História Promessa entre irmãos: uma lenda medieval! - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 9
Palavras 1.441
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 25 - Viginti quinque


Chris estava em um ambiente estranho. Era totalmente escuro, mas não como o local por onde ele e seus amigos estavam viajando, e estava sozinho. O rapaz olhou para todos os lados, procurando alguém ou qualquer coisa. Ao olha para si, Chris se viu com seis anos de idade outra vez, ele voltou a ser um garotinho pobre novamente, sem sua arma e seus itens. O pequeno Chris começou a andar pela escuridão devagar, esperando encontrar um rosto amigo.

- Olá? Tem...alguém por aí? – Perguntou o garoto, com medo.

De repente, bem na frente do rapaz, uma luz vermelha intensa se acendeu. Chris teve de cobrir seus olhos um pouco, pois a luz era muito forte. Ao olhar melhor para frente, Chris pôde ver duas grandes sombras adiante, de um homem e de uma mulher, lado a lado. O rapaz sentiu muita nostalgia e paz ao encarar aquelas duas sombras, Chris começou a chorar de felicidade e a correr em direção a elas.

- MAMÃE! PAPAI! – Gritou o garoto, chorando e correndo sem parar.

Porém, antes que pudesse chegar mais perto, uma sombra maior apareceu por trás das sombras de seus pais. A terceira sombra tinha chifres na cabeça, asas grandes e garras...Era a sombra de Deysmon. A sombra do demônio surgiu e pegou as sombras dos pais de Chris, e, usando suas garras, as despedaçou bem na frente do garoto. Chris pôde ouvir as sombras de seus pais gritarem, e a sombra do demônio rindo. O rapaz estava apavorado, tremendo; Deysmon começou a olhar para o garoto, e começou a esticar seu braço, de sombra, na direção do garoto. Chris começou a correr na direção oposta sem parar.

- ME DEIXA EM PAZ! – Gritou o garoto, apavorado.

No momento em que a grande sombra da mão de Deysmon o atingiu, Chris abriu seus olhos, ofegante e bem assustado. O rapaz se sentou e começou a olhar para si mesmo, vendo que estava normal e que havia tido apenas um sonho; ao seu lado estavam seus amigos, ainda dormindo, e Eiden, ainda como dragão, os protegia com suas asas. Chris se levantou com cuidado, e saiu de baixo da asa do amigo; ao fazer isso, viu que o céu ainda estava escuro, mas a chuva já havia parado. Chris, de pé, respirou e inspirou várias vezes, segurando seu colar com força, tentando se acalmar.

- “O que houve Chris?”.

- Ah...Não foi nada! Desculpa se o acordei... – Disse Chris, se virando para o dragão. – Com o céu assim, fica difícil saber quando é dia ou noite...Eu perdi o sono, é por isso.

- “É verdade...Se é assim, está na hora de partirmos. Já estou mais descansado.”

Eiden se levantou e contraiu suas asas, ele bateu sua cauda no chão de leve, para acordar os companheiros que ainda dormiam.

- Bom dia, boa tarde ou boa noite meus amigos! – Disse Chris, rindo dos amigos.

- Bom dia...eu acho... – Disseram Feanor, Penny e Clare, bocejando.

Então, Eiden se deitou novamente e voltou para sua forma humana. Ele parecia exausto, e dava para se ver alguns hematomas aparentes em seu corpo. O rapaz se virou no chão, para ficar de barriga para o alto, e suspirou aliviado.

- Não dói fazer isso? Mudar seu corpo tão drasticamente assim... – Perguntou Chris, curioso.

- Dói sim, mas já me acostumei com isso. Fazer isso exige muito da minha energia, quanto mais tempo passo em uma forma, mas difícil é para eu me manter em outra. Por isso que não me transformei antes. – Explicou Eiden, ainda deitado. – Se eu fortalecer meu corpo mais ainda, porém, essa limitação deixará de existir.

- Estou vendo que seus machucados são mais internos... – Disse Feanor, olhando para seu amigo. – Vou preparar um remédio para você tomar. Clare, ajude-me aqui com um pouco de luz.

- Claro! – Disse Clare, indo até o elfo.

- Vou pegar nossa comida então! – Disse Penny, mexendo em sua bolsa.

Feanor preparou um coquetel de ervas medicinais para Eiden, não era um remédio saboroso, mas ajudou a aliviar as dores do dragão e curaria seus ferimentos com o tempo. Todos beberam e comeram um pouco e, enquanto isso, Chris não parava de olhar para Eiden.

- Hum...Tem algo que queira falar? – Disse Eiden, incomodado.

- Estou surpreso em ver que, realmente, suas roupas estão intactas! Nossa! – Disse Chris, rindo.

- Tantas coisas para dizer, e foi logo isso!? – Disse Feanor, suspirando.

- Ainda bem! Com a falta de matérias que estou, não conseguiria fazer mais roupas. – Disse Penny, aliviada.

- Eiden, agora que pode cuspir fogo, sua habilidade com o gelo se foi? – Perguntou Clare, curiosa.

O rapaz dragão olhou para a grama no chão, ele soprou levemente e um pouco da vegetação terrestre congelou, como se tivesse ocorrido uma geada.

- Não, ainda posso fazer isso. Como faço isso há muito tempo, é mais fácil. Terei que me acostumar com o fogo apenas. – Disse Eiden.

- Que incrível, agora pode atacar com dois tipos de elemento! – Disse Chris, sorridente.

- Como sei usar magias de fogo um pouco, eu posso te ajudar a fortalecer a sua. O seu poder é magia também, afinal. – Disse Clare, gentilmente.

- Sim, muito obrigado. – Agradeceu Eiden, contente.

- Mesmo assim, nossos treinos ficam para depois de sairmos deste lugar escuro. – Disse Feanor, sério. – Mas Eiden, eu gostaria de saber uma coisa: por que conseguimos ouvir sua voz ontem?

- Ah! É verdade! Na grande floresta, só eu pude ouvi-lo! – Disse Chris.

- Dessa vez foi diferente, eu tive a intenção de me comunicar com vocês. Esse tipo de comunicação é feito pelo laço que o dragão tem com os outros, quanto mais forte, mais fácil e poderosa é a comunicação. – Explicou Eiden. – Agora que somos todos amigos, temos um laço forte para que possam me ouvir enquanto fera.

- Vamos continuar então? Dessa vez sem pisar em nenhum gigante de pedra eu espero... – Disse Chris, se levantando.

Os viajantes seguiram o caminho juntos, novamente com Eiden na liderança. Depois de horas, e horas andando sem nenhuma grande mudança de clima ou de cenário, Chris começou a andar na frente.

- Chris, espera! É perigoso ir andando na frente assim! – Disse Feanor.

- Não se preocupem, nada aconteceu até agora! Vai ficar tudo-

Chris sumiu da vista dos seus amigos de repente e, em seguida, eles começaram a escutar uma risada bem alta e esganiçada, acompanhada de pequenos tremores.

- Onde está o Chris!? – Disse Clare, preocupada.

- Que barulho horrível é esse!? E esse tremor...É um gigante de novo!? – Disse Penny, preocupada.

- COMIDA! COMIDA! COMIDA FINALMENTE! – Cantarolava a voz misteriosa, rindo e se aproximando dos viajantes.

Feanor preparou seu arco e Clare usou sua magia de fogo para dar luz ao local, com isso, eles puderam ver a criatura parada bem na frente deles.

- Um troll... – Disseram Feanor, Eiden e Penny, nervosos.

O troll era grande, mas não tanto quanto um gigante de pedra; a criatura era muito feia e toda deformada, ela levava uma grande foice presa por uma corda em sua cintura e usava um colar feito de vários crânios em volta do pescoço. A criatura olhava como uma criança para os quatro viajantes.

- Elfo...Fada...Maga...e...hum...Ah! Dragão! – Disse o Troll, apontando para cada um dos viajantes. – Ué? Mon sentiu cheiro de humano...Cadê humano?

- Saia daqui! – Disse Penny, usando sua magia para atacar o troll com uma raiz.

O ataque de Penny atingiu o rosto do monstro, que só sofreu um leve arranhão, mas ficou bem furioso.

- FADA MÁ! – Gritou o Troll, usando sua mão para pegar Penny.

Penny escapou de primeira, mas não esperava que o monstro usasse a outra mão logo em seguida. O troll conseguiu pegar a fada com violência, ele apertou bastante as mãos, para fazer com que Penny desmaiasse.

- PENNY! – Gritaram os amigos, preocupados.

Clare usou suas chamas nas pernas do troll, que começou a pular para trás por causa da dor; logo em seguida Feanor usou uma de suas flechas e acertou bem no olho direito da fera, que berrou de dor e retirou a flecha logo em seguida. Antes que os viajantes pudessem fazer mais alguma coisa, o troll levou Penny, que estava desmaiada, até perto de sua boca aberta.

- NÃO FAÇA ISSO! – Gritaram os viajantes, parando de agir.

- Mon come fada! Se vocês machucar Mon de novo! – Disse o Troll. – Vocês vir comigo! JÁ!

Os viajantes se renderam, o Troll os pegou com sua outra mão e também usou a força para que desmaiassem. O monstro começou a andar de volta pelo caminho que veio, enquanto Chris estava desmaiado no fundo de um buraco. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...