História Proibido Amor - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alexandre Nero, Giovana Antonelli
Tags Alexandre Nero
Exibições 162
Palavras 1.571
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Sugiro que escutem a música. ( eu particularmente acho linda)

Boa leitura meus amores!

Obs: música, Luz que me traz paz de maneva.

Capítulo 14 - Luz que me traz paz


A= Vc está roubando Giovanna.
G= Não to não! Vc que é muito ruim.
A= ah não vale, Cê fica me beijando, tirando minha concentração.
G= vc não sabe perder não é mesmo? Kkkkkk
A= chega! Ta na hora de comer mocinha, vc ficou me enrolando o tempo todo, e ate agora nem se quer fez uma lanchinho.
G= Não estou com fome Nero.
A= mas tem que comer princesa, se não vai ficar perecendo a Olivia palito.
G= Vc é um chato sabia? Saiba que eu como muito! 
A= sei sim, mas sei que só come besteira. Vem, vamos lá na conzinha que eu vou fazer uma massa pra gente lanchar.

Eles tinham passado a tarde toda largados no sofá assistindo filme e jogando video game, Entre um carinho e outro.

Estavam encantados, apaixonados. Nero estava todo bobo, as vezes ficava tão abestalhado quando ela sorria, quase chegava a babar. 

A= Vc fica aqui! ( sentou Giovanna no balcão da conzinha)
G= Mas eu quero te ajudar. (Fez um bico e cruzou os braços )
A= vc não sabe conzinhar. ( apertou suas bochechas e deu um celinho)
G= mas vc pode me ensinar.
A= Não princesa, tenho medo de vc se machucar. 
G= Nero, não sou mais criança! Posso corta uma cebola sem me cortar.
A= ta bom, mas so pq vc fez chantagem com esse bico ai.
G= eu não faço bico.
A= Faz sim! Faz quando quer alguma coisa, quando ta fazendo birra e quando ta manhosa. Agora vem aqui e me ajuda a cortar essa cebola pra fazer o molho, ja que vc quer tanto.
G= Obaa( bateu palmas pinotando de sima do balcão.)
A=Com cuidado Giovanna, pra não se cortar.
G= ta bom Nero, quer me deixar fazer isso?
A= tá!  Mas toma cuidado.
G= Ai..
A= Que foi? ( peguntou preocupado a vendo segurar o dedo e fazer uma careta)
A= Ta vendo, não era pra eu ter deixado! Vem aqui meu amor. ( levou ela ate a pia e botou seu dedo com o pequeno corte em baixo da torneira.)
A= ta doendo?
G= só um pouquinho. 
A= me espera aqui. ( sentou-a de novo encima do balcão )

 Quando ele voltou, tinha um quite primeiros socorros nas mãos.

A= Dá seu dedo aqui.

 Giovanna obsevava tudo encantada com o cuidado e carinho com que ele a tratava, já estava acostumada com mimos pra todo lado, mas os dele era diferente, ela nunca teve um namorado, mas ja teve la seus ficantes, e nem um se comparava a ele, ele era diferente de todos os caras que ela conhecia.

 Quando Nero acabou de fazer o curativo se deparou com olhos fixos de Giovanna o olhando.

A= Qui foi?
G= Vc é lindo! É o cara mais fofo que ja conheci.( falou o olhando nos olhos)

Nero apenas sorriu de lado.

A= vc que me deixa assim. ( beijou seus lábios com delicadesa) agora fica ai e deixa que eu faço tudo.
G= Tá bom.

 Nero serviu o jantar ali mesmo, no balcão onde tinha umas cadeiras.

G= Nossa, ta uma delícia. 
A= Obrigado. ( sorriu todo bobo)
G= Quero mais! 
A= isso, come mesmo, vc ta muito magrela. ( riu da cara dela)
G= e vc ta gordo ( riu mais ainda)
A= Ofendeu sabia? ( botou a mão no coração e fez uma cara triste.)
G= Ouwn desculpa, não sabia que era tão sensivel. ( O encheu de beijos.)
A= Vc tá me melando de molho. ( se esquivava sorrindo) 
G= vc exxtá recuando meus beijos? ( fez cara de indignação)
A= vc está com a boca toda suja sua porquinha. ( falou rindo, pegou o guardanapo e começou a limpa-la)
G= obrigado. 
A= agora sim pode me beija.
G= agora não quero mais! ( empinou o nariz)
A= mais eu quero ( a puxou pro seu colo)
G= preciso de um banho, pode me ajudar?
A= com o banho?( fez cara de malicioso)
G= Não seu louco. Onde fica o banheiro suas coisas..
A= ah Sim. Vem! (Saiu a conduzindo pelo corredor) Tomar banho sua porquinha, não sabe nem comer sem se sujar toda.
G= Não tem graça, foi seu macarrão que tava todo molhoso. Kkkkkkkk
A= vc não existe magrela kkkkkkkk

 Quando saiu do banho Giovanna se deparou com Nero sentado na cama.

G= O que está fazendo ai?
A= Te esperando. ( ficou a olhando dos pés a cabeça, só de toalha e com o corpo molhado. " tão perfeita")
G= Vai tomar banho tbm?
 Ele não ouviu, estava perdido em imaginações.
G= Nero? 
A= Oi! Desculpa, o que vc disse? ( viu que tinha ficado bobo de novo, "Calma Nero, vc vai assusta- la)
G= vc não vai tomar banho?
A= vou! Estou indo agora. 

Entrou no banheiro correndo.

Quando saiu, a cena que viu o deixou mais bobo do que já estava. Giovanna dava gargalhadas vendo alguma coisa na tv, sorria deixando os olhos apertadinho, aquele sorriso que o derrubava. Estava largada na sua cama, usando um pijaminha cor de rosa composto com um shortinho muito curto e uma blusinha fininha e sem sutiã.

A= o que vc ta vendo ai pirralha? 
G= American pie. Vc sabia que meus pais e meu irmão não me deixam ver? (Falou idignada) Não sei pq, não vejo nada demais ai.
A= Não é bom mesmo vc ficar vendo isso. Tira dai, bota em algum desenho.
G= ah não, deixa eu terminar de assisti.
A= Giovanna, esse filme tem cenas impróprias.
G= Não tem, até agora não vi nada demais. E outra, ja vou completar 18 anos, posso ver certas coisas.
A= Vc é muito teimosa sabia?! Bom, vou me trocar, quando voltar vamos assistir desenhos! ( Giovanna fez uma careta pra ele)

 Quando voltou ao quarto Nero quase teve uma crise de risos, o filme estva em uma cena quente de sexo, e Giovanna estava com uma cara de espanto olhando pra tela da tv sem desgrudar os olhos por um segundo.

A= Eu falei sua teimosa. Cade o cotrole? Deixa eu tirar disso.
G= Não Nero, eu quero ver. ( falou escondendo o controle atrás de si)
A= Não Giovanna, essas coisas ensinam tudo errado. Vc não precisa aprender nada agora, me dá isso aqui. ( rolou por cima dela, tentando pegar o controle)
G= E quando vou apreder então? ( falou ofegante, já tinham parado de rolar na cama, estavam parados e Nero estava por cima dela. )

 Nero quase perdeu a cabeça quando a ouviu falar. Mas tinha que se controlar, sabia que ela não tinha certeza doque falava, e ele por ser muito experiente tinha o dever de esperar essa certeza chegar, Não ia fazer com ela no calor de um momento só pra saciar seus desejos e depois ve-la se arrepender.

A= Tudo no seu tempo princesa. 
G= Obrigado! 
A= pelo o que?
G= por ser esse príncipe que vc é comigo.
A= é vc que está me tornando assim magrela, vc está me transformando num bobo apaixonado. 
G= Canta pra mim, canta pra mim aquela musica da foto?
A= canto! E com direito a violão.

Levantou-se pra pegar o violão, e quando voltou ela estava deitada entre os travesseiros.

A= Não vale dormir ein?! 
G= Ta, eu não vou dormir. 

Nero dedilhou o violão e começou a cantar com a voz suave.

Refletiu nos meus olhos adeus solidão Duas histórias que se cruzam sem intenção Combustível pra alma minha inspiração Povoando minha existência e imaginação 

Quando fecho meus olhos sempre posso sentir Os seus olhos e seus lábios sorrindo pra mim Nado nesses seus olhos mar de inspiração Tua boca, tua pele, teu cheiro é canção

Eu vou cantar pra ela Que sem ela não existo mais Eu vou cantar pra ela Que eu sempre a quero mais 

E eu vou dizer pra ela Que ela é a luz que me traz paz. Refletiu nos meus olhos adeus solidão Duas histórias que se cruzam sem intenção

~Os olhos de Giovanna se encheram de lagrimas. Ele cantava a olhando nos olhos. Os versos que nero cantava refletia tudo que ele sentia.


Combustível pra alma minha inspiração Povoando minha existência e imaginação Teus cabelos meus dedos vigor e desejo O suspiro e o sal na pele começa com um beijo 

Nossas bocas duas peças encaixe perfeito Eu me entrego nervoso nunca com receio Eu vou cantar pra ela Que sem ela não existo mais

Eu vou cantar pra ela Que eu sempre a quero mais E eu vou dizer pra ela Que ela é a luz que me traz paz


~ Quando acabou de cantar os dois ja choravam. Ele largou o violão e foi ao seu encontro na cama. 

Ficaram ali só abraçados  inalando seus cheiros sentindo as respirações. Depois de um tempo, Nero percebeu que ela dormia, sorriu toto bobo por te-la ali, dormindo em seus braços. 

Levantou-se com todo cuidado pra não acorda-la, se ajeitou e a trouxe para deitar em seu peito, foi quando ouviu um suspiro que veio dela, e um sussurro que nunca mais iria esquecer.

G= Eu te amo!

Ela falou e voltou a dormir. Nesse momento Nero se sentiu o homem mais feliz do mundo, queria gritar ao mundo, mas não podia, iria acorda- la.
Deu um beijo em sua cabeça, cheirou seus cabelos e respondeu, msm sabendo que ela não ouviria.

A= Eu te amo minha pirralha.

 

 

 


Notas Finais


Obrigado pela atenção.

Amo seus comentarios e sugestões.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...