História Division - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 18
Palavras 907
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Mecha, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


(Leitura opcional)
Prólogo

Em 2035 o Brasil se uniu ao Uruguai, e Argentina, criando o Estados Unidos do Sul. Nos primeiros anos tudo funcionou na mais perfeita paz, pelo menos até os Estados Unidos o chamarem para um projeto secreto: O Projeto Pax, que se trata de um acordo que sela a paz em todos os países e regiões do mundo. Porém nada funcionou como o esperado. A tecnologia que seria utilizada nesse projeto agora foi utilizada para guerras, guerras que acabaram com dois terços da humanidade. Hoje, os Estados Unidos do Sul chama-se : Ordem e Progresso em Busca de Paz (OPBP)

Capítulo 1 - Do you believe in peace?


Fanfic / Fanfiction Division - Capítulo 1 - Do you believe in peace?

Era um dia escuro, como todos os dias em Nod. Franklin estava na janela do que restou de seu apartamento, Jimmy estava no quarto, cuidando de sua mãe e de sua irmãzinha, que tentava dormir naquele lugar escuro, sombrio e gelado. Franklin assim como todos, estavam com fome, sujos, não trocavam de roupas a meses, as ruas estavam abandonas, haviam restos de carros, escombros, sujeira e o mato já crescia, mal se podia respirar, o ar estava completamente poluído, o céu era negro faziam anos desde que Franklin havia visto a luz do Sol, ele ainda era criança, tinha menos de seis anos, por isso não se lembrava dos detalhes.

— Como queria poder ajudar a mãe. — Disse Jimmy furioso.

— Não adianta ficar com raiva, você já deu o resto de milho a ela? — Perguntou Franklin

— Sim, mas ela preferiu dar a Aninha, já procurei em tudo mas não tem mais comida, nem água.

— Diga a ela que vou ao mercado com Lisa, cuide dela.

— Tudo bem.

Franklin foi até o apartamento de Lisa, ele tocou umas três vezes, quando ia bater mais uma vez viu Lisa, ele a convidou para ir ao mercado, ela disse que já estava para ir também, e os dois foram. Franklin nunca gostava de ir ao mercado, haviam muitas pessoas perigosas lá, muitos eram assaltados e era uma fortuna cada comida, por isso sempre ia ao mercado com Lisa, eles dividiam o dinheiro e ele sempre protegia ela. Nessa época os mercados eram únicos, por isso eram quilômetros até encontrar um. No meio do caminho Lisa fez a mesma pergunta que faz todas as vezes:

— Por que não compramos uma bicicleta, ao invés de você construir uma? 

— Já estou terminando Lisa, falta apenas mais um pneu, e alguns parafusos.

— Tudo bem, não se esqueça de me chamar quando você terminar.

— Não vou esquecer!

Horas mais tarde, próximo a quatro horas da tarde, chegaram ao mercado, era sempre aquela mesma visão, pessoas chorando, senhoras sendo lançadas contra as paredes, crianças levando chutes, e de vez em quando se ouvia um tiro. Franklin e Lisa, entraram rápido, pegaram duas latas de milho e de arroz, correram para o caixa, com o mesmo senhor mal humorado, de roupas rasgadas e uma longa barba:

— Não, com essas moedas você só pode pagar uma lata de feijão! — Ele disse resmungando.

—  Mas eu comprei quatro mês passado! — Disse Franklin.

— Garoto, se você e sua namoradinha não vão comprar nada dê o fora! — disse o senhor se levantando e furioso.

— Não, não eu pago! — disse Franklin.

Os dois logo pegaram a lata de feijão, e saíram de lá rápido, Franklin odiava ir ao mercado com Lisa, pois sempre via a sua expressão de dó ao ver todas aquelas pessoas magras, chorando, com fome, gemendo de dor e fome, algumas até com crianças ao colo. Franklin pediu para que ela saísse logo, sem olhar para as pessoas. Franklin voltava cada vez mas indignado, o preço aumentava toda a semana, e eram dias trabalhando na coleta de lixo, para conseguir uma moeda. Todos os empregos desapareceram, o único que restou foi a coleta de lixo, para enfim conseguir um emprego como empregado dos ricos. Todo o décimo quinto dia de todo mês, um grupo da OPBP se reúne na avenida B-23, antiga avenida paulista, para a seleção de novos recrutas (empregados) para trabalharem exclusivamente para os ricos.

Os dois finalmente saíram do mercado e voltaram para suas casas, a essa hora já era noite, e as ruas ficavam extremamente perigosas. Até que os dois pararam, ouviram uma voz, procuraram de onde vinha aquela fina voz. Lisa apontou para um carro, Franklin se virou e viu um homem, estava de branco, bem vestido, mas ferido, e sujo. Lisa foi correr para ajudar, mas Franklin a impediu, se aproximou do homem e perguntou:

 

— Quem é o senhor? não temos mais feijões! Não temos nada! 

— Me ajude, ajud....

Franklin e Lisa foram até ele, ofereceram um gole de água, o homem estava com um grande arranhão no braço. Então com dificuldade ele disse novamente

— O governo, ele quer aniquilar. tod... todos vocês, os ricos possuem um gra... um conforto, um,,, uma tecnologia que os permite, viv... viver sem esse ca......

— Mas que tecnologia? — perguntou Lisa

O homem lentamente fechou os olhos, havia falecido, Franklin pediu para que fossem logo embora, antes que alguém visse. Então voltaram para o prédio. Ao chegarem lá Lisa apenas se despediu de Franklin, não disse mais nada a não ser uma coisa:

— Será, que aquele homem estava dizendo a verdade?

— Eu não sei, mas to sentindo que em breve vamos descobrir. — Disse Franklin.

Jimmy, ao ver Franklin apenas com meio saco de feijão ficou furioso com Franklin, mas Franklin logo esclareceu tudo. A mãe deles, estava pedindo para não brigarem, ela lentamente se levantou foi até a cozinha, pegou uma sacola, e retirou dela oito moedas e disse:

— Jimmy, amanhã, vá ao mercado de novo com Franklin. Franklin, tome mais essas duas moedas, junte com as moedas de Lisa e compre mais duas latas.

Ambos tiveram que concordar. No dia seguinte Franklin chamou Lisa, estavam saindo do prédio, quando viram pessoas correndo de um lado para o outro, acima haviam dois jatolicópteros, Jimmy perguntou a um homem o que estava havendo e o homem disse:

— É a OPBP, eles querem fazer uma checada em todos os jovens entre quinze e vinte e dois oito anos agora na avenida B-23!


Notas Finais


Obrigado por ler!
Acha que eu posso melhorar? Viu algum erro? Por favor comente :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...