História Prometida - Capítulo 43


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bastian Schweinsteiger, Cristiano Ronaldo, Erik Durm, Lukas Podolski, Manuel Neuer, Marcelo Vieira, Marco Reus, Mario Götze, Mesut Özil, Miranda Kerr, Olivier Giroud, Toni Kroos
Personagens Mesut Özil, Miranda Kerr, Olivier Giroud
Exibições 417
Palavras 1.068
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oie pessoas!!
Boa Leitura!

Capítulo 43 - Capitulo extra


Fanfic / Fanfiction Prometida - Capítulo 43 - Capitulo extra

Flash back on:

Desde o dia que o Real Madrid recebeu a visita de pequenos órfãos refugiados, Mesut está inquieto. Já o perguntei algumas fezes o que ele está sentindo, mais ele não quis se abrir.

- Amor... – ele me chama.

Ele estava com Mira no colo enquanto assistiam a um desenho.

- Oi. – respondo e vou até eles.

- Eu... eu... eu andei pensando e... – ele gagueja.

Espero ele falar, mais ele parece ter pedido a voz.

- Mesut, assim eu estou ficando preocupada... – digo.

Ele suspira.

- Lembra do dia que recebemos a visita de algumas crianças refugiadas? – ele pergunta.

- Claro que sim, desde esse dia você está estranho. – digo.

Ele sorri de lado.

- Eu conheci um garotinho... ele tem três anos e é turco... – ele começa.

Vejo os olhos dele brilhar.

- Os pais dele acabaram morrendo em um dos confrontos entre os soldados e as pessoas que são contra o governo. O único parente que ele tinha era um primo, que tentou fugir com ele para cá... mais ele também acabou morrendo, afogado. – ele fala.

Sinto um aperto no meu peito.

Como uma criança de três anos pode sofrer desse jeito?

- Ele é incrível Joana, mesmo tendo vivido dias difíceis ele é sorridente, ele realmente parece uma criança feliz... – Mesut fala e seus olhos brilham.

Mesmo sem ouvir da boca dele, eu entendi o que ele queria me pedir.

- Quando eu vou conhecer esse garoto incrível? – pergunto sorrindo.

Ele ri um pouco.

- Podemos fazer uma visita ao abrigo, o que você acha? – ele pergunta.

- Eu vou adorar... – digo.

- Se você gostar dele e ele da gente... nós poderíamos... – ele para de falar e fica me olhando.

Balanço a cabeça positivamente.

- Eu acho que essa casa é grande demais para nós três, precisamos de um pouco mais de bagunça e mais sorrisos... – digo sorrindo para ele.

A expressão de felicidade de Mesut me fez ter certeza que faríamos a coisa certa.

Flash back off:

Dois dias depois daquela nossa conversa, nós visitamos o orfanato e foi impossível não me apaixonar por Mustafa. Nós então passamos a ir lá com frequência e também entramos com o pedido de adoção.

A dois dias a nossa advogada me ligou dizendo que nós tínhamos ganhado a guarda de Mustafa e eu me controlei muito para não deixar essa noticia escapar. Guardei essa noticia comigo, para que Mesut fosse surpreendido no dia do seu aniversario com a presença do nosso filho.

O Real Madrid viajou para Sevilla para enfrentarem o Betis. Eles foram antes de ontem e fizeram um jogo fantástico ontem. A volta seria logo depois do jogo, mais o tempo ruim fez com que eles ficassem mais uma noite lá.

Hoje pela manhã, bem cedo, eu fui buscar Mustafa. O tempo que fiquei esperando a coordenadora ir buscar ele pareceu uma eternidade.

Quando ela apareceu com ele, assim como na primeira vez que o vi, meu coração se acelerou de tal forma, que ali eu soube que ele era o meu filho. Eu o abracei e não queria mais soltar ele. Foi tanto tempo na fila de espera, ouvimos tantos “eu gosto de vocês” “quando eu vou embora com vocês?” , que quando eu realmente podia fazer isso eu não consegui controlar minhas lagrimas.

Mira, apesar de não entender muita coisa, apertou a gente naquele abraço gostoso.

- Mumu. – ela diz.

Dou risada.

Sempre levamos ela para as visitas, para ela ir se acostumando com Mustafa e o laço que eles criaram foi incrível. Apesar de ter pouco mais de um ano, ela tinha personalidade forte mais ela pareceu ser amolecida pelo irmão.

- Vamos para nossa casa? – pergunto a ele.

Ele balança a cabeça positivamente com um largo sorriso nos lábios.

Peguei todos os documentos dele e algumas coisas que ele que separou para levarmos para casa.

Quando chegamos em casa, a casa estava vazia. Agradeci a Alá por Mesut ainda não ter chegado, queria uma surpresa completa.

A cozinha já estava arrumada para a nossa “festinha”, tínhamos balões com o nome e a idade de Mesut, o bolo dele e é claro, os nossos filhos. Vesti Mira e Mustafa com a camisa da seleção com a numeração do pai e ficamos a espera dele.

Enquanto esperávamos, Mira parecia não acreditar que Mustafa estava ali. Toda hora ela cutucava ele ou dava alguma coisa para ele. Eu observava tudo maravilhada.

- Amor! – escutamos Mesut gritar.

- Se escondam. – digo baixinho para as crianças.

Eles vão para debaixo da mesa.

- Aqui na cozinha! – grito de volta.

- O tempo virou logo na hora de virmos... queria ter acordado aqui, com vocês... – ele entra na cozinha falando.

- O que importa é que você chegou. – digo e me levanto para beijar ele.

- Cadê a Mira? – ele pergunta quando partimos o beijo.

Dou risada.

- Eu não sei... – digo.

Mira não segura o riso e ele já tem uma ideia de onde ela está.

- Onde será que a minha princesa se meteu? – ele pergunta mais alto.

Ouvimos risadinhas debaixo da mesa e ele me olha estranhando, porque foi perceptível uma segunda risada.

- Quem é? – ele gesticula com a boca.

- Vai ver. – digo.

Ele franze o cenho mais vai.

Quando ele se abaixa para encontrar as crianças, ele intercala o olhar varias vezes entre mim e eles.

- Feliz aniversario, amor... – digo sorrindo.

- Feliz aniversario! – as crianças gritam saindo debaixo da mesa.

Mesut se senta no chão parecendo não acreditar. As crianças o abraçam e ele sorri feito bobo.

- Você não me contou nada... – ele diz me olhando.

- Era para ser o seu presente de aniversario, quer dizer, o nosso presente. – digo com os olhos marejados.

Batemos parabéns para ele e tiramos algumas fotos. Agora, que oficialmente Mustafa era nosso filho, nós resolvemos compartilhar a nossa felicidade com todos. Postamos a nossa foto e na legenda “we Keep this love in a photograph...”.

Mesut e Mira não conseguiam deixar Mustafa por um segundo sequer, mostraram a casa toda a ele e por fim o seu novo quarto. Quarto que começou a ser montado quando entramos com o processo de adoção.

De algum jeito, a vida sempre se encarrega de nos entregar as partes que faltavam em nossas vidas. Foi assim comigo e Mesut, com o nascimento de Mira e agora, com a chegada de Mustafa.

 


Notas Finais


O aniversário do zoiudinho já passou, mais ele me deixou muito inspirada e eu decidi fazer um capitulo extra!!!
Espero que tenham gostado!!
Bjssss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...