História Projeto C. (INTERATIVA) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 78
Palavras 3.321
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Super Power, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olááá, então... esto postando umas horinhas antes do combinado, pois estou com esse capítulo desde quinta e não aguento não posta-lo...

IMPORTANTE:

Os personagens que não tiveram tanto destaque no último capítulo, tiveram nesse

Digam-me o que acharam da descrição da luta

A partir de hoje, começarei a formar os possíveis shipps, se quiserem dar sugestões, estou aceitando... Estou vendo pela personalidade, modo de agir com o par, história... TUDO. Quero formar os casais mais divertidos de escrever, sem nunca desfocar o tema da fic Okay??

Mais uma vez, desculpem pelo capítulo longo :/

Brenner in der holle é um termo em alemão para ''Vá para o inferno'' Visão era um tanto apaixonado por Alemão.

Capítulo 3 - Rebeldia ou Liberdade?


Fanfic / Fanfiction Projeto C. (INTERATIVA) - Capítulo 3 - Rebeldia ou Liberdade?

Localização Secreta, 1 Hora antes do início do Projeto C.

 

Gardson seguia pelo estreito corredor mal iluminado em pé firme, o cheiro de cigarro rondando o local ardia nas narinas dele, um saco de gelo tapava seu olho esquerdo e o mesmo mancava freneticamente, resultados do recente ataque que sofrera pelo Vice-Presidente, graças aos vídeos de apresentação. Gardson mal ligava, tudo aquilo fora mostrado para o Bem Maior.

 

Ele caminhou até uma porta metálica no fim do corredor, escaneou o dedo, a pulsação e os olhos para ter acesso ao local. Um pequeno quarto sem janelas possuindo uma cama pendurada por correntes, de luxo apenas um espelho retangular. Zara localizava-se no canto esquerdo da sala, penteando os longos cabelos loiros e ao mesmo tempo passava um batom vermelho sangue nos lábios grossos, os olhos verdes pairaram sobre Gardson pelo espelho.

 

- Olha só... – disse Zara - Parece que alguém se meteu em encrenca, o que a mamãe disse sobre se meter em briga na escola?

 

Gardson ignorou-a

 

- Zara, como seu tio eu aconselho que...

 

Zara cai na gargalhada. Gardson ajeita a gravata.

 

- Eu sou o mais próximo que você tem de uma família e...

 

- Nossa! - Exclamou Zara – Coisa mais normal do mundo uma ''família'' prender a sobrinha em uma prisão localizada sei lá aonde, mantendo-a longe de: Pessoas, Faculdade, Álcool, e o pior... NETFLIX!

- Você sabe que eu fiz isso porquê você é muito valiosa...

- Eu não sou um objeto, ''tio'', até você me provar isso eu nunca vou acreditar...

- Ótimo – Respondeu Gardson – Mas termine logo de se arrumar, eles chegarão em breve. Apenas vim lhe entregar isso.

 

Gardson entregou a loira um celular e se retirou, fechou a porta e pegou o seu telefone, abriu a caixa de mensagens e enviou ao Presidente que estava á espera da encomenda vinda da Lua.

 

Ele seguiu confiante pelo labirinto que era aquela fortaleza, quando o ensurdecedor barulho de helicóptero tomou os ares, ele já se encontrava parado no imenso pátio acinzentado onde no centro havia um heliporto. O monstro mecânico largo e azul aterrissou calmamente sobre o H vermelho no chão. Após alguns segundos a porta se abriu e de lá de dentro um homem de armadura militar fez uma saudação com a mão para Gardson, que retribuiu. Logo depois as encomendas começaram a sair.

 

De três em três os prisioneiros davam as caras, todos com a costumeira roupa laranja, e aparelhos por todo o corpo, para prevenir o uso de poderes em horas indesejadas. Primeiro saiu Angel Maximoff, a ruiva possuía uma beleza jovial, possuindo um nariz fino lábios grossos e encantadores olhos melados. O corpo um tanto magro mas desenhado estava escondido na camisa laranja de detenta. Aparelhos em sua cabeça, mãos, pés e tronco a faziam ela andar desconfortavelmente. Ela seguia calada, até ver Gardson.

 

- Vejam só! - Disse ela com um sorriso falso no rosto – O Salvador da Pátria! Viva oh santidade – Seu sorriso sumiu do rosto – Espero que você Brenner in der holle!

 

O movimento foi tão rápido que Gardson mal previu o cuspe vindo em sua direção. Os três guardas ali presentes agarraram Angel e inseriram uma seringa em seu pescoço, a mesma parou de lutar e caiu desacordada no chão.

 

Os outros dois que desceram com Angel foram Seok e Kyle, que ficaram em silêncio, apenas mandando olhares nervosos um para o outro. Mantendo apenas isso como comunicação.

 

Depois veio Anya, a beleza angelical da menina fora causadora de olhares dos guardas, os cabelos abaixo do ombro cor de mel, as feições angelicais contendo a grossa sobrancelha o nariz pequeno e os lábios carnudos e desenhados, o formato do rosto fino e pálido, os olhos esverdeados, tudo a deixava mais bela. A filha de um dos Mutantes mais conhecidos do mundo seguia desajeitada até a fileira de pessoas se formando na frente de Gardson.

 

Junto dela Enzo, o menino loiro de pele clara seguia o caminho analisando discretamente a menina pálida que ia na sua frente. Ele possuía uma barba grande, mostrando que a muito tempo não se barbeava. Os olhos castanhos escuros e o porte atlético fazem dele um galã de novela. Ele curiosamente estava com uma armadura que mal o deixava andar. Ele olhou para Gardson, e imediatamente seus olhos ficaram completamente pretos, fazendo Gardson se encolher. Logo depois voltaram ao normal.

 

A último a sair foi Rebecca. A morena do corpo esculpido estava a observar tudo em sua volta, o olhar de predadora pairando sobre todos aqueles estranhos, esperando o menor sinal para poder fugir daquele local. Remy estaria lá fora, em algum lugar. E Becca precisava encontra-lo, o pai provavelmente não sabia que ela estava presa, muito menos de que saíra da prisão. Ela precisava agir rápido, mas devia admitir que estava curiosa para saber o motivo dela e outros treze presos serem soltos de uma hora pra outra.

 

Foi quando Anya piscou o olho para Enzo que Becca percebeu o que estava acontecendo. O menino ficou com os olhos completamente pretos e levantou a cabeça. Imediatamente a armadura que o prendia fora envolta por uma espécie de manto escuro, os guardas mal prestaram atenção, o movimento não produziu barulhos e eles estavam ocupados por tirar a maca que trazia Lady Dead sedada. Um minuto depois, a armadura simplesmente havia evaporado de seu corpo, e ele estava livre. Ele conseguiu desprender os braços de Anya até ser percebido. Os guardas se apressaram em atirar, mas Enzo fora mais rápido e fizera um escudo de material escuro envolta de si. Anya abriu as mãos e as armas dos guardas voaram, logo depois ela se desprendeu por completo. Becca e Anya trocaram olhares rápidos, um segundo depois, Becca sentiu seu corpo desprender-se do mecanismo que a aprisionara .

Os três então viram-se em uma situação complicada, depois de atordoarem os guardas, eles ouviram os passos pesados de no mínimo dez homens, eles não teriam tempo de sequer desprender todos. No final eles soltaram Margot e Oscar, e pela falta de tempo não puderam soltar os outros. Os homens os alcançaram.

Doze homens cercaram os cinco Mutantes recém saídos de sedativos.

 

- É... Fodeu – Disse Margot.

 

Os homens apontaram as armas aos cinco rebeldes. A voz de Gardson ecoou por um auto-falante

 

- Rendam-se, Essa fortaleza está cercada pelo governo dos Estados Unidos da América.

 

- MANDA VER GARDSON! – Gritou Anya.

 

Anya ergueu as mãos e rapidamente tiras de metal deslocaram-se das paredes e pairaram sobre suas mãos. Margot pegou uma das armas dos soldados abatidos, deixando uma arma calibre 50 flutuando no ar, e entregando sua posição. Oscar tirou as suas luvas e apontou suas mãos para os homens armados. Enzo por sua vez apenas fechou os olhos. Becca fez um movimento estranho, e em sua mão brotou algo luminoso.

 

Seok e Kyle tentavam desesperadamente se soltar dos objetos que os prendiam, para ajudar os Mutantes que lutavam. A porta do helicóptero estava cerrada, e fortes pancadas podiam ser ouvidas. Lá dentro, Sônia, com a armadura que a prendia completamente, jogava-se para abrir a porta. Solaris que estava sedado, mal acordou. Lenny estudava indeciso o que fazer nessa situação. As possíveis direções a tomar. Dominika que estava com aparelhos sobre a cabeça não se conformava com a cena. Mesmo não se conhecendo, o instinto em ajudar a própria espécie, falou mais alto.

- Último aviso! Rendam-se ou seremos obrigados a atirar!

 

Com nenhum movimento vindo da parte dos Mutantes, Gardson deu a ordem para os soldados agirem.

 

O bombardeio de balas iniciara. Anya rapidamente fizera um escudo transparente sobre ela e Margot. Enzo dera um pulo alto e com um movimento circular, um longo chicote do material escuro se fizera em sua mão. Os homens atiravam sem parar, Oscar correra por entre as colunas de pedra pelo pátio. Os soldados se dividiram. Becca atingira uma coluna com o raio de sua mão.

 

Cinco seguiam a atirar em Anya e Margot, que por causa dos sedativos recentes, não suportaria nem mais um minuto com a chuva de balas sobre elas. Dois voltaram-se para Enzo, que agora chicoteava-os, os golpes pareciam causar mais efeito sobre o chão do que aos soldados. Ao parecer, Enzo defendia-se das balas com o chicote, não atacava os soldados. Oscar tocava em plantas e flores que cruzavam por sua trajetória. Os cinco homens e sua cola. Apenas para vê-las morrer com seus movimentos. Seok percebendo o estranho movimento dos parceiros, parara de lutar para desprender-se, '' Mas que merda eles estão fazendo?'' Becca misteriosamente sumiu de vista.

 

Anya desistiu de tentar erguer a parede protetora, Margot largou a arma e sumiu em uma neblina escura, aparecendo novamente em cima de uma coluna. Anya erguera novamente as vigas de metal. E errara miseravelmente ao joga-las nos soldados que atiravam ferozmente nela.

 

Dentro da Sala de Observação, Gardson não conseguia tirar o sorriso do rosto. O plano funcionara perfeitamente, os Mutantes cooperaram e estavam seguindo o plano. Pomodoro assistia a cena nervoso, Gardson não compartilhara com ninguém que havia forjado uma cena para impressionar o Senador. As coisas iam muito bem, até Zara aparecer na Sala.

 

- Ti...Gardson – Disse apurada – Preciso falar com o senhor...tipo, agora!

 

Pomodoro ajeitou-se para ver quem entrara, a imensa pança parecia um outro ser. O bigode branco e rebitado nas pontas davam a impressão de um padeiro italiano. Gardson perdeu o sorriso no rosto.

 

- Estou ocupado, Zara. - Disse sem jeito.

 

- Mas eu... - Zara fora interrompida por Pomodoro.

 

- Ah... então essa é Zara Azhar.

 

- Como ele...

 

- É uma ótima hora para falarmos... - Disse Gardson apressado em tirar Zara do recinto.

 

Ele acenou para Pomodoro, e puxou Zara para fora da sala.

 

- Zara, meu bem... - Ela revirou os olhos – Eu estou em um momento crucial... Depois conversamos, eu já lhe dei as informações da missão, e ela está em andamento.

- Eu sei Gardson, eu li o que dizia no celular – Ela estava sem fôlego – Mas eu previ uma coisa.

 

Pronto, era com essas palavras que Zara ganhava a atenção de Gardson.

 

Lá fora o tumulto planejado continuava. Os cinco Mutantes se juntaram, um cobrindo as costas dos outros. Anya erguia e errava as vigas, Enzo chicoteava o chão e defendia os outros das balas. Oscar tocava o chão verde até o mesmo escurecer. Margot ficava invisível e voltava a aparecer. Seok fora o único a perceber tudo. E o ódio por aqueles Mutantes terem concordado com aquele tratado absurdo o tomava. Imagens de Clara, a menina que fora morta em seus braços voltava a recorrer sobre sua mente, o último resquício de vida passar por seus olhos, o sorriso sumir, o coração e a respiração pararem por completo. Tudo fora causado por monstros irracionais, e aqueles Mutantes haviam se juntado para ridicularizar a sua raça. O ódio súbito se tornando cada vez mais presente, a necessidade de colocar tudo aquilo para fora era insuportável, ele precisava se acalmar.

 

Foi quando uma bala acertara o peito de Oscar. O mesmo desprevenido caíra sobre o chão imediatamente depois da bala a acertar. Anya, Enzo e Margot pararam, aquilo não estava no plano. Eles se entreolharam por logos segundos, e os soldados continuavam a avançar. Foi quando Margot assentiu com a cabeça que eles literalmente decidiram mudar um ''pouquinho'' o plano.

 

Anya e Enzo agiram juntos. Ele fizera um escudo negro sobre eles. Ela ganhando tempo fechou a mão, e a porta do helicóptero amassou com ferocidade. De lá, Sônia saltou em uma armadura que não a deixava se mover, que fora facilmente destruída por Anya. Lenny também saiu, com apenas uma algema e uma espécie de aranha mecânica em sua cabeça. Dominika saltou e começou a correr para salvar a vida de Oscar, ela levitou o menino, e começou a leva-lo em direção ao helicóptero, a chuva de balas sobre eles parecia forçar muito do poder de Enzo, ele segurava com força a parede de sombras. De repente um dos guardas parou de atirar, e sem mais nem menos pegou outro companheiro e roubou a arma do homem e o fez de refém. Tanto Humanos quanto Mutantes pararam de lutar, Seok que havia sido solto junto de Kyle, olhava para Lenny, sabendo que ele era o causador da ''traição'' do homem Humano. Angel ainda estava inconsciente mas na área protegida pelo escudo de Enzo. Dominika entrou com Oscar para dentro do helicóptero. Becca apareceu correndo e ficou sem saber o que fazer, ela energizou sua mão.

 

- Escutem! - A voz de Lenny saia da boca do homem, o que estava servindo de escudo humano, tentava se soltar. - Não queremos ferir ninguém, Apenas...

A voz de Gardson ecoou mais forte:

 

- PAREM DE LUTAR!

 

Mas foi quando uma voz mais conhecida fora ouvida, que todos gelaram.

 

- Parem o cacete! A diva poderosa arrebatadora de bundas moles ACORDOU!

 

 

 

Zara corria desesperada sobre a fortaleza. Precisava achar Luke antes que o pior ocorresse. Ela chegou na área dos presos, andou de bloco em bloco, até achar a ala nível Ômega. Três homens guardavam o local, Zara usou sua melhor atuação e fez um leve corte em sua testa usando a espada.

 

- RÁPIDO! – chegou ela, fingindo estar correndo – Gardson foi atingido, precisamos de todos os reforços AGORA!

 

Dois dos homens saíram correndo em direção á entrada, um ficou. Zara se sentiu um pouco culpada com o que acontecera a seguir. Ela bateu com toda a força que tinha com a AK-47 na cabeça do guarda, ele sem capacete caiu desacordado.

 

Zara roubou o cartão de acesso e entrou na imensa sala de tanques. Passou por estranhos seres até achar o menino ruivo. Ele estava acordado e nadava entediantemente sobre o tanque que estava, os respiradores em sua boca. Zara não acreditava no que estava fazendo, mas era necessário. Se aquilo que ela previra fora se tornar realidade, seria a última vez que viria o mundo. E ela temia muito isso.

 

Enquanto isso...

 

Pomodoro estava vermelho de raiva, Gardson desesperado exigia que os Mutantes se rendessem. O desespero presente deixava claro que aquilo não fora planejado. E Gardson não tinha ideia do que fazer.

 

Dominika não sabia o que fazer, não queria retirar a bala usando sua telecinése, Oscar poderia acabar morrendo se ela tremesse e fizesse a bala atingir um órgão. Quando ela chegou perto para tentar colocar a mão sobre o peito nú de Oscar, ele gritou, cuspindo um tanto de sangue:

 

- Não toque em mim! - Dominika se assustou e ficou parada. - Vá ajudar os outros... Eu sobrevivo.

 

Ela saiu, mas o que encontrou foi um tanto desesperador.

 

Um dos Humanos estava sendo controlado por Lenny e fazia um companheiro de refém. Os outros soldados estavam divididos em apontar a arma para o homem controlado, e para os Mutantes. O primeiro movimento fora de Lady Dead, ela atravessou o escudo de sombras de Enzo e caminhou lentamente em direção aos soldados, que instantaneamente encheram-na de tiros. Ela não desviu de nenhum, pelo contrário, deixou que todos os atingissem, o homem que estava sendo refém conseguira sair e Lenny não teve outra opção a não ser deixar o homem livre, pois ele não queria que os outros o matassem. Ele agora entrara no helicóptero, para tentar uma coisa um tanto arriscada.

 

Lady Dead entrara em combate diretamente com quatro soldados ao mesmo tempo. Margot ficara invisível e batia ferozmente em um soldado, que acabara de ser desarmado pelo vento. Kyle não queria prejudicar a audição dos companheiros então se aproximara furtivamente de um dos guardas e o apagara apenas com um rangido com a garganta. Sônia não suportou ficar sem fazer nada, e foi com tudo para cima de dois guardas. Lady Dead já havia abatido os quatro homens quando um dos soldados atirou bem em sua cabeça. Ela caiu no chão. O soldado achava que tinha a matado. Becca fora advertida por Seok a parar de atirar as rajadas, pois o impacto delas estava deixando estragos sobre o chão, dificultando a saída do helicóptero, ela decidiu ir ajudar Lenny.

 

Seok conseguiu congelar dois dos guardas, Dominika jogara as vigas que Anya soltara e derrubou mais dois guardas. Tanto Sõnia quanto Margot haviam terminado o serviço, então restava apenas um.

 

Lá dentro, Lenny e Becca tentavam acalmar Oscar. Que já havia perdido muito sangue e estava ficando inconsciente.

 

Foi quando tudo parou. O tiroteio, os gritos, os movimentos, o mundo parecia silencioso, os corpos não se moviam, apenas tinham consciência.

 

Zara aparecera acompanhada de um menino ruivo encharcado, ele erguia os braços para frente, e apenas eles dois se moviam no local.

 

- Ótimo pessoal! - Gritou Zara, ninguém entendera o que a menina loira estava fazendo, nem mesmo Gardson, que estava também afetado pelo poder de Luke. - A demonstração acabou...Luke?

 

Ela acenou ao menino, e ele abaixou os braços, e de repente todos ali caíram no chão, desacordados..

 

                                                                                         [***]

 

A cabeça de Gardson parecia que ia explodir, a sensação de pânico mal passara e já estava sendo substituída por puro medo. Pomodoro demorou a acreditar que tudo havia sido planejado. Ele poderia agora estar falando ao Vice-Presidente que o Projeto C seria uma péssima escolha, e Gardson não podia deixar seu plano falhar, não agora que chegara tão perto. Ele mandou Luke levar todos para as devidas celas na fortaleza e depois fez um acordo com o menino, de solta-lo 5 anos antes do previsto, apenas pela ajuda de hoje. O que de fato não iria acontecer.

 

Ele mandou os cientistas aplicarem o explosivo enquanto os presos estavam desacordados, e rezou por Solaris não despertar para a luta, com certeza isso seria uma derrota na certa.

 

Quando todos acordaram, ele fez questão de dobrar a intensidade dos mecanismos que os aprisionara, e testara o novo objeto que impedia o uso de poderes, uma espécie de chip colocado sobre a pele.

 

- Eu acho que devem estar felizes – Disse Gardson á todos, após acordarem – Quase que conseguem arruinar tudo, e devo admitir, subestimei vocês... Ué, não estou escutando nenhum comentário do tipo ''Vá se foder Gardson'' ou '' Vá tomar no cu Gardson'', não conseguem falar?- Todos estavam com uma simples fita adesiva sobre a boca. - Agora, quero explicar algumas coisas...

 

Primeiro... Esse tipo de comportamento NÃO será tolerado... até porque, agora vocês tem uma coisinha implantada no sangue de vocês, um veneno tecnológico, eu o chamo de '' Serpente Mecânica ''. Com apenas um botãozinho eu os mato na hora. E sim, certas pessoas tiveram um implemento... Nossa Querida Daniela Wilson por exemplo, não morrerá simplesmente, ela irá sofrer uma dor TÃO agoniante que terá vontade de se matar na hora. Ou o nosso amiguinho Solaris, ele terá a cabeça explodida e um esguichamento de sangue até morrer de hemorragia. Não me pergunte como, eu não gosto de saber sobre ciência sabe...

Segundo... Vocês serão conhecidos agora apenas por codinomes, que curiosamente todos possuem... E sua próxima missão será Sábado...

 

- O que caralhos esse autor tem com sábados? - Perguntou Daniela Wilson, que misteriosamente soltara a fita que prendia sua boca. - Ah já que estava sentindo falta Gardson... VÁ SE FODER GARDSON!

 

 

                                                                                                          [***]

 

 

Depois da irritante conversa com os escolhidos, Gardson voltou a sua sala. Um lugar grande, possuindo seu escritório, um quarto, uma sauna, um banheiro e o Descansador.

 

Gardson seguiu em direção á uma sala retangular, as paredes brancas juntamente com o piso davam a impressão de ser infinita. Gardson tirou a camisa, localizou o zíper na barriga e retirou a pele do hospedeiro velho que ele habitara a muito tempo, de dentro um ser saiu, ele ficou de joelhos e em uma língua estranha rezou ao pai.

 

- Oh minha prole – Respondeu o Soberano – Fez seu trabalho direito, tens o direito de repousar...

 

Gardson em sua verdadeira forma deitou-se sobre o chão branco, e deixou a víbora gigante pica-lo infinitas vezes...


Notas Finais


No próximo capítulo... A origem de Solaris



E eu queri fazer um joguinho... como eu odeio deixar um clima formal nas minhas fanfics, eu proponho um DESAFIO:

Quem mandar a melhor cantada nos comentários, terá o direito de perguntar o destino de um dos 14 personagens ( fora o seu ), sabe na previsão da Zara no último cap?? Então sejam criativos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...