pulo em cima dela tirando o vibrador de dentro dela, assim que o faço ela fica com expressão aliviada, arranco o tubo que liga o soro em seu braço, começo a tirar as correntes que aprende mas não consigo — cuidado!

Não dá tempo deu me defender novamente, sinto a lâmina atravessando meu corpo e o sangue caindo na pele de Mira abaixo de mim. Caio sobre ela. Nossos rostos colados. Olho em seus olhos, a dor que sinto é imensa. Mas olhar os olhos dela parece que a dor desaparece.

— Erza? — indaga ela, sinto medo em sua voz.

— oi — falo simplesmente, tentando esquecer que tem uma lâmina atravessada no meu corpo e uma Erza maluca a solta.

— oi — ela responde — sabe.... A situação não é uma das melhores mas..... Eu te amo — ela forçou um sorriso, minha albina parece estar mal ainda.

— eu também, me perdoa, eu não deveria ter permitido ela me beijar, porque eu sou só sua — sorri para ela.

— podemos conversar sobre isso depois mas antes, você tem que vencer essa Erza maluca!

Assinto, mas não quero deixar de olhar seus olhos, não quero me afastar dela, sinto os lábios macios dela encostando nos meus.

— eu confio em você — ela disse com sua voz calma.

— ai que bonito! — Erza fala falsamente retirando a lança de mim o que me faz gemer.

Como isso dói! Ela se afasta de mim, me permitindo a levantar. Encaro ela, levo a mão ao ferimento feito ao lado do meu umbigo. Como posso vencer ela? Como?

“— algo me diz que você vai precisar dela ”— me lembro das palavras de Kagura.

Sorri. O que fez Erza ficar confusa.

— desculpa Kagura, sei que você gosta de deixa lá embainhada, mas eu terei que desembainha lá — pego a katana, arqui inimigo brilha, tão limpa, até me dá dó de suja lá.

Erza parece não gostar disso. Ela vem na minha direção com sua lança. Fico parada esperando ela se aproximar e na hora certa corto sua lança ao meio. E depois faço um corte certeiro nela, fazendo a cai no chão já sem vida. Me encaminho até o lado da cama cortando as correntes com a katana. Guardo arqui inimigo na bainha. Me sento na cama ajudando Mira a fazer o mesmo ela parece zonza.

— você está bem? — ela nega com a cabeça.

— Erza, ela colocou...... algumas substâncias naquele soro, acho..... — ela fala pausadamente e com dificuldade, estou preocupada — minha células de demônio..... não estão dando...... conta do recado — olho nos olhos dela, vejo eles vibrarem, parecem cansados, ela está com olheiras — Erza — ela me olha nos olhos, deixando o peso do seu corpo no meu — eu.... — ela exitou em falar, mas por fim falou — tô com medo — senti uma batida do meu coração falhar — acho que..... Ela conseguiu o que queria — ela da uma olhada para Erza no chão e volta a me olhar, não! Não vou deixar isso acontecer — pelo menos não estamos mais brigadas — ela sorri, mas seu corpo treme, encosto minha bochecha na sua, ela está ardendo em febre, sinto minhas lágrimas rolando pelo meu rosto e se misturando com as delas, o peso de seu corpo cada vez mais em mim — posso..... te pedir...... uma coisa?

— não! Não vou deixar você me abandonar!

Ela sorriu, seus olhos estão começando a se fechar, ela segura firme minha mão.

— Cuida dos.... Meus.... Irmãos..... — seus olhos se fecham — eu..... Nunca vou te abandonar...... Sempre estarei com..... Olhando por você....... — ela apertar um pouco minha mão — me..... Perdoa por..... Isso — sinto sua mão soltando a minha.

Abraço ela chorando, não sinto sua respiração, aperto o corpo em meus braços.

— MIRAAAAAAAAAA! — grito com todas as minhas forças. 


Notas Finais


Então galera? O que acharam? Edo Erza! A Mira morreu! Porra! 😭 😭 😭 😭 😭 😭 😭
Tadinha da Erza! Será que essa fic terá um final triste?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...